Solidariedade aos indígenas em luta no Mato Grosso do Sul

Solidariedade aos indígenas em luta no Mato Grosso do Sul

O MST manifesta solidariedade aos indígenas que lutam no Mato Grosso do Sul em defesa dos seus territórios e contra a apropriação das terras pelo agronegócio.

O Estado brasileiro, com a decisão de expulsar os indígenas da fazenda Buriti e a ação da Polícia Federal para fazer a reintegração de posse no município de Sidrolândia, age para defender o direito dos fazendeiros, em vez de cumprir o que está previsto na Constituição. O governo federal prioriza o atendimento dos interesses do agronegócio, que ameaça a vida dos camponeses, indígenas, quilombolas e povos tradicionais. A omissão diante da morte dos indígenas em luta revela a falta de sensibilidade das autoridades.

O agronegócio, enquanto modelo dominante de organização da agricultura e do meio rural no Brasil, é sustentado na aliança dos fazendeiros capitalistas com empresas transnacionais, que avançam para controlar as nossas terras e a produção agropecuária. As políticas implementadas para fortalecer as empresas do agronegócio aprofundam os problemas históricos do nosso país, como a concentração de terra, a desigualdade social, a violência contra os povos que vivem do cultivo da terra e a subordinação econômica aos interesses do capital internacional.

Por isso, a consolidação desse modelo não representa desenvolvimento, mas a dilapidação das bases econômicas do Brasil para a organização da agricultura dentro de um modelo que atenda as necessidades do povo brasileiro no campo e nas cidades. Para alcançar seus objetivos e realizar seus interesses econômicos, os latifundiários capitalizados pela grande burguesia financeira e internacional atuam para impedir os cumprimentos das leis que determinam a reforma agrária, a demarcação de territórios indígenas e a titulação de áreas quilombolas.

Com sua força no Congresso Nacional, paralelamente o agronegócio faz uma movimentação para mudar essas leis, “legalizando” o descumprimento da Constituição. Com isso, fazem uma campanha ideológica para desmoralizar os órgãos responsáveis pelo cumprimento dessas leis. Um dos exemplos mais representativos dessa estratégia foi a discussão em torno do Código Florestal. Os ruralistas, que descumpriam a lei que determinava a manutenção de reserva legal e das áreas de preservação permanente, fizeram antecipadamente um movimento para descredibilizar a legislação ambiental (que não corresponderia às necessidades econômicas do país) e a atuação do Ibama (que seria politizado). Logo depois, passaram a fazer pressão pela modificação da lei e pelo perdão às dívidas aplicadas pelo desmatamento.

O agronegócio repete a mesma fórmula para transformar em letra morta o artigo 231 da Constituição brasileira: “As terras tradicionalmente ocupadas pelos índios destinam-se a sua posse permanente, cabendo-lhes o usufruto exclusivo das riquezas do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes”.

Os indígenas, assim como os sem-terra, os quilombolas e as florestas, representam um obstáculo para a expansão e consolidação de um modelo de produção agrícola, que concentra a terra para produzir monoculturas valorizadas no mercado para exportação, coloca nosso território e agricultura sob controle do capital internacional, expulsa a população do meio rural, destrói o meio ambiente e envenena as lavouras, lençóis freáticos e rios com a utilização excessiva de agrotóxicos.

Os movimentos de luta pela reforma agrária, a resistência dos indígenas e quilombolas e camponeses e os setores preocupados com a preservação do meio ambiente fazem campanhas e lutas em defesa dos interesses da sociedade brasileira. No entanto, não temos força suficiente para enfrentar a ofensiva do capital na agricultura. Apenas com a organização e mobilização do conjunto da sociedade, especialmente da classe trabalhadora, será possível derrotar os responsáveis pelas mortes dos que lutam no campo, pela desnacionalização das nossas terras e pela submissão da nossa economia aos interesses do capital financeiro internacional.

Vamos intensificar as nossas mobilizações e realizar atividades por todo o país, em solidariedade aos povos indígenas em luta e, dessa forma, pavimentar na prática a unidade das forças progressistas em torno de um novo modelo de organização da agricultura e por mudanças estruturais no Brasil.

Leia nota da Via Campesina: Estado é o culpado pelos conflitos por terra.

Anúncios

Faça seu próprio Keep Calm And…

dcvitti e seu keep calm and crie o seu cartaz

A arte com fundo colorido, desenho de uma coroa e as palavras “Keep calm and…” é conhecida no mundo inteiro. Neste tutorial, vamos te ensinar a fazer seu próprio cartaz em poucos passos, utilizando o gerador online Keep Calm o matic.

Na Internet, o pôster é parodiado diariamente e postado em redes sociais como Tumblr e Facebook. O cartaz foi produzido pelo governo britânico na época da Segunda Guerra Mundial com o objetivo de motivar a população caso os nazistas invadissem a Grã-Bretanha com o conselho: “Fique calmo e siga em frente”.

O cartaz original "Keep calm and carry on" (Foto: Reprodução)

Passo 1

Abra o gerador e modifique os dizeres nas cinco linhas do cartaz. No caso, vamos usar a frase: “Keep calm and acesse o TechTudo”, mas você pode modificar o texto como quiser. É importante manter as palavras em caixa alta;

Modificando o cartaz como desejar (Foto: Reprodução)

Passo 2

Agora, vamos escolher as cores do fundo e do texto. No nosso pôster, vamos usar branco para o fundo e laranja para o texto. Para modificar, basta clicar no círculo colorido ao lado de “back color” e “text color”, um círculo com várias opções se abrirá. Selecione a cor e o tom desejados. Se preferir, você pode mudar o fundo da imagem e enviar uma foto do seu computador clicando no ícone “background image”, no lado direito da página;

Escolhendo as cores do cartaz (Foto: Reprodução)

Passo 3

Você pode alterar o tipo e o tamanho da fonte, mas aconselhamos usar “KEEP CALM” (primeira opção) e o tamanho “44 px por 96 px”, como na imagem abaixo;

Selecionando o tipo e o tamanho da fonte (Foto: Reprodução)

Passo 4

Selecione a logo, que aparecerá acima do seu texto. Você pode manter a coroa ou escolher outros desenhos, clicando em cima da logo. É possível ainda enviar uma imagem do seu computador para fazer parte do seu cartaz. Para o nosso, escolhemos a câmera fotográfica;

Optando por um desenho que será a logo do seu cartaz (Foto: Reprodução)

Passo 5

Clique em “Generate my poster”, no canto inferior direito da página, para finalizar o seu cartaz e gerar a imagem.

Keep calm and faça seu próprio meme

O site Keep Calm O’Matic é uma ferramenta que permite que qualquer usuário crie uma versão de um dos memes mais famosos da Internet atualmente. Desde o original “Keep Calm And Carry On”, diversos outros modelos da frase britânica estão ganhando a web e agora é você quem pode criar um slogan bem humorado.

O processo não poderia ser mais simples. Basta entrar na página e clicar na opção “Create My Poster”. Você será redirecionado para a janela de edição do pôster. Nesta área, a primeira opção mostra cinco linhas de texto onde é possível editar as palavras que estarão no seu poster. Depois, ao lado, é a vez de ir para a paleta de cores e selecionar os tons das frases e do fundo da imagem. Abaixo, é possível escolher a fonte e o tamanho do texto.

Os últimos passos são selecionar as dimensões da imagem, a logomarca acima do texto (a tradicional é uma coroa) e também adicionar uma imagem de fundo caso você deseje. Depois de customizar tudo isso, clique em “generate my poster”. Em alguns segundos, o usuário é redirecionado para uma página onde pode visualizar o seu meme. Caso não tenha gostado, clique em “edit your poster”. Se ficou tudo certo, opte por “save and finish your poster”.

Pronto, você já criou o seu “Keep Calm”. Agora é só compartilhar com os amigos nas redes sociais!

Fonte: TechTudo http://www.techtudo.com.br/dicas-e-tutoriais/noticia/2012/07/como-fazer-um-keep-calm.html