30 anos de ET

30 anos de ET

A 30 anos atrás, hoje, a revista Variety publicou um anúncio de página inteira de George Lucas felicitando seu amigo Steven Spielberg para a superação de “Star Wars” em bilheteria com “ET O Extraterrestre”. Muitos anos mais tarde, depois de ambos os filmes foram relançado nos cinemas, Star Wars mais uma vez superar “ET”. Hoje “Star Wars” mantém o Nº 2 de todos os tempos doméstica de bilheteria e recorde bruto (ajustado pela inflação) e “ET” vem em # 4

Anúncios

A Virgem de Itapema

A Virgem de Itapema Catarina Migliorini

Meu amigo Rafael Weiss, jornalista e dono do Mundo 47, importante observador cultural e da cena musical do nosso estado e que está a procura de novos colaboradores para o seu site, publicou um artigo bem interessante em seu perfil no facebook, quando, segundo ele, visitava a cidade litorânea de Itapema. Não sei ao certo se estava a procura da mocinha ou de outra coisa, só sei que eu curti e resolvi em blogar.

Confira a seguir a integra de sua crônica:

Estou aqui em Itapema, terra da Catarina Migliorini, aquela moça de SC que participou de um leilão de sua virgindade na internet, R$1,5 milhão e um japonês feliz. Pois bem, Catarina retornou ao Brasil (sem ter dado pro japa) e virou dessas sub celebridades instantâneas  Assinou com a Playboy (que já está nas bancas) e várias outras revistas, participa de eventos, enfim, Catarina, a virgem, virou celebridade e sabiamente está faturando uns realzitos em cima de sua história bizonha. Catarina é bonita? De certa forma é, mas uma beleza normal. Catarina é simpática? Não sabemos, pouco fala. Catarina é esperta? Nem precisa responder.

Nestes dias de sub celebridade em SC, o Facebook de alguns conhecidos me fazem ver que Catarina, que é uma zé ninguém (apenas vendeu algo que não deu ainda). Pra esses conhecidos meus, Catarina é um must, um amor de pessoa e parecem que já conhecem a moça há anos babe! rsrsrs. Outro fato engraçado é que um certo restaurante, que se bobear até pouco tempo atrás Catarina não poderia nem entrar, já fez uma festa para abrigar a volta da nossa heroína  Porra gente, vamos dar um tempo! Celebridade de verdade em BC e SC a gente viu que foi a Sharon Stone. O que vier abaixo disso, pelamordedeus, vocês só vão fazer a virgem ficar mais rica. Aliás, o primeiro que comer Catarina, botará a carreira da bela em risco.

Em 1915, o tubo de iluminação neon é patenteado

Cores produzidas pelo gás neon podem variar de acordo com a forma como ele é produzido

Uso do gás passou a ser muito disseminado, principalmente para fins publicitários. Georges Claude, químico, físico e inventor, patenteia em 19 de janeiro de 1915 o tubo de iluminação neon.

Por volta de 1902, ele foi o primeiro a aplicar uma descarga elétrica em tubo selado contendo gás néon com a ideia de criar uma lâmpada. Inspirado em parte na invenção de Daniel McFarlan Moore, a lâmpada de Moore, Claude inventou a lâmpada de neon mediante a descarga elétrica através de um gás inerte, comprovando que o brilho era considerável.

Realizara investigações sobre um grupo de gases, o criptônio, o xenon e o neon, que junto com o hélio e o árgon eram denominados “gases inertes” ou “nobres”. Demonstrou que, ao aplicar descargas elétricas dentro de um tubo de vidro que contivesse gases nobres, se podia produzir luz. A mais brilhante era a luz vermelha produzida com o gás neon e, por isso, ainda que se utilizasse outros gases, as luzes assim produzidas passaram a se chamar de luzes de neon.

Uma das consequências mais espetaculares dessa descoberta foi sua aplicação na publicidade e o surgimento de cartazes luminosos que mudaram a cara das cidades. Esta descoberta foi também o antecedente da luz fluorescente, que substituiu as lâmpadas incandescentes, primeiro nas indústrias e, mais tarde, em muitos usos residenciais.

No transcurso da Segunda Guerra Mundial, Claude apoiou o governo do marechal Petain, com sede em Vichy, e ao terminar o conflito foi julgado como colaboracionista. Passou quatro anos preso, de 1945 a 1949.

História do gás

Neon vem do grego “neos”, que significa “novo”. O gás néon foi descoberto por William Ramsey e Morris Travers, em 1898, em Londres, quando refrigeraram uma amostra retirada da atmosfera até que se tornou um líquido. Em seguida, o líquido foi aquecido e se capturaram os gases quando era fervido. Os gases encontrados foram o criptônio, xenônio e o neon. A cor vermelha brilhante, que é emitida pelo neon gasoso, foi notada imediatamente, sendo que Travers escreveu mais tarde: “A chama da luz vermelha do tubo contou sua própria história”.

Neon é um elemento raro, presente na atmosfera na extensão de 1 parte em 65.000 de ar. É obtido por liquefação de ar e separado dos outros gases, por destilação fracionada. Claude exibiu publicamente a primeira lâmpada de néon em Paris em 11 de dezembro de 1910. Em 1923, Claude, por meio de sua empresa Claude Neon, vende dois sinais de gás neon para um concessionário de automóvel Packard, em Los Angeles, por 24 mil dólares.

A iluminação a neon rapidamente se tornou bastante popular na publicidade externa. Visível mesmo de dia, as pessoas paravam para olhar os sinais de néon, cognominados então de “fogo líquido”. Os sinais de neon são produzidos por trabalhadores com habilidades para o ofício de vidraceiro, dando-se a forma desejada aos tubos de vidro. Os tubos de neon são feitos a partir de hastes vazias de vidro de 4 a 5 metros, onde são manualmente montadas de acordo com o projeto individualizado do cliente. Existem dezenas de cores disponíveis, definidas a partir do tipo de vidro do tubo e da composição do gás levado a preenchê-lo.

A manufatura dos sinais de neon é uma mescla de indústria artesanal e arte eclética e, na maioria dos casos, organizada na forma de pequeno negócio familiar. Mesmo nos dias de hoje, quase a totalidade dos tubos de neon são fabricados manualmente e resultado de labor intensivo.

O diâmetro externo do tubo mede entre 8 a 15 milímetros, com 1 milímetro de espessura da parede do vidro, o mais comumente usado, embora tubos com 6 milímetros estejam hoje comercialmente disponíveis com vidros de diversas cores. O tubo é aquecido por seções usando-se diversos tipos de queimadores, selecionados de acordo com a quantidade de vidro a ser aquecido para cada curva. O interior dos tubos deve ser recoberto por uma fina camada de pó fosforescente, disposta na parede interna do tubo com material colante.

O tubo é preenchido com uma mistura de gás purificado e o gás ionizado em alta voltagem aplicado por entre as extremidades do tubo fechado por meio de catodos frios soldados nas extremidades. A cor da luz emitida pelo tubo provém exatamente do tipo de gás ou da luz da camada de fósforo.

O gás neon é apenas um dos tipos de gás utilizado no preenchimento dos tubos, sendo sua aplicação é eminentemente publicitária. Gás neon puro é usado para produzir apenas um terço das cores. A maioria das cores decorre do preenchimento dos tubos com outros gases ‘nobres’, como o árgon ao qual se adiciona uma gota de mercúrio imediatamente após a purificação.