BB e Correios serão parceiros no Banco Postal

A parceria entre os Correios (ECT) e o Banco do Brasil para a implantação dos serviços do Banco Postal foi oficializada nesta quarta-feira (15) em Brasília. O Banco Postal tem como objetivo levar serviços bancários à população que ainda não tem acesso ao Sistema Financeiro. Com um lance de R$ 2,3 bilhões, o Banco do Brasil foi o vencedor da licitação realizada pela ECT no final de maio para escolha do parceiro no Banco Postal. O contrato será assinado no dia 1º de julho, para início da prestação do serviço em janeiro de 2012.

A parceria será importante para a concretização dos projetos de modernização da ECT – possibilitados pela reforma do Estatuto da empresa – segundo o presidente dos Correios, Wagner Pinheiro de Oliveira. “Temos projetos para modernizar a rede, afinal o dinheiro vem de um parceiro que quer uma rede modernizada, com boa tecnologia, para que a empresa atenda corretamente a população, o que é nossa primeira obrigação”, explicou.

Brasil Sem Miséria

O Banco Postal se consolidou na prestação de serviços bancários básicos em todo o território nacional, com atenção especial à população de baixa renda. Desde a sua criação em 2002, tem participado do compromisso do governo de promover a inclusão social. A rede postal possui uma infraestrutura que será disponibilizada ao Programa Brasil Sem Miséria buscando viabilizar a inclusão social, reforçar a segurança financeira das pessoas e criar oportunidades para que elas possam se integrar melhor à vida econômica.

Anúncios

Homens são presos por receptação em Ilhota

Luiz Rinco e Luiz Carlos de Souza foram presos por receptação / Foto: Divulgação/PC

Luiz Fernando Rinco e Luiz Carlos de Souza foram presos no fim da tarde de ontem (14) por receptação. Após denúncias de que na região do Alto Baú, em Ilhota, haveria uma motocicleta furtada, policiais civis de Gaspar e Ilhota se dirigiram até o local e encontraram a moto em posse de Luiz Fernando Rinco. A motocicleta, uma Honda/Tornado, havia sido furtada em uma residência no dia 16 de maio deste ano, em Blumenau. Além da motocicleta, vários outros produtos foram furtados da casa, entre eles um capacete da marca ASW que foi recuperado pela Polícia Civil na residência de Luiz Carlos de Souza. O jovem confessou que vendeu a motocicleta furtada para Luiz Fernando Rinco por um valor muito baixo. Os dois homens foram encaminhados ainda

Mortal Kombat: Legacy – Episódio 4

Episódio 4

Kitana e Mileena (Parte 1)

Bonito, atlético, e treinados como assassinos altamente qualificados, Kitana e Mileenacresceram pensando que elas são irmãs. Shao Kahn, imperador do Outworld, Shang Tsung tem enganado a tornar-se seu servo de Mortal Kombat, fazendo-o Mileena clonecomo um clone de Kitana Tarkatan, por medo de Shao Kahn, Kitana não amo o suficiente para se ela já descobriu o verdade sobre sua mãe e pai.

Dois Sorrisos

Clipe resultado da ação Móveis Cupidos de Acaju, realizada em Brasília no dia 12 de junho de 2011. Ao longo do dia dos namorados, o Móveis em parceria com o Leoni, se viraram e encantaram vários casais apresentando a música inédita em serenatas sob encomenda via skype para todo Brasil. Divirta-se e emocione-se com o resultado dessa ação.

Educação de crianças do novo milênio

6º Encontro de Educação para as crianças e jovens do 3º Milênio. Vale a pena conferir a programação. Vídeo sobre a Pedagogia 3000. Mais informaçõeshttp://pedagogia3000-brasil.blogspot.com/.

Crise burguesa e despertar político na Europa

Dois processos de signo oposto compõem a situação política da Europa. De um lado há uma quebra do projeto econômico e político construído pelas classes dominantes na União Européia (UE). Basta ler os jornais para perceber como o otimismo que reinou nas duas primeiras décadas de existência da EU (os anos 80 e 90), deu passos em direção ao ceticismo cada vez maior sobre o presente e o futuro incerto de seu projeto. Os fatos mais preocupantes são o estancamento econômico global e a crise aguda de alguns de seus países-membro (Espanha, Grécia, Irlanda, Portugal, Islândia). De outro lado, um despertar do movimento de massas. Contagiados pela revolução árabe, os jovens espanhóis tomaram as ruas e praças com um novo movimento político, que em certo sentido nos lembra o Maio francês. A Espanha bate péssimos recordes, e atinge 20% de desemprego. Por sua vez, o movimento de massas na Grécia se radicalizou e a última greve geral exemplifica. O continente com mais tradução de lutas dos trabalhadores despertou, abrindo uma nova vaga na luta de classes do continente.

Um projeto em crise

EuropaA UE foi um sério e ambicioso projeto do imperialismo europeu para fortalecer suas burguesias no período Reaganiano de ofensiva neoliberal. Talvez o mais importante projeto do imperialismo europeu em meio século. A idéia de uma nova ordem mundial estável, criada a partir da queda do “socialismo real”, tem como UE como peça chave. O projeto teve seu momento de esplendor com a queda do Muro de Berlim. Avançou com a incorporação de praticamente todos os países do Leste, relançando o capitalismo em economias como a Polônia, e outros países orientais que apresentavam a vantagem da mão de obra barata. Essa unidade, porém, significou a precarização do trabalho em diversos países, e a criação de um vasto exército de reserva, engrossado pelas fileiras imigrantes da América Latina e especialmente da África e da Ásia. A unidade interna da Alemanha, o centro da unidade européia, permitiu ao imperialismo arruinar com as conquistas históricas da classe trabalhadora alemã, os melhores salários da Europa. Permitiu também que o conjunto da burguesia imperialista avançasse sobre leis e conquistas sociais em geral. Logrou-se assim o fortalecimento do Euro, a criação de várias instituições continentais capitalistas, como o Banco Central e o Parlamento Europeus. Sua maior dificuldade foi construir instituições de poder supra estatal. O triunfo do NÃO à Nova Constituição da Europa na França, que impediu a sua implementação, foi uma derrota importante na consolidação da UE enquanto projeto imperialista. Foi sua primeira advertência de crise, que agora estourou como conseqüência da crise mundial aberta em 2007.

A Europa se “latino-americaniza”

EuropaSem dúvida, a União Européia está sentindo como nenhum outro continente a crise mundial aberta em 2007. Está passando algo tão similar ao que ocorreu com a América Latina nos anos 90. Lembremos o que foi a ofensiva neoliberal, de privatizações, de leoninos planos de ajustes ditados pelo FMI, que estrangularam as economias de muitos países. Ao fim da década, começou na América do Sul um amplo processo de insurreições e revoluções que se estenderam aos primeiros anos do século XXI. Bolívia, Equador, Venezuela e Argentina atravessaram distintos processos de mobilizações que alteraram a correlação de forças destes países. As revoluções bolivarianas lograram barrar o projeto da ALCA, e essa virada na correlação de forças fez surgir países politicamente independentes dos EUA.

Respeitando o fato de que nada é igual, e por isso toda analogia pode se tornar equivocada, o que ocorre no velho continente são traços similares ao que passou na América Latina. O que fez o FMI em nosso continente é o que está fazendo agora, junto com os bancos alemães e franceses, com os países endividados da Europa. Os empréstimos às economias mais endividadas e a beira da bancarrota (Espanha, Portugal, Grécia, Islândia, Irlanda), se fizeram ao invés de se aplicar os piores planos de auteridade fiscal que sofreu nosso continente. O economista keynesiano Paul Krugman, em seu excelente artigo do New York Times (presente neste Boletim de junho da Secretaria de Relações Internacionais do PSOL) descreve perfeitamente a situação: “os líderes europeus ofereceram empréstimos de emergência para as nações em crise, mas em troca de promessas de que seriam implementados programas de austeridade cruéis, que consistiam principalmente de enormes cortes de despesas”. E nós acrescentamos: cortes de salários e aumento da idade das aposentadorias. Krugman pontua que há “um novo declínio econômico graças aos programas de austeridade implementados, e a confiança está naufragando, em vez de aumentar. É evidente, agora que Grécia, Irlanda e Portugal e não podem e não se dispõem a resgatar suas dívidas”.

Ou seja, estes programas não só impõem efeitos sociais perversos ao povo, como também agrava a crise econômica do capitalismo. É um custo muito alto resgatar os países quebrados co alto índice de desemprego. Sob estas condições, é impossível a recuperação econômica, o que abre a hipótese de crise similar a da Argentina em 2001, desvatar Portugal, Espanha e Grécia.

O despertar: início de um novo tempo político

EuropaA ofensiva contra os trabalhadores, em particular os trabalhadores imigrantes, a mais barata mão de obra, está se ampliando. A classe trabalhadora européia, a mais organizada do mundo, está resistindo como pode. Sofreu cortes importantes em seus direitos trabalhistas, mas nunca foi plenamente derrotada. As organizações tradicionais dos sindicatos mantêm vivas as lutas defensivas. Conseguiram amenizar os panos de cortes clássicos que se tentam implementar, no continente de mais altos salários do mundo. As direções sindicais lograram negociar com os governos para que as reformas do FMI sejam menos austeras. Os partidos social-democratas e os velhos PC’s, bastante assimilados ao regime, se alternam no poder com os partidos da direita tradicionais, para levar adiante os planos de ajustes.

Entretanto, essa situação de um relativo status quo estável começou a mudar. Cresceram os protestos, as greves gerais na Itália, França, Inglaterra, as mobilizações estudantis de massas. A Islândia, país de pescadores que foi convertido em uma roleta financeira (ver artigos sobre a Islândia neste Boletim de junho da Secretaria de Relações Internacionais do PSOL), foi a primeira advertência de um novo tempo político. Com um “cacerolazo” e dois referendos populares, o povo disse não ao pagamento da dívida aos banqueiros. Sem embargo, o novo momento se fez mais evidente com a revolução árabe que contagiou a juventude espanhola. Neste país apareceu uma nova forma de protesto auto-organizado, com reivindicações muito mais políticas, superando o caráter defensivo e questionando os partidos e velhas direções sindicais, levantando demandas por outra democracia, denunciando o regime com consignas anticapitalistas.

As praças da Espanha poderiam ser um fenômeno conjuntural, de alguns dias de duração. Mas tudo indica que não é. Apesar do movimento não apresentar a massividade das revoluções árabes e seja mais de uma vanguarda jovem, impactaram as massas e tendem a se transformar em assembléias populares ao estilo da Argentina em 2001. É a expressão mais avançada de uma nova etapa que se abriu na Europa, com centro na Espanha e na Grécia, mas que tende a repercutir em outros países. A conexão dos movimentos na Espanha com o processo mais profundo da revolução árabe gera sua permanência.

O papel da juventude

EspanhaA semelhança com o Maio francês é, sobretudo, pelo papel da juventude, que compõe a vanguarda e lhe imprime um caráter espontâneo, contestatório, de auto-organização. A crise de consciência socialista (que permanece viva) faz com que seu programa seja menos avançado que o Maio francês, pois os jovens espanhóis questionam o regime, mais do que o sistema. Suas propostas são democráticas radicais, co elementos anticapitalistas. E uma das características comuns das novas mobilizações é o papel da vanguarda e a criatividade da juventude. A juventude o setor mais sensível das sociedades e por isso os jovens europeus percebem que a crise é global, e a responsabilidade da crise é dos políticos e dos banqueiros. Essa juventude contempla um amplo contingente de explorados e desempregados. A juventude é o novo sujeito dinâmico da luta de classes européia.

A Europa é o continente palco das maiores batalhas da luta de classes na história: as revoluções operárias de 1848, a Comuna de Paris em 1870, a Revolução Russa de 1917 e suas revoluções correlatas na Europa, o Maio francês em 1968, a Revolução dos Cravos em 1974. Passou pelos mais avassaladores regimes contrarrevolucionários da história: o nazismo, o fascismo, fundamentais para sua derrota na II Guerra Mundial. Talvez possamos dizer que, dentro de poucos meses, Grécia e Espanha vivam situação pré revolucionárias. Se assim for, não haverá dúvidas de que, junto com as revoluções democráticas árabes, a Europa começará um novo tempo da luta de classes mundial.

Escrito por Pedro Fuentes, secretário de Relações Internacionais do PSOL.

Governo define novas regras para fiscalização e monitoramento das Oscips

A partir de agora as Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscips) deverão prestar contas anualmente ao Ministério da Justiça, informou nesta terça-feira (14/6) o secretário-executivo da pasta, Luiz Paulo Barreto, ao anunciar as medidas adotadas pelo governo federal para ampliar o controle e fiscalização dessas entidades.

Barreto concedeu entrevista coletiva no Palácio do Planalto após audiência com a presidenta Dilma Rousseff, que aprovou as novas regras. Além da prestação de contas todos os anos, o governo decidiu implantar, no âmbito do Ministério da Justiça, uma ouvidoria para receber denúncias e encaminhá-las aos órgãos competentes, como a Polícia Federal e Ministério Público, além de instituir convênios com os governos estaduais e municipais para otimizar o controle das atividades dessas organizações. As regras passam a valer imediatamente, informou o secretário-executivo.

Atualmente, cerca de 30% das 5,4 mil Oscips do país prestam contas todos os anos ao Ministério da Justiça. Entretanto – continuou Barreto – como não há legislação que obrigue tal medida, a grande maioria optava por não fazer a prestação de contas. A partir de agora, as entidades que não se adequarem à nova normatização perderão o selo de Oscip.

“Vamos dar um passo bastante grande para um melhor controle de uma atividade que é hoje credenciada pelo Estado, que parte do pressuposto da parceria público-privada. E por tratar, muitas vezes, da aplicação de recursos públicos precisa ter fiscalização mais pronta, precisa ter mais controle do Estado brasileiro, não só quanto à qualificação, mas também quanto ao funcionamento e quanto ao próprio exercício e atuação dessas entidades em nosso país”, disse.

Outra providência comunicada à presidenta, que será adotada “a médio prazo” segundo Barreto, é a criação de um grupo de trabalho (GT) para analisar toda a legislação referente às Oscips. O GT apresentará, num prazo de 90 dias, propostas de alteração normativa “para melhorar todo o controle desse processo”. A portaria que institui o grupo de trabalho foi assinada hoje pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, informou.

Carta de indignação lida por um professor de Ilhota

Dito e youtubado! Minha forma de apoiar a categoria.

Encontro regional de gêmeos

Evento que virou tradição em Ilhota e inédito em qualquer outro lugar. O encontro regional de gêmeos que acontece anualmente na Cidade, e ocorreu no 29/05/2011, por volta da 15h, no Clube do Riacho, idealizado por Paulo Abud, consultor de eventos. No incio do video, saiu a matéria do Jornal Metas da cidade de Gaspar, depois a matéria vinculada no Jornal do Almoço, da RBS TV Blumenau.

O Lendario Chucrobillyman and his One man band

A Brazilian One man band videoclip. Directed by Rodrigo Guinski and produced by Hired Guns films. See more at: www.myspace.com/chucrobillyman.