Facebook decreta guerra aos fakes

Fakes de Mark Zuckerberg

Atrás da tela do computador dá pra ser mais jovem, mais bonito, endinheirado e até assumir outra identidade. Mas a já manjada onda de ilegitimidade que circula na web parece estar com os dias contados – pelo menos no território “facebookiano” de Mark Zuckerberg.

A iniciativa da rede social mais popular da atualidade vai intensificar o monitoramento e banir esses “mentirosinhos”, conhecidos comofakes. Desde a semana passada oFacebook vem deletando milhares de contas de usuários fakes e eliminando “curtidas” geradas por malwares e muitas vezes compradas pelas marcas que se promovem na rede – sem mencionar o fato de que alguns internautas têm sido questionados sobre a legitimidade de seus amigos por meio de perguntas em sigilo que indagam se determinados usuários estão utilizando seus nomes reais na rede.

Muitas fan pages já foram afetadas – bons exemplos são as páginas das cantoras Lady Gaga, que perdeu 31.700 likes e Rihanna, que agora tem 22 mil fãs a menos, além do popular jogo Texas HoldEm Poker, que perdeu quase 100 mil likes.

Além de propor um novo olhar, a guerra aos fakes propõe um espaço mais autêntico, confiável e transparente aos usuários desta rede social; contudo, se existe um nicho onde o buzz acerca da discussão realmente se instalou, foi entre ossocial medias.

Em tempos que o número de fãs é proporcional à reputação de uma marca, a notícia não foi bem recebida pelos “fanfarrões“ que vendem ou compram audiência para páginas no Facebook por centavos (é só dar uma busca rápida para conhecer as promessas de popularidade no Facebook a custos módicos).

Apesar do Facebook ter assegurado uma queda máxima de 1% de fãs nasfan pages (o que a princípio não parece quase nada), muitas páginas novas podem se sentir ameaçadas e comprometidas com a “expulsão” dos “camaradinhas” que preenchiam algumas lacunas e distribuíam “likes”. Mas pense: não é muito mais válido atrair e garantir uma audiência seleta e fiel ao seu cliente, que realmente trarão retorno para a marca? Sob essa linha tênue, as métricas deixam de ser apenas números e passam a representar uma fonte límpida de resultados e um universo real a ser explorado.

Anúncios