Google disponibiliza 10 cursos online totalmente gratuitos e em português

Grow With Google [crescer com o google)

Há uma variedade enorme de cursos disponíveis online – tanto que já até sugerimos algumas opções gratuitas aquirecentemente, para quem quer aprender a programar. Mas além de universidades, algumas empresas oferecem videoaulas de graça na web. O Google é uma delas, disponibilizando várias no Udacity. E o melhor: muitas com legendas em português.

Selecionamos dez desses cursos do Google, todos relacionados a desenvolvimento web e programação, para você conferir e começar a estudar. Confira a lista a seguir:

1. Fundamentos de Design Responsivo para a Web.
O curso mostra todos os fundamentos do web design responsivo, ensinando como criar uma página que funciona bem tanto na tela do PC quanto em um tablet ou um smartphone. Tem duração estimada de duas semanas e está disponível aqui.

2. Teste A/B.
Usados para verificar o efeito de mudanças, os testes A/B são essenciais para quem precisa decidir se vai ou não implementar algum recurso novo em um site ou aplicativo. O curso mostra como realizá-los, definindo métricas e analisando resultados. Tem duração estimada de quatro semanas e está disponível aqui

3. Otimização de Renderização no Browser.
Como a descrição do curso diz, performance importa para os usuários – e por isso é importante criar um web app que reaja bem as ações. As aulas apresentam ferramentas usadas para analisar e identificar problemas de desempenho e explicam como criar uma aplicação que responda bem no navegador. O curso tem duração de um mês e está disponível aqui

4. Imagens Responsivas.
As imagens representam 60% dos bytes necessários para carregar uma página na web. Por isso, é importante saber como otimizar o carregamento delas de acordo com o dispositivo do usuário – justamente o que esse curso mostra como fazer. Tem duração de duas semanas e está disponível aqui.

5. Otimização de Performance de Website.
Já que falamos de desempenho, este curso foca em otimizar um site para que ele seja rápido. As aulas mostram o caminho que os navegadores seguem para transformar os códigos HTML, CSS e JavaScript em uma página finalizada e mostram, a partir disso, as ferramentas que você usar para melhorar a performance. Tem duração de apenas uma semana e está disponível aqui.

6. O que é localização.
Não, não estamos falando de mapas. A localização aqui tem a ver com levar um produto ou serviço para um novo mercado, com um idioma diferente. O curso mostra tudo o que você precisa saber para traduzir e adaptar um aplicativo, por exemplo, antes de estreá-lo em um novo país. Tem duração de duas semanas e está disponível aqui.

7. Deep Learning.
A “aprendizagem profund”, ou simplesmente deep learning, está cada vez mais importante no mercado. Ela é aplicada em pesquisas, comandos de voz, reconhecimento e busca de imagens e em muitas outras soluções muito usadas atualmente. Este curso fala sobre o conceito desde o começo, apresentando os conceitos básicos e indo até o desenvolvimento de sistemas que aprendem a partir de dados. Tem duração de 12 semanas e está disponível aqui.

8. Android TV e Desenvolvimento Google Cast.
Um pouco menos densas, as aulas aqui mostram como levar sua aplicação Android para a tela da televisão, adaptando-a para funcionar em realidade virtual e também no Google Cast sem precisar reescrevê-la. Tem duração de uma semana e está disponível aqui.

9. Material Design para Desenvolvedores Android.
Anunciada há quatro anos, a linguagem visual do Google transformou os aplicativos do Android. Nessas aulas, você vai aprender como aplicar os princípios dela e utilizar todos os elementos do Material Design nos seus apps. O curso dura quatro semanas e está disponível aqui.

10. Introdução à Realidade Virtual.
As videoaulas daqui não são em realidade virtual, mas abordam todos os princípios por trás do conceito, de telas e rastreamento de visão até ótica e estereopsia. A descrição do curso garante que, ao final dele, você terá criado uma aplicação em VR. As aulas tem duração de duas semanas e estão disponíveis aqui

Fonte Olhar Digital

Anúncios

Google oferece cursos online e gratuitos. Já pensou em ganhar um certificado do Google?

google logo

Então… saiba que isso já é possível?

O Google, que se tornou tão conhecido e útil para nós, está oferecendo cursos online e com certificado. Se você sonha em construir carreira fora do país, estes cursos serão ótimos, já que a empresa tem seu nome reconhecido internacionalmente.

Estes cursos estão disponíveis na plataforma Primer, a qual você pode fazer o download pelo seu smartphone. O Primer está disponível para Android e IOS.

O conteúdo dos cursos, fora desenvolvido pelos próprios profissionais do Google em parceria com professores e especialistas no assunto, baseando-se, além disso, em situações de empresas de sucesso. As certificações que o aplicativo oferece são:

  1. Planejamento de negócios
  2. Vendas
  3. Construção de marca
  4. Engajamento
  5. Sites
  6. Comunicação com cliente
  7. Redes sociais
  8. Gerenciamento de Negócios
  9. Marketing Digital 1
  10. Marketing Digital 2
  11. Marketing de conteúdo
  12. Analytics
  13. Insights
  14. Empreendedorismo
  15. Mobile Marketing
  16. Vídeo Marketing
  17. Experiência do usuário
  18. Gerenciamento de Agência

Para ter acesso, baixe o app Google Primer ou clique no linkJá que passamos tanto tempo na tela do celular, vamos fazer isso com utilidade e conteúdo.

Fonte

[Tutorial] Aprenda a criar links para o seu número no WhatsApp e facilite o papo entre outros contatos

Tutorial WhatsApp

Então meus amigos… já é possível criar links para vídeos, fotos, textos e praticamente qualquer coisa da internet. Mas e se você quisesse criar um link para a sua própria conta do WhatsApp, de maneira que qualquer pessoa que clicasse nele fosse direcionada a uma conversa com você no aplicativo?

Saiba que isso já é possível, graças a um recurso do WhatsApp chamado “Click to Chat” (algo como “clique para conversar”). Ele gera um link que, ao ser clicado, leva o usuário a uma conversa com determinado número. Você pode até criar o link com uma mensagem pré-determinada para a pessoa que clicar nele te enviar.

Esse recurso pode ter uma série de utilidades. Por exemplo, se você estiver tentando vender seu carro, pode colocar as fotos dele junto com um link para o seu número. Nesse link, você também pode colocar uma mensagem como “Olá, tudo bem com você?”; assim, o potencial comprador não terá nem o trabalho de digitar. E você pode fazer tudo isso sem revelar seu número de telefone à internet inteira.

Veja a seguir como fazer isso

  1. Copie e cole este link https://api.whatsapp.com/send?phone=seunumerodetelefone&text=Olá!%20Vamos%20fazer%20contato? e divulgue onde quiser.
  2. Substitua a informação seunumerodetelefone pelo seu número, da seguinte maneira:
    • XXYY000000000.
      1. XX é o código internacional do seu número. O código do Brasil é 55, então, se o seu celular for daqui, substitua XX por 55.
      2. YY é o DDD. Se seu número for da região do Vale do Itajaí, por exemplo, substitua YY por 47, caso  seja de São Paulo, substitua YY por 21.
      3. 000000000 é o seu número de telefone. Se ele for, por exemplo, 99938-3519, substitua o 000000000 por 999383519.
    • Assim, se o seu número for brasileiro, do Vale do Itajaí (47), e for 99938-3519, você deverá substituir “seunumerodetelefone” por 5511999383519.
  3. Substitua a informação Olá!%20Vamos%20fazer%20contato? pela sua mensagem, da seguinte maneira:
    • Como não é possível inserir espaços nos links, é necessário substituí-los pelo símbolo %20. Assim, se você quiser que a sua mensagem seja Olá! Vamos fazer contato?, você precisará substituir o espaço sua%20mensagem por Olá!%20Vamos%20fazer%20contato?.
    • Então, se você quiser criar um link para o seu número com a mensagem pré-definida Olá! Vamos fazer contato?, e o seu celular for brasileiro, do Vale do Itajaí, com o número 99938-3519, o seu link ficará https://api.whatsapp.com/send?phone=5547999383519&text=Olá!%20Vamos%20fazer%20contato?.
  4. Você já pode enviar esse link para qualquer pessoa. Quem clicar nele será levado para uma tela de conversa do WhatsApp assim:
    Reprodução
    O problema é que, como pode ser visto acima, ele deixa exposto o seu número e a mensagem pré-definida que a pessoa receberá. Mas é possível contornar essa situação.
  5. Acessando o link por um dispositivo móvel qualquer, não há problema algum em enviar a mensagem. Basta estar com o WhatsApp instalado e iniciar a conversa. Caso esteja pela web, pra enviar a mensagem é só clicar em send conforme possa-se observar pela imagem em destaque acima.
  6. Acesse um site de encurtamento de links, como o bit.ly ou o ow.ly.
  7. Cole o seu link no campo correspondente e clique em encurtar URL ou Shorten.
  8. Você receberá uma versão encurtada do seu link. Por exemplo, jogando o link https://api.whatsapp.com/send?phone=5511999383519&text=Olá,%20meu%20amigo! (que usamos de exemplo acima) no bit.ly, recebemos o link http://bit.ly/2SigiHF, que funciona da mesma maneira.
    • Pelo bit.ly você consegue personalizar seu encurtador. Usando o exemplo sugerido nesse tutorial, você poderá substituir a informação 2SigiHF por uma de seu agrado, mas para isso, terá que ter uma conta e estar logado na rede. 
  9. Agora você pode usar o link sem o medo de deixar seu celular exposto! Compartilhe à vontade!

Gostou da dica? Aproveite o link e envie uma mensagem pra gente. O número informado é real e não tenho nenhum problema em divulgar. Caso esteja lendo esse post via web, basta apenas usar e estar logado no WhatsApp Web, se você está num dispositivo móvel, é só clicar, conversar e pronto!

Extraído originalmente do Olhar Digital.

5 dicas para fazer um abaixo-assinado online vitorioso

Abaixo-Assinado Celesc

A equipe da Change.org pesquisou vários abaixo-assinados vitoriosos, que trouxeram mudanças em 2014, e reuniu cinco dicas comuns a todos eles para ajudar quem quiser preparar o seu. A Change.org é o maior portal de petições online do Brasil. São 260 milhões de pessoas fazendo a diferença em 196 países e 15 milhões só no Brasil.

Vamos as dicas:

1. Faça um título simples, curto e atraente

É a primeira coisa a ser lida por quem vai participar do seu abaixo-assinado. Por isso, exige um cuidado especial. É importante sintetizar a ideia do que você quer mudar e não ultrapassar três linhas. Deve ser direto e atraente. Você pode colocar uma hashtag depois do título, o que ajuda a divulgar nas redes sociais. Como ocorreu com o #LuzNaPraça e o #LiberaAnvisa.

2. Diga quem tem o poder de mudar o que você deseja

“Tomador de decisão” é a pessoa ou organização que pode resolver o problema relatado no abaixo-assinado, seja o prefeito, o Ministério Público, uma empresa ou outra instituição. É importante escolher, no máximo, um ou dois tomadores de decisão, pois listar muitos facilita que eles “empurrem” a responsabilidade uns para os outros. Há exceções: uma petição para o Congresso Nacional, por exemplo, pode ter vários parlamentares como responsáveis. Na Change.org você pode cadastrar no seu abaixo-assinado o email do tomador de decisão para que ele receba centenas de mensagens cobrando uma solução. Quanto mais assinaturas, mais mensagens.

3. Faça um só pedido que tenha chances de se concretizar

Coisas impossíveis de serem alcançadas, como paz mundial ou fim da corrupção, são erros comuns nos abaixo-assinados. Pedir muitas demandas em uma só petição, como listar 10 questões a serem resolvidas pela prefeitura, também não funciona. A recomendação é evitar pedidos amplos demais: ao invés de “proteção para a Floresta Amazônica”, você pode pedir a criação de um parque ambiental em uma determinada área. Os abaixo-assinados são realmente efetivos, tanto para mobilizar mais pessoas quanto para conseguir uma mudança, quando eles apresentam demandas concretas e simples de serem captadas pelos usuários na internet. Na mobilização online, um passo de cada vez gera transformações mais sólidas.  A dica é pedir, por exemplo, que a prefeitura reabra uma escola ou que ela contrate um pediatra para o posto de saúde. Isto vai resolver esta demanda concreta e também chamar a atenção para a precariedade do serviço público.

4. Faça um texto didático com até 4 parágrafos

O texto é coração do abaixo-assinado, pois é nele que as pessoas entendem o que você quer mudar. Por isso ele precisa ser didático, simples e autoexplicativo. Não precisa de links para outras histórias nem referências exteriores como artigos científicos. É ideal que ele não ultrapasse 4 parágrafos, pois dificilmente as pessoas lerão mais do que isso. O primeiro parágrafo apresenta a demanda e mostra quem você é (profissão, idade, motivação para o abaixo-assinado). O segundo descreve mais a sua história pessoal e sua ligação com o problema – por que você se importa com isso? Os dois últimos parágrafos devem falar dos efeitos do abaixo-assinado. Para escrevê-los, a recomendação é que você responda a perguntas como: o que acontece se a mudança que eu pedi na petição for feita? Qual a chance do tomador de decisão nos ouvir? O que acontece se ninguém responder? É importante que o abaixo-assinado sensibilize as pessoas. Quanto mais pessoas forem tocadas pela história, mais elas vão apoiar. Elas irão entender que é uma luta de Davi contra Golias e que vale a pena ajudar.

5. Use as redes sociais para buscar apoiadores

É normal você sentir que já “cumpriu a missão” ao criar um abaixo-assinado. Mas o problema que você descreveu não se resolve sozinho. Você precisa chamar seus amigos para assinar, contar com colegas para divulgarem, fazer barulho com a petição. É importante mostrar que a petição é uma ferramenta de pressão. Ela só vai ser útil se você divulgá-la em todos os lugares, se reclamar com a autoridade responsável por telefone e internet. Quanto mais você chamar pessoas para assinarem e espalharem seu abaixo-assinado pela internet, mais chances ele tem de ser vitorioso. Os tomadores de decisão – sejam empresas, autoridades ou órgãos públicos – têm medo de que sua reputação fique manchada. Quando algo começa a se disseminar e eles veem o tamanho do barulho que está sendo feito e correm para responder e resolver o problema. Uma dica para convidar as pessoas a assinarem é colocar o texto /invite depois do endereço do abaixo-assinado. Isso abre uma ferramenta que manda mensagens aos seus amigos do Facebook. Veja o exemplo neste link.

Assista ao vídeo e conheça o que os abaixo-assinados vitoriosos têm em comum.

As expressões “abaixo-assinado”, “petição”, “campanha” e “mobilização” são usadas neste texto como sinônimo.

Fonte: Catraca Livre

Foi pego por violar direitos autorais no YouTube?

YouTube, Dialison Cleber Vitti, Dialison Cleber, Dialison Vitti, Dialison, Cleber Vitti, Vitti, #DialisonCleberVitti, @dcvitti, dcvitti, #blogdodcvitti, Ilhota, 2014

Se você recebeu um e-mail com o assunto Vídeo removido – Violação de direitos autorais ou até mesmo uma noticiação em sua conta no YouTube em que foi desativado o seguinte material, como resultado de uma notificação de terceiros de alegando que este material é infrator: [nome do seu vídeo/link], tome cuidado! A equipe do YouTube não dorme em serviço e está assegurando dos direitos das grandes companhias. Observe que na seção 512(f) da Lei de Direitos Autorais, impede que qualquer pessoa, intencionalmente, possa apresentar declaração falsa de que um material foi desativado por engano ou identificação incorreta pode estar sujeita à penalidades por danos.

A reincidência na violação de direitos autorais acarretará a exclusão da conta do usuário infrator e dos respectivos vídeos enviados. Para evitar que isso ocorra, remova todos os vídeos sobre os quais você não detém os direitos de reprodução e não envie outros vídeos que violem os direitos autorais de terceiros. Para saber mais sobre a política de direitos autorais do YouTube, leia a Informações sobre direitos autorais.

Se uma de suas postagens for identificada incorretamente como infratora, o usuário poderá enviar uma contra-notificação. Veja a seguir, as informações sobre esse processo em nossa Central de Ajuda.

Faça seu curso de direitos autorais

Então vamos lá…

Antes de mais nada, assista ao vídeo e ative as legendas e selecione o seu idioma. Reserve alguns minutos do seu importante e preciso tempo para assistir a esse vídeo sobre direitos autorais.

Depois de assistir o videozinho, vamos a parte mais importante em responder às quatro perguntas que seguem. No final, darei as respostas.

Provinha

Selecionei algumas das questões que irá cair na prova do cursinho. Seguem algumas possíveis questões:

  1. Se alguém alegar que você infringiu os direitos autorais, você receberá uma notificação:
    • a) Em sua conta
    • b) Em seu e-mail
    • c) A & B
    • d) Através de mensagem de texto
  2. Desde que você tenha modificado o conteúdo original de alguma maneira (por exemplo, emumremix), ele sempre será um uso justo do material protegido por direitos autorais, e você não estará sujeito a reivindicações de violação de direitos autorais.
    • Verdadeiro
    • Falso
  3. Qualquer um pode fazer uma reivindicação de direitos autorais em nome de outra pessoa.
    • Verdadeiro
    • Falso
  4. Você deve solicitar permissão ao YouTube para usar o conteúdo de outros usuários do site.
    • Verdadeiro
    • Falso

Continuar

  1. Não é possível queumremixoumashup viole direitos autorais.
    • Verdadeiro
    • Falso
  2. Dar crédito ao criador do conteúdo na descrição do vídeo é suficiente para evitar que ocorra violação de direitos autorais.
    • Verdadeiro
    • Falso
  3. Se o conteúdo estiver disponível na Internet, está em domínio público. Portanto, não há problemas em enviá-lo ao YouTube.
    • Verdadeiro
    • Falso
  4. Se você for considerado um infrator reincidente, poderá perder sua contado YouTube.
    • Verdadeiro
    • Falso

Continuar

  1. Se comprei o conteúdo em questão, não é possível que esteja violando direitos autorais ao enviá-lo ao YouTube.
    • Verdadeiro
    • Falso
  2. Se alguém alegar que você violou os direitos autorais, e você tiver certeza de que esse não é o caso, você poderá:
    • a) Reenviar o vídeo
    • b) Excluir o vídeo
    • c) Enviar uma contra-notificação
    • d) Fazer download do vídeo
  3. Se você usar o processo de contra-notificação do YouTube indevidamente:
    • a) Sua conta do YouTube será encerrada
    • b) Você poderá ser responsabilizado judicialmente
    • c) a) e b)
  4. Se você for considerado um infrator reincidente, poderá perder sua conta do YouTube.
    • Verdadeiro
    • Falso

Continuar

  1. Não haverá problema em usar o conteúdo de outra pessoa se esse conteúdo já estiver no YouTube.
    • Verdadeiro
    • Falso
  2. Todos os usos de conteúdo protegido por direitos autorais sem permissão do proprietário são considerados violação de direitos autorais.
    • Verdadeiro
    • Falso
  3. Excluir um vídeo que foi removido devido à violação de direitos autorais eliminará o aviso de direitos autorais associado.
    • Verdadeiro
    • Falso
  4. Caso um vídeo seja removido devido a uma notificação de violação de direitos autorais, a única maneira possível de restaurar o vídeo é preencher uma contra-notificação.
    • Verdadeiro
    • Falso

Avaliação de algumas das suas respostas

  1. Se você for considerado um infrator reincidente, poderá perder sua conta do YouTube.
    • Sua seleção: Verdadeiro.
    • Resposta: Correto!
    • Justificativa: Usuários suspensos por violação de direitos autorais são proibidos de criar novas contas.
  2. Se o conteúdo estiver disponível na Internet, está em domínio público. Portanto, não há problemas em enviá-lo ao YouTube.
    • Sua seleção: Verdadeiro.
    • Resposta: Incorreto!
    • Justificativa: Quando algo está disponível na Internet, não significa que está em domínio público.
  3. Dar crédito ao criador do conteúdo na descrição do vídeo é suficiente para evitar que ocorra violação de direitos autorais.
    • Sua seleção: Verdadeiro.
    • Resposta: Incorreto!
    • Justificativa: Você pode precisar de autorização do proprietário dos direitos autorais para publicar conteúdo de terceiros. Mencionar ou dar crédito não o exime de tal responsabilidade.
  4. Não é possível que um remix ou mashup viole direitos autorais.

    • Sua seleção: Falso.

    • Resposta: Correto!

    • Justificativa: Remixes e mashups podem ser considerados trabalhos derivados perante a lei, e você pode precisar de permissão do criador do conteúdo original para remixar ou fazer mashup do conteúdo. Nem todos os remixes são protegidos pelo uso justo.

Mais respostas…

  1. Você deve solicitar permissão ao YouTube para usar o conteúdo de outros usuários do site.
    • Sua seleção: Falso
      Resposta: Correto!
    • Justificativa: O YouTube não pode conceder os direitos a capturas de tela ou filmagem de conteúdo de terceiros no site.
  2. Desde que você tenha modificado o conteúdo original de alguma maneira (por exemplo, em um remix), ele sempre será um uso justo do material protegido por direitos autorais, e você não estará sujeito a reivindicações de violação de direitos autorais.
    • Sua seleção: Falso.
    • Resposta: Correto!
    • Justificativa: As determinações da utilização razoável devem considerar uma série de fatores, como a finalidade e o caráter do trabalho, a natureza, quantidade e sustentabilidade do trabalho copiado, e o efeito sobre o valor do trabalho original.
  3. Se alguém alegar que você infringiu os direitos autorais, você receberá uma notificação:
    • Sua seleção: A & B.
    • Resposta: Correto!
    • Justificativa: Se um de seus vídeos for removido como resultado de uma notificação de violação de direitos autorais, você receberá um aviso em sua conta da próxima vez que fizer login no YouTube. Você também receberá um e-mail no endereço associado a sua conta.
  4. Qualquer um pode fazer uma reivindicação de direitos autorais em nome de outra pessoa.
    • Sua seleção: Falso
    • Resposta: Correto!
    • Justificativa: Somente o proprietário dos direitos autorais ou um representante autorizado podem fazer uma reivindicação de direitos autorais para o conteúdo deles no YouTube.

No final…

Parabéns! Você concluiu o curso de direitos autorais.

Você perdeu acesso a alguns recursos do YouTube porque sua conta está em situação irregular. Saiba mais