Elefantes enfrentando o apocalipse

Elefantes livres

Dezenas de caçadores fortemente armados entraram em um parque nacional da República dos Camarões e mataram mais de 600 elefantes para arrancar suas presas. Traficantes de presas criminosos como estes já aniquilaram metade dos elefantes que restam na África Central, sem que ninguém conseguisse detê-los. Até agora!

Em decorrência do trabalho de investigadores corajosos que se passam por caçadores em redes ilegais de dez países africanos, 2000 traficantes já foram presos!

É um trabalho tão inspirador que já ganhou prêmios, mas não conta com financiamento suficiente. Muitos doadores têm receio de bater de frente contra o crime organizado. Diante desse impasse, a nossa comunidade está em uma posição perfeita para ampliar, rapidamente, esta operação extraordinária.

Quatro elefantes são mortos por hora. Estamos correndo contra o tempo para não perder para sempre esses animais tão bonitos. Se cada um de nós fizer uma doação agora, a equipe de investigadores pode ser expandida para mais países, colocando ainda mais chefões e funcionários públicos corruptos atrás das grades. Ao mesmo tempo, poderemos fazer campanhas para salvar essas belas criaturas que sofrem abate em escala industrial.

A carnificina acontece em todo o continente africano e usa o seguinte modo de operação: primeiro, caçadores de aluguel rastream elefantes, leopardos, macacos e vários outros tipos de criaturas ameaçadas de extinção. Em seguida, os mandachuvas chegam de helicópteros, portando armas pesadas, para abater os animais e arrancar suas peles e presas. O negócio, que rende 19 bilhões de dólares ao ano, é comandado por máfias internacionais, que conseguem sair impunes porque subornam todos os que encontram pelo caminho.

Agora, os corajosos ativistas da rede Eco-Activists for Governance and Law Enforcement (EAGLE)* estão agindo em cada etapa da cadeia do crime organizado, infiltrando investigadores à paisana em gangues, trabalhando com a polícia para supervisionar detenções e garantindo a prisão dos chefes das quadrilhas.

O sucesso sem precedentes rendeu ao grupo elogios da Interpol, da organização Born Free e do Duque de Edimburgo, mas até agora esses heróis trabalham com um orçamento minúsculo, sendo basicamente movidos por um profundo amor por esses animais. Se todos nós doarmos uma pequena quantia, eis o que poderíamos fazer:

  • Ajudar a treinar e a apoiar dezenas de investigadores à paisana para que sejam infiltrados em mais países e nas redes de caça mais procuradas, a fim de colocar seus comandantes atrás das grades;
  • Apoiar investigações contra funcionários públicos e políticos que atuam como cúmplices, e que permitem o comércio sangrento;
  • Investigar e expor empresas e governos que lucram com a venda de marfim e de outros produtos provenientes do tráfico de animais selvagens; e
  • Fazer campanhas enormes para proteger o mundo natural e preservar nossa delicada teia da vida.

Poucos de nós estaríamos dispostos a arriscar nossas vidas para salvar outras espécies da ganância e crueldade humanas. Podemos, porém, facilmente apoiar o trabalho de guerreiros que já estão fazendo exatamente isso. Vamos usar o poder da nossa comunidade para dar a eles o merecido apoio.

Nossa comunidade sempre apoiou a coragem de ativistas que se encontram na linha de frente, fazendo trabalhos perigosos, porém cruciais, desde jornalistas cidadãos na Síria até voluntários na crise causada pelo vírus ebola. Apoiamos as ideias mais brilhantes e que podem ter o maior impacto, concentrando especialmente naquilo que ninguém mais faria. Vamos apoiar esses heróis agora, para que as belas savanas e florestas africanas possam ser populadas novamente com uma próspera vida selvagem, como devem ser.

Com esperança e determinação, Alice, Alex, Iain, Patricia, Spyro, Joseph, Nataliya, Emily, Ricken e toda a equipe da Avaaz.

Mais informações

Ativistas Ecológicos pela Governança e Cumprimento da Lei (em tradução livre)

 

Ela mata por diversão

Tess matou essa girafa por diversão

Tess matou essa girafa por diversão.

Essa foto dela sorrindo ao lado do cadáver viralizou no mundo inteiro — mas agora, temos umachance preciosa de transformar essa tragédia num salva-vidas para as girafas no mundo inteiro!

Em algumas semanas, países de todo o mundo se reunirão para uma importante cúpula que discutirá a vida selvagem no planeta. E pela primeira vez, cinco países africanos propuseram a inclusão das girafas na lista de espécies protegidas. Essa proposta seria um divisor de águas, pois é o primeiro passo de uma ação global para salvá-las. E ela é urgentemente necessária: a população de girafas já diminuiu em 40%.

Assine agora com um clique e compartilhe muito — vamos acabar de vez com a matança das girafas! Clique aqui para dar às girafas a proteção que elas merecem.

Para todos os governos da cite isso:

Pedimos que V. Exas adicionem as girafas à lista de espécies protegidas pela CITES, lancem e financiem um Plano de Proteção para Girafas em toda a África, para recuperar suas populações, proteger seu habitat, e que apoiem as comunidades locais que convivem com nossas amigas mais altas do reino animal

Clique aqui para dar às girafas a proteção que elas merecem!

Tess matou essa girafa por diversãoEstamos apenas começando a aprender como as girafas são animais altamente inteligentes e emotivos. Essa foto causou revolta mundial — pessoas no mundo todo concordam que animais merecem ser tratados com dignidade e respeito.

Assine agora para protegê-las. Vamos pressionar pela aprovação de um plano de ação emergencial para salvá-las durante a maior cúpula global que discutirá a vida selvagem em maio!

Até agora, as girafas receberam pouca atenção. Mas com sua população caindo vertiginosamente, é hora de soar o alarme, fazer essa petição se tornar viral e pressionar para que nossos governos ajam em nosso nome. Clique aqui para dar às girafas a proteção que elas merecem!

A vida na Terra é tão preciosa, mas para qualquer lado que olharmos, vemos espécies magníficas desaparecendo. É uma tragédia, e ainda não temos a completa dimensão dela. Estamos apenas começando a descobrir como elas são essenciais para os ecossistemas ao seu redor. Nós já defendemos elefantes e orangotangos — chegou a hora de fazer o mesmo pelas girafas.

Com esperança e determinação, Christoph, Sarah, Martyna, Rewan, Joseph, Rosa, Jenny e toda a equipe da Avaaz.

Mais informações

Se você não comprar, eles não morrem

Elefantes

Este mês marca dez anos desde eBay, com o apoio da IFAW, proibiu a venda de marfim em toda a sua plataforma de compras.

A internet é o maior mercado do mundo para o comércio ilegal e oferece grandes oportunidades para caçadores para esconder atrás de uma identidade mascarados. Você sabia? O nosso relatório recente da vida selvagem cibercrime descobriu que oitenta por cento das listagens de animais em quatro países foram para os animais vivos. E cinqüenta e cinco por cento destes animais são répteis como tartarugas e cágados.

Através de pesquisa e ação colaborativa, podemos desligar o cibercrime vida selvagem. Mas precisamos da sua ajuda.

Junte-nos em tornar a Internet uma zona proibida para os traficantes da vida selvagem, tornando-se um consumidor educado. Comprometa-se a dizer não a produtos ilegais vida selvagem e relatar todos os anúncios suspeitos que você vê online.

Desde que se juntou forças com o eBay, nós vimos eles se adaptar as suas políticas de animais selvagens e junte-se coalizões como a Coalizão para Acabar com o Tráfico Wildlife on-line e os animais selvagens Tráfico Alliance. Em 2017 e 2018, mais de 100.000 produtos animais selvagens proibidas foram bloqueados ou removidos. Além disso, a pesquisa de IFAW ao longo dos últimos anos mostra também uma tendência descendente em marfim em seus sites francesas e britânicas. Nós estamos fazendo grandes avanços, e com você, como nossos olhos e ouvidos, podemos expandir nossa rede e acabar com o tráfico da vida selvagem online.

Com o seu apoio, podemos continuar a espalhar a consciência do consumidor e apoiar as empresas de tecnologia para acabar com o cibercrime vida selvagem.

Abaixo-assinado, Dialison Cleber Vitti, Dialison Cleber, Dialison Vitti, Dialison, Cleber Vitti, Vitti, #DialisonCleberVitti, @dcvitti, dcvitti, #blogdodcvitti, Ilhota, 2015, Newsletter, Feed

IFAW

 

Os cidadãos têm o direito de se manifestar, os jornalistas para informar!

Os cidadãos têm o direito de se manifestar, os jornalistas para informar!

O próximo, é você, eu vou arrancar o seu rosto e seu dispositivo

Repórteres Sem FronteirasInsultos, confisco de equipamentos, bastões, tiros apertados LBD (lançadores de balas de defesa), espancamentos, ameaças de morte. Desde meados de novembro de 2018, a mobilização de “jaquetas amarelas” resultou em vários assaltos jornalistas e equipes de notícias, tanto de manifestantes que os membros da aplicação da lei.

O aumento da violência contra os jornalistas é extremamente grave e preocupante! Obstruindo os jornalistas em seu trabalho está impedindo os cidadãos de ser informados, que está minando o pluralismo é simplesmente ameaçar a democracia.

Perante esta situação sem precedentes, associações, grupos, associações, ONGs e jornalistas dos jornalistas sindicatos estão pedindo mobilização dos cidadãos para acabar com a violência contra jornalistas. Os cidadãos têm o direito de manifestação, os jornalistas para informar, servir a todos.

Assinar esta petição, precisamos de você!

Abaixo-assinado, Dialison Cleber Vitti, Dialison Cleber, Dialison Vitti, Dialison, Cleber Vitti, Vitti, #DialisonCleberVitti, @dcvitti, dcvitti, #blogdodcvitti, Ilhota, 2015, Newsletter, Feed

Repórteres Sem Fronteiras

Fomos enganados

Bolsonaro rindo

A internet deveria ser uma maneira de conectar toda a humanidade, quebrando barreiras e unindo todos, independente do credo ou cor da pele.

Mas as forças fascistas que mergulharam o mundo na escuridão 80 anos atrás estão de volta, e agora estão implantando vastos exércitos de contas falsas para nos colocar uns contra os outros. Para nos fazer desconfiar, odiar e até matar.

Na Índia, homens e mulheres inocentes foram linchados depois que fake news viralizaram no WhatsApp dizendo que eles teriam roubado crianças. Numa cidade alemã, um estudo histórico apontou que quanto mais as pessoas usavam o Facebook, mais ataques contra refugiados eram registrados. Além disso, o novo presidente do Brasil foi eleito depois que mentiras absurdas sobre seu oponente se tornaram virais nas redes sociais — uma pesquisa mostrou que 89% de seus eleitores acreditaram nelas!

Essa é uma guerra de propaganda estilo “vale tudo” que nos alcança em qualquer lugar, a qualquer momento, por meio de nossos telefones!

Mas há um jeito de acabar com isso.

Durante as eleições no Brasil, a Avaaz realizou um experimento e os resultados foram incríveis! Apenas seis pessoas receberam treinamento básico para investigar essas redes de mentiras, e elas conseguiram derrubar verdadeiras fábricas de notícias falsas que alcançaram *16 milhões* de pessoas. Imagine se multiplicássemos isso por dez?!

Com eleições importantíssimas se aproximando no Canadá, União Europeia e Índia, precisamos agir muito rápido. Faça uma doação agora com apenas um clique — se arrecadarmos recursos suficientes, vamos montar equipes com os melhores especialistas no assunto para defender nossas democracias. Nossos pais e avós lutaram por isso e nos ensinaram que ódio só gera mais ódio. Agora, cabe a nós protegermos isso — se não lutarmos para que a verdade prevaleça, ninguém irá.

Resultado de imagem para bolsonaro traidorMedo e raiva evocam o pior de nós. E aqueles que querem dividir a humanidade encontraram uma arma poderosa nas redes sociais, onde blogs falsos têm mais acesso que reportagens de ponta da BBC ou O Globo.

Nossa comunidade tem lutado contra isso desde o começo. Pressionamos os executivos das empresas de redes sociais a agirem, dialogamos com legisladores de Berlim à Brasília e investigamos as maiores redes de desinformação do mundo. Mas não é o suficiente. Até agora, Europa e o Canadá conseguiram resistir à extrema direita, mas tudo pode mudar com as eleições deste ano.

Nosso teste no Brasil mostrou como parar essa tsunami de fake news: detectando as histórias falsas assim que elas viralizem e denunciando quem as publicam e divulgam deliberadamente para desinformar os outros. Mas para que isso funcione, precisamos contratar e treinar muito mais pessoas para investigar, se infiltrar e derrubar essas gigantescas redes de propaganda. E com eleições importantes se aproximando em vários lugares, precisamos agir AGORA!

O movimento da Avaaz é movido pela crença que todos nós temos muito mais em comum do que diferenças. Essa união é o que mais assusta àqueles que querem nos colocar contra uns aos outros — doe agora e vamos juntos lançar esse esforço movido por cidadãos para defender a verdade, antes que seja tarde demais.

Esse é um chamado à luta. Para todos nós. Para lutarmos por um mundo que é lindo demais para ser deixado nas mãos de fascistas e dos intolerantes cheios de ódio. E, já que as redes sociais se tornaram o sistema nervoso central que conecta toda a humanidade, é justamente aí que precisamos agir — e vencer.

Com esperança e determinação, Christoph, Bert, Marigona, Allison, Camille, Jenny, Rosa e Ricken em nome de toda a equipe da Avaaz.

Mais informações

O que a Avaaz deve se tornar?

Avaaz

Forças muito poderosas estão mudando nosso mundo. É como se algo estivesse para nascer; o que pode ser incrível ou terrível. O mundo se voltará para o medo e escuridão ou para o amor e esperança este ano? O que será que a Avaaz, e cada um de nós, deve fazer e ser para estar a altura destes novos tempos?

Tenho buscado uma resposta para essas perguntas, e isso foi o que descobri.

Juntos, conquistamos vitórias impressionantes e muito importantes que irão servir a humanidade. No entanto, ainda não conseguimos atingir o potencial imenso da nossa maior força: a magia da conexão humana. O amor.

As quase 50 milhões de pessoas que recebem essa mensagem agora vêm de vários cantos do mundo, camadas sociais e de todas as partes da família humana. Mas um espírito comum de afeto e cuidado, de luz e amor, foi o que nos conectou. De muitas maneiras, a Avaaz encarna o espírito da humanidade: a ideia de que somos um só povo, e que cuidamos uns dos outros e de todas as formas de vida.

O mundo precisa desse espírito mais que nunca. Por que só conseguiremos sobreviver aos desafios que estamos enfrentando se estivermos juntos.

Então é isso que sentimos que nós da Avaaz precisamos ser e fazer: formar uma grande fraternidade da humanidade, espalhar a verdade de nossa conexão e trabalhar para construir o mundo que está para nascer, mas não a partir do medo e da raiva ao ‘outro’, mas da esperança e amor que temos uns pelos outros.

Se esse chamado lhe parece ser a coisa certa a fazer, conte para o time da Avaaz clicando abaixo: Sim, isso é certo, conte comigo!

Esse caminho poderá nos levar a muito mais que emails e campanhas, e nos permitirá criar espaços online e offline para ver e ouvir uns aos outros. Poderemos realizar campanhas não apenas sobre política e contra os poderosos, mas também para inspirar as pessoas a criarem uma cultura de humanidade e união. E nos ajudará a defender tudo que amamos com uma visão proativa do caminho a seguir coletivamente.

Se você sente que isso faz sentido, vamos começar este novo ano e um novo capítulo com um ato de conexão. Podemos fazer isso de diversas maneiras: entrando em contato com uma pessoa querida, uma pessoa desconhecida, ou alguém com quem discordamos politicamente, ou realizando qualquer ato de amor, bondade ou gratidão.

Clique abaixo para escolher caminhar nessa jornada conosco e compartilhar sua história de conexão. Vamos começar nossa fraternidade, e nosso ano, espalhando o espírito da humanidade, a magia da conexão e o poder do amor: Sim, isso é certo, conte comigo!

Como primeiro passo para um movimento em que nos ouvimos e enxergamos uns aos outros, compartilho pela primeira vez em 12 anos uma foto minha :). Este sou eu com meu filho, Ren. Me emociona perceber que cada passo que ele dá como pessoa foi fruto e construção de nosso amor por ele. O amor é verdadeiramente a força que constrói uma pessoa. E isso pode nos salvar também.

E por falar em amor, a equipe da Avaaz compartilha dessa incrível e bonita fraternidade — eles me inspiram a ser quem sou, ao mesmo tempo em que são uma equipe extremamente eficaz de “salvadores do mundo”. Então, também pela primeira vez em um email da Avaaz, aqui estão eles! Estou animado para vocês conhecerem mais da equipe pessoalmente na jornada que estamos começando…

A Avaaz é uma rede de campanhas global de 47 milhões de pessoas que se mobiliza para garantir que os valores e visões da sociedade civil global influenciem questões políticas nacionais e internacionais. (“Avaaz” significa “voz” e “canção” em várias línguas). Membros da Avaaz vivem em todos os países do planeta e a nossa equipe está espalhada em 18 países de 6 continentes, operando em 17 línguas. Saiba mais sobre as nossas campanhas aqui, nos siga no Facebook ou Twitter.

Com profunda gratidão por cada pessoa que faz parte desse movimento, Ricken, e toda a equipe da Avaaz.

[Tutorial] 5 dicas para fazer um abaixo-assinado online vitorioso

Abaixo-Assinado Celesc

A equipe da Change.org pesquisou vários abaixo-assinados vitoriosos, que trouxeram mudanças em 2014, e reuniu cinco dicas comuns a todos eles para ajudar quem quiser preparar o seu. A Change.org é o maior portal de petições online do Brasil. São 260 milhões de pessoas fazendo a diferença em 196 países e 15 milhões só no Brasil.

Vamos as dicas:

1. Faça um título simples, curto e atraente

É a primeira coisa a ser lida por quem vai participar do seu abaixo-assinado. Por isso, exige um cuidado especial. É importante sintetizar a ideia do que você quer mudar e não ultrapassar três linhas. Deve ser direto e atraente. Você pode colocar uma hashtag depois do título, o que ajuda a divulgar nas redes sociais. Como ocorreu com o #LuzNaPraça e o #LiberaAnvisa.

2. Diga quem tem o poder de mudar o que você deseja

“Tomador de decisão” é a pessoa ou organização que pode resolver o problema relatado no abaixo-assinado, seja o prefeito, o Ministério Público, uma empresa ou outra instituição. É importante escolher, no máximo, um ou dois tomadores de decisão, pois listar muitos facilita que eles “empurrem” a responsabilidade uns para os outros. Há exceções: uma petição para o Congresso Nacional, por exemplo, pode ter vários parlamentares como responsáveis. Na Change.org você pode cadastrar no seu abaixo-assinado o email do tomador de decisão para que ele receba centenas de mensagens cobrando uma solução. Quanto mais assinaturas, mais mensagens.

3. Faça um só pedido que tenha chances de se concretizar

Coisas impossíveis de serem alcançadas, como paz mundial ou fim da corrupção, são erros comuns nos abaixo-assinados. Pedir muitas demandas em uma só petição, como listar 10 questões a serem resolvidas pela prefeitura, também não funciona. A recomendação é evitar pedidos amplos demais: ao invés de “proteção para a Floresta Amazônica”, você pode pedir a criação de um parque ambiental em uma determinada área. Os abaixo-assinados são realmente efetivos, tanto para mobilizar mais pessoas quanto para conseguir uma mudança, quando eles apresentam demandas concretas e simples de serem captadas pelos usuários na internet. Na mobilização online, um passo de cada vez gera transformações mais sólidas.  A dica é pedir, por exemplo, que a prefeitura reabra uma escola ou que ela contrate um pediatra para o posto de saúde. Isto vai resolver esta demanda concreta e também chamar a atenção para a precariedade do serviço público.

4. Faça um texto didático com até 4 parágrafos

O texto é coração do abaixo-assinado, pois é nele que as pessoas entendem o que você quer mudar. Por isso ele precisa ser didático, simples e autoexplicativo. Não precisa de links para outras histórias nem referências exteriores como artigos científicos. É ideal que ele não ultrapasse 4 parágrafos, pois dificilmente as pessoas lerão mais do que isso. O primeiro parágrafo apresenta a demanda e mostra quem você é (profissão, idade, motivação para o abaixo-assinado). O segundo descreve mais a sua história pessoal e sua ligação com o problema – por que você se importa com isso? Os dois últimos parágrafos devem falar dos efeitos do abaixo-assinado. Para escrevê-los, a recomendação é que você responda a perguntas como: o que acontece se a mudança que eu pedi na petição for feita? Qual a chance do tomador de decisão nos ouvir? O que acontece se ninguém responder? É importante que o abaixo-assinado sensibilize as pessoas. Quanto mais pessoas forem tocadas pela história, mais elas vão apoiar. Elas irão entender que é uma luta de Davi contra Golias e que vale a pena ajudar.

5. Use as redes sociais para buscar apoiadores

É normal você sentir que já “cumpriu a missão” ao criar um abaixo-assinado. Mas o problema que você descreveu não se resolve sozinho. Você precisa chamar seus amigos para assinar, contar com colegas para divulgarem, fazer barulho com a petição. É importante mostrar que a petição é uma ferramenta de pressão. Ela só vai ser útil se você divulgá-la em todos os lugares, se reclamar com a autoridade responsável por telefone e internet. Quanto mais você chamar pessoas para assinarem e espalharem seu abaixo-assinado pela internet, mais chances ele tem de ser vitorioso. Os tomadores de decisão – sejam empresas, autoridades ou órgãos públicos – têm medo de que sua reputação fique manchada. Quando algo começa a se disseminar e eles veem o tamanho do barulho que está sendo feito e correm para responder e resolver o problema. Uma dica para convidar as pessoas a assinarem é colocar o texto /invite depois do endereço do abaixo-assinado. Isso abre uma ferramenta que manda mensagens aos seus amigos do Facebook. Veja o exemplo neste link.

Assista ao vídeo e conheça o que os abaixo-assinados vitoriosos têm em comum.

As expressões “abaixo-assinado”, “petição”, “campanha” e “mobilização” são usadas neste texto como sinônimo.

Fonte: Catraca Livre

Morreram de fome

Mais de 85 mil crianças menores de cinco anos morreram de fome no Iêmen

AvaazMais de 85 mil crianças menores de cinco anos morreram de fome no Iêmen. 85 mil vidas interrompidas brutalmente. Elas são vítimas inocentes da fome causada por uma guerra sem sentido liderada pela Arábia Saudita. A cada DEZ minutos, morre uma criança iemenita.

É de cortar o coração, e o pior de tudo é que nossos governos são cúmplices. Apesar da fome e de episódios como o bombardeio de um ônibus escolar cheio de crianças, países como os Estados Unidos, o Reino Unido, a França e o Canadá continuam enviando aos sauditas centenas de bilhões de dólares em tanques e mísseis.

Não podemos deixar isso continuar. Precisamos levá-los aos tribunais!

Pequenas mas perseverantes organizações no Reino Unido, França, Canadá e outros países iniciaram casos judiciais inéditos ao processar seus próprios governos pela venda de armas ao governo saudita. Mas eles estão trabalhando com poucos recursos e precisam urgente da nossa ajuda para continuarem esse trabalho. Se eles ganharem — e eles têm chances! — isso abriria um incrível precedente que poderia finalmente pôr fim à guerra brutal da Arábia Saudita no Iêmen.

Doe com apenas um clique o custo equivalente a uma refeição (algo que muitas famílias no Iêmen não terão hoje). Se arrecadarmos o suficiente, poderemos parar a máquina de guerra saudita e salvar inúmeras vidas no Iêmen.

O segredo da Arábia Saudita é que eles dependem quase inteiramente dos nossos governos para a compra de armamentos e na exportação de petróleo. Porém, episódios como o assassinato brutal do jornalista Jamal Khashoggi e a morte trágica de Amal, a menina desnutrida de 7 anos cujo retrato apareceu no New York Times, fez com que tais governos começassem a pensar duas vezes no apoio cego que dão ao governo saudita.

Essa é, sem dúvida, a melhor oportunidade que já tivemos para enquadrar a Arábia Saudita e finalmente acabar com esse bombardeio brutal contra o Iêmen.

Se a pressão diminuir, a Arábia Saudita continuará comprando o silêncio dos governos, dando-lhes bilhões em troca de armas que serão usadas contra os civis do Iêmen e contra o seu próprio povo — violando as leis sobre a exportação de armas dos nossos próprios governos!

Imagem do jornal 'The New York Times' mostra menina desnutrida no Iêmen — Foto: Reprodução/The New York TimesMas se aumentarmos a pressão e levarmos essa luta não apenas aos tribunais, mas também aos corredores do poder para pressionar por um processo de paz significativo, e se expormos o massacre humano com jornalismo investigativo de alta qualidade; podemos acabar com essa guerra de uma vez por todas.

Vamos fazer de tudo para ganhar esses processos judiciais e fortalecer as campanhas pelo fim do sangrento comércio de armas.

A Avaaz já financiou jornalistas investigativos para que se infiltrassem no Iêmen e mostrassem ao mundo o que acontece lá. Já conseguimos apoio em massa para que parlamentares atuem contra a guerra nos Estados Unidos, no Reino Unido, na União Europeia e no Canadá. Agora vamos levar nossa indignação aos tribunais e aos governos, para que deixem de alimentar as mortes dessas crianças.

Com esperança e determinação, Allison, Marigona, Danny, Jenny, Bert, Martyna, Camille e Rosa, em nome de toda a equipe da Avaaz.

Mais informações

Bolsonaro pode salvar o planeta? #SQN

Bolsonaro e o meio ambiente

AvaazCientistas soaram o alarme: temos apenas 12 anos para impedir um desastre climático!

Líderes mundiais estão se reunindo agora numa conferência climática crucial para decidir como reagir a isso — e o mundo inteiro está de olho no Brasil: desde que o Bolsonaro foi eleito, todo mundo está preocupado que o Brasil passe de LÍDER a VILÃO no combate às mudanças climáticas.

Mas essa é uma luta essencial — pode parecer loucura, mas Bolsonaro ainda pode salvar o planeta! Ele ainda está definindo sua posição sobre as mudanças climáticas e já admitiu que a ameaça é real — a maioria de seus eleitores votaram para ele acabar com a corrupção, não com o planeta.

Vamos mostrar a ele que o povo brasileiro e o mundo todo querem que ele ouça e responda ao apelo mundial por energia 100% limpa. Assine agora — entregaremos nossas vozes durante a Conferência do Clima e ao time de Bolsonaro! Diga ao mundo: o Brasil apoia o plano de energia 100% limpa!

Todo mundo sabe que, sem o Brasil, não dá pra impedir as mudanças climáticas. Quando Bolsonaro desistiu de sediar a conferência climática de 2019, a mensagem que ele passou ao mundo foi de que os brasileiros não ligam para o meio ambiente. Nós podemos mostrar que essa percepção está errada!

A Europa acabou de anunciar um plano de zero poluição, e agora outros países estão decidindo se seguem ou não o exemplo. Vamos juntos mostrar ao mundo que os brasileiros apoiam esse plano!

A equipe da Avaaz entregará nossas vozes durante a Conferência do Clima e ao time de Bolsonaro — assine agora e compartilhe com todosDiga ao mundo: o Brasil apoia o plano de energia 100% limpa!

Depois de enorme pressão popular, o Brasil liderou o mundo inteiro durante o Acordo Climático de Paris. Nós somos os heróis e não os vilões do meio ambiente. Vamos garantir que permaneça assim.

Com esperança, Diego, Iain, Risalat, Fatima, Andrew e toda a equipe da Avaaz.

Mais informações

Urso polar

Alerta máximo para a humanidade

União européia contra o plástico

Avaaz15 mil cientistas enviaram um “alerta para a humanidade”: se não pararmos de poluir, nosso planeta estará condenado.

Os fatos são aterrorizantes: várias espécies estão se extinguindo a uma taxa 1000 vezes maior do que o natural. 90% da Grande Barreira de Corais na Austrália está morta ou quase, e os oceanos estão tão sufocados com plásticos que peixes se viciaram em comê-los.

Mas os cientistas também descobriram um tipo de milagre — um que salvaria a todos nós. Se protegermos metade do nosso planeta da exploração humana, nosso ecossistema conseguirá se estabilizar e regenerar. A vida na Terra vai se recuperar!

Nossos governos já se comprometeram a proteger 25% do planeta, então sabemos que é possível. Nenhum outro movimento global está liderando esse plano de recuperação milagroso!

E é aí que entramos.

Se 20 mil pessoas contribuírem semanalmente com um pequeno valor, divulgaremos essa proposta para torná-la conhecida, derrotaremos poluidores e caçadores de animais, e teremos força para exigir de nossos líderes que cheguem a um acordo para salvar o planeta durante uma mega Conferência acontecendo essa semana no Egito!

Contribua agora com apenas um clique — vamos dar vida a esse plano de recuperação milagroso.

Nossos hábitos estão destruindo os delicados ecossistemas de tal maneira, que corremos o risco de desajustar o planeta de modo a torná-lo inabitável aos humanos. Proteger 50% do planeta abriria caminho para a magia da própria natureza reverter essa situação — mas quase ninguém sabe a gravidade desta crise e o quão inspiradora é esta proposta.

Muitos especialistas já concordam que é exatamente isso que o planeta precisa. E a Conferência da biodiversidade em 2020 pode adotar essa proposta como meta global, se esse plano for acordado em conferências importantes como essa acontecendo agora no Egito.

Mas isso não vai acontecer sem nós.

A Avaaz tem impacto nacional, fôlego global e ambição suficientes para emplacar ideias colossais como essa. Quando lançamos nossa campanha por energia 100% limpa em 2013, muitos disseram ser utópica. Mas dentro de 24 meses, todos os governos do mundo concordaram com a ideia. Pois então, temos de novo 24 meses.

Nosso movimento não tem enormes quantias de dinheiro, mas com milhares de pequenas doações periódicas poderemos tornar o consenso científico em conhecimento público, e forçar os líderes políticos a nos escutar. Vamos contribuir hoje e tornar famoso esse plano milagroso, e salvar nosso planeta.

Com esperança e determinação, Danny, Alice, Allison, Camille, Martyna, Jenny, Rosa , e toda a equipe da Avaaz.

Mais informações