Comunidades agroecológicas do bem viver

Comunidades agroecológicas do bem viver

Trago boas notícias meu povo! Tem gente boa nesse mundo querendo fazer algo diferente. Vamos nessa? Se liga então…

Estão abertas as inscrições para formação da 2ª Comunidade Agroecológica do Bem Viver, na Terra Indígena Morro dos Cavalos, município de Palhoça, Santa Catarina. É meio longe de Ilhota, mas onde esse post chegar, faz-se a chamada da participação da massa nesse movimento.

Você já se imaginou se alimentando de comida livre de veneno, socialmente justa e fruto de um processo que regenere e colabore para a transformação do mundo!? Então, essa é a hora. Ao invés do simples consumo, as pessoas são participantes ativas nessa comunidade, buscando suas cestas semanalmente, participando de encontros mensais com a família agricultora e contribuindo financeiramente para garantir a produção dos alimentos que sempre sonhou em acessar, mas que a indústria alimentícia, voltada para o lucro, inviabiliza o acesso.

Topas? Vamos nessa! Para formação dessa segunda Comunidade Agroecológica, pedimos a sua contribuição!

Venha fazer parte e seja coagricultora/coagricultor e compartilhe! Saiba mais e garanta já a sua inscrição acessando este link (fique tranquilo, não é vírus). Confira também o sonho envolvido neste projeto com a liderança indígena e gestora ambiental, Kerexu.

Redes sociais

Aproveitamos para compartilhar os links das redes sociais dessa turma. Acesse e acompanhe, agora!

Serviços

  • Quer conhecer mais de perto? Participe do Ponto de Encontro e Entrega das Cestas que realizamos todos os sábados, das 10h às 13h, no Instituto Arco íris, localizado na Travessa Ratcliff, 56, no Centro de Florianópolis.
  • Estão também à disposição também pelo WhatsApp: 48 99948-8778.

Venha conhecer essa gente e construir a Sociedade do Bem Viver: livre de exploração, opressão e da destruição do planeta!

Com informação repassadas pelo e-mail da Cíntia (que não sei quenhé, mas que de alguma forma, tem meu contato. Maravilha!)

Com alegria,
#DialisonCleberVitti

Orientações para discussões referentes ao FUNDEB

Fundeb

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) lançou o Dia Nacional de Mobilização pelo Novo Fundeb, 27 de novembro. O Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB) tem vigência assegurada até 31 de dezembro de 2020, e após essa data o regime de cooperação ficará extinto, podendo comprometer gravemente o financiamento da Educação em todo país.

Até o dia 27 de novembro, as entidades filiadas à CNTE nos estados e municípios irão promover debates com a categoria, explicando a importância da aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 15/2015, que torna o FUNDEB permanente e com um aporte maior de recursos da União. A CNTE já se posicionou por diversas vezes em defesa desse novo formato do fundo.

No dia 27 de novembro o SINTE/SC irá realizar dois seminários macrorregionais nas cidades de Chapecó e Florianópolis (locais e horários a serem confirmados), onde, além da discussão sobre o FUNDEB será abordado o tema das escolas cívico-militar.

Enviamos em anexo material para que o debate sobre o FUNDEB possa ser realizado nas regionais/escolas. Este material está disponível nas páginas do SINTE/SC e da CNTE.https://www.cnte.org.br/index.php/menu/comunicacao/posts/noticias/72446-cinco-razoes-para-apoiar-o-fundeb-permanente-e-com-mais-recursos

SINTE/SC

Cinco razões para apoiar o Fundeb permanente e com mais recursos

Fundeb

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) lançou o Dia Nacional de Mobilização pelo Novo Fundeb – 27 de novembro. O Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) tem vigência assegurada até 31 de dezembro de 2020. Após essa data, o regime de cooperação ficará extinto, podendo comprometer gravemente o financiamento da educação em todo país.

Até o dia 27 de novembro, as entidades filiadas à CNTE nos estados e municípios devem promover debates com a categoria, explicando a importância da aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 15/2015 que torna o Fundeb permanente e com um aporte maior de recursos da União (confira aqui a minuta de substitutivo). A Confederação já se posicionou por diversas vezes em defesa desse novo Fundo – saiba mais detalhes na nota sobre a minuta da PEC 15/2015; nesta entrevista do presidente da CNTE, Heleno Araújo, ao 13º Concut; e neste editorial.

No dia 30 de outubro, a CNTE encaminhou para a relatora da PEC 15/2015, deputada professora Dorinha Seabra Rezende (DEM/TO), contribuições para essa proposta de Fudeb permanente que tramita no Congresso Nacional.

Existem inúmeros motivos para defender o Fundeb permanente e com mais recursos. Destacamos a seguir as cinco principais razões pelas quais essa proposta é fundamental para a educação pública. Baixe o flyer com este conteúdo, em pdf.

1. Muitas escolas ficarão sem recursos e poderão até fechar
Principal mecanismo de financiamento da Educação Básica, o Fundeb é atualmente responsável por 50% de tudo o que se investe por aluno a cada ano em pelo menos 4.810 municípios brasileiros (86% do total de 5.570 municípios). Se o Fundeb não for renovado, quase metade das escolas do país poderão fechar as portas, deixando alunos sem aulas. O Fundeb precisa ser permanente para que os estudantes não corram o risco de perder esse direito – e com mais recursos, para incluir os que ainda estão fora das redes.

2. Corrige desigualdades socioeconômicas regionais
O Fundeb é um conjunto de 27 fundos que distribui os recursos da educação em todos os entes da Federação, diminuindo as desigualdades regionais no campo da educação. Para se ter uma ideia, apesar dos municípios obterem cerca de 18% da arrecadação tributária, e os estados 25%, esses entes são responsáveis, respectivamente, pelo atendimento de 43% e de 35% do total de matrículas escolares. O Fundeb torna essa distribuição de recursos mais justa, dando mais recursos para quem atende mais estudantes. Em 2019, receberam a complementação da União os seguintes estados: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco e Piauí. Com o aumento do aporte da União, dos atuais 10% para até 40% em 10 anos, a maioria dos estados será beneficiada com esses novos recursos.

3. Promove a qualidade da educação pública
O CAQ (Custo-Aluno Qualidade) é um mecanismo para determinar o quanto o Brasil precisa investir por aluno ao ano para garantir um padrão de qualidade do ensino. Foi incluído em quatro das doze estratégias da Meta 20 do novo PNE (Plano Nacional de Educação, Lei 13.005/2014). Para realizar este cálculo, o CAQ considera condições como tamanho das turmas, formação, salários e carreira compatíveis com a responsabilidade dos profissionais da educação, laboratórios, bibliotecas, quadras poliesportivas, entre outros equipamentos, para cumprir a lei. O CAQ precisa ser regulamentado e o novo Fundeb permanente e com mais recursos da União poderá garantir esses recursos para a qualidade da educação.

4. Valoriza os trabalhadores em educação
A CNTE propõe a subvinculação de no mínimo 80% dos recursos do Fundeb para remunerar todos os profissionais da educação. O aumento do aporte da União é uma forma de garantir melhores condições de trabalho, salário e carreira para as trabalhadoras e trabalhadores das escolas públicas. Essa valorização requer a imediata regulamentação do piso salarial profissional e de diretrizes nacionais para os planos de carreira da categoria, direitos previstos no art. 206 V e VIII da Constituição Federal.

5. Fundeb atende a demanda por direito à educação!
O Fundeb já provou ser um instrumento extraordinário para aumentar o número de matrículas nas escolas. Mas os recursos ainda são insuficientes. O aumento do aporte da União no Fundeb, dos atuais 10% para 40% em 10 anos, além da inclusão de novas receitas ao Fundo (sobretudo as riquezas provindas da exploração de petróleo, gás e minérios), é importante para que o país de fato possa incluir, com qualidade, os mais de 2 milhões de crianças e adolescentes que ainda estão fora da escola. Também é necessário para a inclusão dos quase 80 milhões de jovens e adultos acima de 18 anos de idade que não concluíram a educação básica e os mais de 13 milhões de adultos analfabetos no país.

SINTE/SC

Alterações nos termos de serviço do YouTube

Canal dcvitti no youtube #tvdcvitti

Atualizaremos nossos Termos de Serviço “Termos” para facilitar a leitura e ter mais transparência. As mudanças não alteram a Política de Privacidade do Google nem a maneira como coletamos e processamos seus dados.

Fornecemos um resumo das principais mudanças, mas abaixo você encontra uma lista do que pode esperar da atualização:

  • Termos mais claros e fáceis de entender, com links úteis para ajudar você a navegar pelo YouTube e conhecer melhor nossas políticas
  • Ampliação do compromisso de avisar sobre mudanças que podem afetar você, como atualizações do produto ou alterações futuras nos Termos
  • Melhor alinhamento entre os Termos e a maneira como o YouTube funciona atualmente.

As mudanças entrarão em vigor no dia 10 de dezembro de 2019. Leia os Termos atualizados com atenção. Para mais informações, acesse nossa Central de Ajuda.

Caso você tenha filhos que usam o YouTube Kids, é importante lembrar que você também está concordando com os novos Termos em nome do(s) seu(s) filho(s).

Você sempre pode acessar sua Conta do Google para revisar suas configurações de privacidade e gerenciar como seus dados são usados.

Agradecemos sua participação na comunidade do YouTube!

[e-Book] Construindo uma equipe de Campanha Eleitoral

Campanha Eleitoral marketing politico

Contato com a população, gerenciamento de redes sociais, estudos acerca do cenário político atual, administração de recursos, atenção à legislação e outras dezenas de tarefas, são imprescindíveis no momento de organizar uma campanha eleitoral.

O fato é: sozinho, você não conseguirá executar todas as ações necessárias para ser eleito. Por isso, neste conteúdo vamos te contar quais são as peças-chave para compor uma equipe de Campanha Eleitoral, além de algumas dicas para ter o time de sucesso!

Você já pensou em mudar o mundo?

Projeto Banana-Terra

Você quer mudar o mundo?

Por acreditar e reconhecer o poder da nossa juventude, o Projeto Banana-Terra, uma parceria entre os escritórios brasileiros da Anistia Internacional e do Greenpeace, busca desenvolver e estimular jovens a combater práticas que agridam o meio ambiente e violações de direitos humanos, através do ativismo.

Estamos lançando o manual Semeando Poder – Um Guia Para Mudar o Mundo, que contém todo o conteúdo que oferecemos durante as oficinas do Projeto Banana-Terra nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país.

Acreditamos que você vai gostar muito deste manual, porque ele apresenta alguns passos e ferramentas que passamos nas oficinas e pode ajudar qualquer pessoa interessada em criar, planejar e colocar em prática projetos que promovam as mudanças que ela deseja. Ou seja, ele foi feito para pessoas como você! 

Você pode baixar o manual de graça e conhecer mais sobre o Projeto Banana-Terra em www.bananaterra.org.br.

E se conhece outra pessoa que você tem certeza que pode mudar o mundo, não se esqueça de compartilhar este material com ela também! Quem sabe o seu empurrãozinho não é o que falta para ela dar o primeiro passo?

TJSC dá ganho de causa aos assistentes de educação e jurídico do SINTE/SC entrará com ações de cobrança para correção da vantagem pessoal devida

Sinte-SC

A Assessoria Jurídica do SINTE/SC informa que no dia 20/09/2019 transitou em julgado (não cabe mais recursos), decisão do Órgão Especial do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), nos autos da ADI Nº 4012606-90.2016.8.24.0000, que declarou a constitucionalidade do parágrafo único do art. 36 da Lei Complementar Nº 668/2015.

Na prática, o Governo Estadual buscava a declaração de inconstitucionalidade do referido dispositivo legal, que transformou em vantagem pessoal nominalmente identificável (VPNI) a gratificação paga aos Assistentes de Educação no percentual de 30% sob o valor vencimento do nível 10-A da antiga tabela salarial do magistério, prevista na Lei n.1.139/92.

O Governo não teve êxito na ação e foi reconhecida a validade daquele direito, o que permite a cobrança dos respectivos valores e reflexos, que não vem sendo regularmente pagos pelo Governo aos Assistentes de Educação.

O art. 36, § único garante que esta gratificação, transformada em vantagem pessoal nominalmente identificável (VPNI), integra a base de cálculo do adicional por tempo de serviço, décimo terceiro e terço constitucional de férias, ficando sujeita à atualização decorrente dos índices dos reajustes do Magistério Público Estadual, o que não vem sendo cumprido pelo Estado desde a LC nº 668/2015, de 31.12.2015.

Desta forma, os servidores ingressantes antes dessa legislação (até 31/12/2015), que recebiam as verbas transformadas em VPNI pela Lei Complementar, podem pleitear o pagamento junto ao Estado dos valores/reflexos previstos no dispositivo legal (valores futuros e atrasados).

Já os servidores que ingressaram a partir de 01/01/2016 não possuem o direito, vez que não tiveram a gratificação transformada em VPNI.

Neste contexto, será devida a cobrança de todos os valores devidos a título desta gratificação e reflexos correspondentes, desde o advento da Lei Complementar 668/15, quando passou a gerar efeitos.

Portanto, todos(as) os(as) servidores(as) Assistentes de Educação que ingressaram até 31.12.2015 fazem jus à cobrança dos respectivos valores, devendo encaminhar à Assessoria Jurídica do SINTE, por meio das Regionais, os seguintes documentos

  • (I) Procuração assinada (www.sinte-sc.org.br);
  • (II) Pedido de assistência judiciária assinado (www.sinte-sc.org.br)
  • (III) Transcrição funcional completa retirada nas respectivas regionais da SED/SC e da FCEE, ou no portal do servidor;
  • (IV) Fichas financeiras desde 2014 até 2019, inclusive (retirada nas respectivas regionais da SED/SC e da FCEE, ou no portal do servidor).

Da mesma forma, todos(as) aqueles(as) servidores(as) Assistentes de Educação que tiverem dúvidas sobre a questão também podem encaminhar sua documentação para análise da Assessoria Jurídica do SINTE/SC.

Reafirmamos a elevada consideração a toda categoria do Magistério Público Estadual e ressaltamos que a Assessoria Jurídica do SINTE continua firme a atuante em defesa dos trabalhadores da educação, pelo que permanecemos à disposição para quaisquer outras explicações.

Assessoria Jurídica do SINTE/SC
Florianópolis, 24 de setembro de 2019

O Google Translator Toolkit será encerrado no dia 4 de dezembro de 2019

Google Translator Toolkit

O Google Translator Toolkit foi lançado há mais de uma década para ajudar nossos usuários, tradutores e o mundo todo a criar e compartilhar traduções. Na época do lançamento, havia poucas opções de editores de tradução na Web, mas agora existem muitas ferramentas ótimas, incluindo o Google Translate, que continuará disponível e não será afetado por esta decisão. Como resultado, observamos uma queda no uso do Translator Toolkit nos últimos anos. Por isso, depois de tanto tempo e bilhões de palavras traduzidas, vamos nos despedir dessa ferramenta. Queremos agradecer de coração aos nossos usuários do mundo todo.

Exclua, compartilhe ou cancele o compartilhamento dos seus dados.
Se você quer compartilhar ou cancelar o compartilhamento dos seus dados, isso pode ser feito antes do encerramento diretamente no Translator Toolkit (veja como).

Faça o download dos seus dados.
Antes do encerramento em 4 de dezembro de 2019, você poderá fazer o download dos seus dados diretamente no Translator Toolkit (veja como). Logo após o encerramento, você poderá fazer o download de todos os seus dados no Google Takeout.

Para excluir seus dados no Translator Toolkit, selecione os glossários, as memórias de tradução ou as traduções que você quer excluir e clique em Excluir. No caso das traduções, você também precisará clicar em Lixeira, selecionar as traduções e clicar em Esvaziar lixeira.

Agradecemos por seu apoio ao Translator Toolkit por todos esses anos. Para saber mais, visite nossa Central de Ajuda.

Equipe do Google Translator Toolkit

Princípios dos Direitos Humanos

primeiros passos para promover e reivindicar os direitos humanos

Veja abaixo os princípios dos direitos humanos. É importante lembrar que esses princípios são as principais qualidades de todos os direitos humanos. Eles também podem ser vistos como aspirações e objetivos finais do sistema de direitos humanos.

Igualdade & Não Discriminação:
Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos, todos e todas temos igual capacidade de gozar nossos direitos humanos sem discriminação, qualquer que seja nossa nacionalidade, local de residência, sexo, origem nacional, étnica ou social, cor, religião, identidade de gênero ou qualquer outra condição.

Interdependência, Inter-relacionamento & Indivisibilidade:
Todos os seres humanos têm direito a todos os direitos humanos. A garantia de um direito humano facilita a garantia dos outros. Da mesma forma, a privação de um direito humano muitas vezes afeta negativamente os outros.

Universidade:
Todos os seres humanos, em todo o mundo, têm direitos humanos. Embora seja importante ter em mente o significado de particularidades nacionais, regionais e culturais, é dever de todos os Estados promover e proteger todos os direitos humanos (principalmente em seu território e para todas as pessoas sob sua jurisdição).

Inerência:
Todos nascemos com direitos humanos. Os direitos humanos não podem ser dados, comprados, ganhos ou herdados.

Inalienabilidade:
Os direitos humanos não podem ser retirados, renunciados ou trocados. Ninguém tem o direito de privar outra pessoa de seus direitos ou de desistir de seus direitos por qualquer motivo.

Anistia Internacional

Formas de promover os Direitos Humanos na sua comunidade

FORMAS DE PROMOVER OS DIREITOS HUMANOS NA SUA COMUNIDADE

Você é capaz de escolher entre um conjunto de habilidades ou pontos fortes que poderiam ser usados para promover os direitos humanos, sendo assim, você irá explorar ideias de como pode promover os direitos humanos na sua comunidade.

Quando estiver agindo em favor dos direitos humanos, não se esqueça de pesquisar como já atuam as organizações de direitos humanos próximas de você. Pode ser mais eficaz unir forças com outros, em vez de duplicar ou enfraquecer sem querer os esforços de iniciativas existentes. Em todo caso, certifique-se de que suas ações não prejudiquem ninguém no seu contexto específico.

Abaixo estão algumas forças e habilidades que você pode usar para promover os direitos humanos na sua comunidade.

  1. PESQUISA DE FATOS – Pesquise sobre os fatos e compartilhe o que descobriu.
    1. Esteja informado e atualizado com relação aos direitos humanos.
    2. Participe de outras formações, oficinas e cursos sobre questões de direitos humanos – presenciais ou pela internet. Convide seus colegas e amigos para participar com você. Discutam o que aprenderam e porque isso é importante.
    3. Produza um boletim informativo para a comunidade, apresentando os assuntos cotidianos a partir da perspectiva dos direitos humanos.
  2. SEJA DIPLOMÁTICO – Comece um diálogo, inicie um debate sobre Diretos Humanos.
    1. Debata sobre as questões atuais e os desafios de direitos humanos com amigos e colegas, principalmente com pessoas que têm opiniões diferentes das suas.
    2. Questione aqueles amigos e familiares que fazem piadas racistas ou discriminatórias em casa. Às vezes pode ser difícil argumentar com as pessoas mais próximas de nós, mas você sempre poderá explicar para elas o que você sente quando elas fazem esses comentários e como eles afetam a vida de outras pessoas.
  3. TENHA CORAGEM – Assuma uma posição na sua vida cotidiana.
    1. Quando você presenciar uma agressão verbal de natureza racista, na rua ou no transporte púbico, não se cale nem fique passivo. Tente confortar a pessoa que está sendo alvo da agressão, iniciando uma conversa com ela – ignorando o agressor. Sua coragem será inspiração para que outros façam o mesmo.
    2. Quando você perceber que alguém não está sendo tratado com dignidade, seja um colega de classe sofrendo bullying ou um amigo ou amiga sendo discriminado por ser quem é, manifeste-se em sua defesa. Mostrar solidariedade e coragem quando necessário pode fazer muita diferença.
  4. EDUQUE OUTRAS PESSOAS E DEMONSTRE EMPATIA – Envolva-se no seu bairro.
    1. Apoiando aquelas pessoas no seu bairro que vivem à margem da sociedade – pessoas que estão morando na rua, que são refugiadas ou buscam asilo, que têm pouca ou nenhuma renda. Visitar um albergue ou centro de refugiados, por exemplo pode ajudar a derrubar algumas barreiras e preconceitos, além de levar conforto às pessoas visitadas.
    2. Dar apoio à educação de crianças ou de jovens que vivem em contexto social crítico, ajudando-os a recuperar os atrasos ou tirar o melhor proveito do sistema educacional. Ajudar outras pessoas a progredir pode ser uma experiência muito gratificante.
    3. Ofereça ajuda a imigrantes ou refugiados recém-chegados a sua cidade; ajude-os com atividades básicas como usar o transporte público, preencher formulários, vencer dificuldades burocráticas, etc. Prepare imigrantes para os exames de concessão de cidadania.

Anistia Internacional