Camboriú elabora protocolo sanitário e epidemiológico para promover saúde durante Gideões

35º Congresso dos Gideões 2017

Mutirões de combate à dengue iniciaram nesta sexta-feira com estratégias usadas na Copa do Mundo e Olimpíadas. Documento dita fiscalização para residências, comércios e ônibus.

Na manhã do dia 31, a equipe do Programa do Combate à Dengue de Camboriú realizou um mutirão de limpeza no cemitério do Centro em parceria com os agentes comunitários de saúde. O ponto é estratégico: fica próximo ao local em que centenas de pessoas devem circular durante o 35º Congresso dos Gideões. A ação recolheu 37 sacos de lixo do local, cuja limpeza já é realizada quinzenalmente.

Essa foi a primeira de uma série de atividades com objetivo de promover a saúde e prevenir doenças antes, durante e depois da recepção das 160 mil pessoas esperadas pela organização do evento. Todas essas ações estão previstas em um protocolo, que determina procedimentos a serem executados, e que foi elaborado em parceria com as diretorias de Vigilância Epidemiológica e Vigilância Sanitária do Estado.

A convite da Secretaria de Saúde, na quarta-feira, dia 29, reuniram-se na Prefeitura de Camboriú secretários municipais, vereadores e organizadores do Congresso dos Gideões – juntamente com os diretores de Vigilância Epidemiológica e Vigilância Sanitária do Estado. No encontro, foram traçadas medidas preventivas, já que o evento recebe pessoas vindas de diferentes países e estados do Brasil.

Uma das situações avaliadas é possibilidade à exposição de doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti, como dengue, zica e chikungunya. O supervisor de campo do Programa de Combate à Dengue, Fábio Murilo de Souza, conta que o risco está presente porque não temos a doença, mas temos focos de mosquito. “Diagnosticamos 74 focos de Aedes Aegypti em Camboriú. Mas não temos presença das doenças transmitidas por ele. Com a chegada das caravanas para os Gideões, corre-se o risco de que os mosquitos se contaminem”, explica.

Para evitar isso, o Programa de Combate à Dengue importou estratégias utilizadas na preparação do Brasil para a Copa do Mundo e as Olimpíadas – apresentadas pelos diretores estaduais durante a reunião do dia 28. A primeira delas foi o mutirão de limpeza do cemitério.

Para dar continuidade às ações da Operação pré-Gideões, como tem sido chamado internamente o protocolo, formou-se uma força conjunta entres as secretarias de Saúde, Agricultura, Defesa Civil, Fundação Camboriuense de Gestão e Desenvolvimento Sustentável (Fucam), Bombeiros e 10 técnicos em endemia do Estado de Santa Catarina. Essa equipe inicia na segunda-feira a fiscalização da região de entrada do bairro Taboleiro – que é um dos principais acessos à cidade.

Cerca de 600 residências serão vistoriadas na área. A vistoria contempla eliminação dos focos de reprodução do mosquito, fechamento de caixas d’água e recolhimento de materiais abandonados em terrenos, como televisores e pneus, que podem acumular água parada. “Feito o mutirão na entrada do Taboleiro, passaremos para o bairro Lídia Duarte e região central de Camboriú, nos arredores da sede dos Gideões, em que 144 quarteirões serão vistoriados pela equipe”, explica o supervisor de campo Fábio Murilo.

Além da Vigilância Epidemiológica, que trata de doenças contagiosas como a dengue, o protocolo da Saúde contempla ações de Vigilância Sanitária. Uma delas é a fiscalização dos ônibus que trazem visitantes à cidade. O secretário de Saúde Ronnye Peterson dos Santos explica que será cobrada a desinfectação dos dejetos desses veículos, que terão seus banheiros lacrados pela Vigilância durante a estada em Camboriú.

A Secretaria da Saúde também cobrará curso de boas práticas em manipulação de alimentos para todos os comerciantes de alimentos nos Gideões. O curso é oferecido gratuitamente pela Secretaria durante todo o mês de abril. A inscrição deve ser feita na sede da Secretária de Saúde, no setor da Vigilância Sanitária, localizado na Rua Curitiba, s/nº, anexo à Policlínica, com horário de atendimento de segunda a sexta-feira, das 12 às 18 horas. O interessado deve estar munido do documento de RG e comprovante de residência.

No dia 6 de abril, as diretorias de Vigilância Epidemiológica e Sanitária do estado retornam a Camboriú para concluir o protocolo sanitário deste ano. Segundo o secretário Ronnye Peterson, não foi possível fazer um grande mudança estrutural no mapa do Congresso ainda em 2017. Para o ano que vem, no entanto, o protocolo da Saúde também determinará uma área exclusiva de alimentação, “para promover um fluxo sanitário saudável”, explica.

O secretário também pede que toda a população elimine, em suas residências e comércios, pontos de acúmulo de água parada que servem de criadouro para o Aedes Aegypt. Bem como, que os comerciantes de alimentos não deixem de participar do curso de boas práticas em manipulação de alimentos. Ele entende que promover a saúde comunitária é tarefa de todos os membros da comunidade: “Estamos cumprindo um protocolo rigoroso para garantir a segurança de todos, mas entendemos que cada pessoa, em seu espaço privado, é responsável por impedir que o mosquito se reproduza. E que cada empresário tem responsabilidade sobre a qualidade do produto que comercializa”, finaliza.

Prefeitura de Camboriú
Assessoria de Imprensa

Anúncios

O circulo vicioso das fake news e o futuro do jornalismo

Fake News dcvitti

Nos dias atuais, a mídia está muito presente na vida das pessoas, principalmente com a expansão da internet, que de certa forma aumentou o conteúdo comunicacional e as plataformas voltadas para a comunicação. Porém esse boom da expansão midiática não trouxe apenas pontos positivos para a área. A exigência da instantaneidade leva a uma apuração nem sempre com qualidade, o excesso de informação está deixando a sociedade confusa pelo fato de ter aumentado a divulgação de notícias falsas (fake news) como se fossem verdadeiras, ou seja, há muito menos questionamentos, além disso, as redações estão cada vez mais enxutas e os profissionais da área perdem noites de sono com medo das crescentes demissões. O grande número de demissões, as notícias falsas e o excesso de factualidade são os principais problemas que causaram uma crise na mídia contemporânea e que devem ser discutidos a seguir.

A mídia contemporânea obriga o jornalista à factualidade. Se por um lado isso deixa o consumidor da notícia informado de forma mais rápida sobre determinado fato ou serviço, por outro a apuração pode ser mal feita e acontecer uma divulgação de notícia que não seja verdadeira. Existe uma possibilidade cada vez menor de aprofundamento do conteúdo, já que há uma corrida para informar o fato o mais rápido possível. A preocupação com a qualidade da informação continua sendo importante, porém pode passar a ser secundária.

Outra mudança que essa instantaneidade pode trazer é a notícia cada vez mais curta, o que podemos classificar como uma twittertização do conteúdo jornalístico. Mesmo que a apuração apresente poucos fatos interessantes, existe a necessidade de jogar esse conteúdo o mais rápido possível na rede de informações. Além disso, o repórter pode acabar divulgando algo que foi dito de uma fonte questionável e acaba se perdendo no fluxo de informações. Mas a necessidade do factual exigida pelas empresas deixa a reflexão menor, pois tudo tem que ser feito em um curto espaço de tempo para atender a um público que exige mais velocidade em relação à qualidade. Começa a aparecer um público cada vez menos crítico e a notícia curta cria o costume de ler muito menos do que antigamente.

As novas tecnologias de mídia contemporânea também permitem uma atualização da informação de forma mais simples, o que exige ainda mais essa factualidade. É mais fácil levar novidade ao público e tudo pode ser alterado em questão de segundos. A longo prazo isso pode causar um certo relaxamento na apuração da notícia antes dela ser divulgada já que ela pode ser alterada e atualizada em pouco tempo. Uma informação com pouco conteúdo pode ser jogada na rede somente para gerar cliques e dar a sensação ao público de que ele está sendo bem informado naquele veículo somente pelo fator da notícia instantânea.

Fake news e excesso de informação

Por incrível que pareça, um dos motivos da crise da mídia contemporânea é o excesso de informações. Os veículos midiáticos atuais podem até ter trazido uma certa pluralidade e diferentes visões ideológicas sobre determinados acontecimentos; porém, em meio a tantas informações, o público acabou se perdendo sobre o que é verdadeiro e falso. Isso gerou uma indústria chamada fake news onde informações falsas com apelo emocional ganham um grande público que difunde as ideias sem contestar aquilo que foi divulgado e espalham boatos que colaboram com a crise na mídia contemporânea.

A questão da fake news gera uma crise tanto na mídia atual quanto na sociedade em geral, a prática da difusão de boatos pode se tornar cultural a longo prazo empobrecendo o debate racional e acabar sendo uma concorrência do jornalismo sério, já que os boatos tem uma grande repercussão e muitas vezes o público acaba achando mais interessante do que as informações com mais credibilidade. Esse é um fator da crise da mídia contemporânea que não será combatido de maneira simples já que hoje é mais fácil pessoas com péssimas intenções criarem seu próprio canal de comunicação.O assunto do fake news já foi até tema de discussão da ONU (Organização das Nações Unidas). De acordo com o site da Agência Brasil, no dia 3 de março deste ano, relatores da instituição disseram que esse tipo de notícia representa uma preocupação global e pode ser um risco de violência contra o jornalismo e um motivo de desconfiança pública nos jornalistas. Podemos notar que essa indústria do fake news pode ter sido uma das principais responsáveis pela crise da mídia contemporânea, já que isso diminui a credibilidade dos conteúdos midiáticos. Até a rede social Facebook se preocupou e no dia 12 de janeiro lançou o “Projeto Jornalismo” com o intuito de combater notícias falsas, porém sempre é bom desconfiarmos das intenções dessa preocupação.

O futuro

A mídia não conseguiu fugir das ondas de demissões causadas pela crise econômica no Brasil e isso é mais um ponto importante para citarmos como fator da crise da mídia contemporânea. Com redações mais enxutas, os profissionais estão ficando carregados demais e o cansaço pode gerar uma queda de qualidade da mídia. As demissões também se tornam um fator para que cada vez menos pessoas tenham o desejo de seguir a carreira na mídia, já que há a sensação de pouco mercado de trabalho, além das pessoas perdendo o emprego, também tem veículos que deixam de circular e o jornalismo de credibilidade vai perdendo espaço para os fake news, aumentando a crise da mídia contemporânea. Todas essas dificuldades podem afetar também as faculdades voltadas à comunicação.

O ano de 2016 não foi nada legal para profissionais da mídia. De acordo com a IVC (Instituto Verificador de Circulação), houve uma queda de 8% a 15% dos na circulação dos maiores jornais do país no primeiro semestre em relação ao ano anterior. Já o site ABI online registrou ao longo do ano passado o fechamento de aproximadamente 15 veículos de mídias tradicionais como rádio, TV e jornais impressos. No estado de São Paulo, os dados do Sindicato dos Jornalistas Profissionais indicaram que em 2016 houve demissão de 581 profissionais. Dados nada animadores para profissionais da mídia atual e que mostram a crise na mídia.

Não há tantos motivos para acreditar que a mídia contemporânea possa melhorar futuramente. A tentação do público pelo fake news, a preferência pela velocidade da notícia ao invés da qualidade e as demissões nas redações provam que a mídia contemporânea está cheia de problemas. Tudo isso gera um círculo vicioso, já que o fake news atraindo mais interesse do público pode ocupar o espaço das mídias contemporâneas de grande credibilidade, com isso o público ficará cada vez menos crítico e aceitará qualquer coisa como verdade diminuindo o papel do jornalista, a diminuição da figura jornalística irá gerar uma falta de interesse pela área e assim veremos menos profissionais que queiram seguir essa carreira. A crise e a queda de qualidade da mídia contemporânea só devem diminuir após trabalhos e estudos de longo prazo ou com uma educação midiática nas escolas.

Resta aos profissionais da área lutarem a cada dia para mudar um pouco a realidade.

Por Lucas Souza Dorta, estudante de Jornalismo. Extraído do portal Observatório da Imprensa.

Manual para imprensa e sociedade do MP/SC

O é uma instituição independente do Poder Judiciário, do Poder Executivo, do Poder Legislativo e do Tribunal de Contas. Sua função é fiscalizar o cumprimento da lei, defendendo os direitos da sociedade.

Neste manual você conhece mais sobre o MP , suas áreas de atuação e atribuições na defesa dos direitos individuais, difusos e coletivos.Aqui você confere também um Glossário com os principais termos jurídicos.

Seja um voluntário

Conforme disposições da Lei n. 9.608/1998, regulamentou a prestação de serviço voluntário no âmbito da Instituição por meio do Ato n. 49/2012.

Poderá ser admitido como voluntário qualquer pessoa física, com mais de 18 anos, que comprove conhecimentos técnicos e científicos diversos dos tradicionalmente desempenhados pelos membros e servidores dos quadros funcionais do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC).

Assim, é vedada a celebração de termo de adesão com prestador de serviço voluntário unicamente em função de sua formação em Direito. Para mais informações ACESSE O REQUERIMENTO.

Fonte: MP/SC

Posicione-se contra o discurso de ódio de Trump e a favor dos refugiados!

Diga não ao discurso de ódio de Trump!

Diga não ao discurso de ódio de Trump!

Anistia Internacional, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツHoje, temos 21 milhões de pessoas fugindo de guerras e perseguições que precisam com urgência do acolhimento de países onde elas possam reconstruir suas vidas.

Justo no momento em que é necessário MAIS acolhimento, o presidente Trump assinou um decreto que PARALISA o programa de acolhida de pessoas refugiadas dos Estados Unidos e PROÍBE a entrada nos EUA da população de sete países do mundo – todos de maioria muçulmana. Junte-se a nós para pedir que o governo dos Estados Unidos revogue esse decreto imediatamente!

O decreto também SUSPENDE a acolhida de pessoas refugiadas da Síria – país que vive uma guerra civil gravíssima há quase 6 anos  – e REDUZ o compromisso estabelecido pelos Estados Unidos de, em 2017, aceitar 110 mil pessoas refugiadas para apenas 50 mil. Essa é uma medida discriminatória inaceitável. Não podemos assistir em silêncio!

Mande um email para o embaixador dos Estados Unidos no Brasil pedindo que o presidente dos EUA revogue imediatamente essa política baseada em ódio e discriminação, que vão na direção contrária de tratados internacionais de direitos humanos assinados pelo país.

Ainda há tempo para reverter parte do estrago causado por este decreto, os Estados Unidos devem revogá-lo imediatamente de forma que:

  • O programa de acolhida a pessoas refugiadas seja retomado;
  • O veto à entrada de pessoas do Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen nos EUA seja levantado e essas pessoas voltem a ter acesso aos procedimentos normais de pedido de visto;
  • O veto à acolhida de pessoas refugiadas da Síria seja levantado e a população afetada por esse conflito tenha acesso aos procedimentos normais de solicitação de refúgio;
  • O compromisso declarados pelos Estados Unidos de reassentar 110 mil pessoas em 2017 seja cumprido integralmente.

Juntos podemos mudar essa história!

Anistia Internacional Brasil

Violência na América Central agrava a crise de refugiados!

O muro de Trump contra América Latina

Anistia Internacional, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツO  presidente dos Estados Unidos assinou um decreto tornando ainda mais difícil para pessoas refugiadas migrarem para lá. Muitas delas vêm dos países mais violentos da América Central: Honduras, El Salvador e Guatemala. A situação de violência urbana nesses lugares gera mais mortes que na maioria dos conflitos armados no mundo. Exija destes governos medidas contra a violência!

Antes, muitas pessoas migravam da América Central para outros países simplesmente em busca de uma situação econômica melhor. Hoje em dia há tantos casos de ameaça, perseguição e conflitos entre gangues e forças policiais que muitas famílias estão sendo obrigadas a deixarem suas casas por uma questão de sobrevivência.

A maioria dessas crianças, mulheres e homens tentam migrar para o México e os Estados Unidos, porém com políticas migratórias cada vez mais desumanas em vigor no mundo todo, muitas têm seus pedidos de refúgio negados e são deportadas de volta a seus países de origem. Depois desse retorno forçado ficam ainda mais vulneráveis à violência da qual tentaram fugir. Pressione os governantes de Honduras, El Salvador e Guatemala para que eles se comprometam com a proteção de nossas irmãs e irmãos latino-americanos.

Anistia Internacional Brasil

Projeto da Defesa Civil catarinense para as barragens do Vale do Itajaí

Existem três barragens no alto vale do Itajaí: Barragem Norte, em José Boiteux, Barragem Sul, em Ituporanga e Barragem Oeste em Taió. As barragens são paredões que servem para conter o curso do rio que avança para as cidades. Quando o volume de chuva é grande, a barragem serve como obstáculo, freando a velocidade do curso do rio e evitando que a água invada os municípios.

Quando o acúmulo de água excede a capacidade do reservatório, as estruturas são abertas, gradativamente, para evitar alagamentos no entorno das barragens. Também quando o nível do Rio Itajaí-Açu está diminuindo e não há mais risco de cheia. O DEINFRA decide se abre ou fecha as comportas. Da sede em Florianópolis a decisão era comunicada aos operadores das barragens. Com este novo sistema será possível abrir e fechar automaticamente da Capital, diminuindo drasticamente o tempo de resposta às contingências de cheias na região do vale do Itajaí.

Barragens do Vale do Itajaí Barragens do Vale do Itajaí

Barragens do Vale do Itajaí Barragens do Vale do Itajaí Barragens do Vale do Itajaí Barragens do Vale do Itajaí

Afinal de contas, o significa Kali-Ma, aquele ritual da extração do coração humano no segundo filme de Indiana Jones?

Kali-ma Indiana Jones

Imagino que você, assim como eu, pesquisa sobre as coisas que consome, que se diverte por onde anda, come e bebe, o que lê, o que assiste, antes ou depois que elas acontecem, certo? Imagino que sim! Então… esses dias dias eu assisti novamente os filmes da série Indiana Jones (obrigado Netflix) e justamente no segundo longa  “Templo da Perdição” algo me chamou a atenção, o ritual de Kali-ma. Sei que Steven Spielberg é cheio de manias, sutilezas e mensagens subliminares em suas produções, então fui pesquisar sobre o ritual e encontrei num post americano isso que vocês irão a seguir. Traduzi pelo Google Translate e o que irão ler é muito interessante. Chega de mi mi mi e ao assunto

Kali-ma! O ritual da extração do coração humano

Se você assistiu um dos filmes através da série “Indiana Jones”, você provavelmente tem uma memória muito distintiva da cena “Kali-Ma” do “Temple of Doom”. Depois de fugir sem sucesso de uma gangue de bandidos de Xangai, Indiana, Willie e Short-Round encontram-se encalhados em Mayapore, uma aldeia no norte da Índia. Explorando o palácio da aldeia, eles encontram túres subterrâneos que revelam que um antigo culto a Kali. O sumo sacerdote Mola Ram remove o coração de uma vítima de sacrifício com as próprias mãos como forma de pacificar o deus e ganhar o poder de governar o mundo. Outro bom exemplo de filme de remoção de coração é “Apocalypto”, onde a elite maia remove os corações dos guerreiros derrotados para pacificar seus deuses. Ou para uma versão menos séria.

A extração ritual do coração não é apenas uma tentativa de filme para atrapalhar as audiências, há evidências etno-históricas para a prática. Durante o período clássico maia, existem evidências de relatos históricos e inscrições que a remoção ritual de coração ocorreu durante períodos de crise. O coração seria apresentado no ídolo do templo como forma de pacificar os deuses. A arte maia deste período também descreve a remoção dos corações das crianças na adesão de um novo rei ou o início de um novo ano calendário.

Apesar do conhecimento de que isso ocorre, as evidências arqueológicas de sacrifício basearam-se principalmente em contextos em vez de mudanças físicas nos restos esqueletais. O enterro com a falta de bens graves, as diferenças na localização grave e o enterro de um grupo demográfico distinto, como todos os jovens do sexo masculino, são pensados ​​para serem indicativos de sacrifícios ou comportamentos rituais.

O sangue maia deixa o sacrifício na inscrição, via Wikimedia CommonsTiesler e Cucina (2007) argumentam que a remoção ritual do coração deve ser visível nos restos humanos. As marcas de corte e as fraturas devem ser visíveis na caixa torácica ou coluna vertebral, embora isso dependa do tempo e do método de extração. Não foram deixadas contas específicas de como esse procedimento ocorre, portanto, é desconhecido como o esqueleto refletiria esse comportamento. Os métodos potenciais incluem: o órgão removido abaixo da caixa torácica, cortando o tórax para abrir a cavidade torácica ou rompendo a caixa torácica (Tiesler e Cucina 2007: 494). A falta de conhecimento dos restos esqueletais com este tipo de evidências tem sido atribuída à falta de preservação e à falta de comunicação entre disciplinas sobre a maneira e a aparência desse processo.

Neste estudo, Tiesler e Cucina (2007) examinam sistematicamente os restos esqueletais das coleções do período Clássico de Calakmul, Palenque e Becan. Destes, quatro indivíduos apresentam trauma potencial que pode estar relacionado à extração do coração ou à evisceração. Todos os restos sob investigação foram encontrados em locais públicos ou palacios (palácio) nos centros urbanos. O indivíduo é de uma jovem adulta encontrada na antecâmara de um túmulo dinástico em Calakmul. O segundo indivíduo, um sexo desconhecido de 15 a 18 anos, foi encontrado no fundo de uma escada que conduzia a uma subestrutura selada em Becan. O indivíduo três é uma fêmea adulta que foi colocada fora de um sarcófago em uma câmara funerária no Templo Xlll sub em Palenque. O quarto quarto final foi encontrado em um depósito múltiplo dentro da estrutura funerária de Janaab ‘Pakal selada.

Resultado de imagem para kalima indiana jonesTodos os indivíduos foram avaliados quanto ao trauma no tórax, que pode ser indicativo de extração ritual do coração. Em todos os quatro casos, houve evidências de recortes ao longo do lado anterior e esquerdo das vértebras torácicas, especificamente entre 10 e 12. Estas vértebras estão localizadas ao mesmo nível que o diafragma, uma membrana muscular que separa o tórax e o abdômen. Todos os recortes são regulares e diretos, indicativos de ação violenta direta em vez de cortar. Não houve evidência de marcas de corte ao longo da caixa torácica. Devido à localização dessas marcas, Tiesler e Cucina (2007) argumentam que teria sido indicativo de cortar o diafragma para permitir o acesso à cavidade torácica. Isso permitiria o acesso mais fácil ao coração.

Eles concluem sua discussão com outras causas potenciais desse dano ao esqueleto e uma discussão sobre o ritual. Tiesler e Cucina (2007) terminam com uma advertência de que os arqueólogos e os historiadores devem ter cuidado ao interpretar rituais dessa maneira e distinguir entre o enterro normal e o sacrifício. Investigações como esta podem ser facilmente sensacionalistas, por isso é importante examinar as evidências de forma independente, e avaliá-la cuidadosamente contra o contexto arqueológico.

Fonte consultada: Blog Bones Don’t  Lie

Envie um e-mail para o presidente Trump! Posicione-se contra a discriminação

Obrigado por se posicionar contra a política discriminatória do Presidente Trump

Na semana passada, o Presidente Trump assinou uma nova Ordem Executiva, trazendo de volta as medidas que discriminam pessoas nascidas em seis países de maioria muçulmana, incluindo refugiados. A nova Ordem também impede temporariamente que refugiados de qualquer país sejam reassentados nos EUA.

Esta Ordem Executiva pode afetar famílias que escaparam dos escombros de Aleppo ou fugiram da guerra e da fome no Iêmen. São pessoas que fogem de conflitos e outras ameaças sérias e precisam de proteção.

Mande um email agora para o presidente Donald Trump e diga que o governo dos EUA deve revogar esta Ordem Executiva discriminatória. Cabe a nós garantir que o presidente americano não abuse do seu poder!

Anistia Internacional

Cidade de Camboriú se prepara para o 35º Congresso dos Gideões

Cidade de Camboriú se prepara para o 35º Congresso dos Gideões

Expectativa é que a cidade receba 160 mil visitantes de 22 de abril a 1º de maio. Prefeitura vai colaborar com a infraestrutura para receber este grande público

Pelo 35º ano, a cidade de Camboriú vai sediar o Congresso dos Gideões Missionários da Última Hora. O evento, organizado pela Associação e Movimento Comunitário Radio Paz no Valle FM, será realizado de 22 de abril a 1º de maio. De acordo com o presidente dos Gideões Missionários da Última Hora, Reuel Bernardino, a expectativa é que 160 mil pessoas visitem a cidade em virtude do Congresso.

Para receber este grande público, a cidade acaba por ter modificações no trânsito e necessitar de investimentos em estrutura, fiscalização e ações de saúde. Por isso, a Prefeitura enviou à Câmara de Vereadores um projeto que autoriza a fazer estes investimentos. O projeto, que prevê que sejam investidos até R$ 320 mil nestas ações, foi aprovado na terça-feira, dia 21. “Este é o valor máximo, mas estamos trabalhando para que fiquem bem abaixo do limite”, relata o secretário de Administração, Ramon Jacob.

Em reunião com representantes dos Gideões, das polícias, dos bombeiros, secretários municipais e servidores, foi debatido de que forma esta estrutura de apoio será feita. O prefeito Elcio Kuhnen destacou que se trata do maior evento que a cidade recebe. “O Congresso gera grande visibilidade ao município e aumenta a arrecadação de impostos”, pontuou. O prefeito explicou que, em virtude do tempo, a infraestrutura de apoio seguirá os moldes do que foi executado nos últimos anos. Inclusive, o valor do projeto enviado para a Câmara é o mesmo do ano passado. “Para 2018, devemos conversar com a Associação e com os moradores de Camboriú para verificar que modificações serão necessárias”, completa.

O investimento feito pela Prefeitura vai envolver, entre outros, melhorias no Ginásio Irineu Bornhausen, geradores, banheiros químicos, materiais para mudanças no trânsito e estrutura para atuação das Polícias Civil e Militar. No encontro, Elcio destacou que todos os dados destes investimentos e dos valores arrecadados serão amplamente divulgados para a população. “A expectativa é que os valores arrecadados superem e muito o valor destinado à infraestrutura do evento. Mas isso poderá ser avaliado pela própria comunidade ao final do evento”, explica.

O vice-presidente dos Gideões, Hueslen Ricardo Santos, destaca a força do turismo religioso e como o Congresso movimenta a economia de Camboriú e das cidades vizinhas. “Além dos alvarás, a cidade tem como contrapartida os aluguéis de casas, pontos comerciais e vagas temporárias de trabalho”, defende ele.

Equipes da Prefeitura foram formadas no encontro, realizado na segunda-feira, dia 20, para verificar as necessidades de cada área, como a fiscalização do comércio temporário, ações da vigilância sanitária e em saúde, fiscalização de som e questões relativas ao trânsito.

Prefeitura de Camboriú

Navegantes sedia II Fórum de Cidades Digitais da Foz do Rio Itajaí

Cidades Digitais

Inscrições estão abertas e são gratuitas para servidores públicos; Evento visa estimular o surgimento de municípios inteligentes na região

No dia 13 de abril, prefeitos, secretários municipais, diretores, técnicos e vereadores reúnem-se em Navegantes para tratar de políticas públicas relacionadas à tecnologia e a importância de investimentos em sistemas digitais, soluções e inovações na área, focadas para maior eficiência de gestão e desenvolvimento dos municípios. As inscrições para o II Fórum de Cidades Digitais da Região da Foz do Rio Itajaí estão abertas e são gratuitas para servidores públicos. Elas podem ser feitas pelo forum.redecidadedigital.com.br.

De acordo com o diretor da Rede Cidade Digital (RCD), José Marinho, o evento, organizado pela iniciativa em parceria com a Prefeitura de Navegantes, com apoio da Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí (AMFRI), visa promover a troca de experiências entre os gestores e estimular a implantação de ações que contribuam para o aumento de arrecadação e redução de custos nas Prefeituras por meio da apresentação modelos, políticas públicas e serviços de mercado. “O encontro também é importante para dialogar sobre como a tecnologia pode contribuir no desenvolvimento regional”, observa o diretor da RCD.

A primeira edição do Fórum aconteceu em 2015, em Itajaí, e reuniu representantes de mais de 20 municípios. Além de prefeitos e gestores, o evento contou com a participação da Secretaria de Inclusão Digital, órgão vinculado ao Ministério da Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Serviço

  • II Fórum de Cidades Digitais da Foz do Rio Itajaí
    Navegantes, 13 de abril de 2017
  • Local: CIC – Centro Integrado de Cultura (Rua Maria Leonor da Cunha, Centro)
  • Inscrições gratuitas para servidores públicos
  • http://forum.redecidadedigital.com.br/