A máfia e as empresas envolvidas na fraude contra saúde

Caro amigo! Recebi um email muito interessante e ao mesmo tempo curioso e estranho, porém, quero compartilhar com você este importante informação.

Este link http://pt.scribd.com/doc/56031640/untitled (podes ficar tranquilo, pois não é vírus!), fala tudo sobre a máfia e as empresas envolvidas na fraude contra saúde e por favor, se possível, encaminhe ao seu Prefeito!

Há mais uma empresa que tem que ser tratada como inidônea, é a Diprolmed que inclusive esteve envolvida com os medicamentos falsificados em 1999. Esse link foi disponibilizado pelo jornalista Grizzoti da RBS.

Divulgue este material a todos que lhe interessar.

Baixe o documento investigativo da Polícia Federal por este link (Operação Saúde). O relatório fala da Representação por medida cautelar de busca e apreensão, prisões preventivas, prisões temporárias, arresto de bens, bloqueio de ativos financeiros e impedimento de participação em licitações.

Anúncios

Programação da ordem de apresentação das bandas

Cartaz do Ilhota Rock Festival 2011

A Organização do Ilhota Rock Festival em reunião na última quarta-feira, dia 08/06, definiu a ordem de apresentação das bandas da edição 2011 e hoje estamos divulgando a deliberação. Confira aqui neste posts, a escalação da programação oficial e a ordem de apresentação das bandas selecionas para edição da do Ilhota Rock Festival 2011:

  1. Etílicos e Sedentos – Brusque/SC (apresenta-se das 20h às 21h).
  2. Helvéticos – Bombinhas/SC (apresenta-se das 21h às 22h).
  3. Marujo Cogumelo – Xanxerê/SC (apresenta-se das 22h às 23h).
  4. Páginas em Branco – Ilhota/Balneário Camboriú/SC (apresenta-se das 23h às 0h).
  5. Lasttape – Curitiba/PR (apresenta-se das 0h às 1h).
  6. O Mar de Quirino – Florianópolis/SC (apresenta-se das 1h às 2h).
  7. Motel Overdose – Florianópolis/SC (apresenta-se das 2h às 3h).

As bandas terão um tempo de apresentação de 45 minutos à uma hora e a ordem de apresentação poderá sofre alteração desde que haja acordo e consenso entre os grupos. O encerramento do festival está estimado a concluir as 3h da manha do dia 18.

Banda Babi Jaques e Os Sicilianos no projeto “Olha minha banda (Rock in Rio)”

Esse vídeo conta um pouco da história da banda Babi Jaques e Os Sicilianos, dividido em quatro capítulos onde os quatro integrantes são respectivamente os narradores de cada um. O filme foi desenvolvido para o programa Caldeirão do Huck, quadro “Olha Minha Banda” (Rock in Rio).  Video produzido pela banda, uma produção caseira e amadora.

Para Conhecer melhor o trabalho da banda que fez história no Ilhota Rock Festival 2010, acesse o link http://www.myspace.com/babijaqueseossicilianos.

Tecnologia da Informação para vigiar fronteiras

Capacidade logística das forças armadas será utilizada pelos policiais para chegar a pontos remotos do território/ Fot

Operações se concentram em 27% do território nacional e serão acompanhadas online pelo comando em Brasília.

O Plano Estratégico de Fronteiras prevê a intensificação da presença das forças policiais e militares numa área de 2.357 milhões de quilômetros quadrados, o que equivale a 27% do território nacional. A faixa de fronteira se projeta por 150 quilômetros para dentro do Brasil a partir da linha divisória com os dez países vizinhos. As forças armadas serão os principais provedores de soluções de logística para as operações, que serão acompanhadas online pelo comando militar e policial em Brasília. Representantes das três forças e de todos os órgãos de segurança atuarão de forma integrada.

Algumas operações serão coordenadas pela Polícia Federal, por exemplo, com o apoio da Marinha, Exército e Aeronáutica. Em outras, a coordenação partirá das Forças Armadas, com suporte dos órgãos de segurança “Saímos das operações combinadas e passamos a uma operação conjunta das forças federais”, afirma o ministro da Defesa, Nelson Jobim. As ações também contarão com dados produzidos pelos órgãos do Sistema Brasileiro de Inteligência (Sisbin).

A integração entre as Forças Armadas e órgãos de segurança pública terá um comando único, algo inédito nesse tipo de operação. O acompanhamento e a coordenação das ações do plano serão realizados a partir do Centro de Operações Conjuntas (COC), sediado no Ministério da Defesa, em Brasília. “Será dessa sala que será possível acompanhar todas as operações no País”, ressalta o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

Força Nacional

Além dos militares, que tradicionalmente operam com algum tipo de quartel general para controlar operações, o Ministério da Justiça conta com o Centro de Comando e Controle Integrado (CCCI), inaugurado no início deste ano, após o desastre na região serrana do Rio de Janeiro. A Força Nacional usou o CCCI como uma forma rápida de passar informações à população e aos agentes de segurança pública.

O CCCI inclui dados de ocorrências e atividades desenvolvidas diariamente pelo efetivo no Sistema de Gerenciamentos da Força Nacional, que é composta por policiais militares, bombeiros militares, policiais civis e peritos dos estados, além de policiais federais e policiais rodoviários federais. O Centro analisa e torna públicos os fatos inseridos no sistema pelos usuários cadastrados nas operações, funcionando 24 horas por dia.

Equipamentos de comunicação

Os militares treinaram o uso de um sistema de comunicação integrado da três Forças em maio, durante a Operação Amazônia 2011 – o décimo exercício desse porte realizado pelas Forças em sete municípios e uma comunidade indígena  da região. Em tempo real, os comandantes coordenaram as atividades de cerca de 4,5 mil militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica.

Em videoconferências via satélite diárias foram feitas para afinar a comunicação do comando com a tropa e com o público, que pode acompanhar pela internet. “Temos que trabalhar logisticamente. E aqui na Amazônia as dificuldades dessa natureza são enormes”, afirmou, durante o exercício, o Chefe do Estado-Maior do Comando Conjunto da Operação Amazônia 2011, General Paulo Humberto Cesar de Oliveira.

O exercício envolveu 14 aviões da Força Aérea Brasileira (06 caças A 29; 02 C105; 01 C99; 01 KC137; 02 C130; 02 helicópteros H6OL); 08 helicópteros do Exército; 07 navios da Marinha, entre eles, um navio hospitalar, que irá realizar, ao longo da operação, ações cívico-sociais às comunidades ribeirinhas. Ainda 08 embarcações; 02 balsas e 02 rebocados/empurrado.

A operação foi desenvolvida em uma área de aproximadamente 800 mil quilômetros quadrados, abrangendo os municípios de ManausSão Gabriel da CachoeiraTefé, Coari, Japurá, Fonte Boa, Jutaí e Yauaretê.

Nuclear nos outros é refresco

O Greenpeace foi ontem até a embaixada da Alemanha em Brasília para expor uma contradição do governo de Angela Merkel, que apresentou um plano para livrar seu país da geração nuclear até 2022, mas manteve o financiamento alemão que viabiliza a construção da usina nuclear de Angra 3.

Apesar dessa estranha concepção de que o que não é bom para a Alemanha é bom para o Brasil, Merkel pelo menos tomou uma atitude contra uma forma de energia que, como provam Chernobyl e Fukushima, não é apenas cara mas extremamente perigosa.

Merkel não está sozinha. Na esteira do acidente com os reatores de Fukushima, vários outros países – China, Suíça, Estados Unidos – reviram as políticas de expansão de seus parques nucleares ou apertaram os requerimentos de segurança. Aqui, o comportamento do governo em relação ao assunto tem sido caracterizado pela mais absoluta falta de transparência.

Nem a ciber carta que dirigimos à Dilma depois de Fukushima conseguiu quebrar o silêncio do governo sobre nuclear ou decidir de forma clara sobre o futuro energético do Brasil. A carta foi assinada por quase 40 mil pessoas que continuam sem resposta sobre seu pedido para suspender a construção de Angra 3. Essa postura é um claro sinal de que precisaremos redobrar nossos esforços para livrar o país desta geração de energia cara e suja. E a sua participação, apesar de não demover Dilma, é um imenso incentivo a nós do Greenpeace. A todos que assinaram a carta, nosso mais profundo obrigado.

Fique de olho na campanha de energia do Greenpeace.

Campanha do Desarmamento ganha telefone 194 para informações gratuitas

Campanha Nacional do Desarmamento 2011: Tire uma arma do futuro do Brasil passa a contar com o telefone 194. Foto: Divulgação MJ

Mais uma opção para quem quiser participar da Campanha Nacional do Desarmamento 2011 – Tire uma Arma do Futuro do Brasil. Desde o início desta semana, o cidadão também pode tirar dúvidas e dar sugestões sobre a iniciativa por meio do telefone 194, a Central de Atendimento da Polícia Federal. A ligação é gratuita e pode ser feita das 7 horas às 19 horas, de segunda a sexta-feira.

O objetivo da campanha é sensibilizar a população e recolher o maior número possível de armas de fogo. Estudos como o Mapa da Violência 2011 mostram redução nos índices de criminalidade, principalmente no número de homicídios, no período de realização das campanhas anteriores.

Para facilitar o recolhimento, há quatro novidades na edição deste ano: o anonimato para quem entregar a arma; a inutilização do material no ato da entrega; a agilidade no pagamento da indenização (que pode ser sacada após 24 horas e em até 30 dias); e a ampliação da rede de recolhimento de armas.

Unidades da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal funcionam como postos de recolhimento. À medida que os estados se engajam na campanha, amplia-se a rede de coleta também com a participação de guardas municipais e organizações não governamentais, diz o Ministério da Justiça.