Adarb aponta irregularidades nos Baús


Tatiata (E) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa para apresentar o relatório de irregularidade / Foto: Jonas Lemos Campos/Alesc

Comissão da AL virá ao município para verificar se procedem as denúncias.

Dois anos e meio após a segunda maior tragédia climática da história do país, a reconstrução na região dos Baús, onde 35 pessoas morreram em 2008, está atrasada e com diversos problemas. É o que aponta um relatório da Associação dos Desabrigados e Atingidos da Região dos Baús (Adarb) divulgado semana passada na Assembleia Legislativa em Florianópolis. O documento será encaminhado ao Ministério Público, para que providências sejam tomadas.

A presidente da Adarb, Tatiana Reichert, falou na tribuna da Assembleia Legislativa sobre o relatório. Segundo ele, em dois anos e meio, não houve dessassoreamento de ribeirões, contenções de encostas não foram concluídas e algumas casas foram construídas em locais de risco. Nas obras realizadas, há problemas na nova pavimentação e três pontes feitas no ano passado já foram danificadas ou totalmente destruídas nas chuvas do dia 21 de janeiro deste ano.

“Não vimos um ano de trabalho no desassoreamento, apenas de limpeza, enquanto, pelas nossas contas, os R$ 3 milhões destinados para este fim poderiam custear seis máquinas trabalhando 12 horas por dia durante 365 dias e ainda sobrava dinheiro. Também não sabemos se existem estudos de impacto ambiental”, disparou na tribuna a presidente.

Para a redação do Jornal Metas, Tatiana reforça a situação da Escola Alberto Schmitt, que teve o ginásio praticamente destruído pela tragédia e até agora não foi reformada. A contenção do morro ao lado do colégio não foi feito, colocando em risco os alunos que estudam no local. “A reconstrução do Baú praticamente não ocorreu e as obras realizadas são de péssima qualidade. Queremos saber para foram todos os recursos aplicados por todas as esferas na região. Não vieram? Onde estão?”, critica Tatiana.

A Comissão Permanente de Defesa Civil da Assembleia Legislativa irá visitar o Baú na tarde do dia 23, para conhecer de perto, os problemas relatados pela Adarb. O pedido foi feito pela deputada Ana Paula Lima (PT), que auxiliou a Adarb na elaboração do relatório.

Prefeito diz que obras são do Estado

Os problemas denunciados no relatório da Adarb sobre a reconstrução do Baú são, em sua maioria, obras executadas pelo Deinfra, um órgão estadual. A afirmação é do prefeito de Ilhota, Ademar Felisky (PMDB). Segundo ele, situações como o ginásio da Alberto Schmitt e as pontes que caíram no começo do ano são ações diretas do Estado, que não passam pelo crivo do Executivo municipal. “As obras que nós estamos fazendo estão todas corretas. Os recursos vieram do Ministério da Integração Nacional, foram licitadas e estão em andamento ou concluídas. A exceção é a pavimentação da estrada que liga o Baú Central ao Braço do Baú. A qualidade do serviço ficou baixa, mas  já tomamos providência”, garante Felisky.

Fonte: Jornal Metas.

Anúncios

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s