Cientistas calculam quantos amigos você tem

Cientistas calculam quantos amigos você tem

Em média, há entre três e cinco pessoas em nossas vidas com as quais temos um relacionamento muito próximo (amigos íntimos e/ou família), cerca de 10 com quem temos amizades íntimas, um grupo maior de cerca de 30 a 35 pessoas com quem interagimos com frequência e, finalmente, cerca de 100 conhecidos com quem entramos em contato de vez em quando.

Em outras palavras, nós interagimos regularmente com cerca de 150 pessoas.

Esse número é conhecido como “número de Dunbar” e indica a quantidade de amigos com quem o nosso cérebro pode lidar, de acordo com uma teoria formulada na década de 1990 por Robin Dunbar, professor de antropologia da Universidade de Oxford.

Agora, o próprio professor Dunbar se uniu a colegas espanhóis para verificar sua teoria na prática. E eles concluíram que a organização das nossas amizades é guiada em grande parte por nossa capacidade cognitiva, ou seja, pela quantidade de tempo e esforço mental que podemos dedicar aos amigos.

“É a primeira vez, tanto quanto eu saiba, que uma teoria puramente matemática, baseada em um princípio físico básico (o da máxima entropia), prediz um fenômeno social ou estrutura que é posteriormente encontrada nos dados,” disse Anxo Sánchez, da Universidade Carlos III de Madri.

Isso também pode acontecer em pequenas comunidades, onde há menos pessoas disponíveis para estabelecer um relacionamento, levando à ampliação do círculo de amizades próximas entre as pessoas disponíveis.

“O que a nossa teoria prevê, e o que agora conseguimos averiguar, é que pessoas com alta capacidade cognitiva poderiam expandir seu círculo de amizades íntimas,” explica Sánchez.

Algo semelhante acontece ao contrário, segundo os pesquisadores.

“É impossível ter relações com 150 pessoas e ser íntimo de todas. Por isso, se se tem um grande número de relacionamentos, isso deve significar que são quase todos superficiais,” disse Ignacio Tamarit, coautor do trabalho.

Diário da Saúde

Anúncios

Maratonas de seriados podem te transformar em um zumbi

House of Cards

As “maratonas de seriados” são muito comuns nos canais de TV por assinatura, onde uma temporada inteira de um seriado é apresentada em sequência, ao longo do mesmo dia/noite. Isso pode ser uma ótima forma para colocar a agenda em dia, mas essa imersão total pode ter um custo elevado.

Segundo pesquisadores da Universidade de Michigan (EUA) e da Escola de Pesquisas de Leuven (Bélgica), acompanhar uma maratona de seriados pode piorar a qualidade do sono, provocar fadiga e aumentar a insônia – algo que não ocorre quando se assiste TV de forma “normal”. Jan Van den Bulck e seus colegas acompanharam 423 adultos, com idades entre 18 e 25 anos, monitorando não apenas suas maratonas de seriados na TV, mas também o uso do computador.

A maior parte da amostra (81%) relatou que tinha assistido seriados. Desse grupo, cerca de 40%, fizeram uma maratona no mês anterior ao estudo, enquanto 28% disseram ter feito duas. Cerca de 7% tinham feito maratonas quase todos os dias durante o mês anterior. Os homens fizeram com menos frequência que as mulheres, mas cada maratona teve duração duas vezes mais longa que as delas.

TV demais

Os entrevistados, que dormiam em média 7 horas e 37 minutos por noite, relataram mais fadiga e má qualidade do sono do que aqueles que não fizeram nenhuma maratona. O estudo mostrou que o aumento da estimulação cognitiva antes de dormir – ou seja, estar mentalmente alerta – é o mecanismo que explica os efeitos negativos sobre a qualidade do sono.

“As maratonas de seriados apresentam uma trama que mantém o espectador preso,” disse a pesquisadora Liese Exelmans. “Acreditamos que aqueles que veem estes programas se envolvem muito no conteúdo e podem continuar pensando sobre o assunto quando querem dormir”.

A aceleração do batimento cardíaco, ou sua irregularidade, e estar mentalmente alerta podem criar uma agitação quando a pessoa tenta dormir. Isso pode levar à má qualidade do sono após uma maratona de seriados. “Isso retarda o início do sono ou, em outras palavras, requer um longo tempo de desaceleração antes de ir dormir, afetando assim o período total de sono,” disse Exelmans.

No automático

Os pesquisadores observam que o consumo excessivo de televisão muitas vezes acontece de forma automática, com as pessoas sendo absorvidas pelos seus seriados, deixando de ir para a cama na hora mais adequada.

“Pode ser que não tenhamos a intenção de assistir por muito tempo, mas acabamos fazendo isso de qualquer maneira,” disse Exelmans. O sono insuficiente está ligado a consequências negativas para a saúde física e mental, incluindo a redução da memória e da capacidade de aprendizagem, e à obesidade, hipertensão e doenças cardiovasculares.

“Basicamente, o sono é o combustível que seu corpo precisa para se manter funcionando corretamente,” disse Exelmans. “É muito importante documentar os fatores de risco para a falta de sono. Nossa pesquisa sugere que o consumo compulsivo da televisão pode ser um desses fatores de risco”.

Os resultados foram publicados no Journal of Clinical Sleep Medicine.

Diário da Saúde

Cocaína na adolescência é mais prejudicial que na vida adulta

Cocaína

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP demonstraram de forma objetiva algo que especialistas em neurociências já suspeitavam: pessoas que começam a usar cocaína durante a adolescência desenvolvem défices cognitivos mais significativos do que quem inicia o consumo da droga na vida adulta.

Foram detectadas diferenças marcantes principalmente em habilidades como atenção sustentada (requerida para a realização de tarefas longas, como o preenchimento de um questionário), memória de trabalho (necessária para o cumprimento de ações específicas, como a de um garçom que precisa gravar o pedido de cada uma das mesas até o momento de entregar o prato corretamente) e memória declarativa (que corresponde ao armazenamento e recuperação de dados após um período de intervalo).

Além disso, no grupo de usuários com início precoce foi 50% mais frequente o consumo concomitante de maconha e 30% de álcool, quando comparado com dependentes que iniciaram o uso da droga depois dos 18 anos.

“A adolescência é considerada uma das etapas cruciais do desenvolvimento cerebral, quando o excesso de sinapses é eliminado e as estruturas essenciais para a vida adulta são selecionadas e refinadas. O uso de drogas nesse momento pode atrapalhar o processo de programação do cérebro e fazer com que conexões importantes sejam perdidas,” comentou o professor Paulo Jannuzzi Cunha, coordenador do projeto.

Estudo

Um dos diferenciais deste estudo foi medir os impactos cognitivos comparando dois grupos de dependentes que estavam sob uma condição de abstinência controlada.

“Muitos estudos deste tipo avaliam indivíduos em ambulatório, sem a certeza de que, ao chegar em casa, eles não farão uso da droga. No nosso caso, porém, todos os participantes estavam internados. Assim, temos a certeza de que os achados não estão relacionados aos efeitos agudos da cocaína ou de outras substâncias,” explicou o pesquisador.

Foram incluídos na amostra 103 pacientes dependentes de cocaína – 52 deles no grupo de usuários com início precoce (antes de 18 anos) e 51 no grupo com início tardio (após 18 anos). A faixa etária dos participantes variou de 20 a 35 anos e a proporção de homens e mulheres foi semelhante. Entre os dependentes com início precoce destaca-se um participante que faz uso de cocaína desde os 12 anos. Um terceiro grupo de controle tinha 63 pessoas não usuárias de substâncias psicoativas.

Para o pesquisador, os resultados mostram ainda que os pacientes mais graves, ou seja, com déficits cognitivos mais acentuados, necessitam de tratamento mais intensivo e multidisciplinar, com a associação de terapia e medicamentos.

Diário da Saúde

Alguns videogames são melhores para o cérebro que outros

Jogar videogame faz bem ao cérebro

Pelo menos nos últimos 10 anos, os cientistas têm afirmado que os jogadores de videogame apresentam melhor atenção visual, melhores habilidades de controle motor e melhor memória de curto prazo.

Mas será que esses benefícios podem ter um custo? Parece que sim, afirmam Véronique Bohbot (Universidade de Saúde Mental de Douglas) e Greg West (Universidade de Montreal).

Segundo eles, jogar videogames de ação regularmente reduz a matéria cinzenta no cérebro, particularmente na região do hipocampo envolvida na aprendizagem espacial, na navegação e na memória. O hipocampo é fundamental para uma cognição saudável. Quanto mais esgotado o hipocampo, mais uma pessoa corre o risco de desenvolver doenças cerebrais que vão da depressão à esquizofreniaTEPT e doença de Alzheimer.

Os jogadores que não usam estratégias de memória espacial, como marcos para navegar através de um jogo de tiro em primeira pessoa, mas que espontaneamente dependem de estratégias de resposta, como contagem e padronização para encontrar o caminho, são ainda mais afetados.

Depende da estratégia

Os pesquisadores primeiro investigaram diferenças na matéria cinzenta do hipocampo de jogadores de videogames e de pessoas que nunca jogam videogames. Os jogadores foram entrevistados para determinar as estratégias que eles empregam para navegar no ambiente do jogo.

Pessoas que usam a estratégia de navegação espacial resolvem uma tarefa de realidade virtual em um labirinto aprendendo a relação entre objetos-alvo e marcos específicos no labirinto. Já aqueles que se baseiam na resposta usam contagem, padronização e memorização de uma série de ações para lembrar sequências específicas ao longo do caminho.

Os exames mostraram que os jogadores de jogos de ação habituais têm significativamente menos matéria cinzenta em seu hipocampo, principalmente aqueles que usam estratégias de resposta.

Por outro lado, depois de receberem treinamento, houve um aumento na matéria cinzenta dos participantes que usaram estratégias espaciais dependentes do hipocampo. O crescimento foi observado no hipocampo ou na área do córtex entorrinal, particularmente no grupo de controle que treinou em jogos de plataforma 3D, e não nos jogos de ação em primeira pessoa.

“Estes resultados mostram que os videogames podem ser benéficos ou prejudiciais ao sistema do hipocampo, dependendo da estratégia de navegação que uma pessoa emprega e do gênero do jogo,” disse West.

Melhorar habilidades cognitivas

Os resultados também sugerem cautela ao usar jogos de vídeo para melhorar habilidades cognitivas, como memória visual de curto prazo e atenção visual.

“Embora os tratamentos de treinamento cognitivo que dependam de videogames de ação possam promover melhores habilidades de atenção visual, estes resultados mostram que eles podem estar associados a uma redução na matéria cinzenta do hipocampo,” completou West.

Diário da Saúde

Beber café, mesmo descafeinado, aumenta expectativa de vida

Café

Aqui está outro motivo para começar o dia com uma xícara de café: As pessoas que bebem café vivem mais tempo. O consumo de café foi associado a um menor risco de morte devido a doenças cardíacas, câncer, acidente vascular cerebral, diabetes e doenças respiratórias e renais.

Partindo de uma população de centenas de milhares de pessoas e acompanhando-as durante quase duas décadas, as pessoas que consumiam uma xícara de café ao dia mostraram-se 12% menos propensas a morrer no período em comparação com aquelas que não bebiam café. Esta associação foi ainda mais forte para aquelas que bebiam de duas a três xícaras por dia – uma chance de morrer 18% menor.

E há outra novidade: A mortalidade menor mostrou-se presente independentemente de as pessoas beberem café comum ou café descafeinado, sugerindo que a associação não está ligada à cafeína. E talvez ainda mais importante: Todos estes resultados foram agora aferidos para a maioria dos grupos étnicos, incluindo afro-americanos, japoneses-americanos, latinos e brancos.

“Não podemos dizer que beber café prolongará sua vida, mas vemos uma associação. Se você gosta de tomar café, beba! Se você não é um bebedor de café, então você precisa considerar se você deve começar,” disse a professora Veronica Setiawan, da Universidade Sul da Califórnia (EUA).

Café é bom para todos

O estudo, publicado na revista médica Annals of Internal Medicine, utilizou dados do Estudo de Coesão Multiétnica, um esforço colaborativo entre o Centro de Câncer da Universidade do Havaí e a Faculdade de Medicina da USC envolvendo mais de 215 mil participantes. Uma das grandes novidades deste estudo foi atestar os resultados para várias etnias.

“Até agora, poucos dados estavam disponíveis sobre a associação entre consumo de café e mortalidade em não-brancos nos Estados Unidos e em outros lugares,” escreveram os pesquisadores. “Essas investigações são importantes porque os padrões de estilo de vida e os riscos de doenças podem variar substancialmente em diferentes origens raciais e étnicas, e os resultados em um grupo podem não se aplicar necessariamente a outros”.

Como a associação foi registrada em quatro etnias diferentes, Setiawan e seus colegas afirmam que agora é seguro dizer que os resultados se aplicam a todos os grupos.

Diário da Saúde

O que e como serei quando envelhecer

Como serei quando envelhecer

Na década de 60, os Beatles lançaram a música When I’m 64 – Quando eu tiver 64 anos de idade, em tradução livre -, com a letra escrita do ponto de vista de um jovem para a sua amada, falando dos seus planos de envelhecer com ela e também sobre saber se o amor verdadeiro ainda estaria ao seu lado quando ele estivesse mais velho – depois de ter perdido seus cabelos e não ter mais ousadia a não ser para tricotar um suéter.

Pesquisadores da Universidade de Michigan, nos EUA, decidiram fazer uma série de testes, questionários e experimentos com voluntários sobre o assunto. A conclusão geral é que a resposta para as questões do jovem apaixonado vão depender inteiramente dele, já que sua saúde e a saúde da sua amada podem ser ditadas pelas percepções do próprio envelhecimento.

“Crenças sobre o próprio envelhecimento são compartilhadas em casais, e essas crenças, além das convicções individuais, servem como previsões do futuro da saúde. Experiências individuais, tanto dos maridos quanto das esposas, em relação a atividades físicas e a doenças, são importantes para as crenças compartilhadas no presente e no futuro da saúde funcional,” detalhou a professora Shannon Mejia.

Em outras palavras, casais que tendem a ver o envelhecimento negativamente tendem a se tornar menos saudáveis e menos ativos do que casais que veem o envelhecimento positivamente – outros estudos já haviam mostrado que um conceito negativo sobre o envelhecimento piora a memória e a audição.

Cuidar da saúde e do envelhecimento

Como serei quando envelhecer

O assunto também foi abordado do ponto de vista ativo, e o que se verificou é que a autopercepção sobre o envelhecimento afeta se a pessoa cuida ou não da saúde em tempo hábil. Quanto mais negativamente uma pessoa visualiza seu envelhecimento, maior a chance de ela atrasar a busca por cuidados com a saúde e encontrar barreiras para procurar esses cuidados.

Esta associação entre autocontrole negativo do envelhecimento e atraso para cuidar da saúde persistiu mesmo após terem sido ponderados os fatores mais comuns para o retardamento dos cuidados com a saúde, como nível socioeconômico baixo, falta de seguro saúde e condições crônicas de saúde.

“Enquanto muitos estudos se concentram nos obstáculos financeiros e estruturais para cuidar da saúde, também é importante considerar como fatores psicossociais, emocionais e cognitivos estão afetando as decisões dos idosos na hora de buscar cuidados médicos,” disse a pesquisadora Jennifer Sun.

Outras conclusões dos estudos mostraram que as pessoas que experimentam a discriminação etária se sentem menos positivas sobre o seu próprio envelhecimento. E, conforme as pessoas envelhecem, sua tendência explícita em falar sobre as pessoas mais velhas melhora à medida que envelhecem, mas sua tendência implícita – como se sentem internamente sobre os companheiros mais velhos – se tornava mais negativa à medida que envelheciam.

Diário da Saúde

Devo retirar os dentes do siso se eles não estão doendo?

Dente do siso

Você deve retirar seus dentes sisos mesmo se eles não estiverem lhe causando dor? Há muita polêmica sobre este assunto, e mesmo os dentistas não conseguem chegar a um consenso. Por isso, o Dr. Hossein Ghaeminia, cirurgião bucal e maxilofacial da Universidade de Radboud (Holanda), decidiu adotar uma abordagem alternativa e verificar quais são os riscos de complicações ao se remover um dente do siso.

A ideia era verificar se a abordagem “extrair para evitar eventuais complicações futuras” não estaria trocando o duvidoso pelo certo, ou seja, um dano imediato em troca de um problema que poderia nunca ocorrer.

Análise caso a caso

O Dr. Ghaeminia começou realizando uma revisão sistemática do que já foi pesquisado neste campo, isto é, verificando todas as publicações científicas sobre o assunto. Como não encontrou provas suficientes para chegar a uma conclusão, ele realizou seus próprios experimentos.

A conclusão geral é não há uma resposta definitiva para a pergunta “Devo extrair meus dentes do siso que não causam dor” porque cada paciente deve ser considerado individualmente – o que pode causar complicações para um paciente não necessariamente irá incomodar outro.

“Por um lado, a intervenção cirúrgica é acompanhada por um risco de complicações, como infecções e danos ao nervo sensorial dos lábios e do queixo. Por outro lado, deixar um dente do siso sem problema no lugar pode, eventualmente, levar a mais danos aos dentes vizinhos,” explicou Ghaeminia.

Água filtrada em vez de antibiótico

Em termos estatísticos, a complicação mais frequente após a remoção de dentes do siso é a infecção. Ghaeminia então examinou quais fatores contribuem para o risco de infecção: “Pessoas com 26 anos ou mais e mulheres correm maior risco de infecção, mas fumar também parece ser um fator de risco”.

Ele também analisou se a infecção poderia ser prevenida simplesmente lavando a cavidade que continha o dente com água pura, como alguns dentistas alegam. De fato, ele comprovou a eficácia da medida.

“Em comparação com outras opções, como antibióticos, enxaguar com água filtrada é uma maneira relativamente barata e simples de prevenir a infecção após a remoção do dente. Os pacientes também podem fazer isso em casa,” recomendou Ghaeminia.

Diário Saúde

Limpar as mãos: água fria, água quente ou muito sabão?

Lavar as Mãos

É muito certo que lavar as mãos evita que espalhemos germes e fiquemos doente.

Mas sempre houve uma crença de que a água quente seria mais capaz de remover as bactérias do que a água fria. É mais um mito que cai por terra, um mito eventualmente criado pela sensação mais agradável que é lavar as mãos em uma água não muito fria.

“As pessoas precisam se sentir confortáveis quando estão lavando as mãos, mas em termos de eficácia [em remover bactérias], este estudo nos mostra que a temperatura da água utilizada não importa,” garante o professor Donald Schaffner, da Universidade Rutgers (EUA).

Água, sabão e esfregação

A Importância de Lavar as MãosPara chegar a essa conclusão, a equipe despejou altos níveis de bactérias inofensivas nas mãos de 21 voluntários, várias vezes ao longo de um período de seis meses. Em cada caso, eles a seguir lavavam as mãos em água com temperaturas de 15º C, 26º C ou 38º C, usando 0,5 ml, 1 ml ou 2 ml de sabão.

Curiosamente, nem o aumento da temperatura da água e nem um maior volume de sabão influíram significativamente na eliminação das bactérias. O que realmente fez a diferença foi lavar as mãos, esfregando uma na outra sob a água, por pelo menos 10 segundos.

“Embora não haja diferença entre a diversas quantidades de sabão utilizadas, é necessário estudar mais para entender exatamente quanto e o tipo de sabão necessário para remover micróbios nocivos das mãos,” disse Jim Arbogast, coautor da pesquisa. “Isso é importante porque a maior necessidade de saúde pública é aumentar a lavagem das mãos ou a desinfecção das mãos por trabalhadores na área de alimentos e pelo público antes de comer, antes de preparar os alimentos e depois de usar o banheiro.”

Recomendações

A agência de saúde norte-americana (FDA) tem entre suas diretrizes atuais a recomendação de que estabelecimentos que forneçam alimentos e restaurantes disponibilizem água a 38º C para lavagem das mãos. Este estudo não dá suporte a essa recomendação.

Os resultados foram publicados na edição de junho do Journal of Food Protection.

Diário Saúde

Falta de vitamina D na população por excesso de protetores solares

Vitamina D

Os resultados de uma revisão clínica publicada no Jornal da Associação Osteopática Norte-Americana revelam que quase 1 bilhão de pessoas em todo o mundo podem ter níveis deficientes ou insuficientes de vitamina D devido a doenças crônicas e à exposição solar inadequada relacionada ao uso de protetores solares.

“As pessoas estão gastando menos tempo lá fora e, quando saem, costumam usar protetor solar, o que basicamente anula a capacidade do organismo de produzir vitamina D,” disse o professor Kim Pfotenhauer, da Universidade Touro. “Embora queiramos que as pessoas se protejam contra o câncer de pele, há níveis saudáveis e moderados de exposição desprotegida ao Sol que podem ser muito úteis para aumentar a vitamina D.”

O Dr. Pfotenhauer afirma também que doenças crônicas, como diabetes tipo 2 e aquelas relacionadas à má absorção, incluindo doença renal, doença de Crohn e doença celíaca, inibem a capacidade do corpo para metabolizar a vitamina D a partir de fontes alimentares.

Insuficiência ou deficiência de vitamina D

A vitamina D – na verdade considerada um hormônio, e não exatamente uma vitamina – é produzida quando a pele é exposta à luz solar. Existem receptores de vitamina D em praticamente todas as células do corpo humano. Como resultado, ela desempenha um amplo papel nas funções do organismo, incluindo a modulação do crescimento celular, neuromuscular e da função imunológica, e a redução da inflamação.

Os sintomas de insuficiência ou deficiência de vitamina D incluem fraqueza muscular e fraturas ósseas. Pessoas que apresentam esses sintomas ou que têm doenças crônicas que sabidamente diminuem a vitamina D devem ter seus níveis verificados e, se forem baixos, discutir opções de tratamento. No entanto, o rastreio universal não é necessário e nem prudente na ausência de sintomas significativos ou de doenças crônicas, dizem os responsáveis pela meta-análise, que reavaliou todos os estudos científicos disponíveis até o momento.

A boa notícia é que aumentar e manter níveis saudáveis de vitamina D pode ser tão fácil quanto passar de 5 a 30 minutos ao Sol duas vezes por semana. O tempo apropriado depende da localização geográfica de uma pessoa e da pigmentação da pele – peles mais claras sintetizam mais vitamina D do que peles mais escuras. É importante não usar protetor solar durante essas sessões porque fatores de proteção solar iguais ou maiores do que 15 diminuem a produção de vitamina D3 em até 99%.

“Você não precisa ir tomar banho de sol na praia para obter os benefícios,” disse o Dr. Pfotenhauer. “Uma simples caminhada com braços e pernas expostos é suficiente para a maioria das pessoas.”

Apesar de inúmeros estudos recentes mostrarem que a vitamina D tem mais benefícios do que se imaginava e que os benefícios de tomar Sol superam o risco de câncer de pele, está difícil contrapor o bom-senso a uma divulgação exagerada do uso de protetores solares. Mas parece valer a pena.

“A ciência tem tentado encontrar uma correspondência um-para-um entre os níveis de vitamina D e doenças específicas,” disse o Dr. Pfotenhauer. “Dado o papel geral da vitamina D no corpo, eu acredito que a vitamina D em níveis suficientes tem mais a ver com a saúde geral.”

Atualmente, a insuficiência de vitamina D no organismo é definida como entre 21 e 30 ng/ml (nanogramas por decilitro) e a deficiência é considerada abaixo de 20 ng/ml.

Fonte: Diário Saúde

Como detectar e lidar com risco de suicídio entre adolescentes

Suicídio entre adolescentes - Cenas do seriado 13 Reasons Why

Sentimentos de desesperança podem surgir em conversas, então considere que o adolescente possa estar falando sobre sua vida.

A nova série do Netflix “13 Reasons Why” segue uma estudante colegial que acaba com a sua vida, através do suicídio, após uma série de eventos adolescentes traumáticos, mas comuns. O personagem principal, uma jovem de 17 anos, libera uma série de gravações de áudio que detalham as circunstâncias que antecederam sua morte.

A série de ficção, baseada em um romance adulto jovem de 2007, foi amplamente criticado e discutido nos meios de comunicação, entre pais e profissionais de saúde mental e pelos jovens. Alguns dizem que o programa glorifica o suicídio. A cantora e atriz Selena Gomez, produtora executiva do show, que tem ela própria lutado contra a depressão, diz que a série era mesmo para provocar uma discussão realista.

Ainda assim, “é difícil evitar o sensacionalismo sobre o suicídio,” diz Meg Jennings, da Universidade de Michigan (EUA), que é especialista em suicídios de adolescentes. Ela explicou alguns dos sinais de alerta para que os pais e amigos fiquem atentos.

Sinais de alerta para o suicídio

Sentimentos de desesperança podem surgir em conversas, então considere que o adolescente possa estar falando sobre sua vida. Se perceber que o jovem está se sentindo sobrecarregado só de pensar em viver, é hora de buscar ajuda, diz Jennings.

Outro sinal sugestivo é o pensamento polarizado ou distorcido – em outras palavras, a crença de que as coisas são apenas preto ou branco, bom ou ruim, tudo ou nada. O interesse em atividades favoritas pode desaparecer. Esses adolescentes também passam a sofrer de insônia, bem como ansiedade ou pânico.

Outros sinais incluem comportamento imprudente, agressividade, aumento do uso de álcool ou drogas, visitas a entes queridos para se despedir, ou dar embora objetos pessoais de valor.

“Ao avaliar o risco, é importante saber quão impulsiva essa pessoa é. Ela está se comportando irresponsavelmente? Por exemplo, alguém chateado com os pais pode abrir a porta do carro e tentar sair do veículo, enquanto está em movimento,”, diz Jennings.

A necessidade de vigilância

Alguém que é potencialmente suicida vai falar sobre a morte e sobre não ter razões para viver. O indivíduo pode se ver como um fardo enorme, fazendo comentários como, “Quando eu me for, as coisas vão melhorar para todo mundo.”

A pessoa pode ter uma dor tão insuportável, que não vê esperança para o futuro. Muitas vezes, aqueles que pensam em suicídio sentem que continuar a viver é uma realidade esmagadora ou insuportável.

Mas essa perspectiva também pode mudar.

“Às vezes, se alguém com este perfil está de bom humor pode ser porque já decidiu se suicidar,” alerta Jennings. “É uma boa ideia ficar atento se você interagiu com alguém que estava se sentindo profundamente inútil apenas alguns dias antes”.

É preciso agir imediatamente se a pessoa está falando sobre um plano específico para acabar com sua própria vida, acrescenta Jennings.

Como intervir

Não ignore os sinais. Isto não é o comportamento normal de um adolescente, diz Jennings. Coloque a pessoa em contato com um profissional de saúde mental e, sendo da família, agende uma avaliação. Fale para esse adolescente que você se importa com ele e deseja obter suporte. Não dê sermões.

A necessidade de orientação profissional funciona dos dois lados, diz a especialista: “Os pais precisam lembrar que eles provavelmente vão precisar de apoio também. É muito estressante conviver com um adolescente suicida. Procure ajuda para si mesmo, assim que for possível”.

Enquanto isso, crie um espaço seguro para o adolescente conversar sobre essas questões. É normal para os adolescentes sentirem medo ou até mesmo ficarem zangados. É importante apoiar esse adolescente e dizer que você entende o quão sem esperança ele ou ela está se sentindo, finalizou Jennings.

Fonte: Diário Saúde