Crescem denúncias de violência contra o idoso em SC

Idoso

As delegacias e Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas) registraram 92,3 mil casos de violência contra os idosos nos últimos três anos em Santa Catarina. Apenas no ano passado, foram 30 mil registros de boletim de ocorrência, conforme os dados da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/SC).

A maior parte está relacionada a furto (62%) e os principais atos violentos incluem ameaças, danos físicos, estelionato e injúria. Somente os casos de homicídio chegaram a 111 no ano passado. Em SC, até maio deste ano foram registradas 100 denúncias de maus tratos contra os idosos por meio do Disque 100. Em 2011, em todo o ano foram 58 denúncias.

Nesta sexta-feira, 15 de junho, será lembrado o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa e o Conselho Estadual do Idoso (CEI) em parceria com a Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc) realiza campanha com o slogan “Rompendo o Silêncio”.

Para abrir a campanha as duas instituições promovem, nesta sexta-feira, 15 de junho, mesa redonda com diversas autoridades com o objetivo de informar à sociedade sobre as formas de violência e sensibilizar a opinião pública para denunciar por intermédio do Disque 100. O evento será das 14h às 17h, na sede da Celesc, em Florianpólis.

A mesa redonda será transmitida por videoconferência para as 16 agências regionais da Celesc e contará com a participação das secretarias municipais de Assistência Social, das Secretarias Regionais de Desenvolvimento (SDRs), Associação dos Municípios e dos Conselhos Municipais do Idoso.

Dentre outras ações previstas para a campanha está a mobilização de prefeituras e conselhos municipais da pessoa idosa para que desenvolvam atividades e a articulação com órgãos da área de educação para que escolas, famílias e instituições desenvolvam atividades de conscientização de forma preventiva e sistemática.

A Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação (SST) também promoverá reunião interna para conscientizar os servidores, além disso vai incentivar as secretarias municipais de assistência social e SDRs a realizarem eventos locais voltados para esta temática.

A presidente do Conselho Estadual do Idoso (CEI), Kátia Ribeiro Freitas, afirmou que a violência contra esta parcela da população ocorre principalmente dentro de casa. “Na maioria das vezes é por negligência, intolerância, exploração financeira ou abandono praticados por pessoas da própria família”, explicou. “As ações dos órgãos governamentais e não governamentais devem ser contínuas visando a superação destes problemas”, ressaltou.

Kátia destacou que uma das deliberações da 3ª Conferência Estadual dos Direitos da Pessoa Idosa foi a construção de Centros Dia, uma forma de conter a violação de direito contra a pessoa idosa.

Pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que o Estado possui 656.913 idosos, o que representa 11% da população catarinense. Deste total, somente 20.255 recebem o Benefício da Prestação Continuada da Assistência Social (BPC). No país, 1,7 milhão de idosos recebem o BPC.

O benefício assegura a transferência mensal de um salário mínimo ao idoso com 65 anos ou mais. Para receber é preciso comprovar não possuir meios de garantir o próprio sustento, nem tê-lo provido por sua família. A renda mensal familiar per capita deve ser inferior a um quarto (1/4) do salário mínimo vigente. A gestão do BPC é realizada pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

À SST cabe assessorar os municípios na implantação dos serviços de atendimento aos beneficiários do BPC e nas estratégias para busca ativa de novos beneficiários. “Além disso, são realizadas visitas técnicas para monitorar como os municípios estão atuando para garantir a qualidade do atendimento”, explicou o secretário da pasta, João José Cândido da Silva.

SC terá Centros Dia para idosos

O governo de Santa Catarina, por meio da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação (SST) investirá pela primeira vez em Centros Dia para idosos. Estão previstas duas unidades, uma em Lages e outra em Joinville, com cofinanciamento pelo Estado de R$ 350 mil cada um por meio de recursos do Fundo Estadual de Assistência Social (FEAS).  A expectativa é que cada Centro Dia receba 25 idosos por turno. Os custos de manutenção serão divididos entre os municípios e o Estado. A expectativa é de que comece a funcionar a partir do segundo semestre de 2013. Agora, é a fase de elaboração do projeto técnico e arquitetônico. O secretário da SST, João José Cândido da Silva, destacou que o governador Raimundo Colombo aprovou a construção de mais 18 Centros Dia para idosos até 2014.

Os Centros Dia atenderão a população idosa em situação de vulnerabilidade social e as pessoas serão encaminhadas pelos Centros de Referência Especializados em Assistência Social (Creas).

Serão locais para atendimento aos idosos e famílias ou cuidadores, que tiveram as limitações agravadas por violações de direitos como exploração da imagem, isolamento, confinamento, atitudes discriminatórias e preconceituosas ou falta de cuidados, dentre outros. As unidades ajudarão as famílias a tratar os idosos para que não tenham seus direitos violados.

Os municípios selecionados tiveram que seguir determinados critérios. Devem possuir Creas instalados, ter respondido ao Censo SUAS em 2011; ter instalado o Conselho Municipal do Idoso e possuir Serviço de Acolhimento Institucional para Idosos.

Foram considerados ainda o número de idosos cadastrados no Benefício de Prestação Continuada (BPC) no município; o número de casos acompanhados pelos CREAS, o registros de ocorrências de violências domésticas contra o idoso e infrações que constem no Estatuto do Idoso, tendo por fonte os dados das Delegacias de Polícia de 2009 a 2011.

Saiba mais

A Organização das Nações Unidas (ONU), por conta do grande número de denúncias de maus tratos registradas na família estipulou em 2006 a data de 15 de junho como o Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa. Há cerca de 76 conselhos municipais de idosos em SC.

O que é o Creas

O Centro de Referência Especializada em Assistência Social (Creas) é a unidade pública estatal que oferece serviços da proteção especial especializados, continuados e gratuitamente a famílias e pessoas em situação de ameaça ou violação de direitos. O Creas também tem o papel de coordenar e fortalecer a articulação dos serviços com a rede de assistência social e as demais políticas públicas. O Estado possui 85 Creas em 81 municípios.

Em SC, até maio deste ano foram registradas 100 denúncias de maus tratos contra os idosos por meio do Disque 100. Em 2011, em todo o ano foram 58 denúncias.

População em Instituição de Longa Permanência (ILPIs) – 3.541 pessoas em 118 instituições, incluindo as da iniciativa privada em 35 municípios.

Perfil do idoso no Centro Dia

  • A partir dos 60 anos.
  • Prioritariamente idosos beneficiários do BPC ou em situação de pobreza inseridos no CadÚnico do governo federal.

O que os espaços devem oferecer

  • Sigilo, conforto e acessebilidade aos usuários.
  • Recepção.
  • Banheiros com chuveiro masculino/feminino.
  • Refeitório.
  • Cozinha.
  • Despensa de alimentos.
  • Despensa para materiais para manutenção dos serviços/base física.
  • Lavanderia.
  • Sala para equipe de referência e coordenação.
  • Sala para atendimento individual/familiar.
  • Sala para atendimento em grupo.
  • Espaço de lazer e atividade física, externa e interna.
  • Espaço para atividades socioeducativas (informática, trabalhos manuais, oficinas artísticas e culturais, biblioteca, videoteca, jogos, etc).
  • Salas para descanso.
  • Quartos para descanso (femininos e masculinos)

Equipe técnica

  • 1 coordenador (assistente social, psicólogo ou pedagogo).
  • 1 assistente social.
  • 1 psicólogo.
  • 1 terapeuta ocupacional ou pedagogo.
  • 6 profissionais (3 por turno), no mínimo, de nível médio do Sistema Único de Saúde (SUAS) responsáveis pelas atividades de cuidados pessoais e atividades socioeducativas.
  • 1 profissional de nível médio do SUAS para a realização de atividades de apoio administrativo (Plano Viver Sem Limites/Centro Dia para pessoas com deficiências).
  • 1 motorista.
  • cozinheira e serviços gerais.

Equipe intersetorial (articulação profissionais do SUS, Educação, Esporte)

  • 1 Técnica em enfermagem.
  • 1 Professor de Educação Física ou Fisioterapeuta

A contratação dos profissionais fica a cargo dos municípios

  • Horário de atendimento: Pelo menos cinco dias da semana, de 8 a 12 horas diárias, incluindo o horário de almoço. O horário de permanência do usuário poderá ser flexibilizado e dividido por turno. Recomenda-se a permanência mínima de dois turnos por semana. Ver possibilidade de atendimento em feriados e finais de semana.
  • Serviços a serem oferecidos: Acolhida, escuta, informação, comunicação e defesa de direitos; articulação com os serviços de políticas públicas setoriais; articulação da rede de serviços socioassistenciais; articulação interinstitucional com o Sistema de Garantia de Direitos; atividades de convívio e de organização da vida cotidiana; orientação e encaminhamento para a rede de serviços locais, dentre outros.
Anúncios

Caminhada combate à violência sexual infanto juvenil

caminhada violencia sexual

O Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS, realiza na próxima sexta-feira (18) uma caminhada alusivo ao Dia Nacional de Combate e Mobilização à Violência Sexual Infanto Juvenil.

Crianças das escolas do município e de escolas particulares, irão se reunir às 9h na Praça Vidal Ramos e dali seguem a caminhada passando pela Rua Hercílio Luz até a Praça Irineu Bornhausen.

Ao lado do Museu Histórico de Itajaí a Combemi estará com uma tenda onde serão exibidos vídeos sobre violência sexual infanto juvenil para aqueles que estiverem no local e também serão distribuídos folders de orientação.

Na praça em frente à Igreja Matriz outra tenda será montada para exposição dos trabalhos das crianças e adolescentes. O Sesc que também participa do evento vai estar com diversos brinquedos no local. Toda população está convidada a participar da caminhada.

Jornal Bravo Amores

Capacitação orienta profissionais sobre os cuidados no manuseio de alimentos ofertados nos equipamentos sociais da região

Capacitação orienta profissionais sobre os cuidados no manuseio de alimentos ofertados nos equipamentos sociais da região

Pensando na qualidade dos alimentos oferecidos nos equipamentos sociais CRAS, CREAS e Acolhimentos Institucionais, e na segurança da população que utiliza estes serviços, a Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí – AMFRI realizou na última terça-feira (30), uma capacitação sobre Manuseio de Alimentos. Durante toda a tarde, auxiliares de serviços gerais e educadores sociais da região receberam orientações sobre os cuidados que devem ser tomados no preparo das refeições.

Além das dicas para uma alimentação saudável e adequada, os participantes foram alertados quando à importância de conservar bons hábitos de higiene, que vão desde o asseio pessoal e os cuidados na manipulação dos alimentos, até a hora de servi-los para o consumidor. A principal razão destes cuidados é evitar a ocorrência de doenças provocadas pelo consumo de alimentos contaminados. “A saúde de muitas pessoas está nas mãos de quem prepara o alimento”, salienta a nutricionista Carolina Marini, que ministrou a capacitação, reafirmando a importância do trabalho das cozinheiras.

Ao final do curso, uma série de receitas saudáveis e que ensinam a reaproveitar alimentos a fim de evitar o desperdício foram ensinadas. Para a cuidadora social do município de Itajaí, Simone Guardia, a experiência do treinamento foi enriquecedora. “Esses momentos são muito importantes. Enquanto educadora referência irei repassar todas essas informações para as responsáveis pelo manuseio de alimentos em nosso Abrigo”. Contente com o que aprendeu na capacitação, a merendeira do município de Camboriú, Cleusa Florêncio espera agora conseguir material adequado para o trabalho. “Seria importante também a participação dos nossos chefes, para que percebam a necessidade de fornecer uniforme e material adequados”.

Para a cozinheira do município de Balneário Camboriú, Áurea Maria Antônia Crescêncio, capacitações como esta deveriam ser oferecidas com freqüência. Segundo ela, tão importante quanto o treinamento é a motivação das funcionárias em fazer um trabalho cada vez melhor. “Precisamos de gente com disposição e boas idéias, até para conseguir inserir no cardápio certos alimentos saudáveis, mas que as crianças geralmente têm rejeição”.

Fonte: Camila Raymundi, assessora de comunicação social da AMFRI.

Cresce número de centros de assistência social no País

Unidades têm garantido proteção social à família, maternidade, infância, adolescência e velhice.

O número de Centros de Referência de Assistência Social (Cras) aumentou de 4.195 unidades em 2007 para 6.801 em 2010. No mesmo período, a quantidade de municípios que contam com pelo menos um Cras – que funciona como porta de entrada da população no Sistema Único de Assistência Social (Suas) subiu de 3.159 para 4.720. Os Cras são estruturas destinadas a articular os diversos serviços da assistência social, prevenir situações de vulnerabilidade e risco e fazer o encaminhamento para outros serviços da rede e para outras políticas públicas. Os números do Censo do Suas referente a 2010 foram apresentados nesta quinta-feira (21), pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

O maior crescimento, de 76%, foi nos municípios com até 20 mil habitantes. As grandes metrópoles registraram aumento de 24% na quantidade desses equipamentos públicos. Somente entre 2009 e 2010, mais de mil novas unidades do Cras foram implantadas no País.

Censo

O monitoramento é realizado anualmente desde 2007 para mapear as unidades públicas de atendimento e monitorar os serviços ofertados nos Cras e nos Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas). Os resultados trazem informações sobre as secretarias estaduais e municipais de Assistência Social, a formação e o vínculo empregatício dos trabalhadores e estrutura e funcionamento dos conselhos e das entidades conveniadas.  O Censo 2010 foi respondido por mais de 4,7 mil municípios entre agosto e dezembro. Os dados subsidiarão o aperfeiçoamento da política de assistência social e contribuem para que governos e sociedade conheçam a realidade dos serviços do setor.

Creas

Os Creas, por sua vez, responde pela proteção social de média complexidade. Oferece serviços de atenção especializada de apoio, orientação e acompanhamento a indivíduos ou famílias com um ou mais de seus membros envolvidos em situação de ameaça ou violação de direitos.

Os Creas tiveram aumento de 32% entre 2009 e 2010. Passaram de 1.200 unidades em 1.099 municípios, em 2009, para 1.590 Creas em 1.463 municípios até agosto de 2010. As regiões Nordeste e Sudeste concentram o maior número de unidades.

Suas

O Suas completou seis anos de funcionamento no último dia 15 e se tornou lei em 6 de julho. O sistema tem garantido proteção social à família, maternidade, infância, adolescência e velhice, por meio de uma rede descentralizada que envolve gestores de 99,5% dos municípios brasileiros.