48h para salvar a Ficha Limpa

Nossa querida Ficha Limpa está em perigo — o STF pode julgar a lei inconstitucional e dar margem para que centenas de políticos condenados se candidatem às eleições. Mas a Presidente Dilma pode salvar a lei escolhendo um novo Ministro que seja contra a corrupção.

A corte está dividida, mas esse novo Ministro vai ter o voto decisório. Políticos corruptos estão fazendo pressão por um Ministro que seja contra a Ficha Limpa. Mas nós já derrotamos esses políticos sujos uma vez — nosso movimento, que vem do povo, forçou o Congresso a aprovar a Ficha Limpa contra sua vontade. Podemos fazer isso novamente esta semana se nos mobilizarmos em massa e fizermos um apelo à Dilma para que ela escolha um candidato forte.

A Presidente Dilma se comprometeu em lutar contra a corrupção. Vamos fazer desse dia 7 de setembro o Dia da Independência da Corrupção. Assine essa petição urgente e, em seguida, encaminhe para todos — a petição será entregue diretamente aos conselheiros da Dilma, e apoiadores da Ficha Limpa serão representados em banners nas marchas que acontecerão no Dia da Independência em São Paulo e Brasíliahttp://www.avaaz.org/po/ficha_limpa_under_threat_/?vl.

Fizemos grandes avanços ao empurrar a Ficha Limpa para dentro do Congresso e limpar a política da nossa nação — mas a luta ainda não acabou. Políticos poderosos, incluindo a base aliada da Presidente, estão preocupados que eleições limpas irão tirá-los do poder e estão fazendo um forte lobby para que a Dilma proteja seus interesses.

Especialistas em lei, incluindo o Procurador-Geral da República, afirmam que a Ficha Limpa é totalmente compatível com a Constituição, e que os políticos da nossa nação devem manter um alto padrão ético. Mas, na semana passada, testemunhamos outro exemplo revoltante de impunidade no Brasil quando Jaqueline Roriz, uma política corrupta que foi filmada aceitando dinheiro de propina, foi absolvida por um comitê na Câmara dos Deputados. Se a Ficha Limpa for derrubada, políticos como Roriz poderão ser candidatos nas próximas eleições.

A próxima sessão do STF vai julgar três ações de constitucionalidade da Ficha Limpa, mas os ministros somente se reunirão quando a Dilma substituir a Ministra Ellen Gracie, uma forte defensora da Ficha Limpa que se aposentou recentemente. O STF está dividido ao meio sobre a decisão, por isso a nomeação iminente da Dilma é crucial.

Esta semana, ao celebrarmos a independência da nossa nação, vamos apelar à Dilma que garanta nossa liberdade da corrupção. Todos nós trouxemos a Ficha Limpa até aqui, vamos dar os últimos passos fundamentais para defender essa lei e limpar a política brasileira de uma vez por todas. Assine a petição urgente agora: http://www.avaaz.org/po/ficha_limpa_under_threat_/?vl.

Juntos, o poder do povo derrotou as tentativas dos políticos corruptos de pararem a Ficha Limpa no Congresso quando todos diziam que isso era impossível. A cada passo, nosso movimento respondeu de maneiras criativas e com pressão pública — vamos superar esses últimos obstáculos e construir um sistema limpo e justo que proteja os interesses de todos os brasileiros.

Com esperança e determinação, Stephanie, Diego, Caroline, Morgan, Alice, Ricken e toda a equipe da Avaaz.

Mais informações

Anúncios

Terra Santa? Jesus Cristo pisou e viveu nestas terras, por isso é santa.

Assista ai o um documentário legendado que retrata a violência no cotidiano das pessoas que moram na dita “Terra Santa”.

Este vídeo é aterrorizante, mas verdadeiro. Mostra o que a mídia esconde do povo e a perseguição que o povo palestino sofre em sua própria terra. É um pouco longo e legendado, mas vale a pena investir esse tempo para saber mais e melhorar nossa opinião sobre a causa Palestina.

Programa Doberro no Ilhota Rock Festival 2011

Ilhota Rock Festival no Doberro.

Enfim foi divulgado! Já está disponível o programa 26 Doberro ao qual vinculou a cobertura da última edição do Ilhota Rock Festival. A sétima edição do festival consagrou em uma das melhores já realizadas e entrou de vez ao circuito da cena independente como um dos principais festivais do estado catarinense. O programa completo (de uma hora e pouco) você pode conferir aqui, dê um confere no vídeo e o espalhe!

Nas cenas do programa, dividida em duas parte, mostra claramente a importância do festival. Entrevistas com as bandas e dos organizadores, deu todo ar dIlhotaa graça. Somos e sempre seremos um evento independente e nos empenharemos ao máximo pra levar o legado a diante.

Agradecemos a todos os produtores e a equipe técnica que estiveram no evento e oportunizaram mais. Valeu galera Doberro!

UNICEF licencia sua marca e expande estratégia de mobilização da sociedade para os direitos da infância

Após mais de 60 anos vendendo seus próprios produtos e cartões, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) passa, a partir de 2011, a licenciar sua marca. No Brasil, o primeiro contrato foi assinado com a Tilibra, empresa líder no segmento de papelaria. A parceria consiste na comercialização de cartões, agendas e cadernos para o varejo e, com ela, o UNICEF espera disseminar suas mensagens pela garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes por mais de 10 mil pontos de venda. A aliança com a Tilibra é a maior, até o momento, entre os escritórios do UNICEF nos países da América Latina.

Os representantes comerciais da Tilibra já estão oferecendo às empresas de varejo cartões de Natal, cadernos e agendas 2012. Para promover a comercialização dos produtos licenciados UNICEF, a Tilibra foi avaliada internacionalmente em seus aspectos de responsabilidade social, incluindo qualidade e segurança na produção, sendo aprovada em todos os quesitos.

Os cartões do UNICEF nasceram em 1947, com o desenho de uma criança tcheca que queria agradecer pela ajuda que sua família recebera após a II Guerra Mundial. Desde então, mais de 5 bilhões de cartões já foram vendidos e a renda revertida para programas em prol da infância e adolescência. Com o tempo, o UNICEF agregou à sua coleção outros produtos, como brinquedos, objetos de decoração e materiais escolares.

“O licenciamento da marca UNICEF possibilitará lançar uma gama maior e mais variada de produtos e ampliar a capacidade de distribuição, com grande presença nacional no mercado e exposição diferenciada nos pontos de vendas das principais redes de varejo do País. Isso nos ajudará a sensibilizar ainda mais pessoas para a garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes”, destaca Marie-Pierre Poirier, representante do UNICEF no Brasil.

Para Rubens Passos, presidente da Tilibra, “é com muito orgulho que a Tilibra, por meio da marca Grafon’s, torna-se parceira de uma instituição internacionalmente reconhecida por seu trabalho em prol de crianças e adolescentes do mundo todo. O fato de termos sido escolhidos pelo UNICEF também é mais um reconhecimento do trabalho desenvolvido pela nossa empresa ao longo de seus 83 anos. Temos convicção de que nossos parceiros comerciais estarão juntos conosco apoiando a causa do UNICEF, que tanto tem ajudado as crianças brasileiras”.

Sobre o UNICEF

O UNICEF é movido pelo compromisso e pela determinação de ajudar a construir um mundo onde os direitos de cada criança são cumpridos, respeitados e protegidos. Ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 1965, o Fundo está presente no Brasil e em outros 190 países, trabalhando em parceria com governos e a sociedade. Por meio da união de forças, o UNICEF acredita que será possível superar as disparidades que ainda impedem a sobrevivência e o desenvolvimento de milhões de meninas e meninos em todo o mundo.

Sobre a Tilibra

A Tilibra, uma empresa do grupo norte-americano MWV, atua há 83 anos no mercado brasileiro de papelaria, com posição de liderança no mercado, obtida por meio de produtos inovadores e de alta qualidade. Em seu processo produtivo, a Tilibra conta com certificações de grande importância (FSC e CERFLOR) que garantem a origem sustentável das matérias-primas utilizadas e que firmam o seu compromisso com a sustentabilidade e o respeito ao meio ambiente. Como destaque, em 2009 a empresa conquistou a certificação ISO 9001. A Tilibra apoia entidades sem fins lucrativos e projetos que visam ao desenvolvimento humano, como o Instituto Rodrigo Mendes, a SORRI Bauru, a APAE Bauru, entre outras. Em 2011, a empresa foi agraciada pela vigésima terceira vez consecutiva com o “Prêmio Mérito Lojista”, concedido pela CNDL e que a evidencia como a principal marca do segmento de papelaria. Nos últimos oito anos, foi reconhecida como a marca Master em papelaria por meio da premiação “Melhores Marcas”, além de receber homenagens do CIESP por meio do prêmio “Excelência Empresarial”, no qual foi contemplada por três vezes nos últimos quatro anos.

Cabeças calvas e grisalhas ao lado da juventude e das bandeiras vermelhas

Cabeças calvas e grisalhas ao lado da juventude e das bandeiras vermelhas

Bandeiras republicanas, da luta antifranquista e bandeiras da União Geral dos Trabalhadores voltaram às ruas de Madrid neste terça-feira, em passeata que uniu desde o Partido Comunista Espanhol à esquerda anticapitalista. A juventude dos indignados estava presente, mas cabeças calvas e grisalhas sugeriam um novo perfil, não apenas dos manifestantes, mas talvez da luta política.

Em Madrid, assim como na Itália, onde os sindicatos paralisaram o sistema de transportes nesta terça-feira, contra o arrocho fiscal de Berlusconi, trabalhadores, centrais sindicais e partidos de esquerda voltaram às ruas para rejeitar propostas de salvação dos mercados que arruínam a sociedade. O protesto espanhol dirigia-se à reforma constitucional liderada pelo PSOE e pela direita do PP. O objetivo é quase um chavão no discurso conservador nos dias que correm: acalmar mercados nervosos, que escalpelam Estados endividados com a machadinha do juro cortante para financiar a dívida pública. Zapatero e o PP de Aznar uniram-se com o propósito de incluir a meta de equilíbrio fiscal na Carta espanhola.

Equilíbrio fiscal em si é saudável. Trata-se de uma deformação disseminada pela direita equiparar o keynesianismo ao endividamento temerário do Estado, reduzido assim a um vassalo da senhoriagem rentista. Não há nada de Keynes e muito menos de esquerda nisso.Na verdade,esse foi o modelo implantado pelo ciclo neoliberal, com sua agenda de Estado mínimo, isenção fiscal para os endinheirados e endividamento máximo para financiar políticas públicas intransferíveis aos mercados.

Colocou-se assim a máquina pública e o sistema fiscal a serviço dos juros, em vez de servir ao interesse público. O que se pretende agora, na exaustão de uma engrenagem saturada no socorro aos mercados financeiros, é dobrar a aposta na vassalagem, cortando gastos sociais para acalmar credores ressabiados com o risco de um calote.

É contra isso que as cabeças grisalhas comunistas voltaram às ruas de Madrid na tarde desta 3º feira, ao lado da juventude, mas resgatando as bandeiras vermelhas e o brasão da luta republicana ao lugar que lhes compete na história. A importância dessas mobilizações não deve ser exagerada. Mas os sinais são auspiciosos. Eles indicam que a travessia para uma nova esquerda converge ao único lugar onde essa tarefa poderá adquirir a velocidade requerida pela gravidade da hora: a fusão de novas e velhas bandeiras nas ruas do mundo.

UMADIL 2011

De 06 a 09 de outubro acontecerá o maior evento gospel da mocidade evangélica cristã de Ilhota, o congresso UMADIL. O evento contará com dois palestrantes: Pr. Daniel Pedroso e Pr. Anderson Marques. No louvor, será Diego e Damares da Argentina.

Mais informações, visite nossa pagina na web: www.umadil.com.br.

Em 1901, presidente dos EUA é assassinado por anarquista

Última foto de William McKinley, tirada momentos antes do assassinato

Em 6 de setembro de 1901, o presidente norte-americano William McKinley é alvejado mortalmente nas instalações da Exposição Pan-Americana no estado de Nova York. McKinley estava saudando a multidão no Templo da Música quando Leon Czolgosz, um anarquista, deu um passo adiante e atirou duas vezes no presidente à queima-roupa. McKinley sobreviveu por uma semana mais para sucumbir a uma infecção gangrenosa em 14 de setembro.

À época de seu assassinato, o presidente McKinley era muito popular e os Estados Unidos estavam em meio a um período de paz e de galopante prosperidade. Czolgosz, um trabalhador de Cleveland que caira sob a influência de líderes carismáticos do anarquismo como Emma Goldman e Alexander Berkman, tornou-se particularmente obcecado com Gaetano Bresci, um anarquista que assassinou a tiros o rei Humberto I da Itália em 29 de julho de 1900. Czolgosz decidiu matar McKinley a fim de promover a causa anarquista.

Enquanto os presidentes Abraham Lincoln (1809-1865) e James Abraham Garfield (1831-1881) estavam totalmente desprotegidos por ocasião de seus assassinatos, o recém formado Serviço Secreto estava disponível para proteger o presidente McKinley. Porém quando Czolgosz avançou para aparentemente apertar a mão do presidente, mas com um lenço cobrindo o revolver cal. 32 em sua própria mão, os agentes de nada desconfiaram.

Após os tiros, os agentes agarraram Czolgosz e começaram a golpeá-lo, McKinley alertou-os, “Calma, rapazes”, enquanto era levado a uma ambulância. A caminho do hospital, o presidente pediu ao seu secretário que fosse cuidadoso ao comunicar o acontecido a sua mulher. Trabalhando num edifício onde não se havia instalado eletricidade, os cirurgiões operaram o presidente que parecia a princípio ter se recuperado. A lenda conta que sua dieta para o restabelecimento era constituída de ovos in natura e uísque. Antes de entrar em coma e falecer, as últimas palavras de McKinley foram: “É o desígnio de Deus. Sua vontade, não a nossa, foi feita”.

O assassinato de McKinley levou a represálias contra seus críticos em todo o país. Aqueles que falavam mal do presidente foram apontados e perseguidos. Emma Goldman chegou a ser presa sob a alegação de ter incitado o criminoso. Contudo, Czolgosz assumiu sozinho total responsabilidade pelo assassinato e foi enviado à cadeira elétrica menos de dois meses mais tarde. Suas derradeiras palavras, antes de ser executado em 29 de outubro de 1901, foram: “Não me arrependo de meu crime”.

Outros fatos na história

Partigiani avisam que seguirão lutando contra o nazifascismo

Partigiani celebram na Praça de São Marcos, em Veneza, em abril de 1945

Em 6 de setembro de 1944, o serviço de inteligência britânico recebe a informação que, a despeito dos contratempos, a Resistência Italiana – Resistenza partigiana – continuaria a combater os ocupantes e a ampliar suas atividades.

A Resistência Italiana era um movimento armado de oposição ao fascismo e à ocupação da Itália pela Alemanha nazista, bem como à República Social Italiana – fundada por Benito Mussolini, em território controlado pelas tropas alemãs – durante a Segunda Guerra Mundial. A Resistência Italiana enquadrava-se historicamente no fenômeno europeu mais amplo de resistência à ocupação nazista.

O movimento armado, baseado numa estratégia de guerrilhas, surge quando a Itália é invadida pela Alemanha, após o estabelecimento do Armistício de Cassabile de 8 de setembro de 1943, entre a Itália, com Mussolini já deposto, e os Aliados. Muitos, entretanto, consideram que a Resistência Italiana já existia desde 1922, quando tem início a ascensão do fascismo. Seus membros eram conhecidos como “partigiani”.

Após a rendição das tropas alemãs, o movimento se dissolveu, em abril de 1945. Calcula-se que tenham participado da luta armada da Resistência mais de 300 mil pessoas, das quais cerca de 35 mil eram mulheres, de tendências políticas diversas e até antagônicas: comunistas, socialistas, católicos, monarquistas, anarquistas. Os partidos que participavam da Resistência, reunidos no Comitê de Libertação Nacional,  constituiriam mais tarde os primeiros governos do pós guerra.

Início da Resistência

Desde a rendição da Itália no verão de 1943, as tropas alemãs ocuparam amplas franjas da peninsula a fim de evitar que os Aliados usassem a Itália como base de operações contra os baluartes germânicos, como os Bálcãs. A ocupação aliada da Itália poderia pôr em suas mãos as bases aéreas italianas, ameaçando o poder aéreo alemão.

Bandeira do Arditi del Popolo, organização antifascista de Civitavecchia

À medida que os Aliados combatiam os alemães, empurrando-os mais e mais ao norte, tinham eficaz ajuda dos partigiani. A Resistência Italiana lutava agora contra o fascismo nazista e contra a monarquia italiana. A libertação da Itália para os partigiani significava uma república democrática e não o retorno a um país governado, o mais das vezes ineptamente, por um rei.

Os partigiani mostraram-se extremamente eficientes na ajuda aos Aliados. No verão de 1944, os lutadores da resistência já haviam imobilizado 8 das 26 divisões alemãs no norte da Itália. A reaçao da Wehrmacht as atividades da resistência foi brutal. Num único episódio, os soldados alemães mataram 382 homens, mulheres e crianças como vingança a um ataque dos partisans que matou 35 soldados germânicos.

A varredura alemã da atividade guerrilheira provocou muito dano, mas foi incapaz de interrompê-la. Em 6 de setembro o embaixador japonês na Itália relatou a Tóquio que a atividade partigiana, especialmente em torno de Turim e na fronteira franco-italiana, havia crescido a despeito das baixas infligidas. A informação foi interceptada pela inteligência britânica e decodificada, assegurando que os britânicos não estavam sozinhos no combate ao exercito alemão.

No fim da guerra, os partigiani controlavam Veneza, Milão e Genova, porém, a um custo considerável. No final, a resistência havia perdido 50 mil homens, porém ganhou a sua república.

Outros fatos marcantes da data