As piores empresas do ano

As piores empresas do ano classificado pelo greenpeace

Já virou hábito. A cada ano, quando as principais lideranças empresariais e políticas do mundo se reúnem no Fórum Econômico Mundial, o Greenpeace rouba as atenções para fazer um anúncio. É o Public Eye Award, que premia as piores empresas do ano, segundo critérios ambientais. Dessa vez, quem ganhou o troféu-vergonha foram a petrolífera russa Gazprom – por votação popular – e a gigante têxtil Gap, escolhida pelo júri.

Não foi à toa. A indicação da Gap pelo Fórum Internacional de Direitos Trabalhistas deveu-se principalmente ao fato de que, mesmo após o pior acidente industrial de Bangladesh – a queda do Rana Plaza Factory, que deixou 1100 mortos e muitos feridos – a empresa se recusou a assinar um acordo pela segurança de edificações e incêndios no país. Em vez disso, continua minando as opções de compromisso com seus fornecedores para melhorar as condições de trabalho de milhares de pessoas.

Já a Gazprom teve seu nome estampado na imprensa mundial no fim do ano passado, após um protesto pacífico que o Greenpeace fez em uma de suas plataformas. Os 30 ativistas foram presos por denunciar os planos da empresa de iniciar a exploração de petróleo no Ártico.

Para investigar essas empresas e expor seus ataques ao meio ambiente, o Greenpeace conta com a colaboração de pessoas como você. Não aceitamos dinheiro de governos, empresas ou partidos políticos, o que nos dá independência para fazer essas denúncias. Junte-se a nós para que a gente possa continuar nesse caminho.

Anúncios