Edital do processo seletivo da Secretaria de Educação

Secretaria Municipal de Educação

A Prefeitura Municipal de Ilhota por meio da Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte, comunica que se encontram abertos; nos dias 12, 13, 14, 16, 19 e 20 de novembro de 2012;as inscrições do processo seletivo para formação de cadastro de reserva para vagas que surgirem dentro do prazo de validade deste processo seletivo, das categorias funcionais do Grupo Docente do Magistério da Prefeitura Municipal de Ilhota que se regerá pelas normas estabelecidas neste edital e na legislação vigente.

O Município de Ilhota reserva-se o direito de admitir os candidatos classificados, de acordo com a necessidade e disponibilidade de vagas que surgirem durante a vigência deste processo, obedecendo rigorosamente à ordem de classificação. Os candidatos aprovados no Processo Seletivo poderão ser designados para as vagas existentes em qualquer unidade de serviço, de acordo com as necessidades da Secretaria Municipal de Educação de Ilhota.

Os efeitos legais de seleção entrarão em vigência em 01 de Janeiro de 2013, encerrando-se no dia 31 de dezembro de 2013.

Baixe neste o edital neste link do Google Drive ou pelo 4Shared.

Anúncios

Fevereiro da Silva em Jaraguá do Sul e Florianópolis

Bnada Fevereiro da Silva no Panorama Sesc de Musica

O Fevereiro da Silva foi um dos grupos selecionados para participar da etapa regional do Panorama Sesc de Música de Santa Catarina. A banda se apresentará em Jaraguá do Sul, na sexta-feira (09). O show acontecerá às 20 horas, no Teatro do Sesc. O espaço tem capacidade para 150 pessoas e a entrada é gratuita. Os ingressos estarão à disposição do público na biblioteca e no setor de cultura. Além do Fevereiro da Silva, as atrações de hoje e amanhã são as bandas joinvilenses Fairans e Canela Brasil, respectivamente. No sábado (10), é a vez do local Pablo Varela e Os Convidados.

Os quatro grupos também participarão de uma oficina ministrada pelo baterista do Almah – banda de Edu Falaschi, ex-Angra –, Marcelo Moreira. O músico e produtor abordará vários temas relacionados à condução de uma banda, entre eles, os primeiros passos, nome e marca; gravação, mixagem, masterização, arte e finalização do CD; aspectos musicais, mercadológicos e técnicos; organização de eventos; marketing e assessoria de imprensa. O encontro começa amanhã e termina sábado (10), no Sesc Jaraguá do Sul.

A etapa estadual ocorre em Florianópolis e contará com a participação de grupos de quatro regiões do Estado. Cada banda se apresentará duas vezes na sede do Sesc. Os shows do Fevereiro da Silva acontecerão no dia 14 de novembro. O primeiro às 12h50, e o segundo, às 20h20. A entrada é gratuita. Mais informações: http://on.fb.me/TmDb2l

Câmara aprova projetos que tipificam crimes cibernéticos

crimes cibernéticos

O Plenário da Câmara aprovou nesta quarta-feira (7) duas propostas que inserem dispositivos no Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40) para tipificar crimes cometidos por meio da internet, os chamados crimes cibernéticos. Os textos, que já foram aprovados pelo Senado, seguem para sanção presidencial.

Uma das propostas torna crime “invadir dispositivo informático alheio” com o fim de obter, mudar ou destruir dados ou informações, instalar vulnerabilidades ou obter vantagem ilícita. A pena prevista para esse crime é de três meses a um ano de detenção e multa.

O texto enquadra no mesmo crime quem produzir, oferecer, distribuir, vender ou difundir dispositivo (como um pendrive) ou programa de computador (vírus, trojans ou cavalos de Tróia e phishings) destinado a permitir o crime de invasão de computadores ou de smartphones e tablets. Um dos objetivos é evitar a violação e a divulgação de arquivos pessoais, como fotos e outros documentos.

Em parecer proferido em Plenário, o deputado Fabio Trad (PMDB-MS) chamou atenção para a necessidade de inserir a expressão “ou obter vantagem ilícita” para que fique caracterizada a má-fé do autor. “Caso contrário, estaríamos punindo criminalmente técnicos de segurança de informática, ainda que eles estivessem agindo para consertar ou aperfeiçoar a segurança do sistema”, disse Trad, que foi designado para relatar a matéria pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Segredos

O texto aprovado, previsto no Projeto de Lei 2793/11, do deputado Paulo Teixeira (PT-SP), prevê ainda pena de reclusão de seis meses a dois anos e multa para quem obtiver segredos comerciais ou industriais ou conteúdos privados por meio da violação de mecanismo de segurança de equipamentos de informática. A mesma pena vale para quem invadir dispositivo remotamente e sem autorização. Caso haja divulgação, comercialização ou transmissão a terceiros dos dados obtidos, a pena poderá ser aumentada de 1/3 a 2/3.

Falsificação

A proposta também torna crime a falsificação de cartão de crédito ou débito, que passa a ser equiparada ao crime de falsificação de documento, já previsto no Código Penal, com pena de reclusão de 1 a 5 anos e multa.

O Plenário também aprovou o substitutivo do Senado ao Projeto de Lei 84/99, de autoria do ex-deputado Luiz Piauhylino. O texto insere no Código Penal outros quarto tipos de condutas criminosas praticadas por usuários de internet.

A versão aprovada segue o parecer proferido na Comissão de Ciência e Tecnologia pelo deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG), relator da matéria. Assim como o PL 2793/11, o texto de Azeredo também torna crime a utilização de dados de cartões de crédito ou débito, obtidos de forma indevida ou sem autorização.

Código Militar

A proposta inclui ainda, no Código Penal Militar, punição para a divulgação de dado eletrônico em tempo de guerra que favoreça o inimigo, prejudique operações militares ou comprometa a eficiência militar do País. A punição para o crime varia de 20 anos de reclusão, em grau mínimo, à pena de morte, em grau máximo.

Racismo

Também foi introduzida uma nova previsão na lei de combate ao racismo (7.716/89) para obrigar que mensagens com conteúdo racista sejam retiradas do ar imediatamente, como já ocorre atualmente em outros meios de comunicação, como radiofônico, televisivo ou impresso. Atualmente, a legislação prevê pena de reclusão de 2 a 5 anos e multa quando o crime é cometido por intermédio dos meios de comunicação, incluindo os digitais.

Delegacias especializadas

Finalmente, o texto aprovado estabelece ainda que os órgãos da polícia judiciária deverão criar delegacias especializadas no combate a crimes praticados por meio da internet ou por sistema informatizado.

Greenpeace: Brasil perdeu o senso de urgência em relação às mudanças climáticas

mudanças climáticas

O diretor de campanhas da organização não governamental Greenpeace, Sérgio Leitão, afirmou que o governo federal perdeu a noção de quão urgente é o enfrentamento das questões relativas às mudanças climáticas no País. Ele participou de audiência pública, nesta quarta-feira, da Comissão Mista Permanente de Mudanças Climáticas do Congresso Nacional.

“A grande preocupação do Greenpeace é que estamos perdendo o senso de urgência desse tema. Nosso governo não dá a devida atenção ao enfrentamento das mudanças climáticas”, disse Leitão durante a discussão dos planos públicos setoriais de mitigação e adaptação às mudanças climáticas com parlamentares, especialistas e representantes do governo.

O representante do Greenpeace criticou os planos setoriais apresentados (transportes, energia, saúde e mobilidade urbana) por serem incompletos ou pouco audaciosos, por exemplo, na busca pela diminuição da emissão de gases que causam o efeito estufa.

Segundo Sérgio Leitão, as autoridades brasileiras são descuidadas e dão pouca atenção à questão. Para exemplificar, ele citou o plano setorial do setor energético, que prevê investimentos de mais de R$ 740 bilhões apenas para a exploração do petróleo da camada pré-sal, enquanto o mesmo documento não traz planos para o incremento do uso da energia solar no País. “O Brasil tem enorme potencial em energia solar e no plano não tem uma linha sequer sobre incentivo à energia solar ou investimentos na área”.

Eficiência energética

O Plano Decenal de Expansão de Energia 2020 foi apresentado pelo diretor do Departamento de Planejamento Energético, Paulo César Magalhães Domingues, e pelo coordenador-geral de Sustentabilidade Ambiental do Setor Energético, Luis Fernando Badanhan, ambos do Ministério de Minas e Energia.

Eles explicaram as metodologias usadas no plano e expuseram as metas de diminuição de gases para o setor energético, que pretende reduzir em mais de 230 milhões de toneladas as emissões até 2020. Os representantes do ministério explicitaram ainda as metas de aumento da participação de biocombustíveis no setor de transporte e os planos de expansão da energia renovável no País, que inclui pequenas centrais hidrelétricas, biomassa e energia eólica. Destacaram também a importância das ações em prol do uso consciente de energia.

O diretor do Greenpeace também acusou o governo de estar diminuindo os investimentos em biocombustíveis e disse que o Brasil é o segundo pior país do G20 em eficiência energética, ficando à frente apenas da Arábia Saudita. “O Brasil não está preocupado com a eficiência energética e com a redução do consumo de energia”, destacou.

Sérgio Leitão criticou os planos governamentais de construção de 34 novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, principalmente na região amazônica. Para ele, o País tem alternativas que não impliquem na inundação de mais de seis mil quilômetros quadrados, que ocasionariam grandes prejuízos socioambientais.

Paulo César Magalhães Domingues retrucou dizendo que o governo se preocupa, sim, com a expansão das energias renováveis. “O Brasil tem 45% de sua matriz energética limpa e renovável. É com muito orgulho que temos hoje grandes usinas hidrelétricas no nosso sistema e esse é o motivo da matriz energética ser limpa e renovável”.

Poluição do ar

Comissão Mista das Mudanças Climáticas discutiu os planos setoriais do governo para o setor.O representante do Greenpeace ainda fez críticas ao descaso do governo com o acompanhamento da qualidade do ar e níveis de poluição nas grandes cidades brasileiras. Ele disse que a maioria dos aglomerados urbanos no País não tem estações de medição da qualidade do ar ou as têm “velhas e atrasadas”. Sérgio Leitão ressaltou o fato de que a poluição do ar causa ou agrava vários tipos de doenças na população, impactando os custos do Sistema Único de Saúde (SUS).

O diretor do Departamento de Vigilância Ambiental e Saúde do Trabalhador do Ministério da Saúde, Guilherme Franco Netto, expôs o Plano Setorial da Saúde para Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima, elaborado de acordo com diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Um dos principais objetivos do plano, explicou Franco Netto, é o estabelecimento de medidas de adaptação do SUS, para minimizar as vulnerabilidades da população frente aos impactos da mudança do clima. As ações incluem, por exemplo, a consolidação do baixo consumo de carbono nos serviços de saúde. Ele concordou com a necessidade de um estudo mais aprofundado do impacto financeiro no SUS dos problemas de saúde causados pela poluição atmosférica.

Efeito estufa

Por sua vez, a chefe da Assessoria Socioambiental do Ministério dos Transportes, Kátia Matsumoto Tancon, informou que o Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima é fruto de um comitê interministerial que envolve a Casa Civil da Presidência da República e os Ministérios dos Transportes, das Cidades e do Meio Ambiente.

Ela tratou dos objetivos no que diz respeito à diminuição das emissões dos gases do efeito estufa e da eficiência energética no transporte de cargas do País. A redução de emissões de CO2 está projetada para 98 milhões de toneladas, envolvendo os transportes ferroviário, rodoviário e aquaviário, informou.

Já o analista de Infraestrutura do Ministério das Cidades, Aguiar Gonzaga Vieira da Costa, abordou o mesmo plano setorial, mas centrou-se na questão da mobilidade urbana. Ele afirmou que a busca pelo consumo consciente e menos poluente da energia é característica de vários projetos e obras, como as do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e os preparativos para a Copa do Mundo de Futebol de 2014.

A primeira parte da audiência pública foi conduzida pelo relator da comissão, senador Sérgio Souza (PMDB-PR). A segunda parte da reunião foi comandada pelo presidente da comissão, o deputado federal Márcio Macêdo (PT-SE), que cobrou das áreas governamentais representadas na audiência pública o estabelecimento de metas mais ousadas na diminuição das emissões de gases do efeito estufa.

Do ICQ ao Facebook: uma breve história dos mensageiros instantâneos

MSN Messenger é apenas um dos serviços que um dia foram populares mas perderam espaço

MSN Messenger é apenas um dos serviços que um dia foram populares mas perderam espaço.

A confirmação de que a Microsoft vai incorporar o MSN Messenger ao Skype marca o fim de um serviço que foi passado para trás nos últimos anos. Mas o serviço de mensagens instantâneas da companhia não só não foi o primeiro a surgir como, no passado, deixou outros concorrentes para trás.

As mensagens instantâneas pela web se tornaram populares a partir da criação do ICQ pela Mirabilis, empresa israelense que colocou o serviço no ar em 1996. Ele se tornou rapidamente o mensageiro instantâneo mais popular do mundo e, em 2001, tinha mais de 100 milhões de usuários registrados.

Os tempos eram outros. A internet começava a se desenvolver e não tinha os bilhões de usuários da atualidade, o que faz o desempenho do ICQ ainda mais surpreendente. Em 1998, a Mirabilis foi comprada pela AOL por US$ 287 milhões e mais US$ 120 milhões que foram pagos em um período de três anos.

ICQ era bastante avançado para a sua época. Ele possibilitava troca de arquivos, a criação de salas de bate-papo com diversas pessoas, guardava o histórico das conversas, tinha mensagens offline, possibilitava a criação de um perfil com as informações e ainda tinha um som para o recebimento de mensagens que ficou bastante conhecido (uh-oh). Para adicionar os amigos, era possível buscá-los entre os usuários do serviço ou digitar diretamente um número chamado Universal Internet Number (UIN).

Com o sucesso do ICQ, outros serviços surgiram buscando o sucesso atingido pela iniciativa da Mirabilis. Entre eles destaca-se o AOL Instant Messenger (AIM), lançado em 1997 pela empresa que um ano depois compraria a Mirabilis. O AIM era, em 2005, o serviço mais utilizado no mundo com 53 milhões de usuários. O MSN Messenger, da Microsoft, foi lançado em 1999, mas só se tornou popular em meados da década seguinte.

ICQ foi dominante no Brasil durante anos, mas começou a cair em popularidade no começo da década de 2000, até ser definitivamente superado pelo MSN. Em 2005, a Microsoft renomeou o seu serviço para “Windows Live Messenger” e, neste momento, já era o principal nome dos IMs por aqui. Em 2009, a Microsoft dizia que mais de 330 milhões de pessoas usavam mensalmente o Live Messenger.

Mais opções

Novos nomes que surgiram entre a decadência do ICQ e o crescimento do MSN Messenger se tornaram importantes nos anos seguintes. Um deles é o Skype, lançado em 2003, que permitia comunicação via vídeo, voz e mensagens instantâneas. Ele nunca foi popular como um IM, mas ganhou força principalmente pela possibilidade de realizar ligações VoIP, permitindo fazer chamadas telefônicas e falar com pessoas do mundo inteiro com tarifas menores do que as cobradas por operadoras. Em 2011, a Microsoft comprou o serviço e, um ano e meio depois, decidiu integrar o antigo MSN Messenger ao Skype – o que ocorrerá definitivamente em 2013.

Em 2005 que o Google decidiu entrar no jogo e lançou o seu Gtalk, que podia ser acessado tanto por um software instalado no computador quanto pela página do Gmail. Os contatos eram o mesmos da agenda do serviço do Google, e as conversas ficavam armazenadas como se fosse uma troca de emails. A facilidade de acessar o serviço em qualquer lugar – bastava entrar na sua conta do Gmail – fez o Gtalk ganhar muitos usuários em pouco tempo.

Mais recentemente, em 2010, o Facebook integrou o Facebook Chat à rede social, permitindo conversas com todos os amigos. A popularidade da rede social, que cresceu muito no Brasil nos anos seguintes até ultrapassar os 60 milhões de membros por aqui, contribuiu para o esvaziamento do MSN Messenger, que, após tomar o posto do ICQ de principal IM do país, também foi aos poucos abandonado por parte de seus usuários.

Mobilidade

O crescimento da internet móvel e dos smartphones também teve alguma influência nos IMs. Com a possibilidade de acessar a web de qualquer parte do mundo, os serviços mais populares ganharam versões móveis, como o Google Talk, o próprio MSN Messenger e o Facebook Messenger – que virou um app separado da rede social em 2011.

Mas não são apenas eles que facilitam as conversas nos telefones. Serviços como o Viber, o WhatsApp e o iMessage também permitem a troca de mensagens pelos telefones via internet, contribuindo para usuários gastarem menos do que gastariam com mensagens SMS. Esses serviços também permitem trocar informações sobre localização, enviar imagens e criar grupos para falar com diversas pessoas ao mesmo tempo.

O próprio ICQ, um dos pioneiros em IMs, também existe em sua versão móvel. Com ele é possível sincronizar contatos do Google Talk e de outros serviços e redes sociais e usá-los em apenas um app.

Uma contribuição para democracia peemedebista

Na tarde da segunda-feira, 5 de novembro, entreguei ao compa Luciano Fox um grande presente que ampliará os conhecimentos do amigo na busca de informações da democracia peemedebista. Na qualidade se secretário-geral do diretório municipal, fiz a obrigação de fazer o companheiro capacitado a assumir o futuros compromissos da vida política partidária.

A pasta da Fundação Ulysses Guimarães com inúmeros cadernos, serão um importante instrumento de aprendizado, que ampliarão o universo ideológico do compa e interessará cada vez mais com a política interna do partido. Fox também recebeu um livreto contendo os principais documentos do partido, sendo eles, o estatuto.

Vamos a luta e consolidar o maior partido de Ilhota.