Telefones celulares merecem antenas domésticas?

Os testes mostraram que as femtocélulas reduzem o tráfego nas redes móveis e melhoram a intensidade e a cobertura dos sinais em nível local. [Imagem: Befemto Project]

Todos querem ter sinal no celular onde quer que estejam, mas nem todos querem ter uma antena de celular na vizinhança. Uma equipe de pesquisadores europeus está agora apresentando uma solução inusitada para esse problema.

A equipe se propôs a trabalhar na eliminação dos chamados “buracos negros” – áreas sem cobertura dos sinais de celular e internet sem fios – e da saturação de algumas áreas, quando há sinal, mas a rede fica congestionada por excesso de usuários. A solução que eles encontraram parece controversa à primeira vista.

Em vez de mais antenas normais, que custam caro para as operadoras e enfrentam oposição da população, os pesquisadores propõem usar “células” de sinal – pequenas antenas com área de cobertura menor, espalhadas por toda a cidade, inclusive nas residências.

Ao contrário do que possa parecer, essas antenas domésticas permitiriam diminuir a intensidade dos sinais distribuídos por toda a cidade, o que seria obtido por duas vias: fazendo as “antenas celulares” operarem com uma potência baixíssima, e unificando a rede celular com a rede de telefonia fixa.

Femtocélulas

A unidade básica das antenas celulares seria o que a equipe chama de “femtocélula”, essencialmente uma antena residencial, capaz de prover sinal para uma casa ou para um andar de um edifício.

também a “femtocélula móvel”, dedicada a fornecer o sinal para ônibus, trens e outros veículos. Uma célula comercial atenderia a empresas, prédios de escritórios ou shopping centers. Na opinião dos seus defensores, em vez de aumentar a intensidade de sinal da radiação eletromagnética na cidade como um todo, o conceito de femtocélula na verdade diminui a quantidades de ondas de rádio no ambiente, permitindo que as operadoras otimizem o uso de suas frequências.

Isso porque, sendo ligadas à fiação da telefonia fixa, cada antena poderia selecionar como transmitir seus sinais, se para a próxima antena, ou, para um destino mais distante, pela fiação. Outra medida seria a limitação da potência de cada femtocélula, que deve operar com uma potência típica de 10 mW.

Antenas inteligentes

Ainda há muitos desafios para tornar prático esse conceito, mas as autoridades europeias estão levando a ideia a sério: o projeto Befemto recebeu apoio do programa FP7, a maior fonte de financiamento para pesquisas na Europa, e tem na lista de colaboradores as maiores empresas de telecomunicações e provedores de telefonia móvel, além de uma dezena de universidades.

O entusiasmo se baseia nos primeiros testes de campo, que mostraram resultados animadores. Os testes mostraram que as femtocélulas reduzem o tráfego nas redes móveis e melhoram a intensidade e a cobertura dos sinais em nível local.

“Adicionando femtocélulas e pequenas células à rede móvel, nós possibilitaremos que os operadores melhorem a eficiência do seu espectro por meio das redes heterogêneas e pela integração transparente com a rede de telefonia fixa,” disse Thierry Lestable, coordenador do projeto.

Ainda não há previsão sobre a adoção do projeto Befemto como um todo, mas os algoritmos de gerenciamento da rede, que dão às antenas a inteligência para fazerem o roteamento entre as redes móvel e fixa, já estão sendo aproveitados pelos parceiros comerciais do projeto.

Anúncios

Ano de 2013 começa forte!

Toda a equipe da organização Repórteres Sem Fronteiras deseja-lhe um excelente ano de 2013

Para começar 2013, Presidente tunisino Moncef Marzouki nos recebeu para o palácio de Cartago, onde defendeu a liberdade de imprensa no país de origem da “Primavera Árabe”. O presidente apresentou um prêmio com as palavras: “Tunísia, Repórteres Sem Fronteiras agradecidos pela sua solidariedade ativa durante os Anos de Fogo”.

No Palais Wilson, em Genebra, que deu as notas de trabalho para Navi Pillay, Alta Comissária para os Direitos Humanos. Três dias antes de seu discurso para encaminhamento ao TPI sobre a Síria ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, foi perguntado sobre a repressão de jornalistas e internautas no país.

Para a Comissão Nacional Consultiva dos Direitos Humanos, da qual sou membro, e do Governo francês e da legislatura, temos desenvolvido recomendações sobre a “protecção das fontes dos jornalistas”. A lei proposta para 2013 é uma questão fundamental para todos os cidadãos esperam uma maior transparência de nossa vida econômica e política.

Início de janeiro, a Repórteres Sem Fronteiras divulgou um relatório de investigação sobre “A Primavera da mídia” na Birmânia. Todos os dias, nós coletamos informações em todo o mundo através da nossa rede de 150 correspondentes em 130 países. Graças ao nosso centro de apoio, defendemos informações atores concretamente.

Nosso anti-censura em Francês, Inglês e as línguas originais, Wefightcensorship.org, nos permite reduzir a censura, enquanto Rádio Erena, as únicas mídias independentes em destino Eritreia (país último ranking mundo a liberdade de imprensa além), nós transmitido de Paris, encontrou um lugar em um satélite após sofrer ataques tecnológicos.

Para o jornalista Burundi Hassan Ruvakuki, RFI correspondente condenado por nada, uma história simples, a vida em primeiro lugar, em seguida, em recurso a três anos de prisão, que lançou uma petição e uma onda de apoio em toda a África. Apoiamos Mansoureh Behkish, a voz de “Luto Mães no Irã”, ameaçou um retorno para a prisão, como o Nobel da Paz chinês Liu Xiaobo, que ainda está fora, e muitos outros, da Turquia ao Paquistão através do Vietnã.

Repórteres Sem Fronteiras sede em Paris, nossas seções, Ohne Grenzen Reporter na Alemanha e Áustria, Suécia Granser Reportrar utan, ou Repórteres Sin Fronteras, em Espanha, em nossos escritórios em Washington, Bruxelas, Tunis ou Trípoli onde enviou um novo representante em 01 de janeiro, lutamos pela liberdade é respeitada coletar, produzir e divulgar informações.

Liberdade nos termos do artigo 19 da Declaração Universal dos Direitos Humanos é fundamental. Eu nunca vou esquecer as palavras pronunciadas em Rangoon em setembro passado por Win Tin, que passou 19 anos em prisões birmanesas. “Liberdade de informação é o que permite verificar a existência de qualquer outro”.

Sem você, nenhuma de nossas ações, algumas de nossas lutas seria possível. Obrigado a todos que nos apoiam e que ajudam a defender esse direito nos é caro, o direito de informar e ser informado em todo o mundo.

Christophe Deloire, Diretor Geral da Repórteres Sem Fronteiras.

 

Ficha Limpa no Senado: Renan não!

Renan Calheiros

Senador Renan Calheiros, que acaba de ser denunciado criminalmente ao STF pelo Procurador-Geral da República, é o favorito para ser o próximo presidente do Senado. Somente uma mobilização gigantesca pode impedir esta vergonha.

A última vez que Renan Calheiros foi Presidente do Senado, em 2007, ele teve que renunciar após sérias denúncias de que um lobista pagava suas despesas pessoais, paralisando o Senado por meses. A denúncia agora é que para se defender daquelas acusações ele apresentou notas falsas. Após a aprovação da lei da Ficha Limpa e do julgamento do Mensalão o país precisa deixar claro que não aceita mais que a moralidade pública fique em segundo plano.

Antes da denúncia ao STF, Renan era franco favorito, mas agora está surgindo uma forte articulação entre os Senadores contra sua candidatura e uma mobilização popular gigantesca nas próximas 48 horas — antes da eleição na sexta-feira — pode enterrar de vez os Planos de Renan. Assine agora essa petição, que foi criada pela ONG Rio de Paz, e ao atingirmos 100.000 assinaturas ela será lida no plenário do Senado por Senadores que se opõem a Renan: http://www.avaaz.org/po/ficha_limpa_no_senado_renan_nao/?bYLqhbb&v=21485.

Não podemos assistir de braços cruzados um Senador que acaba de ser denunciado criminalmente ser eleito Presidente de um dos Poderes da República, que tem o poder de decidir quais os projetos devem ser ou não votados e é o terceiro na linha sucessória da Presidenta da República.

A acusação mais recente contra o Senador é que ele apresentou notas falsas para se defender das acusações anterioresAlém dos danos à imagem de nossas instituições causados por essa eleição, está claro que Renan passará sua gestão se defendendo de acusações ao invés de conduzir votações importantes no Senado. Um país que se orgulha de ter uma lei como a Ficha Limpa deve se mobilizar contra isso.

Nossos informantes em Brasília afirmam que apenas uma enorme mobilização popular pode fazer os Senadores perceberem que suas reputações estarão em risco caso insistam em conduzir Renan Calheiros para a Presidência do Senado. Por isso, é fundamental espalhar essa petição por todos os cantos para chegarmos a 100.000 assinaturas e podermos ter nossas vozes amplificadas no plenário do Senado durante a votação. Assine aqui e compartilhe com todos: http://www.avaaz.org/po/ficha_limpa_no_senado_renan_nao/?bYLqhbb&v=21485.

Nos últimos anos a comunidade da Avaaz tem se fortalecido e lutado contra a corrupção no Brasil. Juntos ajudamos a aprovar a Lei da Ficha Limpa, proteger comunidades indígenas e os direitos dos trabalhadores. Vamos nos unir mais uma vez pela eleição de um presidente Ficha Limpa para o Senado, uma conquista de todos nós.

Com esperança e determinação, Pedro, Diego, Carol, Alice, Laura, Dalia, Ricken e toda a equipe da Avaaz.

Mais informações