Documentário produzido em Ilhota relembra a tragédia de 2008 no Complexo do Baú

Este filme é um relato de moradores do da região do Complexo Morro do Baú, uma região rural da cidade de Ilhota/SC, sobre os deslizamentos que aconteceram pela primeira vez nesta magnitude em novembro de 2008. Foram 47 mortes, todas por soterramento. Dos 2400 moradores, 1700 só conseguiram sair por resgate aéreo. Desde então, a convivência com o risco faz parte deste cotidiano. Eu participei da produção deste documentário! O documentário foi produzindo no mês de junho de 2010 e durante uma semana, e a equipe de jovens jornalista paulistas realizaram o trabalho com o apoio da Prefeitura de Ilhota e eu acompanhei toda produção durante a captura dos depoimentos direcionando a equipe até os entrevistados. Foi um experiência positiva e única pra mim em ter acompanhado esse pessoal, pois foi a primeira vez em que pude presenciar a produção de um filme com a lente de uma maquina fotográfica, uma Canon. Aqui nesta postagem está o filme e o trailer do documentário.

Anúncios

Testemunho de uma tragédia

Novembro de 2013 completo 5 anos da tragédia que assolou o estado de Santa Catarina e mais precisamente o nosso município de Ilhota. Tivemos no estado 135 vitimas fatais dos quais 35 em nosso município. Foi e é sem duvida a maior tragédia já vista e vivida pelo povo ilhotense, algo jamais esquecido por todos, principalmente por aqueles que são as vitimas diretas desta tragédia… muita dor… muita luta e acima de tudo fé e perseverança na reconstrução diária seja ela da alma ou dos bens materiais.

Nesta postagem, divulgo o vídeo relatando o testemunho da maior tragédia, ocasionada no ano de 2008, vivenciado pelo Major Neto, bombeiro militar que atuou diretamente neste evento. Por ele, podemos lembrar dos momentos de dificuldade e toda mobilização dos órgãos públicos e executivos lutando arduamente na tentativa de regatar e preservar a vida daqueles que encontravam em situação de risco eminente.

Câmara fará sessão itinerante no Alto Baú

A segunda sessão ordinária do ano reuniu sete vereadores e foi presidida pelo vereador Rogênio Luiz (PSDB), mais conhecido como Deno.

Jornal IlhotaUm requerimento do vereador Roberto Prebianca (PP), aprovado na sessão desta quarta-feira (22), autorizou a Câmara de Vereadores de Ilhota a realizar uma sessão itinerante no Alto Baú num prazo de 45 dias. De acordo com o parlamentar, o mesmo pedido foi feito no ano passado. “No entanto, a mesa diretora não realizou. Este encontro é extrema relevância para discussão e apreciação dos trabalhos realizados pelo legislativo. Na ocasião também poderemos debater assuntos de interesse da comunidade”. O vereador Calinho (PMDB) se mostrou solidário a iniciativa. “Devemos promover várias sessões itinerantes, contemplando todos os bairros do município”, enfatizou.A data ainda não foi definida.

Ainda durante a sessão, o vereador Calinho fez menção a criação do Jornal Ilhota, elogiando o trabalho do meio de comunicação na cidade. “É uma importante ferramenta para transmitir o anseio do povo e nos bem informar”, disse. Em seu discurso também abordou o redimensionamento da energia elétrica no interior. “A visita a sede regional da Celesc, juntamente com a secretária Ana Lucia Wilvert, foi muito importante. Pudemos ver através dos comentário da matéria veiculada no Jornal Ilhota, que as pessoas estão buscando estas melhorias”.

A segunda sessão ordinária do ano reuniu sete vereadores e foi presidida pelo vereador Rogênio Luiz (PSDB), mais conhecido como Deno. O presidente da mesa diretora, Luiz Peixe (PDT), não estava presente por motivos particulares. Apesar de Ilhota ter 12.355 habitantes,  apenas funcionários da casa e cinco moradores estiveram presente na sessão. Deno disse que está preocupado com a falta de participação da comunidade nas reuniões. “É muito importante que as pessoas participem ativamente de nossas sessões, pois assim saberão como é a atuação dos vereadores, o que discutimos e votamos, podendo assim, acompanhar de perto nossos trabalhos”.

Projetos

Na sessão desta quarta-feira (22), três projetos do executivo foram apresentados pela mesa diretora e encaminhados às comissões. O primeiro autoriza o poder executivo a firmar convênio e repassar valores a Associação Acadêmica de Ilhota – AACADI. Neste ano o executivo pretender aumentar o repasse, chegando a R$ 30 mil, divididos em oito parcelas. O segundo autoriza a prefeitura a firmar convênio e repassar valores para Apae. Já o terceiro permite que a prefeitura doe óleo diesel para Associaçõa dos Bombeiros Voluntários de Ilhota.