Jogo Oasis é apresentado como política pública no Conselho de Governos da UN-HABITAT

Uma vez a cada dois anos, a UN-HABITAT – agência da ONU dedicada às ocupações humanas movida pelo objetivo de garantir habitação adequada para todos –  organiza um conselho onde se delibera sobre diretrizes a serem implementadas nos países membro. Este é o Conselho de Governos da UN-HABITAT e a sua última edição aconteceu entre os dias 11 e 15 de abril em Nairóbi, Quênia. Durante o conselho, as apresentações e defesa de resoluções, bem como a sua votação, acontecem em eventos fechados com acesso restrito e controlado por seguranças da ONU. Uma agenda de eventos paralelos, que inclui uma exibição de boas práticas, garante a participação da sociedade civil.

Em Nairóbi, o Instituto Elos esteve presente com um estande onde apresentou o uso do Jogo OASIS como ferramenta de política pública, apresentando a iniciativa realizada com a Agência Brasileira de Cooperação na comunidade São Paulo em Guiné Bissau, projeto que conta com a participação do Ministério das Relações Exteriores – Agência Brasileira de Cooperação, Unesco, Ministério da Educação/ SECAD – Programa Escola Aberta, Fundação Gol de Letra, Instituto Elos, Instituto dos Arquitetos do Brasil ( IAB DF),  Associação de Moradores Amizade,  Secretaria da Cooperação Internacional do Ministério de Negócios Estrangeiros e Ministério da Educação de Guiné Bissau.

Mais do que um espaço de exposição, o estande se tornou um ponto de encontro para jovens, instituições e governos interessados em processos participativos. As conversas inspiradoras que aconteceram ai promoveram o feliz encontro entre os jovens do Cooperativa Habitacional Kaswesha e os jovens Guerreiros Sem Armas João Scarpelini e Jane Nduku.

Conheça os detalhes do evento e dos desdobramentos no relatório online (http://issuu.com/Elos/docs/relatorio_unhabitat)

Anúncios

5 de junho, dia mundial do Meio Ambiente

No dia 05 de junho é comemorado o Dia do Meio Ambiente. Para celebrar, oPrograma das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA  elegeu a Índia como país-anfitrião em 2011, onde serão realizadas diversas atividades. O tema deste ano é “Florestas: a Natureza a Seu Serviço”.

Índia foi escolhida por ser uma das economías que mais cresce no mundo e que está adotando um proceso de transição para uma “economia verde”. Este ano, Mumbai e Nova Deli serão palco da celebração, que irá enfatizar como asações individuais podem ter impactos exponenciais, com uma variedade de atividades, como: plantar árvores em escolas, dias sem carro, concurso de fotografias sobre as florestas, viagens para a observação de aves, limpezas de parques, exposições, entre outras.

Mas as comemorações não serão apenas no país asiático: o objetivo do PNUMA é envolver pessoas de todos os países e superar o resultado de 2010, onde mais de 112 países realizaram atividades. Você também pode – e deve – participar. Veja como:

Mostre o que você faz pelo meio ambiente

Reúna seus amigos, colegas, parentes e quem mais puder e realize realize uma ação relacionada aos cuidados com o meio ambiente. Ações simples como plantar uma árvore ou usar bicicleta ao invés de carro são exemplos. Depoiscadastre no site do PNUMA  e mostre ao mundo inteiro o que você fez. Lá é possível enviar fotos e vídeos, para ilustrar melhor a sua ação. Quando você for registrar a sua atividade do WED, você será questionado se deseja registrar sua atividade em nome do Don Cheadle ou da Gisele Bündchenque se enfrentam em um desafio ambiental.

Blogueiro na Índia

Se você tem um blog, gosta de fazer posts sobre asuntos ambientais e tem curiosidade de conhecer o país-anfitrião do Dia do Meio Ambiente, participe do concurso de blogs realizado pelo PNUMA. O responsável pelo blog que vencer a disputa ganhará uma viagem à Índia.

Além destas atividades, o site já tem várias publicações sobre a data, comonotícias e informações sobre florestas.

Aberta inscrição de projetos para Praças do PAC

Aberta inscrição de projetos para Praças do PAC

Programa atende prefeituras e DF e prevê 800 praças para os próximos quatro anos.

A seleção de projetos das Praças dos Esportes e da Cultura foi aberta pelo governo federal nesta quinta-feira (19). O programa, chamado inicialmente de Praças do PAC, vai integrar, no mesmo espaço físico, ações das áreas de cultura, esportes, formação e qualificação para o mercado de trabalho, serviços socioassistenciais, políticas de prevenção à violência e inclusão digital. As 361 prefeituras e o Distrito Federal terão 120 dias para apresentar projetos para a Caixa Econômica Federal, órgão responsável pela liberação dos recursos. A contratação deve ser feita 60 dias após a entrega do projeto à Caixa; e as obras, em até 180 dias após a contratação.

“As Praças do Esporte e da Cultura são a tradução do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), voltadas diretamente ao reconhecimento qualificado da cidadania, principalmente para as comunidades social e economicamente vulneráveis”, avalia a ministra da Cultura, Ana de Hollanda.

Ao longo de quatro anos, serão construídas 800 praças no valor total de R$1,6 bilhão. Nessa primeira seleção, serão 401 praças, no valor previsto de R$900 milhões. “Com esses recursos do PAC, vamos garantir equipamentos de esporte e cultura para as áreas mais carentes das grandes cidades brasileiras”, afirma a ministra do Planejamento, Miriam Belchior. “O objetivo é estabelecer uma parceria com as prefeituras”, acrescenta.

Multissetorial

A ação interministerial envolve as pastas do Esporte, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, da Justiça, e do Trabalho e Emprego. O Ministério da Cultura vai coordenar, monitorar e avaliar a aprovação e a execução das propostas selecionadas. Depois da finalização das obras, as Praças passam para a responsabilidade das prefeituras e do governo do Distrito Federal, que cuidarão da manutenção e gestão. Toda documentação necessária está disponível na página eletrônicawww.pracasdopac.gov.br.

Modelos

Serão três modelos básicos para as construções. O modelo de 700 m² prevê praça coberta e pilotis; pista de skate; equipamentos de ginástica; duas salas de aula; duas salas de oficina; Telecentro; Centro de Referência da Assistência Social (Cras); biblioteca e cineteatro/auditório com 48 lugares. Será adotado por 22 cidades.

O modelo de 3 mil m² – a ser implantado em 328 municípios – inclui um Cras, duas salas multiuso; biblioteca; telecentro; cineteatro/auditório com 60 lugares; quadra poliesportiva; pista de skate e equipamentos de ginástica; playground e pista de caminhada.

O modelo de 7 mil m² – que vai para 51 cidades – tem Cras; duas salas multiuso; biblioteca e telecentro; cineteatro com 120 lugares; pista de skate; equipamentos de ginástica e espaço criança; quadra poliesportiva coberta e quadra de areia; jogos de mesa e pista de caminhada.

Distribuição das Praças por região:

  • Sudeste: 164
  • Nordeste: 110
  • Sul: 67
  • Norte: 34
  • Centro-Oeste: 26

Cronograma (*)

  • Preenchimento do Plano de Gestão das Praças dos Esportes e da Cultura: até 15/07/2011;
  • Apresentação, pelos proponentes, dos projetos de engenharia adaptados às condições do terreno e às especificidades locais e demais documentações técnicas, jurídicas e institucionais à Caixa: até 16/09/2011;
  • Em caso de apresentação de nova proposta arquitetônica ou não cumprimento das especificações contidas no Manual, com envio do projeto para aprovação pelo MinC: até 14/10/2011;
  • Contratação da operação: até 60 dias após a entrega do projeto à Caixa;
  • Início da obra com recurso do repasse: até 180 dias após a contratação.

(*) Considerando o prazo mais amplo de todas as etapas de preparação, as construções iniciarão até junho de 2012.

Alexandre Blok: a agonia da poesia anterior à Revolução Russa

O poeta foi o mais influente escritor modernista da Rússia nos anos imediatamente anteriores à revolução. Seu grande talento pôde tornar também o movimento simbolista a principal corrente da poesia russa na primeira década do século XX.

Alexandre Blok situa-se entre os maiores nomes da poesia da Rússia modernista. Foi o mais influente poeta moderno anterior à Revolução Russa de 1917. Maiakovski era um grande admirador de sua obra. Anna Akhmátova, Marina Tsvetaeva, e mesmo o mais jovem Vladimir Nabokov escreveram importantes tributos poéticos em sua memória.

Hoje, sua importância foi empalidecida pelo tempo, e mesmo no Brasil, sua obra é ainda praticamente desconhecida, com apenas algumas magras traduções de seus poemas mais importantes.

Para se ter uma melhor idéia do alcance de sua poesia basta lembrar a afirmação da já velha Lila Brik (antiga paixão de Maiakovski), de que Maiakovski mesmo não acreditava que um dia pudesse chegar a ter um pouco da popularidade que tinha a obra de Blok entre a população russa.

Foi graças ao talento de Blok que o simbolismo adquiriu importância e influência na Rússia, tornando-se a principal corrente da chamada “Era de Prata” da poesia russa, situada antes de 1917.

O poeta teve também destacada importância na formação do teatro simbolista russo, autor de dramas em versos que foram levados aos palcos por Vsevolod Meierhold anos antes do diretor tornar-se mundialmente famoso com seu teatro biomecânico. Este simbolismo elevado à categoria de grande arte nacional pelo poeta tornar-se-ia o ponto de partida dos mais importantes representantes das vanguardas artísticas no país nos anos seguintes. Maiakovski escreveu versos simbolistas na adolescência. Outros cubo-futuristas foram também, em algum momento, simbolistas, como Khlébnikhov; mesmo o pintor Vassili Kandinski escreveu poesia simbolista sob a influência de Blok.

Quando acontece, porém, a Revolução, Blok, como toda uma geração de poetas já estabelecidos antes de 1917, sofrem com particular intensidade o enorme choque cultural desencadeado pelas transformações revolucionárias na Rússia. Fazendo um esforço descomunal, Blok, ao contrário dos outros simbolistas, consegue aproximar-se na nova cultura e da nova classe que emergira com Outubro. Ele concebe aí seu poema mais significativo, Os Doze, um retrato mítico e épico da vitória dos bolcheviques sobre o czarismo. Esta, porém, é sua última realização, seu último esforço criativo, sucumbindo, doente, alcoólatra e depressivo em meio às duras condições de vida durante os anos da guerra civil.

Começos

Alexandre Alexandreovich Blok era membro de uma família da aristocracia intelectual de São Petersburgo. Neto do antigo reitor da Universidade de São Petersburgo, Alexandre era filho de um professor de Direito da Universidade de Varsóvia, que era também talentoso músico amador. Sua mãe era poetisa e tradutora. O futuro poeta nasceu, portanto, em um ambiente cultural rico e estimulante.

Seus pais se separaram logo na ocasião de seu nascimento e o garoto passou assim toda a primeira infância sob os cuidados do avô materno, o botânico Andrei Beketov, residente na grande mansão de Shakhmatovo, nos arredores de Moscou. Quando sua mãe obteve legalmente o divórcio, em 1889, tomou novamente consigo o filho para morar com ela em seu novo apartamento.

Alexandre era um assíduo leitor da biblioteca de sua mãe, onde conheceu as obras de Fiodor Tiútchev e Afanasi Fet. Durante a adolescência, já escrevia versos, mas foi apenas aos 18 anos que começou a pensar com mais seriedade em tornar-se escritor.

Ele tornou-se aluno de Direito, na Universidade de São Petersburgo, mas abandou o curso pela metade. Transferiu-se então para a Divisão de História e Filosofia, onde permaneceu até pegar o diploma, em 1906.

Já decidido a viver de poesia, Blok conheceu cedo outros futuros membros do movimento simbolista russo então em fase de gestação, os poetas Vladimir Soloviev e Andrei Biely.

Seus primeiros poemas foram publicados já em 1903 na revista O Novo Caminho, de D. S. Merezhkovski.

A primeira coletânea poética de Blok foi Stikhi o prekrasnoi Dame (Versos para uma Bela Dama), publicado em 1904. A obra fora realizada sob inspiração de uma experiência mística e de seu envolvimento amoroso com Liubov Mendeleieva, filha do renomado químico russo Dmitri Mendeleiev, com quem Blok se casara um ano antes. Os versos deste livro apesar de fortemente simbolistas, reverberavam influências românticas ao exaltar uma musa semi-humana e semi-divina:

No templo de naves escuras,

Celebro um rito singelo.

Aguardo a Dama Formosura

À luz dos velários vermelhos.

À sombra das colunas altas,

Vacilo aos portais que se abrem.

E me contempla iluminada

Ela, seu sonho, sua imagem.

Acostumei-me a esta casula

Da majestosa Esposa Eterna.

Pelas cornijas vão em fuga

Delírios, sorrisos e lendas.

São meigos os círios, Sagrada!

Doce o teu rosto resplendente!

Não ouço nem som, nem palavra,

Mas sei, Dileta – estás presente.

O simbolismo russo

Surgimento do simbolismo na Rússia representou, como nos demais países europeus, uma reação às correntes realistas e naturalistas, principalmente na literatura. Nas artes plásticas, o simbolismo foi uma resposta à preponderância da Escola Impressionista.

Iniciado na França, o simbolismo foi exportado para o resto do mundo principalmente através dos influentes trabalhos de poetas franceses como Verlaine, Rimbaud e Mallarmé; mas também dos trabalhos do dramaturgo suíço Auguste Strindberg, do belga Maurice Maeterlinck e do norueguês Henrik Ibsen. Obras que tiveram grande influência sobre toda uma geração de escritores na Rússia.

A primeira geração de simbolistas russos surge ainda na década de 1890, mas chamava a atenção por seu amadorismo. Eram em geral poetas de segunda linha, que refletiam em suas produções, o atraso geral da cultura russa em relação à cultura da Europa Ocidental. Uma verdadeira tradição modernista na poesia russa só foi possível graças ao surgimento de novos grupos e novas publicações que passaram a divulgar em círculos mais amplos da intelligentsia russa as obras e ideias modernistas européias.

O mais importante destes grupos era o chamado Mundo da Arte, que passou a publicar uma revista de mesmo nome a partir de 1898, editada por Serguei Diaguilev, futuro promotor dos balés russos. Ao lado de Diaguilev circulavam também outros intelectuais que viajavam freqüentemente para a Europa e foram capazes, por assim dizer, de romper a barreira de isolamento existente entre a Rússia o ocidente. Entre os mais destacados nomes da nova geração de artistas do simbolismo estavam os poetas Andrei Bieli e Alexandre Blok e o diretor teatral Vsevolod Meierhold, que se aproxima do grupo mais tarde.

Esta segunda geração simbolista atinge sua maturidade artística nos primeiros anos do novo século, desenvolvendo-se ao longo das duas décadas seguintes e extinguindo-se abruptamente poucos anos depois da Revolução de 1917.

Seus interesses giravam em torno da valorização das emoções, da vida espiritual e subjetiva do indivíduo. Os melhores entre os simbolistas buscaram se debruçar sobre os problemas universais da coletividade humana, seu destino social e os problemas morais derivados daí. Estes ideais os levam a romper com as tradicionais formas realistas buscando colocar no primeiro plano as reflexões e problemas existenciais que eram característicos de uma época de crise, de pessoas voltadas para si mesmas e não para a realidade exterior.

Não foi por acaso, portanto, que os anos mais importantes para a consolidação do simbolismo russo tenham sido os do período imediatamente posterior à derrota da Revolução de 1905, quando o refluxo temporário do movimento operário e das forças revolucionárias tinham levado parte expressiva da intelectualidade a se voltarem para si mesmos, para suas frustrações e desmoralização pessoal.

A poesia de Blok expressava este mal estar generalizado da mediocridade da vida nestes anos. Era a poesia das evocações por um futuro melhor, daí a orientação progressista de sua obra que preservariam sua sanidade nos anos mais agudos da crise revolucionária russa.

A parceria Blok-Meierhold

Versos para uma Bela Dama tornou-se conhecido e festejado em pequenos, mas importantes círculos de literatos em São Petersburgo. Foi intensamente saudada tanto pelos simbolistas da velha geração, quando pelos jovens Andrei Bieli e Valeri Briusov. Alexandre Blok, em pouco tempo estava escrevendo também para as revistas simbolistas, como Balanço.

Apesar da sublimação presente em todos os poemas desta obra, é perceptível uma crescente nota de perturbação e um tom de súplica que chega à fronteira do desespero.

Em contato com outros simbolistas, a obra de Blok a partir 1904 passa a apresentar novos padrões de ritmos e a abordar temas ligados à vida urbana nas grandes cidades. Nos anos que se seguem, sua fama crescente o tornaria um dos mais influentes poetas da Rússia anterior à revolução.

Ele era já um poeta relativamente conhecido em 1906, quando se formou na Universidade de São Petersburgo. Neste ano o diretor teatral Vsevolod Meierhold interessou-se em apresentar nos palcos petersburgueses um “drama lírico” – como o poeta chamava suas peças em versos – de Blok, Balagántchik (A Barraquinha de Feira). Esta parceria com Meierhold seria um dos mais importantes acontecimentos do movimento simbolista russo.

Meierhold era um dos mais talentosos diretores teatrais da nova geração, era também um dos bastiões do modernismo russo. Em 1906 ele havia recém chegado das províncias e aproximou-se do movimento simbolista de São Petersburgo. Ele conhece Blok nas reuniões de simbolistas que aconteciam às quartas-feiras à noite na “Torre”, como era chamado o movimentado apartamento de Vsiévolod V. Ivánov, destacado intelectual russo.

Meierhold, ex-discípulo de Stanislavski, estava decidido de uma vez por todas a romper com o teatro naturalista de seu antigo mestre. O simbolismo surge diante dele como uma ferramenta ideal para isso. O diretor participa com os demais artistas, da criação do teatro Fákeli (As Tochas).

Uma arlequinada simbolista

É neste momento também que surge o interesse de Meierhold de adaptar para o teatro o texto de Blok. A peça estréia ainda em 1906, meses mais tarde, nos palcos do Teatro da Komissarjévskaia, em uma montagem que seria tida como um marco no desenvolvimento do teatro simbolista e a evolução do modernismo teatral russo de um modo geral. É importante destacar que a Rússia neste momento, e desde Stanislavski, era a principal capital internacional do teatro.

Nesta adaptação de Meierhold, ele colocava em prática suas principais idéias artísticas em nome de um teatro de síntese, onde todos seus elementos constitutivos, texto, atuação, figurinos, cenário, iluminação e música, eram usados a serviço da revelação de uma verdade interior do texto, através de um tratamento não naturalista. A parceria Blok-Meierhold é um dos grandes momentos da carreira de ambos os artistas.

A Barraquinha de Feira era uma versão simbolista dos espetáculos da commedia dell’arte italianos, mantendo suas personagens. Ele usa o tradicional triângulo amoroso entre o Arlequim, a Colombina e o Pierrô, para narrar um trágico relacionamento amoroso que fazia parte da lírica de muitos simbolistas. A Colombina de Blok é uma dama fatal que seduz a todos por mero prazer. Com um texto de alto teor lírico ele questiona a realidade da vida e do sonho utilizando os próprios recursos ilusionistas do teatro, como na cena em que um palhaço é golpeado na cabeça por um dos guardas e cai se debatendo no chão aos berros: “Socorro! Estou me esvaindo em suco de groselha!”, ao mesmo tempo em que de fato verte suco de sua roupa.

Nesta tragédia-bufa, Arlequim termina desiludido com sua Colombina de papelão nas mãos. Inconsolável, ele salta ao parapeito da janela, recita versos sobre seu desprezo por uma sociedade de homens de papelão, e salta para a morte, mas rasga o papel do cenário e cai no chão, à vista do público, onde revela-se também aí a farsa, o subterfúgio cênico, a tragédia artificial do palhaço.

A crise pessoal

Alexandre Blok escreveria ainda outros textos teatrais de importância, como Korol na plóschadi (O Rei na Praça) e Nieznakomka (A Desconhecida), que, juntamente com o texto anterior, constituem sua mais importante trilogia teatral, concluída em 1907. Outro drama lírico de importância era A Rosa e a Cruz, de 1913, baseado em romances medievais franceses. Este texto foi ensaiado no Teatro de Arte de Moscou, mas nunca chegou a estrear.

De 1907 data sua segunda coleção poética, Radost Nechayannaya. Desde esta época ele passou a desenvolver um estilo cada vez mais agitado e sonoro, que teria grande influência entre os escritores de sua geração. A despeito de sua crescente influência, pessoalmente, Blok vivia depressivo e se sentia um fracassado.

Seu casamento havia se tornado cada vez mais tumultuado também, com crescentes brigas domésticas entre o casal. Um período de reconciliação aconteceu em 1909, quando o casal viajou pela Itália, período de tranqüilidade em que ele concebeu a obra Poemas Italianos.

A crise, porém, não era meramente casual. Coincidia com o período de esgotamento do próprio movimento simbolista russo. Blok tinha perfeita consciência disso, e o sentia intensamente. Em um prefácio escrito por ele em 1919, para o poema Vozmedie (Nêmesis), Blok esclarece: “O ano de 1910 significa a morte de Komissarzeskaia [a atriz Vera Komissarzeskaia], a morte de Vrublel [o pintor Mikhail Vrubel, que enlouquecera] e a morte de Tolstói. Com Komissarzeskaia desapareceu do palco a nota lírica; com Vrubel, o titânico mundo individual do artista, a tenacidade louca, a insaciabilidade de pesquisas conduzidas ao limiar da demência. Com Tolstói morreu a ternura humana, a humanidade sábia. Além disso, 1910 significa a crise do simbolismo, de que então se escrevia e falava muito, seja no campo dos simbolistas, seja no de seus adversários. Naquele ano deram a se conhecer, sem incertezas, algumas correntes literárias que se mostraram antagonistas tanto do simbolismo quanto umas das outras: o acmeísmo, o ego-futurismo, e os primeiros embriões do futurismo [o cubo-futurismo, grupo de Maiakovski]. O lema da primeira dessas correntes literárias era o homem: mas um homem de certa forma já diferente, um homem absolutamente desprovido de humanidade, uma espécie de ‘Adão primordial’”.

Em 1910, também Blok começou a trabalhar em um poema épico dedicado a seu pai, realizado nos meses que seguiram à sua morte. Durante mais de uma década, Blok trabalharia no livro Vozmezdie, que ele nunca conseguiria dar forma final, apesar de nunca ter abandonado o trabalho sobre ele até sua morte. O poema narrava a história familiar do poeta como uma alegoria da história russa, sendo atualizado com o passar dos anos, até abarcar a “ressurreição espiritual” do país após 1917. Este longo poema inclui ainda diversos episódios históricos da Rússia, como a vitória dos russos sobre os mongóis em 1380.

A Guerra e a Revolução

Quando começa a Primeira Guerra em 1914, o poeta passa a trabalhar como funcionário em uma empresa de engenharia que atuava nas frentes de batalha sob as ordens do Exército imperial.

Ainda sob a guerra, nos primeiros meses de 1917, ele escrevia em seu diário sobre um sonho: “Eu sentia que um grande evento estava chegando, mas o que era exatamente não me foi revelado”. Quando acontece a Revolução Russa, poucas semanas depois, Blok a apóia e a comemora como um evento “espiritual” do país. Esta interpretação mística e religiosa ao acontecimento, apesar de toda a incompreensão, ajudou a manter Blok alinhado às forças transformadoras do país.

Após a revolução, Blok torna-se membro dos comitês que dirigiam os teatros do Estado e presidente da seção de Petrogrado dos Poetas da União. Ele permanece exercendo estas ocupações durante todo o período da Guerra Civil, se afastando somente por motivos de saúde.

Data desta época a obra-prima de sua poesia uma grandiosa epopéia em versos que era o retrato heróico e fantástico da maneira como poeta entendeu aquela revolução. O poema era Dvenadtsat (Os Doze)publicado em 1918. Neste texto poderoso, se combinam gritos de guerra, lamentos, comentários irônicos e palavras de ordem correntes naqueles anos de luta e guerra civil. Procurando aproximar sua poesia dos sons dissonantes e contraditórios daquela revolução, Blok se utiliza de diferentes ritmos, lança mão de onomatopéias, exclamações e versos musicais.

Seu poema não é, no entanto, uma obra que reflete a atitude e a mentalidade daqueles que fizeram a revolução. É ao contrário, a última badalada do relógio que anunciava a morte daquela corrente artística que se tornara decadente e anacrônica após a Revolução, um movimento místico, individualista, fantasioso, que só conseguia entender a realidade através das lentes turvas da religião e da fé mística, e não na compreensão concreta dos fatos.

Os Doze

Os heróis deste grande poema épico são doze soldados vermelhos – que correspondem aos doze apóstolos bíblicos. Eles caminham vigorosamente pelas ruas da capital desolada, sob o uivar dos ventos de uma tempestade, marchando sobre a neve e empunhando suas baionetas com a bandeira vermelha ao ombro. Eles avançam implacavelmente pela libertação do mundo. Em uma das fortes passagens do poema eles encontram um burguês na encruzilhada:

“Eis o burguês, um cão sem osso,

Taciturna interrogação,

E o mundo velho – frente ao moço –

Rabo entre as pernas como um cão”.

(…)

“… Lá se vão sem santo e sem cruz

Os doze, pela estrada.

Prontos a tudo,

Presos a nada…”

O vigor e a brutalidade da guerra civil são perfeitamente captados nesta grande poesia, transbordando de cada detalhe da ação, dos cenários desolados, cobertos de neve, às falas entrecortadas da multidão atônita e confusa ao verem passar os soldados da revolução:

“Vermelho-aberta,

A bandeira.

todos alerta,

Em fileira.

Arma teu guante

O adversário…

E a neve com seu cortante

Açoite

Dia e noite…

Avante, avante,

Povo operário!”

É uma obra impressionante, uma realização permanente do período da revolução. Apesar disso, a alta carga religiosa que surge em diversas passagens da obra, revelava o próprio impasse em que se encontrava o artista. Como outros poetas, ele aguardara com ansiedade a Revolução, que abraça e apóia como sua. Ao tentar aproximar-se dela, porém, se defrontou com uma barreira invisível, sua total incapacidade de compreensão da essência daquelas transformações. A base social que formara sua mentalidade e sua poesia se tornara já parte do passado remoto da Rússia Romanov. Em seu movimento de se desligar do passado, Blok caiu, porém, em um completo impasse espiritual na medida em que não conseguia compreender a natureza dos acontecimentos que testemunhava. Apesar de seu entusiasmo inicial, esta crise se aprofundaria rapidamente nos anos seguintes.

Entre a doença e a loucura

Nos meses seguintes, ele cada vez mais se afastaria das posições revolucionárias, vítima de suas próprias contradições ideológicas.

Blok permanece os últimos três anos de sua vida, sem escrever um único poema. Ao seu amigo, Maximo Gorki, ele revela ter perdido sua “fé na sabedoria da humanidade”, ou, sua confiança na revolução. Sobre seu silêncio poético ele declarara a outro amigo, Kornei Chukovski: “todos os sons pararam. Você consegue perceber que não há mais nenhum som?”.

Entre seus últimos textos estão os ensaios O Declínio do Humanismo e O Chamado do Poeta, ambos de 1921. Nos dois artigos, Blok expressa suas inquietações pessoais e a maneira oblíqua como entendia sua época. Neste último texto, bastante significativo, reivindicando Puchkin, ele desenvolve o tema do conflito entre a individualidade do poeta e a coletividade social.

Vítima de uma enfermidade grave, nunca diagnosticada, Blok, em meados de 1921, estava desnutrido e apresentando sintomas de doença mental, mantendo-se sempre alcoolizado e em estado depressivo. Após uma recomendação médica para que ele procurasse tratamento na Europa, Blok foi atrás do visto para atravessar a fronteira. O país, porém, vivia ainda os últimos meses da guerra civil, impedindo a saída ou entrada de qualquer pessoa do país sem motivos excepcionais. Gorki interveio então em seu favor, apelando a Anatoli Lunatcharski: “Blok é o melhor poeta da Rússia. Se você proibi-lo de ir para o estrangeiro e ele morrer, você e seus companheiros serão culpados por sua morte”. A autorização, porém veio tarde, em 10 de agosto. Alexandre Blok morrera apenas três dias antes, a 7 de agosto de 1921, vítima de uma enfermidade nunca esclarecida, mas, certamente, conseqüência das duras condições materiais da vida naquele período.

Seu trabalho continuou a ser publicado na União Soviética nos anos seguintes, mantendo ainda a influência do poeta sobre os jovens escritores da revolução.

Fonte: Site da Causa Operária.