Cientistas brasileiros patenteiam nanomaterial que pode remover poluentes

Invento pode ser usado para remover poluentes metálicos e tóxicos, incluindo os radioativos, presentes nos efluentes industriais.

Boa ideiaA Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen/MCTI) obteve patente pela invenção de um nanomaterial superparamagnético que pode ser usado para remover poluentes metálicos e tóxicos, incluindo os radioativos, presentes nos efluentes industriais. De acordo com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, o invento foi desenvolvido pelas pesquisadoras Mitiko Yamaura e Ruth Luqueze Camilo, do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), e pelo pesquisador Luiz Sampaio, do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF/MCTI). A patente foi concedida no fim de 2012.

Composto de partículas de magnetita em escala nanométrica, o material patenteado constitui alternativa barata e eficiente aos métodos existentes para tratamento de efluentes. A metodologia consiste na remoção das nanopartículas com os poluentes com uso de campo magnético produzido por um ímã, por exemplo.

Como funciona

As nanopartículas magnéticas têm sua superfície revestida por uma fina camada de material polimérico e um agente extrator, de modo a serem funcionalizadas e se tornarem receptoras seletivas de determinados íons ou moléculas (orgânicas) de interesse. Na invenção dos três pesquisadores, as nanopartículas são utilizadas para remover íons de urânio de meio aquoso.

Como explica Sampaio, as nanopartículas magnéticas são amplamente conhecidas pela sua propriedade de purificar soluções e já bastante utilizadas nos campos da biomedicina, da biologia molecular, do diagnóstico médico e da química. As partículas descritas na invenção de que ele participou são seletivas para íons metálicos tri, tetra e hexavalentes de soluções altamente ácidas.

A patente, depositada em 2003, tem prazo de validade de 20 anos, contados a partir da data do depósito.

Anúncios

Músico regrava sozinho clássicos dos Beach Boys e dos Beatles

Australiano Joel Koster

O australiano Joel Koster tem 18 anos. É músico. Toca vários instrumentos e é ousado, muito ousado. Está lá no YouTube, em vídeos postados em outubro e novembro do ano passado, quando Joel tinha 17 anos, as provas de tamanha ousadia: ele regravou sozinho, tocando todos os instrumentos e fazendo todos os vocais, Pet Sounds, dos Beach Boys, e Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band, dos Beatles, dois clássicos e, mais do que isso, dois dos mais inovadores e importantes álbuns da história da música. A justificativa para a escolha dos álbuns é simples: estão entre os favoritos de Joel. Mais gravações, inclusive composições próprias, no canal de Joel no YouTube.