Deputados dizem que políticas contra abuso infantil ainda não funcionam

Exploração Sexual Infantil

As políticas públicas para enfrentar o abuso sexual na infância ainda não são capazes de proteger e atender crianças e adolescentes. Essa é a avaliação da presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Exploração Sexual, deputada Erika Kokay (PT-DF).

“Violação de direitos e violência sexual contra qualquer criança me dizem respeito,  ferem, mexem comigo. Não dizem respeito somente à família ou às pessoas que estão próximas daquela criança e a conhecem”, afirma Kokay.

A parlamentar destaca o crescimento das denúncias nos últimos anos como um fato positivo, mas ressalta também a dificuldade em acolher a vítima e responsabilizar o agressor. “Realizamos diligências em três estados: Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte, além de termos feito 13 audiências públicas. Constatamos que o nível de atendimento é muito precário, o que consolida a vitimização” .

Se toda a rede de proteção sofre com a falta de estrutura, a situação fica ainda mais dramática quando a violência atinge crianças e jovens com deficiência. Esse tema é abordado em uma série especial de reportagens da Agência e Rádio Câmara, com o título“A fragilidade violada – abuso sexual contra crianças e jovens com deficiência”. O projeto que deu origem a essa série foi vencedor da categoria rádio do 6º concurso Tim Lopes de Jornalismo Investigativo, realizado pela Agência de Notícias dos Direitos da Infância (Andi) e Childhood Brasil (instituto WCF).

Planejamento

Os planos de enfrentamento da exploração sexual elaborados pelos estados enfrentam a falta de recursos e não estão integrados, segundo Erika Kokay. Ela cita casos de programas de combate ao trabalho infantil e à exploração sexual que tratam, às vezes, da mesma criança de forma desconectada.

A CPI da Exploração Sexual requisitou informações aos tribunais de justiça dos estados, ao Ministério Público e aos governos estaduais sobre a rede de enfrentamento à violência sexual, desde a denúncia até a punição do acusado. O objetivo é mapear a ação do Poder Público em diversos pontos do País.

“Estamos fazendo um diagnóstico de como o Estado, em todos os poderes, está trabalhando”, explica a presidente da CPI. Uma avaliação preliminar desse levantamento deve ser divulgada na primeira semana de setembro. Além disso, a CPI aprovou requerimentos para realizar audiências públicas no Piauí e no Rio de Janeiro.

Para a coordenadora da Frente Parlamentar do Congresso Nacional em Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência, deputada Rosinha da Adefal (PTdoB-AL), faltam profissionais conscientes de como lidar com crianças abusadas, ainda mais aquelas com deficiência. “A estrutura precária dos conselhos tutelares é um problema para o Brasil”, lamenta a parlamentar, que é cadeirante.

Números da violência

Segundo números do Disque 100, atendimento telefônico da Secretaria de Direitos Humanos que recebe denúncias 24 horas por dia em todo o Brasil, de janeiro a abril de 2012 foram recebidas 34.142 denúncias de violações de direitos contra crianças e adolescentes. Em comparação com 2011, houve aumento de 71% no número de denúncias, sendo que 22% das notificações registram violência sexual.

Ainda nos dados do Disque 100, de janeiro a junho de 2012 houve 15,5 mil denúncias de violência contra crianças e jovens com deficiência, sendo 671 denúncias de violência sexual. O Brasil apresenta quase 3,5 milhões de crianças e adolescentes até 14 anos com alguma deficiência, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Crianças com deficiência têm quatro vezes mais chances de sofrerem violência física ou sexual, segundo pesquisa divulgada em julho pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O estudo avaliou 18 mil crianças de países desenvolvidos, detectando que a negligência, as dificuldades de fala e a discriminação tornam esse grupo mais exposto à violência.

 

 

Anúncios

Congresso Estúdio Brasil 2012

Congresso Estúdio Brasil 2012

Recebi um e-mail nesta manhã do camarada James Vitto, coordenador de eventos da  iPhoto Editora e estou compartilhando a informação de um dos projetos mais consistentes no mundo da fotografia. Não sou um profissional do mercado, apenas um amador e um grande amigo do idealizador disso tudo, Altair Hoppe e tenho o prazer de apresentar que já estão abertas as inscrições para o mais novo congresso brasileiro de fotografia, o Estúdio Evolution 2012.

O evento será realizado nos dias 05, 06 e 07 de novembro de 2012, no Teatro das Artes, Shopping Eldorado em São Paulo, capital. Serão 12 palestras com os mais renomados fotógrafos de estúdio do Brasil falando de new born, iluminação de estúdio, ensaio de gestantes, books em estúdio, ensaios de família, como vender mais ensaios fotográficos e muitos outros temas que ajudarão na sua carreira profissional.

Nomes como Erika Muniz, Primo Tacca Neto, Fernanda Preto, Simone Di Domenico, Tyto Neves, Thayane Fidelis, Danilo Russo, Marcelo Pretto e muitos outros farão você se apaixonar ainda mais pela fotografia de estúdio.

As inscrições podem ser feitas pelo site www.estudioevolution.com.br  ou pelo telefone 0800 600 5622. Mais informações você também encontra no site do evento. A iPhoto tem o comprometimento com o mercado fotográfico brasileiro, investindo e acreditando nos profissionais nacionais. Criamos eventos para quem tem a fotografia como arte, trabalho e paixão.

Bem-vindo ao Medium, a mais nova rede social e já estou lá!

Medium

Estamos repensando a publicação da construção de uma nova plataforma a partir do zero. Esta é uma pré-visualização.

Acabei de criar minha conta no Medium, a mais nova mídia social que os criadores do Twitter envolveram em uma nova empreitada para tentar mexer – de novo – com o formato de comunicação na internet. Trata-se de uma mistura de blog, Twitter, Pinterest e outros produtos disponíveis na rede, mas com uma forte ligação junto à rede de microblogs. Para se cadastrar, por exemplo, é preciso ter conta por lá. Logo que a plataforma for aberta, iniciarei a postar nossas informações nesta rede e informar de forma rápida e ágil o contexto geral que nos cerca neste mundo virtual.

Comparado a 1999, a Internet percorreu um longo caminho. Ela passou de, teoricamente, para realmente central para quantos de nós viver e trabalhar (mesmo fora da indústria da Internet). Nós carregamos em nossos bolsos, em computadores com mais potência e pixels do que tínhamos em nossas mesas naquele momento. E temos inúmeras opções para compartilhar nossas fotos do gato, com ou sem um filtro retro.

1999 foi o ano em que lançou o Blogger. Ideias que pareciam radical no tempo que alguém, em qualquer lugar pode e deve publicar suas ideias para o público global da internet gratuito e agora um dado adquirido.

Ainda assim, algumas coisas não evoluíram tanto quanto seria de esperar. Lotes de serviços conseguiram diminuir a barra para partilha de informação, mas tem havido menos progresso em direção à melhoria da qualidade do que é produzido. Embora seja grande que você pode ser uma pessoa empresa de mídia, seria ainda melhor se houvesse mais maneiras que você pode trabalhar com outras pessoas. E de muitas maneiras, a web ainda está imitando conceitos de impressão, enquanto nem mesmo aproximar-se a ele em termos de layout, clareza, design e da experiência.

Quando você considerar que temos vindo a publicar em papel por mais de 500 anos e na internet por apenas algumas décadas, não é nenhuma surpresa que não entendeu tudo. Ainda é cedo.

Por Medium? Por que agora?

O Obvious Corporation decidiu assumir o projeto de construção de uma plataforma de publicação de novo do zero, não apenas porque é na nossa casa do leme, mas porque acreditamos que publicar e meios de comunicação, de forma mais ampla, é importante. É fácil esquecer este dado quanto media sem sentido e destrutivo está no mundo. Mas há também coisas maiores do que nunca, e nós nem sequer arranhou a superfície do que os nossos dispositivos inteligentes e nossas redes que se conectam a maior parte do planeta pode permitir.

Mídia ainda é o “tecido conjuntivo da sociedade”, como Clay Shirky eloquente. E nós pensamos que pode ser melhor. Melhor para os criadores. Melhor para os consumidores. Melhor para o mundo. Então, está a re-imaginar a publicação em uma tentativa de fazer um salto evolutivo, com base em tudo o que aprendemos nos últimos 13 anos e as necessidades do mundo de hoje.

Isso soa muito grandioso, então não vamos ficar à frente de nós mesmos. Verdade seja dita, nós estamos apenas começando a jornada de descobrir o que tudo isso significa do que estamos lançando hoje é apenas um pedaço do que nós figuramos para fora.

Como funciona

Medium é projetado para permitir que as pessoas escolham o nível de contribuição que eles preferem. Sabe-se que a maioria das pessoas, na maioria das vezes, simplesmente ler e exibir o conteúdo, o que é bom. Se eles escolherem, eles podem clicar para indicar se eles acham que algo é bom, dar feedback para o criador e aumentando a probabilidade dos outros vai vê-lo.

Postando no Medium (ainda não aberto a todos) é elegante e fácil, e você pode fazê-lo sem o fardo de se tornar um blogueiro ou de se preocupar com o desenvolvimento de uma audiência. Todos os posts serão organizados em “coleções”, que são definidas por um tema e um modelo.

Acreditamos que um bom design suporta a propósito (e não apenas o apelo) de conteúdo, de modo Medium é diverso em aparência, variando de diferentes tipos de artigos, imagens, eventualmente, muito mais. Coleções são por vezes fechado, mas opcionalmente aberto a contribuições. Por exemplo, aqui está uma coleção aberta de histórias malucas. Aqui está uma das fotos nostálgicas.

Coleções dar às pessoas contexto e estrutura para publicar suas próprias histórias, fotos e ideias. Por padrão, as mensagens mais bem classificadas aparecem no topo, ajudando as pessoas a obter o máximo do seu tempo neste mundo de informação infinita. Juntas, as contribuições de muitos somam para criar experiências interessantes e úteis. Você pode ser inspirado para postar uma vez ou várias vezes por dia de qualquer forma está tudo bem. Se você é mais ambicioso, você pode criar uma coleção de seu próprio país.

Rolando Out

Equipe não está amarrado tudo no Medium ainda, em parte porque esperamos que as nossas ideias a evoluir rapidamente como nós experimentar e aprender com o uso. A filosofia é que a qualidade gera qualidade, por isso vamos crescer Medium inteligente, garantindo que a nossa plataforma é valioso para todos neste mundo cada vez mais móvel, conectado, e barulhento.

A partir de hoje, todo mundo que tem uma conta no Twitter pode ler e dar feedback sobre Medium. Postagem é limitada a uma pequena lista de convidados amigos e familiares, que nós estaremos expandindo rapidamente, em breve, para aqueles que se inscreveram, então se você estiver interessado por favor fazê-lo.

Índia enviará missão para Marte ainda em 2013

País asiático quer expandir pesquisas do robô Curiosity

País asiático quer expandir pesquisas do robô Curiosity.

Enquanto a NASA explora Marte em busca de evidências microbiológicas de vida, o governo da Índia anunciou que enviará uma nave para lá ainda em 2013. A notícia foi dada pelo próprio primeiro-ministro Manmohan Singh, que afirmou que a missão terá o objetivo de colher dados sobre o clima, a formação, a origem e a evolução do Planeta Vermelho.

“Nossa nave espacial irá a Marte e colherá importantes informações científicas. Para nós, será um passo gigantesco em matéria de ciência e tecnologia”, afirmou Singh, em uma cerimônia comemorativa do aniversário de independência da Índia.

Há quatro anos, a Índia enviou sua primeira missão à lua, nomeada Chandrayaan 1, e desde então tem investido bastante na área. O programa espacial indiano já gastou cerca US$ 2,25 milhões no desenvolvimento da expedição marciana. A intenção é enviar ao planeta uma sonda parecida com o robô Curiosity, que seria lançada de um foguete a ser enviado para fora da Terra até o final do ano que vem.