Alcântara: o custo do Centro Espacial para as comunidades quilombolas

Centro de Lançamento de Alcântara

Novos projetos da base de lançamentos ameaçam 400 moradores de comunidades próximas à Alcântara, no Maranhão.

O Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, mudou a vida de dezenas de famílias quilombolas. Se antes moravam ao lado do mar e sobreviviam da pesca, a nova morada, nas chamadas agrovilas, está a 40 quilômetros da antiga residência. Hoje, compram o peixe – que chega na garupa de motos.

O segundo maior Centro Especial de Foguetes do mundo nunca mandou um só satélite ao espaço. Este ano, o governo Temer retomou negociações para que os Estados Unidos usem a base.

Novos projetos ameaçam 400 pessoas das comunidades de Boa Vista e Manuma. Nessa última comunidade, vivem 71 famílias de remanescentes de escravos. Há 30 anos vivem um conflito territorial com o Centro de Lançamento de Alcântara.

Apoie a Repórter Brasil. Saiba como acessando este link!

Anúncios

Os tabus sobre direitos humanos

Sete tabus dos Direitos Humanos

Direitos humanos para…? Bandido bom é bandido…? Lugar de criança é na…? Drogas: guerra é o caminho? Índio quer…? Polarização nas redes: verdade ou mentira? Lugar de mulher é…? Para ampliar o debate sobre direitos no Brasil, convidou-se pessoas com trabalhos de referência no país para um papo reto sobre questões que geralmente são tratadas como tabus.

O evento aconteceu quinta-feira, dia 22, às 19h30, com uma transmissão ao vivo e online, direto da página do Quebrando Tabu no Facebook! Eu não assisti. Esqueci! O tema foi sete tabus dos Direitos Humanos. A quem diga que bom, viu?

Quem mediou essa conversa foi a atriz, diretora da ONG Humanos Direitos e Embaixadora Nacional da ONU Mulheres Brasil, Camila Pitanga. Além dela, participaram da mesa: Juliana Melo, pesquisadora sobre sistema prisional no Rio Grande do Norte; Dona Raimunda Dias, mãe de ex-interno no sistema socioeducativo; MC Sabrina Martina, componente do Movimentos; Getúlio Juca, Nhanderu Kaiowá e membro do Conselho Continental da Nação Guarani – CCNAGUA; Pablo Ortellado, pesquisador da USP; e Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Internacional Brasil.

Abaixo, o vídeo que transmitiu o debate ao vivo pela página da campanha no Facebook. Até o momento a organização não subiu o vídeo no canal da Anistia Internacional Brasil no YouTube.

https://www.facebook.com/plugins/video.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fquebrandootabu%2Fvideos%2F1808994482490264%2F&show_text=0&width=560

Os tabus sobre direitos humanosAnistia Internacional Brasil

 

 

Tweetdeck proíbe o gerenciamento de envio simultâneo de tweets em várias contas

Twitter dcvitti

Automação e uso de múltiplas contas.

Por causa da última eleição americana o teve que proibir o gerenciamento de envio simultâneo de tweets em várias contas e isso me afetou até porque uso frequentemente esta ferramenta. Veja os argumentos do Twitter sobre o assunto.

Manter o Twitter seguro e livre de spam é uma prioridade para nós. Uma das violações de spam mais comuns que vemos é o uso de várias contas ea plataforma do desenvolvedor do Twitter para tentar amplificar ou inflar artificialmente a proeminência de certos Tweets. Para ser claro: o Twitter proíbe qualquer tentativa de usar a automação para publicar ou divulgar spam, e esse comportamento pode resultar em ação de execução.

Em janeiro, anunciamos que, como parte de nossos esforços de Qualidade da Informação, estaríamos fazendo mudanças no TweetDeck e na API do Twitter para limitar a capacidade dos usuários de realizar ações coordenadas em várias contas. Essas mudanças são um passo importante para garantir que fiquemos à frente de atividades mal-intencionadas visando as conversas cruciais no Twitter – incluindo eleições nos Estados Unidos e em todo o mundo. Hoje, estamos compartilhando detalhes sobre essas mudanças, bem como orientações importantes para os desenvolvedores sobre como cumprir essas regras.

Por favor, reveja esta orientação com cuidado, pois você pode ser obrigado a fazer alterações em seu aplicativo ou serviço.

Não (e não permita que seus usuários) adicionem conteúdo similar ou substancialmente similar a várias contas. Por exemplo, seu serviço não deve permitir que um usuário selecione várias contas de que eles controlam para publicar um determinado Tweet.

  • Isso se aplica independentemente de os Tweets serem publicados no Twitter ao mesmo tempo, ou estão agendados / enfileirados para publicação futura.
  • Como uma alternativa para publicar conteúdo idêntico, você pode Retweetar conteúdo de uma conta das outras contas das quais você deseja compartilhar. Isso só deve ser feito a partir de um pequeno número de contas distintas que você controla diretamente. Observe que o Retweeting automatizado em massa, agressivo ou de alto volume não está permitido nas Regras de Automação e pode estar sujeito a ações de execução.

Não (e não permita que seus usuários) executem simultaneamente ações como Likes, Retweets ou seguem de várias contas. Por exemplo, seu serviço não deve permitir que um usuário selecione várias contas que eles controlam para seguir uma conta especificada.

TweetDeckO uso de qualquer forma de automação (incluindo agendamento) para publicar conteúdo idêntico ou substancialmente similar, ou para executar ações como Likes ou Retweets, em muitas contas que autorizaram sua aplicação (independentemente de você criar ou controlar diretamente essas contas) é não é permitido. Por exemplo, são proibidos os aplicativos que coordenam atividades em várias contas para postar Tweets com uma hashtag específica (por exemplo, na tentativa de causar esse tópico).

  • Enquanto continuamos a permitir a publicação cruzada de informações externas (como alertas climáticos ou feeds RSS) para o Twitter usando a automação, você só deve publicar esse conteúdo em uma conta que você controla.
  • Como uma única exceção a esta regra, os aplicativos que transmitem ou compartilham anúncios de clima, emergência ou outros anúncios de interesse público (por exemplo, alertas de terremoto ou tsunami) estão autorizados a publicar esse conteúdo em várias contas que autorizaram um aplicativo.

Hoje, também estamos apresentando mudanças na funcionalidade da conta múltipla do TweetDeck para refletir essa orientação. Os usuários do TweetDeck não poderão mais selecionar várias contas através das quais executar uma ação como Tweeting, Retweeting, gostar ou seguir.

Se o seu aplicativo ou serviço incluir recursos que permitem que os usuários executem ações simultâneas em várias contas, você deve fazer alterações para torná-la em conformidade com esta política até 23 de março de 2018. O não cumprimento dessas regras pode resultar em ação de execução, até e incluindo a suspensão de aplicativos e contas associados.

Embora forneçamos definições detalhadas sobre o que constitui spam nas Regras de Twitter e Regras de Automação , você deve manter essas duas políticas na frente sempre que usar a API do Twitter para publicar, compartilhar ou se envolver com conteúdo no Twitter:

  • O lançamento de conteúdos, respostas ou menções duplicativos ou substancialmente semelhantes sobre várias contas que você controla, ou a criação de contas duplicadas ou substancialmente similares, com ou sem o uso da automação, nunca é permitido.
  • Postando múltiplas atualizações (em uma única conta ou em várias contas que você controla) para um tópico de tendência ou popular (por exemplo, através do uso de uma hashtag específica) com a intenção de subverter ou manipular o tópico ou de inflar artificialmente a proeminência de uma hashtag ou tópico, nunca é permitido.

Você pode fazer perguntas sobre qualquer uma das nossas políticas de desenvolvedor e, especificamente, sobre esse esclarecimento, usando a categoria Regras e Políticas nos Fóruns do desenvolvedor.

Painel do Tweetdeck do dcvitti

Blog do Twitter

Relatório anual da Anistia Internacional “O Estado dos Direitos Humanos no Mundo”

Relatório anual da Anistia Internacional

Você que defende a Liberdade e contribui para que possamos, juntos, construir um mundo melhor e ter pessoas ao lado da luta da Anistia Internacional é muito importante e essencial para que possamos dar continuidade à defesa dos direitos humanos no Brasil e no mundo.

É pensando em tudo que você tem proporcionado que a Anistia Internacional trás um conteúdo especial: o relatório anual da Anistia Internacional “O Estado dos Direitos Humanos no Mundo” em primeira-mão!

O ano de 2018 já começou cheio de desafios para os direitos humanos… intervenção, ameaças, denúncias e muita luta. É, esse ano promete meu camarada e é por isso que queremos marcar um encontro especial com você para falar sobre tudo isso e mais um pouco.

O relatório anual é um material completo que traz pesquisas e retrospectivas de 57 países e territórios no mundo. Muito do que aconteceu ano passado relacionado a direitos humanos – desde as violações cometidas às conquistas alcançadas – está nesse importante material que você pode acessar aqui.

Rlatório anual da Anistia Internacional - O Estado dos Direitos Humanos no Mundo

O relatório

O Informe 2017/18 da Anistia Internacional traz à luz a situação dos direitos humanos no mundo em 2017.

A introdução, os cinco panoramas regionais e as pesquisas sobre 159 países e territórios de todas as regiões documentam a luta de inúmeras pessoas para reivindicar seus direitos, e as omissões dos governos em respeitar, proteger e realizar os direitos humanos.

Em meio a esse cenário, é possível perceber progressos duramente conquistados, mostrando que a defesa dos direitos humanos realmente produz resultados positivos. Este relatório presta homenagem aos defensores dos direitos humanos que continuam a lutar por mudanças, seguidamente arriscando suas próprias vidas no processo.

Num ano em que medidas de austeridade e desastres naturais aprofundaram ainda mais a pobreza e a insegurança de tantas pessoas, este Informe também focaliza os direitos econômicos, sociais e culturais.

Embora tenhamos nos esforçado ao máximo para assegurar o rigor das informações aqui apresentadas, elas sempre estarão sujeitas a mudanças de última hora.

Anistia Internacional Brasil

A polêmica filosofia da antirreprodução de David Benatar

Resultado de imagem para David Benatar

Benatar defende que agressividade, assim como inclinação à reprodução, é uma forma de expressão natural: ‘O que é natural e o que é moral ou eticamente desejável e recomendável são coisas diferentes’

David Benatar diz que poderia ser considerado “o filósofo mais pessimista do mundo” por sua convicção de que a vida é terrível e não vale a pena ser vivida.

Em seu livro Better Never to Have Been (Melhor nunca ter existido, em tradução livre), o diretor do departamento de Filosofia da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul, assegura que nascer é uma profunda desgraça. Por isso, para Benatar, que tem 51 anos, a humanidade deveria parar de procriar até que todos os seres humanos sejam extintos da Terra.

A BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, conversou com o filósofo para entender em que se baseia a teoria de um dos maiores expoentes da corrente conhecida como “antinatalismo” – e para tentar saber como ele aplica os conceitos na própria vida.

BBC: Você pode por favor explicar o que a corrente conhecida como ‘antinatalismo’ defende?
David Benatar: O antinatalismo defende que não deveriam nascer novas pessoas no mundo.

BBC: Por que não?
David Benatar: Há várias razões, para mim. Uma delas é que nós não deveríamos dar vida para pessoas que no futuro vão enfrentar sofrimento. Há muitos argumentos a respeito, mas um deles é que há muita dor e sofrimento na existência humana. Por isso que é um horror trazer novos seres humanos ao mundo.

BBC: Mas também há coisas boas na vida…
David Benatar: Sim, também há coisas boas. Mas a questão é se essas coisas boas valem a pena ante a dor das coisas ruins. Me parece que com frequência as pessoas esquecem o quão ruins são as coisas ruins da vida.
Há numerosas evidências psicológicas de que a gente superestima a qualidade de vida, pensa que é melhor do que na verdade é. Outro erro frequente é pensar no futuro e não se dar conta da quantidade de sofrimento que muito provavelmente as pessoas terão no fim de suas vidas.
Pense em como as pessoas morrem, pense no câncer, nas enfermidades infecciosas, nas doenças. Há muito sofrimento ao final da vida, muito. E muitas pessoas se esquecem disso.

BBC: Mas se você estiver certo e efetivamente a vida for tão terrível, as pessoas deveriam sempre recorrer ao suicídio, não?
David Benatar: Sim, mas o suicídio, em primeiro lugar, tem um custo que você evitaria se não chegasse a nascer. Se uma pessoa não nascesse, se nunca existisse, evitaria passar por coisas ruins da vida.
O suicídio pode ser o menor dos males, mas segue sendo um mal. Mas mesmo que algo esteja mal, a pessoa segue querendo não morrer, a maioria continua com sua existência. Outro custo do suicídio é que ele gera dor e sofrimento nas pessoas que gostam de você.

BBC: Mas a reprodução é algo natural para o ser humano. O antinatalismo não é portanto antinatural?
David Benatar – Nem tudo que é natural é bom. Ficar doente, por exemplo, é algo completamente natural. Mas, mesmo sendo natural, as pessoas são aconselhadas a se tratar com remédios ou realizar cirurgias.
A agressão também é uma forma de expressão natural entre os seres humanos e outros animais, mas não parece uma coisa boa ceder a ela ou a outros tipos de impulsos naturais.
O que é natural e o que é moral ou eticamente desejável e recomendável são coisas diferentes.

BBC: Então, para você, o aborto é algo ética ou moralmente defensável?
David Benatar: Sim, naturalmente. O antinatalismo defende que é um horror trazer novas pessoas ao mundo, e o aborto é um dos meios para evitar isso.

BBC: Nós, seres humanos, não somos os únicos a sofrer, muitos animais levam vidas muito difíceis. O que fazemos com eles? Nós devemos exterminá-los para salvá-los da dor da experiência?
David Benatar: Há uma enorme diferença entre exterminar e se extinguir por morte natural. Exterminar seria matar, e não sou a favor de matar seres humanos nem animais. Talvez existam algumas raras exceções e cenários que poderíamos considerar.
Mas, no geral, não apoio que se mate pessoas ou animais. Mas sou a favor da extinção, e um dos modos de fazer isso seria não dar vida a novos seres.
No caso dos animais, há muitos que vivem em liberdade, que não são criados por seres humanos. Mas há muitos que são, como aqueles criados em granjas – que mantemos para matarmos depois e comer. A respeito deles, nós estamos provocando um sofrimento indizível, acho que não deveríamos criá-los. Nós podemos nos alimentar perfeitamente sem eles.

BBC: No lugar de extinguir a raça humana e de deixar de trazer novos filhos ao mundo, não poderíamos melhorar o mundo para que a vida seja menos dura?
David Benatar: Bom, eu creio que sempre estamos melhorando o mundo e que nós, que existimos, deveríamos sempre fazer de tudo para melhorá-lo.
Mas é excessivamente otimista pensar que vamos melhorar o mundo até o ponto de eliminar o sofrimento e que nossos filhos estarão livres de sentir a dor implícita à vida. Seria algo tão distante no futuro que implicaria muitas gerações, gerações que iriam sofrer a dor de terem sido trazidas a este mundo.
E sacrificar gerações em nome do futuro me parece algo indecente.

BBC: Sendo a vida tão terrível, por que você acredita que as pessoas decidem ter filhos?
David Benatar: Não sei. Muitas pessoas não sabem o que significa ter filhos, simplesmente os têm. A metade das crianças do mundo não são desejadas.
Há sim pessoas que pensam no assunto. Mas na maioria dos casos, os motivos que elas dão para ter filhos são baseados em seu próprio interesse: porque querem que seus genes passem para alguém, porque querem experimentar ter e criar um filho. Há quem inclusive fale em altruísmo: querem filhos pensando na comunidade, em satisfazerem o desejo dos pais de terem netos.
Mas, na maioria dos casos, creio que as pessoas simplesmente não se perguntam o que verdadeiramente significa ter um filho.
E não se perguntam porque é algo tão comum, tão natural, que acham normal a necessidade de gerar filhos. Poucas pessoas se questionam sobre as questões éticas de se trazer um ser humano ao mundo.

BBC: Mas se pegarmos por exemplo o caso de uma criança que acaba de nascer e que vá ter uma vida boa, plena e feliz. Não seria imoral privá-la dessa boa vida?
David Benatar: Bom, essa criança poderá ser feliz em alguns momentos específicos, isso não se discute. Mas quando de traz uma criança ao mundo não, ela não é gerada apenas para esses momentos felizes. Essa criança também vai envelhecer, ficará doente, vai morrer no futuro. Temos que pensar em sua vida por completo, e não apenas nos momentos agradáveis que viverá.
Pense: os bebês são infelizes muitas vezes, é só você ver quando eles estão chorando. Há muitas decepções e frustrações que eles têm de enfrentar.
Mas inclusive se falarmos de uma criança genuinamente feliz, poderia ser um caso do que se chama de “preferências adaptativas” (preferências geradas em circunstâncias de restrição de oportunidades).
Pensemos, por exemplo, em um grupo de pessoas que educa outras para sejam seus escravos. Essas pessoas escravizadas então poderiam ficar com contentes e não se importar com sua condição de escravidão, porque elas foram criadas para pensar dessa forma.
Pois bem: eu seria contra a ideia, mesmo que as pessoas se sintam felizes.

BBC: Os pais, segundo seu raciocínio, são responsáveis pelo sofrimento de seus filhos venham a sofrer por terem decidido trazê-los ao mundo. Eles também são responsáveis pelo sofrimento dos filhos de seus filhos e de seus bisnetos, e assim sucessivamente?
David Benatar: De certa forma, sim, indiretamente. Não que tenham responsabilidade completa – ela só pode ser atribuída a quem teve seus próprios filhos. Mas quando alguém decide se reproduzir, deve saber que está criando outros potenciais reprodutores. E, se alguém pensa em todas as gerações, que seguem uma decisão reprodutiva, ele percebe a grande responsabilidade que isso (ter filhos) implica.

BBC: Você acredita que sua ideia de parar a reprodução para que a humanidade seja extinta poderá ter êxito um dia?
David Benatar: Não, não creio, ao menos em grande escala. Eu acho que haverá alguns indivíduos que vão decidir não procriar, conheço alguns deles. Por isso considero que o antinatalismo pode ter êxito em pequena escala. Mas acho que mesmo assim é importante, porque muita gente será poupada do sofrimento por não ter vindo ao mundo.
Não sou um ingênuo, não creio que minhas ideias convençam o mundo todo. Mas acredito fortemente que o que digo é verdade. Gostaria que as pessoas pensassem melhor sobre o que significa ter filhos.

BBC: Quando você decidiu abraçar o antinatalismo?
David Benatar: Sempre pensei de maneira parecida, mas desenvolvi essas ideias ao longo dos anos. A ideia básica para mim é óbvia, mas não sei se para os outros também é.

BBC: Você lamenta estar vivo?
David Benatar: Não gosto de responder perguntas pessoais. Prefiro falar sobre conceitos e ideias.

BBC: Você censura seus pais por te trazer ao mundo?
David Benatar: Talvez você queira olhar a dedicatória de meu livro.

BBC: Sim, eu li. Está escrito: ‘A meus pais, apesar de terem me dado a vida’.
David Benatar: Então você já sabe. Não tenho mais nada a dizer a respeito.

BBC: Última pergunta: você tem filho?
David Benatar: Essa é outra pergunta pessoal.

 

BBC Brasil

O que é a quaresma?

Para alguns cristãos, a Quaresma tem sido sempre uma parte de sua vida espiritual, mas para outros não é familiar. É um período que leva à Páscoa, época que os cristãos têm historicamente preparado seus corações para a Páscoa com reflexão, arrependimento, e oração.

A Quaresma começa hoje, na Quarta-feira de Cinzas, e continua por 40 dias, excluindo domingos, e culminando na Sexta-Feira da Paixão e Sábado de Aleluia. Visto que os domingos são celebrações semanais da ressurreição de Jesus, os seis domingos na Quaresma não são contados como parte do período de quarenta dias, que foca em introspecção, exame de consciência e arrependimento.

Muitos cristãos preferem fazer jejum durante o período da Quaresma, mas o foco não é privar-se de algo tanto como é dedicar-se a Deus e Seu propósito no mundo. Quaresma é um período importante no calendário da igreja.

O calendário da igreja é uma maneira excelente para nos ajudar a dirigir nossa atenção a Deus conforme organizamos o nosso tempo. Ao invés de seguir a estrutura mais familiar do calendário solar, organizado pelos ritmos da natureza, o calendário da igreja é organizado em torno de Deus e Sua atividade no mundo.

Este calendário segue seis períodos de duração variável: Advento, Natal, Epifania, Quaresma, Páscoa, e Pentecostes. Cada um destes períodos têm objetivos diferentes:

  • Advento foca na antecipação da vinda de Deus para o mundo e também na encarnação e o retorno de Cristo.
  • Natal foca no nascimento de Cristo.
  • Epifania foca na luz da presença de Deus brilhando no mundo.
  • Quaresma foca no pecado humano e a solução benevolente de Deus.
  • Páscoa foca na vida de ressurreição.
  • Pentecostes foca na atividade contínua do Espírito Santo no mundo.

O ritmo anual desses períodos podem ter um efeito poderoso no crescimento espiritual pessoal e comum.

Se você gostar deste devocional da Quaresma, confira a Bíblia Sagrada: Mosaic, uma Bíblia impressa que inclui tudo o que você lerá neste devocional mais obras de arte coloridas e leituras para cada semana do calendário da igreja.

Leituras

“Agora, porém”, declara o Senhor , “voltem-se para mim de todo o coração, com jejum, lamento e pranto.” Rasguem o coração e não as vestes. Voltem-se para o Senhor , o seu Deus, pois ele é misericordioso e compassivo, muito paciente e cheio de amor; arrepende-se e não envia a desgraça. Talvez ele volte atrás, arrependa-se, e ao passar deixe uma bênção. Assim vocês poderão fazer ofertas de cereal e ofertas derramadas para o Senhor , o seu Deus. Toquem a trombeta em Sião, decretem jejum santo, convoquem uma assembleia sagrada. Reúnam o povo, consagrem a assembleia; ajuntem os anciãos, reúnam as crianças, mesmo as que mamam no peito. Até os recém-casados devem deixar os seus aposentos. Que os sacerdotes, que ministram perante o Senhor , chorem entre o pórtico do templo e o altar, orando: “Poupa o teu povo, Senhor. Não faças da tua herança objeto de zombaria e de chacota entre as nações. Por que se haveria de dizer pelos povos: ‘Onde está o Deus deles?’”
Joel 2:12‭-‬17

“Quando jejuarem, não mostrem uma aparência triste como os hipócritas, pois eles mudam a aparência do rosto a fim de que os outros vejam que eles estão jejuando. Eu digo verdadeiramente que eles já receberam sua plena recompensa. Ao jejuar, arrume o cabelo e lave o rosto, para que não pareça aos outros que você está jejuando, mas apenas a seu Pai, que vê em secreto. E seu Pai, que vê em secreto, o recompensará. “Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem e onde os ladrões arrombam e furtam. Mas acumulem para vocês tesouros nos céus, onde a traça e a ferrugem não destroem e onde os ladrões não arrombam nem furtam. Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração.
Mateus 6:16‭-‬21

Dizem que o ano só começa depois do carnaval, mas não é bem assim…

Cartunista André Dahmer da série de tirinhas Malvados se juntou voluntariamente a Anistia Internacional no Brasil

Anistia Internacional, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツO recesso parlamentar termina oficialmente hoje e, como não poderia deixar de ser, já estamos a postos  com a nossa mobilização e resistência por nenhum direito a menos!

Para nos apoiar nessa missão, o cartunista André Dahmer, da série de tirinhas Malvados, se juntou a nós voluntariamente e criou, com exclusividade, 5 peças que chamam a atenção para a agenda de retrocessos em direitos humanos que está em pauta no Congresso Nacional. É incrível como os cartoons conseguem comunicar, rapidamente, os temas da nossa campanha Direitos Não se Liquidam.

As charges, que guardam o traço único e o humor afiado de André Dahmer, questionam desde a proposta da redução da maioridade penal às ameaças que criminalizam os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, e serão lançadas ao longo da campanha em 2018. Acompanhe a Anistia Internacional nas redes sociais e fique por dentro de cada detalhe dos lançamentos.

Além das peças originais, você também poderá apoiar com a nossa mobilização, fazendo uma doação e ganhando camisas com as artes do artista.

’Eu quero pedir encarecidamente que vocês olhem todo o material e contribuam com a instituição que já faz um trabalho de muitos anos de maneira séria, apartidária, e que tem feito a diferença ao redor do mundo, em vários países onde o sistema democrático tem falhado. A Anistia precisa desse fundo para trabalhar em defesa dos direitos que a população está perdendo aqui.
André Dahmer

As camisas ilustradas com a charge “Uma breve fábula sobre direitos humanos”, que abre a série, já estão disponíveis nas cores branca e preta, e você já pode garantir a sua com doações a partir de R$70.

Que tal vestir a camisa e, literalmente, apoiar a mobilização para que nenhum dos nossos direitos seja liquidado em 2018?

Apoiando a campanha Direitos Não se Liquidam com doações, você fortalece a mobilização e a pressão contra as propostas legislativas que colocam em sério risco os direitos e as vidas de milhões de brasileiros.

Anistia Internacional Brasil

Filme Lamarca de 1994 – Assista online

Lamarca é um filme brasileiro de 1994, dirigido por Sérgio Rezende e baseado em livro de José Emiliano e Miranda Oldack, de título Lamarca, o capitão da guerrilha, uma biografia do militar e guerrilheiro Carlos Lamarca. O filme acompanha os dois últimos anos da vida do Capitão Carlos Lamarca (Paulo Betti), desde o momento em que, casado com Marina, decide fazer uma opção radical pela revolução enviando a mulher e os dois filhos para Cuba e desertando do Exército em janeiro de 1969 até a sua morte em 1971. Na clandestinidade, ligado à Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), Lamarca comanda assaltos e sequestros, apaixona-se por Clara e amadurece em suas convicções políticas.

Justiça para defensores de direitos humanos na Turquia!

Justiça para defensores de direitos humanos na Turquia!

Anistia Internacional, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツNova prisão de presidente do Conselho da Anistia Internacional devasta sua família e desonra a justiça.

Mais de um milhão de pessoas de 194 países exigiram a libertação do presidente do conselho da Anistia Internacional da Turquia, Taner Kılıç, e a retirada das acusações contra ele e outros dez defensores de Direitos Humanos. E você é uma dessas pessoas!

Tínhamos uma ótima notícia para trazer pra você, mas na madrugada do dia 31 para o dia 01 de fevereiro, o caso de Taner sofreu uma grande reviravoltapoucas horas depois de ter sido libertado pela corte, a justiça decidiu reaver a decisão e prendê-lo novamente.

A família está devastada pois, por poucas horas, teve a esperança de ter Taner novamente em casa após oito meses de prisão injusta.

Mas a luta deve continuar. Seu apoio fez toda diferença nessa trajetória e continuamos fortes e determinados em trazer Taner de volta para sua família e para seu importante trabalho como defensor de Direitos Humanos. Vamos espalhar a notícia dessa injustiça que aconteceu na Turquia e mobilizar cada vez mais pessoas nessa causa: TANER DEVE SER LIBERTO!

Seguimos juntos para que todas as acusações contra Taner, os 10 de Istambul e todas as outras vítimas inocentes erroneamente encarceradas nesta repressão viciosa sejam retiradas. Compartilhe e convide os amigos a entrarem em ação!

Anistia Internacional

Saúde de Ilhota em crise

Vereador Rogério do PT

Em momentos de crise, precisamos de muita serenidade para saber lidar com as situações adversas. Em Ilhota, nossa querida cidade, tem muito para ser feito em todas as áreas. A saúde por exemplo, é um setor da administração pública que sempre terá coisas pra fazer. A doença não pede licença.

Para diminuir os problemas, investir na saúde preventiva é um dos caminhos.

Embora sabendo que os recursos nem sempre são o suficiente para atender toda demanda, faz-se necessário uma análise criteriosa na distribuição dos mesmos. Não é coerente economizar na saúde pra investir em outras áreas, isso é o mesmo que deixar de atender. Vale lembrar que os homens e mulheres que são escolhidos para os serviços públicos municipais, principalmente em áreas como a saúde, em sua maioria sabem que são recrutados para uma jornada árdua, onde o retorno nem sempre é rentável e seguro.

Muitas vezes o que os agentes públicos precisam e buscam é o reconhecimento em caso de sucesso e liderança em caso de adversidade, mas jamais desesperança e descontrole. O dirigente que se coloca a frente de um país, estado ou município, precisa ter sempre como objetivo o bem estar das pessoas e jamais a sua própria imagem.

A imagem de um administrador vem com o resultado do seu trabalho.

Artigo postado no perfil do Vereador Rogério do PT no Facebook.