Águas Mortais, documentário da Discovery sobre a tragédia de 2008 no morro do Baú, Ilhota

Esses dias eu estava relendo algumas de minhas publicações em meu blog, o #blogdodcvitti, um dos mais acessados em minha cidade e me deparai com esse “Discovery Chanel exibe documentário sobre a tragédia de 2008 no morro do Baú” publicado em 05/02/2011. Na época eu atuava como assessor da juventude e auxiliava muitas vezes na Assessoria de Imprensa da prefeitura e noticiamos esse tema pra todas as mídias e elas anunciaram em seus veículos. Eu queria rever o documentário, mas não o encontrava. Republiquei a postagem novamente e espalhei em minhas redes e anunciei que estava a procura deste documentário exibido na TV americana que abordava o desastre de 2008 de Ilhota. Deu certo! Os amigos Bruno e Domingos Neto atenderam o chamado e encontraram o link. Está aí, postado no blog o vídeo do documentário.

No ano 2010, uma equipe de reportagem do Discovery esteve em Santa Catarina entrevistando uma série de autoridades para a produção do programa. O meteorologista Clóvis Corrêa, da equipe da Epagri/Ciram, falou sobre os fenômenos meteorológicos extremos que ocorrem no Estado e suas características. Águas Mortais foi dirigido por Rodrigo Astiz, é uma coproduções Mixer com o canal Discovery Channel América Latina.

As enchentes são um dos desastres naturais mais mortais do mundo. Nos últimos anos, milhares de vidas se perderam devido às enchentes na América Latina. Da Cidade do México ao sul do Brasil, temos visto cenas trágicas, mais frequentes do que os especialistas em clima haviam previsto.

Águas Mortais revê as maiores enchentes ocorridas na região, especialmente no Brasil, para entender o que as provoca. Também mostra como análises, pesquisa e tecnologia poderiam ajudar as populações a se prepararem para o inevitável.

14 perguntas a serem respondidas em 2014

Pergunte ao especialista

Quando saberemos quem era o dono da cocaína apreendida no helicóptero? O mensalão tucano irá a julgamento ou se aguardará a prescrição dos crimes?

  1. Será ético – e minimamente justo – que um juiz do STF ou do STJ, julgando partidos e políticos hoje não estariam se precavendo contra potenciais adversários políticos amanhã?
  2. A propósito, com alguns ministros mostrando assanhamento para ingressar na cena política – Joaquim Barbosa (STF) flerta com o Planalto embalado pela grande mídia e Eliana Calmon (STJ), recém filiada ao PSB, assumir que vai concorrer a uma vaga no Senado pela Bahia – não deveriam existir regras de quarentena, tipo um ou dois anos de desincompatibilização do ofício de julgar, principalmente em se tratando de ministros de Tribunais Superiores?
  3. Quando saberemos quem era o dono da cocaína apreendida no helicóptero do senador mineiro Zezé Perrela?
  4. E mais: não é esquisito que as investigações da PF foram no sentido de esclarecer “quem não era o dono” da cocaína no helicóptero?
  5. Serra desistiu da terceira candidatura à Presidência ou, analisando o Ibope, entendeu ser essa uma canoa pra lá de furada?
  6. Além da estátua do imenso poeta Carlos Drummond de Andrade, em Copacabana, quem mais atendeu ao convite para uma conversa com o presidencial Aécio Neves?
  7. Pilhado duas vezes fazendo uso indevido de aviões da FAB neste mesmo ano de 2013, será que a única punição ao presidente Renan Calheiros é a de ressarcir o custo das passagens aéreas?
  8. E um Senador quando se interna em spa na Costa do Santinho, em Santa Catarina, para dar uma repaginada facial com uso de botox, as despesas devem ser cobertas pelo Senado?
  9. Será defensável, em um país com aceleração inaudita dos meios digitais acessíveis a parcelas significativas da população, que o governo Alckmin adquira 5.200 assinaturas anuais, relativas a 52 edições, das revistas Veja, Época e IstoÉ para a rede pública de ensino do Estado de São Paulo?
  10. Por quê cargas d´água o governo Alckmin não incluiu a semanal CartaCapital no rol dos favorecidos? Filtro ideológico?
  11. Circulam informações dando conta que no período de 2004 a 2008 foram pagos perto de R$ 250 milhões à Abril – editora responsável pela revista Veja -, FolhaEstadãoGlobo/Fundação Roberto Marinho, mas a questão é: porque tais contratos milionários foram feitos “a maioria sem licitação”?
  12. O mensalão tucano, usando o mesmo esquema Marcos Valério e avô do mensalão petista, irá a julgamento em 2014 ou primeiro se aguardará que novos personagens – dois já foram! – se beneficiem com a prescrição dos crimes?
  13. Que fim levaram as investigações de fraudes grosseiras na coleta de assinaturas para registro do partido Solidariedade?
  14. O que é melhor ler nessas férias: “A divina comédia” de Dante Alighieri ou desperdiçar tempo e dinheiro com o “A década perdida” de Marco Antonio Villa?

Artigo publicado no site da revista Carta Maior.