Homem de pensamento, com espírito para a ação

Herbert José de Souza, o BetinhoHá 15 anos morria Herbert José de Souza, o Betinho, vítima de Aids. Sociólogo, como gostava de ser qualificado, e ativista em prol da justiça social, ele tinha, segundo relato de amigos, mais vocação para ação do que para sistematização de suas teses e pensamentos.

“É um homem de pensamento, sim, mas para a ação aqui e agora, para a urgência da mudança capaz de trazer um pouco de humanidade a quem está excluído e sofre”, escreveu em janeiro de 1997, o sociólogo e atual diretor-geral do Ibase, Cândido Grzybowski.

A personalidade sensível para as questões sociais e o comportamento voltado para a ação levaram Betinho a criar projetos que mudaram a história do país e que até hoje impulsionam novas transformações. “As bandeiras ainda estão vivas. Há vários exemplos, como o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, que foi criado depois que Betinho chamou a atenção do país para a questão da fome. Ao descobrir que estava com Aids contribuiu muito para o movimento de conscientização da doença, que resultou na regulamentação dos bancos de sangue, uma determinação da Lei do Sangue ou Lei Betinho”, diz a historiadora e pesquisadora Dulce Pandolfi, autora do livro “Um abraço, Betinho”.

Ele atuou em diversas frentes e criou movimentos do porte da Ação da Cidadania, que resiste até hoje realizando ações de combate à fome e a miséria no país, e que pavimentou o terreno para a criação de políticas públicas para o setor, como o Fome Zero. Na ocasião do lançamento da campanha, em 1993, Betinho foi assertivo ao dizer: “democracia e miséria são incompatíveis”.

A criação do Instituto de Análises Sociais e Econômicas (Ibase), em 1981, foi outro legado importante de Betinho. Há 30 anos, a entidade dá continuidade ao seu trabalho, apostando em projetos de cidadania ativa.

Ao descobrir que estava com AIDS, Betinho não só não se abateu como tornou o seu drama pessoal uma nova motivação para o seu trabalho. O sociólogo decidiu que era hora de mobilizar a sociedade brasileira para que houvesse uma consciência maior do que se tratava o HIV/AIDS e formar uma rede de solidariedade. Assim foi criada aAssociação Brasileira Interdisciplinar de AIDS – ABIA. Desde 1986, a Associação mantém vivo o trabalho idealizado por Betinho, acompanhando as políticas públicas de saúde, estimulando a educação e prevenção, exigindo tratamento e assistência, tudo com base numa política de direitos humanos.

“Betinho assumiu diversas bandeiras e tinha uma capacidade única de sensibilizar muitos setores da sociedade que até então eram indiferentes a essas lutas. Isso permitiu a sobrevivência das suas ideias”, observa Dulce Pandolfi.

Anúncios

A periferia invade o universo digital

O que a nova classe média tem a dizer sobre si mesma? Essa é a questão que embala os trabalhos do A Vida DoLadoDeCá, estudo documental idealizado pela Rede DoLadoDeCá em parceria com a Apis3 e IK Ideas. Nesse trabalho, as pessoas que fazem parte das chamadas Classe C e nova classe média falam da perspectiva de quem está dentro da comunidade sobre as mudanças que estão ocorrendo com eles mesmos. Ao invés de recorrer a estudos feitos por terceiros, o estudo d’A Vida DoLadoDeCá vai direto à fonte para documentar a tão falada ascensão da periferia.

No vídeo abaixo está a primeira parte do estudo: “Universo Digital, a nova rua da periferia”. Nesse fragmento, moradores de comunidades falam sobre a sua relação com a internet e o mundo digital. A partir de histórias pessoais contadas pelos participantes, é possível ver como o computador é cada vez mais importante em suas rotinas, seja para o trabalho ou para o lazer. Assista!