Afogando em pesticida. Envenenamento por agrotóxicos no Brasil


Agricultores industriais brasileiros pulverizam produtos químicos perigosos perto de escolas e comunidades

Entrevistas – Agricultores industriais brasileiros pulverizam produtos químicos perigosos perto de escolas e comunidades.

Human Rights WatchO Brasil é o maior mercado de agrotóxicos do mundo. Uma legislação frágil sobre agrotóxicos – sob risco de se tornar ainda mais fraca – significa que agrotóxicos perigosos são pulverizados nas imediações de escolas, comunidades indígenas, quilombolas e rurais, deixando pessoas doentes e colocando em risco sua saúde a longo prazo. Richard Pearshouse, diretor adjunto da divisão de meio ambiente da Human Rights Watch, fala com Amy Braunschweiger sobre a situação de comunidades rurais e por que as pessoas têm medo de se manifestarem contra o uso de agrotóxicos.

O que está acontecendo com os agrotóxicos no Brasil?
Jovana, uma mulher de 20 e poucos anos, com sua filha pequena. Elas vivem no estado de Minas Gerais e, assim como outros moradores, disse que aviões fazem aplicações frequentes de agrotóxicos sobre as casas da sua comunidade. Ela descreveu ter sido atingida pela pulverização de agrotóxico por aviões, junto com suas crianças, tendo apresentado sintomas que incluem dores de cabeça, náusea, tontura e vômito. © 2018 Marizilda Cruppé para Human Rights WatchO Brasil é uma potência agrícola em termos da quantidade de terras cultivadas. O cultivo de soja, cana-de-açúcar, algodão e milho é feito em escala industrial e agrotóxicos são usados ​​intensivamente. Além disso, são utilizados agrotóxicos perigosos. Apesar disso, há um grande apoio político para o modelo de grandes fazendas e de uso de agrotóxicos.
A agricultura é uma enorme força política no Brasil. Muitos políticos são fazendeiros, compondo a chamada “bancada ruralista”, um bloco político muito poderoso. Eles buscam enfraquecer as leis que tratam de agrotóxicos.

Os agrotóxicos são usados ​​de maneira perigosa?
Uiara, uma mulher de 50 e poucos anos vive no estado de Minas Gerais. Ela disse à Human Rights Watch que “o avião sobrevoa nossas casas com o pulverizador ligado. Nós não esperamos, nós corremos para dentro das casas. Os agrotóxicos são muito fortes”. © 2018 Marizilda Cruppé para Human Rights WatchEm todo o Brasil rural há um enorme problema com a deriva de agrotóxicos. Isto é, com a dispersão de sua aplicação para além da área designada, atingindo comunidades e pessoas nas proximidades. E isso serve tanto para a pulverização terrestre – um grande trator com as barras de cada lado e os bicos embaixo dos braços – quanto para os aviões que pulverizam enquanto sobrevoam as plantações.
Com a agricultura industrial de larga escala, há menos trabalhadores nas plantações. Nós nos atentamos às pessoas que vivem imediatamente nas redondezas dessas plantações – pessoas em vilarejos, escolas rurais, comunidades quilombolas e indígenas – em sete localidades por todo o país. Os agrotóxicos são pulverizados até suas imediações e às vezes mesmo sobre elas. Se você mora ali, pode ficar doente. Encontramos muitos casos de intoxicação aguda, que ocorre durante ou logo após a pulverização de agrotóxicos. As pessoas vomitam, sentem náuseas e tonturas por conta dos produtos químicos. Esses são apenas os sintomas mais imediatos. A exposição, semana após semana, mês após mês, pode levar a sérios problemas de saúde, como câncer, infertilidade e impactos negativos no desenvolvimento infantil.
Conversamos com uma mulher que estudava em uma escola rural à noite e ela nos contou de ir à aula e se sentir mal pela fumaça, ainda que os agrotóxicos tivessem sido pulverizados algumas horas antes. Ela teve que sair, vomitou várias vezes e teve que ir para casa. As aulas foram canceladas. No dia seguinte, ela ainda sentia enjoo por conta dos agrotóxicos. E tudo que ela fez foi ir à escola no período noturno. Pessoas assim, histórias assim, acabam te marcando.

E o Brasil está usando agrotóxicos proibidos em outros países?
Estevo, um homem em seus 50 anos, vive no estado de Minas Gerais. Ele disse à Human Rights Watch que “o avião [pulverizando agrotóxicos] sobrevoa a comunidade. Diversas vezes agrotóxicos caíram sobre mim enquanto eu trabalhava na terra. Não há nada que possamos fazer.” © 2018 Marizilda Cruppé para Human Rights WatchQuando você olha a lista dos 10 principais agrotóxicos utilizados ​​no Brasil por seu ingrediente ativo, 4 são proibidos na União Europeia, e o quinto deles deverá ser proibido até 2019.
A legislação brasileira sobre agrotóxicos já é bastante frágil. Ainda assim, ela é ameaçada por um projeto de lei que reduziria a competência das agências de saúde e ambientais na aprovação de agrotóxicos A decisão de aprovar agrotóxicos ficaria concentrada no Ministério da Agricultura.
Então, em vez de autoridades sanitárias e ambientais estarem avaliando os perigos dos agrotóxicos utilizados ​​no Brasil e decidindo sobre quais deveriam ser proibidos, esses ministérios estão ocupados, defendendo-se contra esse projeto de lei que ameaça sua capacidade de realizar esse trabalho.

Qual é o problema com a forma como os agrotóxicos são aplicados?
Sala de aula em escola no município de Primavera do Leste, no estado do Mato Grosso, na região centro-oeste brasileira. A escola atende pouco mais de 100 alunos, com aulas para estudantes entre 15 e 16 anos durante o dia e para adultos à noite. Há plantações bem ao lado do terreno da escola, com as salas de aula mais próximas a aproximadamente 15 metros dos campos. © 2018 Marizilda Cruppé para Human Rights WatchCerca de um quarto de todos os agrotóxicos do Brasil são pulverizados por aviões. Há muita deriva dependendo da altura do avião e do vento. Se você está pulverizando com aviões e há pessoas ou uma escola próxima, eles podem ser atingidos.
Isso aconteceu comigo durante a minha pesquisa. Nós estávamos dirigindo em uma rodovia perto de uma plantação, vimos um avião pulverizando, paramos o carro e saímos para tirar fotos do avião com um iPhone. E fomos atingidos pela pulverização de agrotóxicos ao lado da rodovia. O avião sobrevoava e, alguns segundos depois, sentíamos o jato. A gente sentiu o cheiro e começou a coçar, sentimos uma sensação de queimação na pele. Começamos a sentir enjoo, tontura, um pouco de náusea. Nós nos lavamos com uma garrafa de água no carro e seguimos dirigindo para uma cidade a 30 minutos dali onde conseguimos tomar banho.

Não deveria haver uma zona de segurança entre áreas de pulverização de agrotóxicos e onde as pessoas estão?
Imagem de drone sobre uma comunidade quilombola no estado de Minas Gerais. Algumas das casas da comunidade ficam a aproximadamente 20 metros da plantação de cana-de-açúcar vizinha. © 2018 Marizilda Cruppé para Human Rights WatchDe acordo com a regulamentação brasileira, você não tem permissão para realizar pulverização aérea a menos de 500 metros de um local sensível, como uma escola, floresta ou via fluvial. Mas na prática, essa regra é frequentemente ignorada.
Para pulverização terrestre, não há regulamentação nacional estabelecendo uma zona de segurança. Você pode pulverizar no limite da parede da escola e isso é legal. No entanto, uma enorme quantidade de agrotóxicos pode também lhe atingir na pulverização terrestre.
Em áreas rurais no Brasil, as plantações podem começar a cinco metros das janelas de escolas. Essas escolas são prédios de um único andar, as janelas podem ter vidro ou ser apenas telas de arame, mas a pulverização nos campos vaza para as salas de aula. E as crianças estão ali dentro no momento da pulverização. Como é um país quente, as pessoas não deixam as janelas fechadas; ou elas estão quebradas; ou não há janelas.

O que te surpreendeu durante a pesquisa?
Pedrina, uma mulher de 40 e poucos anos, vive em Minas Gerais. Ela disse à Human Rights Watch que sentiu os sintomas da intoxicação aguda por agrotóxicos muitas vezes e descreveu temer retaliação caso procurasse as autoridades para manifestar preocupações com os impactos da pulverização à saúde. © 2018 Marizilda Cruppé para Human Rights WatchO número de pessoas que não quiseram falar conosco. A gente ouvia falar de problemas em comunidades ou escolas particulares e então tentávamos entrar em contato por telefone. As pessoas diziam: “Não queremos falar sobre isso, não queremos que você venha”. Isso aconteceu várias vezes. Elas temiam represálias por se manifestarem. É uma questão muito delicada entre eles e os grandes proprietários de terra próximos. Eu sabia que a questão dos agrotóxicos era sensível, mas eu não tinha pensado no quão assustadas as pessoas estavam.

É um medo justificado?
Panambi, uma mulher de 20 e poucos anos, vive em uma pequena casa com sua mãe e filha de quatro anos. Ela disse à Human Rights Watch que, durante um incidente de pulverização na plantação vizinha em março de 2018, ela e sua família sentiram os olhos queimarem, e que cobriu a boca de sua filha com um pano úmido para tentar protegê-la. “Nós deveríamos respirar ar fresco, mas sentimos um gosto ruim, uma [sensação de] queimação.” © 2018 Marizilda Cruppé para Human Rights WatchUm conhecido ativista contra uso de agrotóxicos foi morto a tiros em 2010 no Brasil. Ele era um agricultor local e foi fundamental na pressão para que o município adotasse uma proibição contra a pulverização aérea. O Ministério Público, que acredita que a morte foi resultado da sua manifestação pública contra a pulverização aérea e a contaminação da água por agrotóxicos, entrou com um processo, mas ninguém foi julgado pelo crime.
Em maio de 2013, um avião sobrevoou uma escola e a pulverização atingiu cerca de 90 crianças que precisaram ser hospitalizadas. Houve uma comoção nacional na época. O professor que levou seus alunos ao hospital se tornou um ativista e pressionou pela assistência médica para essas crianças. Ele foi ameaçado de morte em várias ocasiões. Conversamos com um padre que tentou organizar uma mobilização contra a pulverização aérea; começaram a lhe enviar vídeos pornográficos por telefone para intimidá-lo. Também conversamos com um homem que ajudou a organizar um abaixo-assinado sobre o uso de agrotóxicos por um fazendeiro local, e o fazendeiro o ameaçou fazendo um gesto com as mãos. O homem relatou isso à polícia, mas não sabe se deram algum encaminhamento.
Então, há retaliação. Agricultura e agrotóxicos não são apenas meios de subsistência, mas uma enorme potência econômica. E quando você enfrenta essas forças, há com certeza uma resistência.

Você falou com mais alguém cuja história mudou você?
Conversamos com uma jovem de 20 e poucos anos que estava grávida de oito meses de seu primeiro filho. Ela nos disse que um mês antes ela estava em casa quando houve uma pulverização em uma fazenda próxima. Ela sentiu um cheiro muito forte de agrotóxicos, e começou a vomitar, ela disse. Seu marido a levou para o hospital e ela vomitou durante todo o caminho no carro. Ela chegou ao hospital e eles diagnosticaram uma infecção viral – apesar de ela ter falado sobre os agrotóxicos e o cheiro que sentiu. Quando nos vimos, ela me disse que nunca tinha vomitado durante a gravidez até aquele dia. E ela estava preocupada com o bebê. Será que ele ou ela vai ficar bem?

Os profissionais médicos são parte do problema?
Jakaira, um homem de 40 e poucos anos que vive em uma comunidade indígena no estado do Mato Grosso do Sul há 10 anos, sofreu uma intoxicação aguda por volta de outubro de 2017. Ele relatou à Human Rights Watch: “Você sente um amargor na garganta. Você não quer mais respirar veneno – você quer respirar outro tipo de ar – mas não tem nenhum.” © 2018 Marizilda Cruppé para Human Rights WatchMuitas pessoas expostas a agrotóxicos são diagnosticadas equivocadamente como virose, seja intencionalmente ou por conta de um treinamento inadequado.

O que acontece com a saúde das pessoas expostas a agrotóxicos por longos períodos?
O câncer é uma grande preocupação; e há uma série de problemas reprodutivos, incluindo infertilidade. Os agrotóxicos podem ter impactos negativos no desenvolvimento fetal, e há também uma série de problemas de desenvolvimento para as crianças.

Qual é o impacto no meio ambiente?
Você tem contaminação de cursos de água, que muitas vezes são a fonte de água potável para grandes cidades no interior do Brasil. Mas os resíduos de agrotóxicos estão aparecendo na água potável e nos alimentos por todo o país. Às vezes, em quantidades mínimas, mas muito, muito poucos fornecedores de água potável estão realmente testando resíduos de agrotóxicos em água. O mesmo para alimentos. E a qualidade do pouco monitoramento que existe é motivo para alarme.

O que queremos ver?
Uma suspensão da pulverização aérea até que o Brasil compreenda os impactos na saúde e no meio ambiente decorrentes disso. Zonas de segurança respeitadas, treinamento para profissionais de saúde, proteção para pessoas que se manifestem contra essa situação, monitoramento de água e alimentos. Em termos mais gerais, o Brasil precisa de um plano nacional com prazos para reduzir o uso de agrotóxicos. E, talvez o mais urgente, é preciso rejeitar o atual projeto de lei que enfraqueceria ainda mais a lei de agrotóxicos do Brasil. Há muita coisa em jogo.

Human Rights Watch

 

 

Anúncios

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s