TV por assinatura perde 787.513 contratos em 12 meses

TV por assinatura

De acordo com dados coletados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o Brasil registrou um total de 17.855.020 contratos de TV por Assinatura em maio de 2018. Houve uma redução de 787.513 contratos do serviço em relação a maio de 2017. Houve também uma queda de 52.307 contratos, em comparação a abril de 2018. O serviço de TV por assinatura vem apresentando queda sendo um dos motivos para esse fato a mudança de perfil dos usuários, que estão optando por provedores de filmes e séries via streaming, que oferecem um custo menor aos usuários.

Estados

São Paulo ainda obtém o maior número contratos de TV por Assinatura em operação no país, 37,61% do total (6,7 milhões); seguido por Rio de Janeiro, com 13,56% (2,4 milhões); e Minas Gerais com 8,74% (1,5 milhões).

Nos últimos 12 meses, o Piauí apresentou o maior percentual de crescimento, o estado registrou aumento de 5,09% (+4,3 mil) nos contratos em operação da TV por Assinatura; seguido do Maranhão com aumento de 3,02% (+5,3 mil); Tocantins com mais 1,43% (608 contratos); e Pará com mais 1,21% (3.794 contratos). Todos os outros estados apresentaram redução no saldo de contratos de TV por assinatura.

Grupos

Em maio de 2018, a Claro (NET) deteve a maior fatia do mercado, a empresa detém metade do mercado de TV por assinatura (50%), com 8,9 milhões de clientes. A SKY (serviço por satélite) ocupa a segunda posição, a empresa detém 29% do mercado, com 5,2 milhões de clientes no país. A Oi e a Telefônica disputam a terceira posição com 8% do mercado cada uma, com 1,5 milhões de clientes cada.

Acesse informações mais detalhadas sobre o serviço de TV por assinatura.

Anatel

Anúncios

Banda Larga registra 27,29 milhões de assinantes em abril

Banda larga

Ótima notícia! Quanto mais pontos de rede fixa da internet Banda Larga, melhor.

A Agência Nacional de Telecomunicações informa, nesta quarta-feira (31/5), que o serviço de banda larga fixa recebeu 73,43 mil novos assinantes (+0,27) em abril quando comparado a março de 2017. O número de usuários do serviço ficou em 27,29 milhões. Nos últimos doze meses, a banda larga fixa teve adição de 1,39 milhão de clientes (+5,36%).

Na comparação com março, a prestadora Sky liderou o crescimento no mês de abril com 11,69 mil assinantes (+3,53%). A TIM apresentou elevação de 3,23 mil (+0,94%), seguida pela Algar Telecom com 4,55 mil (+0,90%). Em comparação com abril de 2016, a TIM apresentou a maior evolução, entrada de 59,60 mil usuários (+20,87%). A Sky registrou  51,50 mil novos clientes (+17,69%), a Cabo mais 12,69 mil (+14,18%).

De março para abril deste ano, os maiores crescimentos percentuais registrados foram no Ceará com 14,21 mil novos clientes (+2,31%), no Pará com 6,90 mil (+2,23%), e em Maranhão com 4,19 mil (+1,87%). Nos últimos doze meses, todos os estados apresentaram crescimento. Os maiores percentuais foram registrados no Amapá com 6,81 mil usuários (+13,35%), no Maranhão com 26,26 mil (+13,03%) e Rondônia com 14,64 mil (+10,93%).

Variação 12 meses

Variação março-abril/2017

Anatel

Anatel esclarece atuação da Agência em relação às rádios comunitárias e orienta entidades

rádios comunitárias

Os problemas para instalação das rádios comunitárias no país e uma nova legislação para o setor foram temas de audiência pública realizada na Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) no Senado, nesta quinta-feira, 27/04. O chefe da Assessoria Técnica da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Marcus Paolucci, disse durante a  audiência que a Agência já fez alterações em seus regulamentos beneficiando as rádios comunitárias. Mas, explicou Marcus Paolucci, os problemas relacionados às frequências precisam ser analisados individualmente pela Anatel.

O coordenador de Análise Técnica de Radiodifusão Educativa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC), Rodrigo Cruz Gebrim, disse durante o debate que existem de 4,7 mil rádios comunitárias outorgadas no país. O número de rádios FM é bem menor, destacou,  cerca de 3,5 mil. Segundo Gebrim, o Ministério quer reduzir para seis meses o prazo para autorizar o funcionamento das rádios comunitárias. Atualmente, o processo leva cerca de um ano.

O coordenador executivo da Associação Brasileira de Rádio Comunitária (Abraço), Geremias dos Santos, informou que as rádios comunitárias demandam novas frequências para evitar as zonas de sombra que impedem o acesso ao serviço para as populações residentes nestas áreas. Os representantes das rádios comunitárias reclamaram ainda do andamento dos processos na Anatel, que consideram lento.

Anatel

Banda Larga registra 27,17 milhões de assinantes em março

Banda Larga ADSL

A Agência Nacional de Telecomunicações informa, nesta quarta-feira (26/4), que o serviço de banda larga fixa recebeu 286,00 mil novos assinantes (+1,06%) em março  quando comparado a fevereiro de 2017. O número de usuários do serviço ficou em 27,17 milhões. Nos últimos doze meses, a banda larga fixa teve adição de 1,36 milhão de clientes (+5,28%).

Na comparação com fevereiro, a prestadora Sky liderou o crescimento no terceiro mês do ano com 16,90 mil assinantes (+5,38%). A TIM apresentou elevação de 6,48 mil (+1,93%), seguida da Claro com 130,65 mil (+1,55%). Em comparação com março de 2016, a TIM apresentou a maior evolução, entrada de 65,72 mil usuários (+23,79%). A Sky registrou  48,01 mil novos clientes (+16,96%), a Cabo mais 11,71 mil (+13,16%).

De fevereiro para março deste ano, os maiores crescimentos percentuais registrados foram no Mato Grosso com 17,68 mil novos clientes (+5,00%), no Amapá com 2,20 mil (+4,02%), e em Santa Catariana com 45,71 mil (+3,85%). Nos últimos doze meses, todos os estados apresentaram crescimento. Os maiores percentuais foram registrados no Amapá com 6,66 mil usuários (+13,26%), no Maranhão com 24,34 mil (+12,21%) e Mato Grosso com 36,11 mil (+10,77%).

Acesse abaixo as tabelas com os números de Banda Larga Fixa:

Anatel

Janeiro de 2017 registra queda de mais de meio milhão de linhas móveis

Telefonia móvel

O mês de janeiro de 2017 fechou com 243, 42 milhões de linhas móveis em operação, queda de 5,38% em comparação com janeiro de 2016, o que equivale a menos 13,83 milhões de linhas. A redução nos números foi liderada pela Oi com queda 5,82 milhões de linhas, seguida pela Claro com diminuição de 4,87 milhões e Tim com menos 4,08 milhões.

Em comparação com dezembro de 2016, janeiro de 2017 registrou um decréscimo de 647,78 mil de linhas, o que representa uma queda de 0,27%. A TIM, com menos 596,13 mil linhas móveis, foi responsável por mais de 90% da redução apresentada no mês.

A queda do número de acessos móveis no ano passado foi consequência da redução da tarifa de interconexão (cobrada entre empresas fixas e móveis) e do valor de remuneração de uso de rede das prestadoras móveis (VU-M), praticados entre as operadoras. Com preços menores das ligações de uma empresa para a outra, os consumidores cancelaram os chips de diferentes prestadores.  A desaceleração econômica também contribuiu para encolhimento da base de acessos móveis.

Anatel

Ótima notícia! Ligações de telefone fixo para móvel vão ficar mais baratas

Telefone fixo

As chamadas locais e interurbanas de telefones fixos para móveis ficarão mais baratas a partir de 25/02. A redução das ligações locais vai variar entre 16,49% e 19,25%. Já para as chamadas interurbanas a queda dos valores será de 7,05% a 12,01%.

Estão previstas novas reduções das tarifas cobradas dos consumidores em 2018 e 2019. A queda vai acontecer por conta da redução das tarifas de interconexão, pagas pelas empresas que utilizam a rede de outro grupo. O cálculo das tarifas é feito pela Anatel utilizando o “Modelo de Custo”, que permite verificar com mais precisão os custos das empresas com equipamentos e estrutura administrativa.

Ao mesmo tempo em que a tarifa é reduzida, as empresas de telecomunicações do país devem aumentar os investimentos na ampliação das suas redes, na melhoria da qualidade de serviços e no atendimento aos consumidores, conforme determinações da Anatel. As tarifas de interconexão foram usadas inicialmente para subsidiar a instalação de redes das operadoras móveis.

A redução das tarifas vai beneficiar os cerca de 41,8 milhões de assinantes de telefone fixo, segundo dados da Anatel até dezembro do ano passado.

Anatel

Banda Larga Fixa registra 13 mil novos acessos em setembro

Internet banda larga

A Banda Larga Fixa não apresentou alteração significativa no número de clientes entre agosto e setembro de 2016. Os 13.376 novos assinantes do serviço representaram um acréscimo de 0,05%, resultando em um total de 26.522.902 usuários em setembro. No entanto, em comparação com setembro de 2015, a Banda Larga Fixa apresentou crescimento de 4%, com 1.070.483 novos assinantes.  No nono mês deste ano, o serviço estava presente em 38,6% dos domicílios no país, informou a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

A Agência disponibiliza informações mais detalhadas sobre os acessos de Comunicação Multimídia na área de Dados ou em planilhas consolidadas. Há planilhas por empresa, grupo econômico, município, região, faixa de velocidade, tecnologia e unidade da federação. Os dados foram divulgados em 9 de novembro de 2016 no portal da Anatel e podem sofrer alterações.

Anatel

Telefonia móvel registra queda de um milhão de linhas

Telefonia móvel Anatel

O mês de setembro de 2016 registrou 251.028.412 linhas móveis em operação, uma queda de 1.053.072 linhas em comparação ao mês anterior, de acordo com os dados mais recentes da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Enquanto a comparação com agosto de 2016 registra uma queda de 0,42%, em relação a setembro de 2015 a redução foi de 9%. No nono mês do ano, os acessos pré-pagos totalizavam 174,46 milhões (69,50% do total) e os pós-pagos 76,57 milhões (30,50%).

Os dados detalhados e atualizados sobre os acessos em operação por prestadora, Código Nacional (DDD), Unidade da Federação (UF), pré-pago e pós-pago e por tecnologia estão disponíveis na área de Dados ou em http://ftp.anatel.gov.br/dados/Acessos/Movel_Pessoal/

As informações publicadas referem-se os dados disponíveis em 7 de novembro de 2016 e podem sofrer alterações.

Teledensidade

No quadro abaixo, são apresentadas quantidade de acessos e a densidade da telefonia móvel nas 27 Unidades da Federação e nas cinco regiões do País.

Regiões Acessos em Serviço Densidade por 100 Habitantes
Brasil 251.028.412 121,79
Centro-Oeste 21.390.972 136,59
DF 5.430.266 182,39
GO 8.461.165 126,36
MS 3.355.802 125,11
MT 4.143.739 125,36
Nordeste 61.877.641 108,72
AL 3.519.769 104,79
BA 16.311.062 106,77
CE 10.337.698 115,33
MA 5.968.522 85,83
PB 4.505.272 112,65
PE 11.215.575 119,18
PI 3.769.990 117,37
RN 3.993.631 114,92
SE 2.256.122 99,57
Norte 17.283.129 97,42
AC 793.918 97,21
AM 3.503.549 87,55
AP 754.243 96,41
PA 7.838.186 94,38
RO 2.075.622 116,13
RR 483.737 94,07
TO 1.833.874 119,63
Sudeste 113.736.066 131,70
ES 3.915.505 98,54
MG 23.917.649 113,91
RJ 22.743.135 136,71
SP 63.159.777 141,14
Sul 36.740.604 124,80
PR 13.878.573 123,44
RS 14.592.903 129,30
SC 8.269.128 119,66

Pré-pago e pós-pago

Telefonia móvel AnatelTelefonia móvel Anatel

Competição

Os dois quadros a seguir apresentam o market share do serviço móvel no Brasil. Acessos em operação por Grupo EconômicoTelefonia móvel Anatel Telefonia móvel Anatel

Tecnologias

Confira abaixo os dados de acessos em operação por tecnologia.

Telefonia móvel Anatel

Anatel

Nono dígito para celulares passa a valer no próximo domingo em Santa Catarina

Nono Dígito

Já que eles vão incluir mais um dígito nos números de telefones celulares, por que não aproveitam a onda e passam tudo para 10 dígitos de uma vez por todas, para móvel e fixo. Assim, nos próximos 100 anos a gente fica longe dessa chatice e assim… 9 dígitos não tem rima. Antigamente os números eram 6 dígitos, foi, pra 7, chegou em 8, agora está em 9. A última mudança chata foi incluir essa tal de operadora nas ligações que até hoje tem gente que se embabaca nisso. Enfim… é isso

Os celulares com os DDDs 47, 48 e 49 de Santa Catarina vão receber o nono dígito a partir do próximo domingo, 6/11. Os usuários de telefonia móvel devem acrescentar o número nove em sua agenda. As ligações com oito dígitos ainda serão completadas por um tempo determinado, durante o processo de adaptação dos usuários e das redes, mas após esse período as chamadas não serão mais completadas. Mensagens de SMS e MMS também não serão enviadas se forem usados oito dígitos.

Para facilitar a adaptação dos consumidores, o Procon de Santa Catarina recomenda o uso de aplicativos para realizar a mudança. “Existem alguns aplicativos que fazem a atualização total da agenda. Isso faz com que o consumidor evite a perda de dados ou fique sem a comunicação com o seus contatos”, afirma  o diretor do Procon, Maycon Baldessari.

O diretor lembra também que as empresas de telefonia não podem cobrar pela aumento de dígitos. “Como essa inclusão é uma exigência da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), então as empresas são obrigadas a fazer essa mudança sem custo adicional para os consumidores”, diz.

Além de Santa Catarina, os DDDs do Paraná (41, 42, 43, 44, 45 e 46) e do Rio Grande do Sul (51, 53, 54 e 55) também terão o algarismo 9 adicionado a seus números. Os telefones fixos continuam com oito dígitos.

Fonte: Secretaria de Estado da Comunicação

9 9938-3519

Nono dígito vai atender novas aplicações do Serviço Móvel Pessoal

Smartphone

Um dos motivos para a implementação do nono dígito em todo o país é atender a demanda por novas aplicações que utilizem o Serviço Móvel dando suporte, para comunicação M2M e IoT. Estas tecnologias são usadas para telealarmes, automação residencial, rastreamento de automóveis, entre outros. No próximo domingo (6.11) acontece a implementação do nono dígito nos três estados da região Sul, finalizando o projeto coordenado pela Anatel em todo o país. Com a introdução do nono dígito, o Plano de Numeração do Serviço Móvel Pessoal terá sua capacidade ampliada de 37 milhões para 90 milhões de acessos por DDD.

Fabricantes de automóveis, como a BMW e a Mercedes, já começaram a utilizar as novas linhas do plano de numeração para o tráfego de informações sobre os carros como: dados do consumo de óleo, situação dos freios e do motor, facilitando desta forma a manutenção do veículo e proporcionando assim maior segurança ao proprietário. Outro serviço que também utiliza estes números é o de rastreamento de veículos realizado por seguradoras de automóveis.

Outros equipamentos que utilizam linhas do Serviço Móvel Pessoal são as máquinas de cartão de crédito e a cada dia aumenta a demanda desse serviço pelos pequenos e grandes empresários. As áreas de agricultura e pecuária também serão beneficiadas com a medida da Agência, pois novas tecnologias já permitem o controle de fazendas à distância e o uso de “biochip transponders”,  para a localização de animais nas propriedades, acompanhar o peso e outras funções.

Os mercados atuais já incluem a automação residencial, que são dispositivos domésticos inteligentes que os moradores podem acionar mesmo estando longe de suas casas. Com eles, o usuário pode controlar:  iluminação, aquecimento (como termostato inteligente), sistema de ventilação, ar condicionado (HVAC) e aparelhos como lavadoras, secadoras, fornos, congeladores, que usam wi-fi para monitoramento remoto. Umas das principais demandas e que deve crescer muito nos próximos anos é a busca por maior segurança das residências por meio de dispositivos como o telealarme.

De acordo com a empresa de pesquisa de mercado Gartner, o tráfego global de dados móveis em 2018 poderá atingir 173 milhões de Terabytes. A Gartner prevê que 6,4 bilhões de coisas conectadas estarão em uso em todo o mundo até o final deste ano, um aumento de 30% em relação a 2015, e deverá chegar a 20,8 bilhões até 2020. Este ano,  5,5 milhões de coisas novas vão ser ligadas a cada dia.

A Detecon, uma das maiores empresas de consultoria de gestão em tecnologias digitais e de redes do mundo, se reuniu recentemente com a Anatel com a intenção de abrir em 2017 uma operadora móvel virtual (MVNO) para oferecer serviços de telecomunicações, máquina a máquina e Internet das Coisas.

A Datora Telecom foi a primeira Mobile Virtual Network Enabler (MVNE) do Brasil e atualmente fornece conexões M2M para diversos setores empresariais nacionais, entre eles o automotivo, seguros, infraestrutura, serviços médicos e financeiro. Em 2012, a empresa lançou a Datora Mobile, primeira MVNO do país focada no mercado M2M. Ela já estabeleceu no país mais de 150 mil conexões máquina a máquina para clientes corporativos.

Anatael