Prefeito de Ilhota tem as contas de 2017 rejeitas pelo Tribunal de Contas do Estado

Prefeitura de Ilhota

As contas de 2017 de Ilhota e outros setes municípios recebem parecer prévio do TCE/SC pela rejeição. Prefeito Dida é o primeiro prefeito da história política do município a ter contas rejeitas no primeiro ano do mandato. Câmara deverá aprovar, serão que irão?

O Tribunal de Contas de Santa Catarina concluiu, na sessão do Pleno desta quarta-feira (19/12), a apreciação das contas dos 295 municípios catarinenses referentes ao exercício de 2017. Oito prefeitos receberam parecer prévio pela rejeição das contas, ou seja, 2,71% do total, e 287, 97.29%, pela aprovação. A manifestação do TCE/SC orienta o julgamento das contas pelas respectivas câmaras municipais e, segundo a Constituição Estadual, só deixa de prevalecer por decisão de dois terços dos vereadores.

Entre as causas que motivaram os pareceres pela rejeição das contas estão o déficit orçamentário e financeiro, quando o município gasta mais do que arrecada; a não aplicação mínima em saúde e em educação, 25% e 15%, respectivamente; o descumprimento do limite máximo de despesas com pessoal sem a devida redução no prazo legal que é de dois quadrimestres. “Considero que os municípios catarinenses, salvo raras exceções e apesar das dificuldades decorrentes da crise econômica, estão sendo geridos com rigor no equilíbrio das contas públicas”, avaliou o diretor de controle dos municípios do TCE/SC, Moisés Hoegenn.

Na apreciação das contas anuais, o Tribunal de Contas verifica se o balanço geral representa adequadamente a posição financeira, orçamentária e patrimonial do município em 31 de dezembro. Os critérios para apreciação das contas anuais prestadas pelos prefeitos municipais estão definidos na decisão normativa N. TC-06/2008. A norma traz a lista de restrições que podem motivar o parecer pela rejeição e está disponível no site do TCE/SC, em Legislação e Normas – Decisões Normativas – 2008.

Decisão Normativa N.TC 06/2008 é a ferramenta legal que estabelece, no âmbito do TCE/SC, os critérios para apreciação das contas anuais prestadas pelos Prefeitos Municipais, e o julgamento das contas anuais dos Administradores Municipais.

Inovações

A análise dos processos de prestação de contas dos prefeitos (PCP) referentes ao exercício de 2017 incluíram também a observância ao cumprimento das metas previstas no Plano Nacional de Educação (Lei nº 13.005/2014) e das políticas públicas estabelecidas no Plano Nacional de Saúde (Lei nº 8.080/90, art. 15, VIII). Outra inovação foi a verificação, por solicitação do Ministério Público de Contas, do cumprimento do dispositivo do Estatuto das Cidades (Lei Federal nº 10.257, de 10 de julho de 2001) que exige a revisão do plano diretor de cada município a cada dez anos (art. 40, Parágrafo 3º).

Reapreciação

Prefeitos e câmaras de vereadores podem solicitar a reapreciação das contas anuais depois da manifestação do Pleno, conforme prevê a Lei Orgânica do Tribunal de Contas. Após a publicação da decisão do TCE/SC no Diário Oficial Eletrônico (DOTC-e), os chefes de executivos têm 15 dias para fazer o pedido de reapreciação. Legislativos municipais têm 90 dias, contados do recebimento do processo. No caso de pedido de reapreciação de iniciativa do prefeito, o processo só é encaminhado à câmara municipal depois da nova manifestação do Pleno sobre a matéria.

Relação dos municípios com parecer prévio pela rejeição:

  • Anita Garibaldi
  • Barra Velha
  • Ilhota
  • Ituporanga
  • Major Vieira
  • Papanduva
  • Pescaria Brava
  • Praia Grande

Fonte

Anúncios

Um terço dos inscritos não se apresenta no programa Mais Médicos

Programa Mais Médicos

Brasileiros que preencheram cadastro do programa deixam pelo menos 30% das vagas vazias. Muitos abandonaram vagas de saúde da família para comparecer.

Dos 8.411 inscritos no edital do programa Mais Médicos, aberto em função do rompimento da parceria com Cuba por conta de ameaças de Jair Bolsonaro, 2.520 profissionais não compareceram nem iniciaram as atividades nas cidades até as 17 horas de sexta. O número corresponde a cerca de 30% das vagas, o que deixará milhares de pessoas desassistidas em todo o país.

Outras 106 vagas do edital nem chegaram a ter interessados — a maioria em distritos sanitários indígenas, justamente onde os cubanos atuavam de maneira mais presente. Os dados são do ministério da Saúde, que acabou prorrogando o prazo de comparecimento para essa terça (18) e prorrogou o prazo para inscrições de médicos formados no exterior sem revalida para o domingo (16).Além do desfalque no programa, ocasionado pela política hostil e ideológica de Bolsonaro, que ameaça todos que não estão alinhados com sua visão de mundo, a saída dos Cubanos também ocasionou uma saída de médicos da Saúde da Família.

Cerca de 2.800 profissionais, quase 40% dos inscritos, abandonaram postos de trabalho no SUS para se tornarem bolsistas do Mais Médicos, segundo informação do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems).

O conselho realizou o levantamento utilizando dados do Ministério da Saúde, com base em uma relação que listava 7.271 profissionais alocados (de um total de 8,3 mil inscritos confirmados) pelo novo edital, cruzando dados com a lista dos profissionais já em atuação no país disponível no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

“Em vez de somar profissionais, esse novo edital está trocando o problema de lugar. Se o médico sai de um serviço do SUS para atender em outro, o município de origem fica desassistido, principalmente no Norte e Nordeste”, afirmou o presidente do Conasems, Mauro Junqueira, em entrevista ao G1.

O motivo para a migração está no salário pago pelo Mais Médicos, de R$ 11.800, mais benefícios como ajuda de custo, que varia de R$ 1.000 a R$ 3.000 por profissional.

Brasileiros abandonam programa em até 1 ano e meio

Além das vagas que ficaram em aberto, também gera preocupação os altos índices de desistência entre brasileiros no programa. Entre 2013 e 2017, mais da metade (54%) dos profissionais do país deixaram seu posto de trabalho em até 1 ano e meio.

A  alta rotatividade é mais expressiva em São Paulo e Mato Grosso, onde 70% dos participantes deixou o programa em até um ano e meio, sendo que em SP, 40% não ficaram nem 12 meses. A maioria dos desistentes (58%) atuava em periferias de capitais e regiões metropolitanas e áreas consideradas de extrema pobreza.

Parece existir uma resistência dos profissionais formados no país com o programa. Em 2013, ano do lançamento, apenas 6% das vagas foram ocupadas por médicos brasileiros.

Matéria publicada pelo Intercept Brasil mostrou ainda que a maior preocupação entre os brasileiros que ingressam no programa, é quando poderão abandoná-lo. Muitos trocam o trabalho por vagas em cidades maiores, ou abandonam o programa para iniciar uma residência.

Da redação da Agência PT de notícias, com informações do G1 e da Folha.

Morreram de fome

Mais de 85 mil crianças menores de cinco anos morreram de fome no Iêmen

AvaazMais de 85 mil crianças menores de cinco anos morreram de fome no Iêmen. 85 mil vidas interrompidas brutalmente. Elas são vítimas inocentes da fome causada por uma guerra sem sentido liderada pela Arábia Saudita. A cada DEZ minutos, morre uma criança iemenita.

É de cortar o coração, e o pior de tudo é que nossos governos são cúmplices. Apesar da fome e de episódios como o bombardeio de um ônibus escolar cheio de crianças, países como os Estados Unidos, o Reino Unido, a França e o Canadá continuam enviando aos sauditas centenas de bilhões de dólares em tanques e mísseis.

Não podemos deixar isso continuar. Precisamos levá-los aos tribunais!

Pequenas mas perseverantes organizações no Reino Unido, França, Canadá e outros países iniciaram casos judiciais inéditos ao processar seus próprios governos pela venda de armas ao governo saudita. Mas eles estão trabalhando com poucos recursos e precisam urgente da nossa ajuda para continuarem esse trabalho. Se eles ganharem — e eles têm chances! — isso abriria um incrível precedente que poderia finalmente pôr fim à guerra brutal da Arábia Saudita no Iêmen.

Doe com apenas um clique o custo equivalente a uma refeição (algo que muitas famílias no Iêmen não terão hoje). Se arrecadarmos o suficiente, poderemos parar a máquina de guerra saudita e salvar inúmeras vidas no Iêmen.

O segredo da Arábia Saudita é que eles dependem quase inteiramente dos nossos governos para a compra de armamentos e na exportação de petróleo. Porém, episódios como o assassinato brutal do jornalista Jamal Khashoggi e a morte trágica de Amal, a menina desnutrida de 7 anos cujo retrato apareceu no New York Times, fez com que tais governos começassem a pensar duas vezes no apoio cego que dão ao governo saudita.

Essa é, sem dúvida, a melhor oportunidade que já tivemos para enquadrar a Arábia Saudita e finalmente acabar com esse bombardeio brutal contra o Iêmen.

Se a pressão diminuir, a Arábia Saudita continuará comprando o silêncio dos governos, dando-lhes bilhões em troca de armas que serão usadas contra os civis do Iêmen e contra o seu próprio povo — violando as leis sobre a exportação de armas dos nossos próprios governos!

Imagem do jornal 'The New York Times' mostra menina desnutrida no Iêmen — Foto: Reprodução/The New York TimesMas se aumentarmos a pressão e levarmos essa luta não apenas aos tribunais, mas também aos corredores do poder para pressionar por um processo de paz significativo, e se expormos o massacre humano com jornalismo investigativo de alta qualidade; podemos acabar com essa guerra de uma vez por todas.

Vamos fazer de tudo para ganhar esses processos judiciais e fortalecer as campanhas pelo fim do sangrento comércio de armas.

A Avaaz já financiou jornalistas investigativos para que se infiltrassem no Iêmen e mostrassem ao mundo o que acontece lá. Já conseguimos apoio em massa para que parlamentares atuem contra a guerra nos Estados Unidos, no Reino Unido, na União Europeia e no Canadá. Agora vamos levar nossa indignação aos tribunais e aos governos, para que deixem de alimentar as mortes dessas crianças.

Com esperança e determinação, Allison, Marigona, Danny, Jenny, Bert, Martyna, Camille e Rosa, em nome de toda a equipe da Avaaz.

Mais informações

Torço para dar errado desde a véspera, por razões éticas, políticas, humanitárias, históricas e por aí vai…

Cristo Redentor foguete

Talvez você já tenha visto e lido esse texto por aí, não é meu, é de autoria de Luiz Carlos Romanholli. Recebi através de um das dezenas de grupos que participo no  WhatsApp e não é bem o meu posicionamento quanto a questão em torcer pra dar errado, essa não é minha política. Mas, o conteúdo é relevante, interessante na verdade e por isso, compartilho no meu blog. Vamos ao conteúdo.

Fala-se em “torcer pelo governo Bolsonaro”. Bem, eu acho que a gente torce é pra time e pra ganhar a Mega-Sena. De governo se cobra os erros e se apoia os acertos. Todo cidadão é oposição, independentemente do governo. Mas, vá lá, vamos admitir que se possa torcer. Então, eu torço contra. Quero que dê errado. Muito errado. Por uma razão simples: o que significa esse governo dar certo? Vamos à lista (feita a partir das promessas de campanha e das escolhas ministeriais):

  • Concentração de renda e aumento da pobreza e da desigualdade.
  • Achatamento salarial.
  • Perda de direitos trabalhistas.
  • Fim da aposentadoria.
  • Aumento do lucro dos bancos.
  • Censura a escolas, universidades e professores, com perseguição ao pensamento crítico.
  • Desmonte do ensino público em favor de grandes grupos privados do setor.
  • Incentivo do ensino à distância.
  • Desmonte do SUS para beneficiar as operadoras dos planos privados.
  • Perseguição a opositores. Notadamente de esquerda, mas não só.
  • Tolerância à tortura.
  • Incentivo à violência policial, com a respectiva impunidade dos criminosos de farda.
  • Ameaça às liberdades democráticas e ao estado de direito.
  • Discurso oficial misógino e machista.
  • Perseguição aos movimentos de trabalhadores rurais.
  • Tolerância à violência contra mulheres, LGBTs e gays.
  • Desmonte das políticas afirmativas para essas “minorias”.
  • Aumento do desmatamento para atender os interesses do agronegócio e das mineradoras.
  • Aumento do número de homicídios com a liberação do porte de armas.
  • Frouxidão na fiscalização e punição de crimes ambientais.
  • Frouxidão na fiscalização e punição de trabalho escravo.
  • Desmonte do incentivo federal ao esporte.
  • Desmonte das universidades públicas.
  • Perseguição a índios e quilombolas.
  • Desmanche da cultura e “criminalização” de nossos artistas.
  • Tolerância à corrupção.
  • Fake news oficial.
  • Tolerância a crimes de racismo.
  • Interferência direta da religião (uma especificamente) nas decisões do executivo, ameaçando o estado laico e nos empurrando para uma temível teocracia.
  • Ameaça à liberdade de imprensa, com censura e chantagem usando o expediente de verbas públicas de publicidade.
  • Política externa suicida em nome de mentiras, moralismo tacanho, fanatismo religioso e desconhecimento histórico.
  • Subserviência aos Estados Unidos.
  • Entreguismo.
  • Falta de planejamento.
  • Memes ruins.
  • Muita burrice.
  • Muita mentira.
  • Mais burrice.
  • Muita corrupção.
  • Burrice pra caralho.
  • Muita cafonice.
  • Eu cheguei a mencionar burrice?
  • Excelentes salários para motoristas.

Eu quero que dê errado pra cacete.

COAF: Escândalo envolve família Bolsonaro

Escândalo envolve família Bolsonaro

Reportagem publicada na quinta-feira (06/12) no jornal Estadão revelou que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) rastreou a movimentação bancária de R$ 1,2 milhão por Flávio José Carlos de Queiroz, ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Segundo a reportagem, o órgão foi acionado pelo banco, que considerou a transação atípica. Relatório do Coaf citou que os valores são incompatíveis com o patrimônio, atividade econômica ou ocupação profissional e capacidade financeira do ex-assessor parlamentar. Fabrício é policial militar, motorista e era segurança do deputado. Ele foi exonerado em 15 de novembro deste ano.

O relatório do Coaf em que aparece o nome de Queiroz faz parte da investigação que originou a operação que, no mês passado, levou à prisão de dez deputados estaduais do Rio de Janeiro. O Ministério Público Federal “diz o jornal” havia pedido ao Coaf um pente fino em todos os funcionários e ex-trabalhadores da Assembleia com transações financeiras suspeitas.

Embora Queiroz seja mencionado no documento, nem ele nem Flávio Bolsonaro foram alvos dessa operação, chamada Furna da Onça. “O Coaf informou que foi comunicado das movimentações de Queiroz pelo banco porque elas são ‘incompatíveis com o patrimônio, a atividade econômica ou ocupação profissional e a capacidade financeira’ do ex-assessor parlamentar”, disse a reportagem do Estadão, que aponta que, na Alerj, Queiroz tinha salário de 8.517 reais. Além do mais, ele também tinha vencimentos da Polícia Militar do Rio, no valor de 12.600 reais mensais.

Estadão mostrou que ainda, entre as movimentações do ex-assessor de Flávio Bolsonaro que foram mapeadas pelo Coaf, há um cheque de 24.000 reais destinado a Michelle Bolsonaro, esposa do presidente eleito e futura primeira-dama do Brasil. Também foram identificados saques em espécie que somam 320.000 reais, sendo que 159.000 foram sacadas em uma agência bancária dentro do prédio da Alerj.

O relatório do Coaf citou também o nome de Nathália Melo de Queiroz, ex-secretária parlamentar de Jair Bolsonaro e filha de Fabrício Queiroz, ex-assessor e motorista do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL) envolvido no escândalo. Até o mês passado, ela estava lotada no gabinete da Câmara do presidente eleito.

As movimentações suspeitas identificadas pelo Coaf também ocorreram entre as contas de Queiroz e sua filha. O nome da ex-secretária de Bolsonaro aparece duas vezes no relatório do conselho, mas não há detalhes sobre os valores individuais transferidos entre ela e o pai. No documento, por sua vez, consta o valor total de R$ 84 mil junto ao nome dela. De acordo com a folha de pagamento da Câmara dos Deputados, Nathália recebeu R$ 10 mil em setembro. Ela também foi exonerada no dia 15 do mês passado.

No final da tarde de sexta-feira (07/12) o presidente eleito resolveu quebrar o silêncio e “justificar” a razão de ter recebido R$ 24 milhões do assessor. Segundo o militar, o dinheiro é o pagamento de uma dívida que Queiroz tinha com ele e que apenas depositou o montante na conta da esposa. O problema é que seus argumentos soam como piada: por que um assessor que tinha mais de R$ 1 milhão na conta precisaria de dinheiro emprestado? A resposta terá de ser dada pela Família Bolsonaro à Justiça.

No sábado (08/12), Bolsonaro voltou a falar sobre o caso e admitiu que sonegou informações sobre o empréstimo que disse ter concedido ao amigo e ex-assessor Fabrício Queiroz, por não ter declarado a transferência ao fisco. Sobre o cheque à sua esposa Michele, ele reafirmou que teria sido fruto do empréstimo e voltou a dar explicações sem sentido para que estivesse no nome da futura primeira-dama. “Questão de mobilidade”, declarou. “Se eu errei, eu arco com a minha responsabilidade perante o Fisco. Sem problema nenhum”, afirmou. Sobre o cheque, disse ainda: “Não botei na minha conta por questão de. Eu tenho dificuldade para ir em banco, andar na rua. Deixei para minha esposa. (…) Mas ninguém recebe ou dá dinheiro sujo com cheque nominal, meu Deus do céu”.

O deputado federal e líder da Bancada do PT, Paulo Pimenta, cobrou explicações de Flávio Bolsonaro, entre elas sobre a origem do dinheiro depositado na conta de seu ex-assessor, Fabrício Queiroz, e de quando teria sido avisado sobre a operação Furna da Onça. Para Pimenta, a versão de Jair Bolsonaro sobre os escândalos não aguenta um depoimento.

O líder do PT na Câmara também entrou com pedido de investigação na Procuradoria-Geral da República (PGR) para apurar “possíveis ilícitos criminais e administrativos” envolvendo o deputado estadual Flávio Bolsonaro e Michelle. “Imaginem se o motorista do Lula tivesse movimentado R$ 1,2 milhão (e mais de R$ 300 mil em espécie) durante um ano tendo recebido salário de R$ 8 mil… qual seria a reação da mídia e do Jair Bolsonaro na tribuna da Câmara?”, tuitou o Pimenta.

Em vídeo nas redes sociais, o parlamentar chamou a atenção do futuro “super-ministro” da Justiça. “Um assessor que ganha cerca de 8 mil reais por mês, em um ano, recebeu R$ 1,2 milhão na conta. Na movimentação desse indivíduo tem depósito até para Dona Michelle Bolsonaro. E agora, Sérgio Moro?”, Na pasta da Justiça, o ex-juiz também comandará as ações do Coaf, que será movido do ministério da Fazenda.

Como se não bastasse a cobrança externa – de opositores e da grande mídia – sobre o escândalo, Bolsonaro, passou a ser pressionado pela própria cúpula de seu governo. O vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão, pediu respostas sobre o caso no sábado (08/12), ao ser questionado pela jornalista Andreia Sadi, da Globo. “O ex-motorista, que conheço como Queiroz, precisa dizer de onde saiu este dinheiro. O Coaf rastreia tudo. Algo tem, aí precisa explicar a transação, tem que dizer”, cobrou Mourão.

Deputados estaduais de partidos de esquerda no Rio de Janeiro estudam, também, pedir investigação contra o colega Flávio Bolsonaro, após o estouro do escândalo do chamado ‘Bolsogate’. A suspeita é de que ex-assessores de Flávio na Alerj abriam mão de parte de seus salários.

A ideia dos parlamentares é encaminhar uma representação à Corregedoria da Assembleia Legislativa (Alerj). Flávio Bolsonaro, no entanto, deixa de ser deputado estadual em fevereiro, quando assumirá uma cadeira no Senado. A investigação na Assembleia poderia servir de base a uma denúncia ao Ministério Público.

Bandeira do PT

Confira outros destaques

1. Os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, a defesa de Lula e a Conferência Internacional em Defesa da Democracia
Criada em 10 de dezembro de 1948, para garantir a paz entre os povos após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), a Declaração Universal dos Direitos Humanos completa 70 anos, e seu aniversário não é meramente simbólico, uma vez que, hoje, está sob fortes ameaças diante do ressurgimento de ideais fascistas e a insurgência de governos pautados por discursos de ódio e autoritarismo. Mais atual do que nunca, os 30 artigos definidos na Declaração justificam a importância em manter a luta para evitar claras violações aos direitos humanos na atualidade como as sofridas por Lula.

As injustiças cometidas contra o ex-presidente serão o mote para que este 10 de dezembro seja marcado por diversas iniciativas em defesa do ex-presidente e pela democracia no Brasil. A principal delas acontece a partir das 18h em São Bernardo do Campo, com a realização de ato em defesa de Lula com a presença de lideranças nacionais e internacionais, movimentos sociais. A expectativa é que a militância compareça em peso e clame pela liberdade do ex-presidente.

Nos dias 10 e 11 de dezembro de 2018, também acontece a Conferência Internacional em Defesa da Democracia. O evento, organizado pela Fundação Perseu Abramo, debaterá a luta pela democracia, a resistência aos retrocessos nas políticas públicas de inclusão social e na política externa, e a criminalização dos movimentos populares e sociais. Com tradução simultânea em português, espanhol e francês, a conferência conta o apoio do Comitê de Solidariedade Internacional em Defesa de Lula e da Democracia no Brasil e da Secretaria de Relações Internacionais do PT.

Confira aqui a programação completa e a transmissão ao vivo do evento aqui.

2. Dois trabalhadores do MST são assassinados em acampamento na Paraíba
José Bernardo da Silva e Rodrigo Celestino foram assassinados na noite de sábado (08/12) por volta das 19h. Os dois eram militantes do Movimento das Trabalhadoras e Trabalhadores Sem Terra (MST) da Paraíba e estavam no acampamento Dom José Maria Pires, localizado no município de Alhandra, quando um grupo de quatro homens armados entraram na área e atiraram neles enquanto jantavam. O acampamento Dom José Maria Pires, antiga Fazenda Garapu, pertence ao Grupo Santa Tereza e completou um ano de resistência em julho deste ano. Em nota, o MST da Paraíba se posicionou: “Exigimos justiça com a punição dos culpados e acreditamos que lutar não é crime”.

A Bancada do PT na Câmara dos Deputados, através de nota assinada pelo líder Paulo Pimenta, repudiou o assassinato e ressaltou que o episódio é “mais um crime político cometido contra integrantes de um movimento que luta por terra, trabalho e dignidade e que, portanto, atua para construir um Brasil com mais justiça social e menos desigualdade”, luta que “é abraçada, inclusive, pelo Papa Francisco”.

A Procuradoria Geral da República (PGR), a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) e a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão na Paraíba (PRDC/PB), órgãos do Ministério Público Federal, também emitiram nota, afirmando que “(…) a PGR, a PFDC e a PRDC/PB reiteram o compromisso com a proteção dos direitos humanos dos assentados e envidarão todos os esforços perante os órgãos de investigação para que a autoria do duplo assassinato seja esclarecida e os responsáveis punidos conforme a lei”.

O velório de José Bernardo da Silva (conhecido como Orlando) aconteceu na capela do assentamento Zumbi dos Palmares na cidade de Mari. Após as 14h, entre cânticos de luta, poesias e palavras de ordem, várias autoridades e militantes fizeram uso da palavra, incluindo a presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, que esteve presente na despedida aos militantes assassinados. O velório de Rodrigo Celestino aconteceu em João Pessoa e também recebeu centenas de pessoas para a sua despedida.

3. Novo ministro de Bolsonaro é investigado por fraude e improbidade
Jair Bolsonaro (PSL) divulgou no domingo (09/12) a escolha do ex-secretário estadual do Meio Ambiente de São Paulo, na gestão de Geraldo Alckmin (PSDB), Ricardo de Aquino Salles, para o Ministério do Meio Ambiente. Ele também foi secretário particular do tucano. Salles concorreu ao cargo de deputado federal pelo Novo, mas não se elegeu. O militar fez o anúncio, como de costume, por intermédio de sua conta no Twitter. Salles é o 22º e último ministro do futuro governo. O ex-secretário do estado de Meio Ambiente é investigado em uma ação civil pública por favorecer empresas de mineração na escolha do mapa de zoneamento do Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental (APA) do Rio Tietê. Na avaliação do Ministério Público, ocorreu fraude nas mudanças, que podem prejudicar o meio ambiente. O futuro ministro de Bolsonaro também é alvo de um processo por improbidade administrativa, por violação aos princípios constitucionais da administração pública, e responde a um processo civil por danos ao erário. Leia mais aqui.

4. Moro tenta “chegar” em Lula desde o Mensalão, revela Onyx
O ministro anunciado da Casa Civil Onyx Lorenzoni disse, em entrevista a um programa da GloboNews, que sua relação com Sergio Moro existe desde 2005 e que, já naquela época, o então juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba – a única especializada em crimes de colarinho branco – pediu a atualização de duas leis que foram utilizadas pela Lava Jato para condenar e prender o ex-presidente Lula. Leia mais aqui.

Em sua primeira entrevista após a prisão, Lula fez questão de denunciar a perseguição e a parcialidade do juiz, expostas nas declarações de Onyx. As perguntas foram formuladas pelo jornalista Kennedy Alencar e respondidas pelo ex-presidente em textos escritos de próprio punho.

No texto, Lula comenta a ida de Moro para o alto-círculo político de Jair Bolsonaro, reafirma sua inocência e faz um alerta aos brasileiros: se tanta injustiça aconteceu com um ex-presidente, pode ocorrer com qualquer um. “Fui condenado por ser o presidente de maior sucesso da República e o que mais fez pelos pobres”. Para o ex-presidente, o juiz sabia desde o início que só manobras judiciais impediriam que ele vencesse o pleito. “Moro sabia que, se agisse de acordo com a lei, teria que absolver-me e eu seria eleito presidente”, escreveu. A ida para o governo Bolsonaro apenas formaliza o papel que ele já fazia como juiz. “Ele fez política, e não justiça. E agora tira vantagem disso”, completou. Leia mais aqui.

5. “Lamento que o sítio foi usado para acusar meu filho e meu amigo”: o depoimento de Jacó Bittar que Moro ignorou
Jacó Bittar é uma testemunha central para elucidar o caso do sítio de Atibaia, que o Ministério Público Federal atribui a Lula. Mas, no dia 18 de junho, Sergio Moro decidiu não tomar o seu depoimento. O juiz considerou que o depoimento é de “duvidosa relevância” e invocou razões humanitárias. “Não seria viável (ouvi-lo) sem expor o depoente a risco ou a constrangimento”, afirmou. É que Jacó Bittar, com quase 78 anos de idade, tem mal de Parkinson e quase não sai de seu apartamento, em São Vicente, no litoral de São Paulo. A defesa de Lula sugeriu que fosse aceito um depoimento dele por escrito, mas os procuradores não concordaram, sob a alegação de que não poderia haver contraditório. Apesar de Moro cancelar o depoimento, a defesa de Lula obteve uma declaração pormenorizada de Bittar, prestada a um escrivão que foi à sua residência. O depoimento ao escrivão, que tem fé pública, foi juntado ao processo. Em um dos trechos, Bittar declara: “As idas frequentes e bem-vindas do Lula e da Marisa são decorrentes de uma amizade iniciada há quatro décadas e do relacionamento íntimo que temos. Lamento profundamente que esse sítio tenha sido utilizado para acusar o meu filho e o meu amigo”. Pode-se duvidar de Jacó Bittar, mas esta é uma história com começo, meio e fim, diferentemente da denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal, cheio de ilações e nenhuma prova. Leia mais aqui.

Escola Nacional de Formação do PT

Google+ tem fim antecipado para abril de 2019

Google+

Mais uma rede social do Google que morre, que vai para o cemitério virtual da companhia e de todos eles, o que mais temos saudades é o Orkut.

O Google confirmou que vai antecipar a desativação do Google+ e seus aplicativos em quatro meses. A decisão foi tomada após a descoberta de um problema de segurança no software de atualização distribuído em novembro e que resultou no vazamento de dados de aproximadamente 52,5 milhões de usuários.

Em nota publicada em seu blog, a empresa confirmou a reprogramação para abril de 2019. Anteriormente, a desativação estava prevista para agosto. Os aplicativos ligados à rede social serão desativados em até 90 dias.

A falha foi descoberta pela própria plataforma durante procedimentos de checagem padrão. O vazamento permitiu que dados pessoais de usuários, como nome, endereço de e-mail, ocupação, idade e outros, fossem acessados por desenvolvedores de aplicativos mesmo quando estavam marcados para não serem públicos. A empresa afirma, contudo, que informações relativas a dados financeiros, números de documentos, senhas pessoais e similares permaneceram inacessíveis.

“Nenhum terceiro comprometeu nossos sistemas, e não temos evidências de que os desenvolvedores de aplicativos que inadvertidamente tiveram esse acesso por seis dias tenham conhecimento disso ou o usaram indevidamente de alguma forma”, assegurou David Thacker, vice-presidente de gestão de produto da plataforma.

O Google+ foi lançado em 2011. O objetivo de sua criação era rivalizar com o Facebook como rede social. A meta, porém, nunca foi atingida.

Portal Imprensa

Campanha para compra de cestas básicas Natal sem fome. “Quem tem fome, tem pressa”

Betinho Natal sem Fome

Artigo 25 da Declaração Universal dos Direitos Humanos:

Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em casa do de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.

No dia em que comemoramos os 70 anos da carta que defende vida digna a todas e todos os cidadãos do mundo, o Ibase reforça o pedido de contribuição com a campanha para a compra de cestas básicas para os assentados do Sebastião Lan II. As 38 famílias que moram e trabalham no local perderam toda sua produção devido a uma chuva forte que caiu na região. Com isso, eles estão com dificuldades para conseguir dinheiro para coisas básicas como a alimentação.

Para conhecer a história do assentamento, saber mais sobre a vida das famílias locais e fazer sua doação, acesse: bit.ly/campanhaibase.

Colabore! Esta é a última semana da campanha e ainda falta muito para alcançarmos 100% da meta. E, como dizia Betinho, quem tem fome, tem pressa.

Bolsonaro pode salvar o planeta? #SQN

Bolsonaro e o meio ambiente

AvaazCientistas soaram o alarme: temos apenas 12 anos para impedir um desastre climático!

Líderes mundiais estão se reunindo agora numa conferência climática crucial para decidir como reagir a isso — e o mundo inteiro está de olho no Brasil: desde que o Bolsonaro foi eleito, todo mundo está preocupado que o Brasil passe de LÍDER a VILÃO no combate às mudanças climáticas.

Mas essa é uma luta essencial — pode parecer loucura, mas Bolsonaro ainda pode salvar o planeta! Ele ainda está definindo sua posição sobre as mudanças climáticas e já admitiu que a ameaça é real — a maioria de seus eleitores votaram para ele acabar com a corrupção, não com o planeta.

Vamos mostrar a ele que o povo brasileiro e o mundo todo querem que ele ouça e responda ao apelo mundial por energia 100% limpa. Assine agora — entregaremos nossas vozes durante a Conferência do Clima e ao time de Bolsonaro! Diga ao mundo: o Brasil apoia o plano de energia 100% limpa!

Todo mundo sabe que, sem o Brasil, não dá pra impedir as mudanças climáticas. Quando Bolsonaro desistiu de sediar a conferência climática de 2019, a mensagem que ele passou ao mundo foi de que os brasileiros não ligam para o meio ambiente. Nós podemos mostrar que essa percepção está errada!

A Europa acabou de anunciar um plano de zero poluição, e agora outros países estão decidindo se seguem ou não o exemplo. Vamos juntos mostrar ao mundo que os brasileiros apoiam esse plano!

A equipe da Avaaz entregará nossas vozes durante a Conferência do Clima e ao time de Bolsonaro — assine agora e compartilhe com todosDiga ao mundo: o Brasil apoia o plano de energia 100% limpa!

Depois de enorme pressão popular, o Brasil liderou o mundo inteiro durante o Acordo Climático de Paris. Nós somos os heróis e não os vilões do meio ambiente. Vamos garantir que permaneça assim.

Com esperança, Diego, Iain, Risalat, Fatima, Andrew e toda a equipe da Avaaz.

Mais informações

Urso polar

Obtenha a primeira medalha do desafio de Natal!

Medalha do desafio de Natal

Quando os compromissos das festas começam a interferir em nossa rotina diária, você pode ficar tentado a não dar ouvidos à Palavra de Deus no dia a dia. Nosso Desafio de Natal te ajuda a lembrar o por quê nós celebramos essa época: o presente de Jesus, o filho único de Deus.

Complete qualquer Plano de Natal ou do Advento entre hoje e 31 de dezembro e você ganhará a novíssima Medalha do Desafio de Natal! Comece qualquer Plano de Natal ou do Advento abaixo ou caso já esteja fazendo um Plano de Natal ou do Advento é só continuar.

Personagens do Natal

Personagens do Natal
Sociedade Bíblica do Brasil, 7 Dias

 

 

A Esperança do Natal

A Esperança do Natal
Rick Warren, 10 Dias

 

 

Advento: Cristo Está Vindo!

Advento: Cristo Está Vindo!
Thistlebend, 28 Dias

 

 

Alegria para seu Mundo! Contagem Regressiva para o Natal

Alegria para seu Mundo! Contagem Regressiva para o Natal
Just Joy Ministries, 24 Dias

 

 

51,2% da população mundial estará conectada à internet até o fim deste ano

Facebook é um grave perigo à saúde da internet

De acordo com levantamento divulgado pela União Internacional de Telecomunicações (UIT), agência  da Organização das Nações Unidas (ONU) a temas relacionados às tecnologias da informação e comunicação, 51,2% da população mundial terá acesso à internet até o fim de 2018. É a primeira vez que o número de conectados vai ultrapassar o de pessoas que não utilizam a internet.

O índice de usuários corresponde a cerca de 3,9 bilhões de pessoas. Os países desenvolvidos são os que registram as porcentagens mais elevadas, correspondendo a 80,9% da população. Mesmo nos países em desenvolvimento, a diferença entre aqueles que têm acesso à internet e os que não têm também está diminuindo. Atualmente, 45,3% dessa população já tem algum nível de conexão.

Para o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao, a evolução no acesso à internet colabora para a construção de uma “sociedade informacional global mais inclusiva”. “No fim de 2018, teremos ultrapassado 50/50 no uso da internet. Isso representa um passo importante em direção a uma sociedade informacional global mais inclusiva. Entretanto, muitas pessoas no mundo ainda estão esperando para colher os benefícios da economia digital. Devemos incentivar mais investimentos dos setores público e privado e criar um bom ambiente para atrair investimentos e apoiar a inovação em tecnologia e negócios para que a revolução digital não deixe ninguém offline”, destacou.

De acordo com a agência, a África é a região que registrou mais crescimento relativo no índice. Há 13 anos, apenas 2,1% da população tinha acesso à internet, atualmente esse número chega a 24,4%.

A popularização no uso de smartphones é apontada como um dos fatores decisivos para a expansão na utilização da internet em todo o mundo. Cerca de 96% das áreas povoadas do planeta têm cobertura móvel, estima o órgão da ONU. E nos celulares, há 5,3 bilhões de pessoas com assinaturas de banda larga.

Acesse a pesquisa aqui.

Portal Imprensa