Diretrizes para a edição e melhores práticas no Swarm

Check-ins do dcvitti no Swarm

Swarm é um aplicativo do Foursquare para ralização de check-ins, maior rede mundial do segmento, que permite descobrir onde seus amigos estão de forma rápida, através da geolocalização. Com ele, o usuário pode fazer check in em um estabelecimento e ver quais dos seus contatos estão passando pela mesma região – ideal para marcar um encontro, por exemplo.

Sou um usuário da rede há muito tempo e uso com frequência o aplicativo e irei compartilhar algumas informações sobre o bom uso da ferramenta para que possamos ajudar a construir e manter um banco de dados de lugares incríveis! Seguem algumas diretrizes e melhores práticas:

Visão geral

  • Mantenha a mente aberta e não tenha pressa quando estiver editando! Regra geral: os lugares são considerados legítimos quando usuários costumam fazer check-in lá, e o mesmo não afeta negativamente as experiências das pessoas no Foursquare.
  • Conheça outros entusiastas e superusuários do Foursquare em sua vizinhança! Desenvolva uma comunidade local de experts e crie orientações de edição relevantes para sua cidade e país. Se você for um expert e conhecer alguém que não esteja familiarizado com as regras, ensine-as!
  • Seja educado! Lembre-se de que compartilhamos o mesmo objetivo: garantir que todos os estabelecimentos no Foursquare tenham informações precisas e detalhadas.

Noções Básicas

Lugares bons
Lugares verdadeiros. Lugares de encontro. Lugares que já contam com uma categoria Foursquare. Lugares onde as pessoas gostam de fazer check-in. Um exemplo que como atualizar os seus check-ins?

  • Ok: Terminal 4
  • Não Ok: “Estou dentro de um avião!”
  • Ok: Sede da Globo
  • Não Ok: “Trabalhando o dia todo”

Lugares privados
Lares só podem ser editados por quem criou o lugar no Foursquare. Certifique-se de que os lares estejam devidamente categorizados como Residência → Lar (privado). Clique em ‘Relatar um problema’ para denunciar loais incorretamente classificados como sendo Lares.

Lugares duplicados
Bandeira exata duplicar locais (mesmo nome, mesmo endereço). Não marque um lugar como sendo duplicado se for um lugar distinto que se encontra dentro de outro estabelecimento.

Dicas profissionais

Algo chamou sua atenção? Informe-nos
Você viu algo estranho ou errado? Você pode relatar problemas encontrados nos locais ao clicar em ‘Informar um problema’ em qualquer página da web. Usuários que fazem check-in ilegitimamente nos locais? Informe-nos ao enviar um pedido de ajuda. Dicas ou fotos inapropriadas? Você pode denunciá-las aqui.

A relevância é chave
Se você tiver dúvidas sobre se deve fechar um lugar ou não, basta avaliar se o conteúdo da página (dicas, fotos) permanece relevante e útil para os outros. Por exemplo, se seu escritório foi fechado e transferido para um novo local, as antigas dicas sobre qual o melhor estacionamento a usar não são mais relevantes. O mesmo vale para festivais/eventos que já foram encerrados.

Lembre-se de que as suas edições afetam o histórico e a experiência de check-in das pessoas
É auto-explicativo. Edite locais com base em nossas diretrizes e não em opiniões pessoais.

Faça perguntas!
Converse com as pessoas em nossos fóruns! Desenvolva consenso ao conversar sobre e ouvir novas ideias, avaliar as preocupações das pessoas e chegar a um acordo comum. Veja como a comunidade editor do Wikipedia chegam a um consenso aqui.

Recursos

Foursquare

Anúncios

Saiba qual é o guia de estilo para adicionar e editar lugares no Swarm

Foursquare Swarm

Compartilhamos aqui mais um tutorial de boas práticas de uso no Swarm, aplicativo de check-ins do Foursquare, maior rede de geolocalização da rede. Aqui você aprenderá qual é o guia de estilo para adicionar e editar lugares no Swarm. Vamos ao tutorial!

Visão global

  • Sempre use ortografia e capitalização correta. (Não tenho certeza sobre alguma coisa? Olhe-se!)
  • Mais importante ainda, por favor formatar endereços de acordo com as diretrizes postais locais sua cidade / país / região.
  • Seja flexível e de mente aberta: lembre-se que haverá excepções a estas regras. Concentre-se em fornecer informação completa e correta para tantos lugares quanto possível. O resto da comunidade Foursquare será obrigado!

O básico

  • Tente evitar ou informação extra, desnecessário, redundante.
    1. Exemplo 1: Você não deve precisar de incluir informações de localização em um nome de lugar
      1. Certo: “Starbucks”
      2. Não está bem: “Starbucks – Springfield” (Springfield já está listado como a cidade e se torna desnecessário)
    2. Exemplo 2: Se um lugar está localizado na esquina da Main St e 2nd St, a rua transversal não deve repetir a informação de endereço.
      1. Certo: “Main St (at 2nd St)”
      2. Não está bem: “Main St (Main St e 2nd St)” – Main St é redundante.
  • Quando possível, ficar com abreviaturas de endereços: “Rd” em vez de “Estrada”, “Av” em vez de “Avenida”, “St” em vez de “Street/Rua”, etc.
    1. Não abreviar o início de um endereço:
      1. Certo: “Highway/Rodovia 54” ou “Route/Rota 31”
      2. Não está bem: “Hwy 54” ou “Rte 31” (essas abreviações são mais difíceis de ler)
  • As ruas transversal deve ser abreviado como um dos seguintes procedimentos:
    1. na Main St (para lugares em um canto)
    2. btwn 2nd & 3rd Ave (para lugares localizados entre duas ruas)
  • Nomes de estado devem ser abreviados os EUA, no Brasil por extenso, embora se sentir livre para omitir esse campo nos países em que estados/províncias não são usados.
  • As categorias devem ser útil e aplicável. A primária determina o ícone do lugar e deve ser a categoria mais precisas.
  • Sub-lugares deve usar um nível adequado de granularidade ao escolher o lugar para ser marcado como contendo. Em aeroportos, lojas deve geralmente ser considerados como dentro de terminais, com os terminais consideradas como dentro do próprio aeroporto. Não há cidades, estados, países ou outras entidades geopolíticas deve ser feita uma sub-lugar.

Dicas profissionais

Foursquere

As dicas do Foursquare

Swarm

Dicas são notas públicas que você deixa em um lugar para deixar os outros usuários do Foursquare saber sobre uma experiência que recomendo (ou recomendar ser evitado), tais como: “Obter o off-menu caramelo milk-shake” ou “Fique longe durante a corrida do café da manhã Você”, “obter um melhor serviço depois das 11”! Pense dicas como um pedaço de conhecimento interno você compartilhar com um amigo para fazer a sua experiência em um lugar favorito que muito melhor.

Para adicionar uma dica
Vá para uma página local no aplicativo móvel e toque no botão ‘deixar uma gorjeta’, e escrever um pequeno pedaço de sabedoria (e upload de uma foto!) Para deixar para trás para os futuros visitantes. A aba History mostra uma lista dos lugares que você visitou, concedendo-lhe acesso fácil para deixar ótimas dicas de lugares que você quer que os outros saibam sobre.

Para editar uma dica
Encontrar a dica que você deseja alterar e clique no botão “Editar”. Agora, você só pode editar dicas através da web e não o aplicativo móvel, exceto no caso de adicionar uma foto a uma ponta no aplicativo.

Para excluir uma dica
Toque até o detalhe da ponta, em seguida, role para baixo e toque em “Apagar esta dica. Na web, clique na data / hora na ponta, e clique em “Excluir”.

Dica votação

Upvoting
Uma dica significa que você concorda com, ou como, a ponta em questão. Se você amou as batatas fritas de queijo com molho de que alguém escreveu uma dica sobre, vá em frente e dar esse otário uma upvote.

Downvoting
Uma dica deve ser reservado para conteúdo desatualizado ou ofensivo. É a senha Wi-Fi não está correta? Será que o local onde se encontra já não servem tempura o bacon? Foi a ponta-leaver realmente desagradável e construtiva sobre a sua experiência? Downvote distância.

Por favor, não downvote uma dica porque alguém escreveu sobre o seu cocktail favorito que acontecer de você não gosta. Downvotes deve ser reservada para abordar dicas que não são úteis. Depois de ter downvoted uma dica, vamos pedir-lhe para fornecer mais informações sobre por que você fez isso.

Todas as dicas que você escreve (e as fotos anexadas a eles) poderão ser vistos pelo público. Por favor, mantenha isso em mente sempre que você escolher para deixar uma dica!

Regras de bom uso para realização de check-ins no Swarm

Check-in épico do dcvitti - maior pontuação num só check-in realizado no Swarm

É o seguinte: a Foursquare é ótima. Então ajude-nos a continuar assim ao seguir as nossas simples Regras da Casa desenvolvidas para (e por!) nossa comunidade.

Coisas boas

Encontre todos os seus amigos no Foursquare
O Foursquare fica melhor com seus amigos! Encontre amigos no aplicativo ou na web em foursquare.com/import. Envie solicitações de amizade somente para as pessoas que você conhece e com as quais você não se importa de compartilhar a sua localização. Não é certo enviar solicitações de amizade em massa para pessoas que você não conhece. Na verdade, isso não é nem um pouco certo, mas gostamos de manter atitudes positivas.

Adicione gritos e fotos aos seus check-ins
Os gritos acrescentam contexto e conversas ao lugar em que você está (é como a parte do “o que você está fazendo” de um check-in, p. ex., “Estou com a Thamy, Nina e Michele!” ou “Finalmente experimentando aquele hambúrger”). E fotos dão destaque aos seus check-ins.

Deixe dicas para os outros
Deixe dicas úteis em locais que você já conhece. Recomende o melhor prato em um restaurante (“Experimente o milkshake de gengibre com curry. Não está no cardápio, mas é muito bom!”) ou forneça outras informações privilegiadas (“Vai em um dia de semana para evitar fila”). Seria o mesmo tipo de informação útil que você daria a um amigo. Bônus: as pessoas vão ‘curtir’ as suas dicas – quanto mais curtidas tiver, mais a sua reputação como expert crescerá!

Crie listas
Adicione locais e dicas à sua lista de tarefas – isso ajuda você a lembrar do que fazer! E crie outras listas para mostrar tudo que você sabe de lojas de história em quadrinhos ou para compartilhar seus conhecimentos de nuggets de frango.

Escolha uma bonita foto de perfil
Uma boa foto ajuda os amigos a reconhecerem você quando forem enviar solicitações de amizade.

Use o Foursquare para aproveitar ao máximo o lugar onde você está
Se você está em uma nova área ou está decidindo para onde ir em sua cidade, abra o aplicativo Foursquare e navegue na guia Explore para descobrir aquele lugarzinho dos sonhos e ver respectivas dicas (“Experimente o sorvete de wasabi”! Você vai pirar!”). Basta tocar no ícone de busca para procurar o que saciará sua vontade, como “Restaurante mexicano”, “nachos” ou “tacos”.

Respeite as pessoas. Óbvio
Mantenha a comunidade do Foursquare positiva! Assediar as pessoas com fotos, dicas, listas, gritos ou lugares NÃO é legal. Portanto, seja simpático e respeitoso. Capisci?

Não é legal

Não gostamos quando você faz check-in em um local em que não está
A gente fica triste. Faça check-in somente quando você está no local (lembre-se: somente um check-in por dia em um determinado local conta para ganhar a prefeitura. Portanto, não há necessidade de fazer check-in mais de uma vez no mesmo local)! Se você fizer check-in muitas vezes em um pequeno intervalo de tempo, verá a mensagem de erro de check-in fogo rápido. Além disso, não faça check-in em lugares pelo mundo quando você não está lá. A gente sabe que você adora medalhas, mas somente dá prazer quando você as recebe de modo justo.

Não adicione locais no Foursquare que não existam
Um lugar no Foursquare deve ser um espaço social onde as pessoas realmente se encontram. Ah, e locais como Snowpocalypse (que são baseados em um evento temporário e real) são sociais e, portanto, permitidos! Está confuso? Bem, pensamos que se as pessoas estão curtindo fazer check-in em um determinado local e essa ação não está prejudicando ninguém, então este check-in e local é considerado legítimo. Exemplos do que não é para adicionar: estou em um avião, estou no trânsito, a sua mãe. Certifique-se de buscar por um local antes de adicioná-lo ao nosso sistema. Essa é a melhor maneira de evitar locais duplicados!

Não faça check-in na casa dos outros
A menos que eles sejam seus amigos e permitiram a você fazê-lo. Casas são lugares sensíveis, e o fato de pessoas que não são amigos fazerem check-in pode assustar o morador/proprietário. Lembre-se, não tem problema fazer check-in na sua própria casa! Se você categorizou um local como sendo sua casa, ela não vai aparecer nas pesquisas dos outros, mas irá aparecer se você buscá-la pelo nome (é por isso que você deve escolher um nome exclusivo para sua casa). E lembre-se: crie um local do Foursquare para a casa de outra pessoa somente se você tiver a permissão do morador/proprietário.

Não crie dicas ou qualquer outro conteúdo com linguagem imprópria ou negatividade dirigida a alguém
Eles serão excluídos! Além disso, ser agradável é melhor do que não ser.

Não envie spam!
Enviar spam com dicas, locais, fotos ou qualquer outra coisa não é correto. (O que é spam? Que bom que você perguntou. Spam é qualquer conteúdo, como links para sites que vendem software, contatos de corretores de imóveis, listagem de sua empresa ou outro tipo de promoção). Fazer upload de conteúdo semelhante para vários locais diferentes é considerado uma violação dos nossos Termos de Serviço e fará com que sua conta seja desativada. Dicas, locais, fotos etc. devem ser exclusivos do local a que são destinados e também úteis para os outros.

Não abuse das nossas marcas registradas
Na medida em que a empresa cresce, precisamos proteger nossas marcas registradas ou corremos o risco de perder todos os nossos direitos (lembra do que aconteceu com ‘gilete’ e ‘xerox’?). Dito isso, adoramos quando as pessoas criam comunidades vibrantes baseadas no Foursquare. Portanto, pedimos que você use ‘4sq’ em vez de ‘Foursquare’ ou ‘foursquare’ e, por favor, deixe claro que você ‘não é oficial’ e não é afiliado com a gente. Veja nossas Diretrizes de marca registrada para maiores detalhes.

Foursquare

Diga-me onde dá check-in e eu te direi quem és

Foursquare

Check-in no aeroporto é legal, afinal as pessoas vão ter a percepção que sou viajado, ocupado, entupido de milhas.

O ecossistema digital faz com que criemos novos hábitos, novas maneiras de nos relacionar e novas formas de habitarmos o mundo em que vivemos. Nesse sentido, usamos as redes sociais digitais para construir narrativas envolventes por meio de jogos discursivos e, com isso, obter a validação de terceiros sobre os conteúdos (emocionais ou não) que construímos em rede.

Aplicativos de geolocalização têm sido a grande vedete desse novo, inquieto e hesitante universo online que habitamos hoje em dia. Por meio desses aplicativos, como o Foursquare ou o Facebook, construímos narrativas e demarcamos o território que frequentamos. Afinal, o lugar onde vou comunica muito sobre quem sou, o que eu penso, minha forma de agir, ou até mesmo como eu quero que as pessoas me percebam no mundo.

O homem é um ser narcísico por natureza. Sempre foi. O ser humano adora um espelho. As pessoas têm pré-disposição a um certo narcisismo no ambiente em rede. Fato. Evidencia-se que na maioria das vezes, dão check-in em lugares transados, descolados, bonitos, atraentes e onde querem que seus “amigos” saibam que estão ou estiveram.

Check-in no aeroporto é legal, afinal as pessoas vão ter a percepção que sou viajado, ocupado, entupido de milhas, um homem de negócios. Check-in na rodoviária, nem pensar! Afinal a troco de quê vou querer que saibam que estou prestes a pegar um busão no nada atraente Terminal Rodoviário da Barra Funda. Is not cool!

Check-in no MoMa de Nova York, UAU! Demais! Além de descolado, antenado, o cara aprecia e adora artes, e está lá saboreando obras de Andy Warhol, Matisse, Monet e Marcel Duchamp. Agora, dar check-in no novo MAC (Museu de Arte Contemporânea de São Paulo), que recentemente inaugurou seu endereço no belíssimo prédio que ocupava o Detran-SP, no complexo do Parque do Ibirapuera, projetado por Oscar Niemeyer, em sua época mais áurea (entre Pampulha e Brasília), melhor não. Afinal, nunca fui a esse museu, nem sabia que existia e não entendo nada daquelas malucas instalações de arte contemporânea!

O local líder de check-ins na cidade de São Paulo é o Parque do Ibirapuera. É super maneiro fazer com que as pessoas saibam que estou no maior parque da cidade fazendo exercícios físicos, malhando e desestressando um pouco.

Há quem não obedeça o status quo e dê check-in apenas em lugares não tão prestigiados assim, como no restaurante Ragazzo, no Habib’s, no Shopping Interlagos, no Largo 13 de Maio ou nas Lojas Marisa. Eles não querem somente compartilhar com a turma que está nesses locais, mas justamente “tirar onda” da ferramenta e agir contra a massa. Apenas 30% das pessoas compartilham seus check-ins no Facebook ou Twitter. Os 70% dão check-in e o deixam apenas ao conhecimento dos amigos do Foursquare. O Facebook, logicamente, está percebendo a força e o ganho de audiência exponencial dessa mídia e tem aperfeiçoado sua funcionalidade para check-ins.

Eu sou usuário assumido dessas ferramentas pelo simples fato de que estudo e pesquiso tudo isso para entender como impactam as pessoas e como elas se relacionam entre si. Recentemente, dei meu milésimo check-in no Foursquare. Sim, já cliquei no “Check-in Here!” mais de 1000 vezes. Na ocasião, o Foursquare me mandou um e-mail agradecendo por tantos check-ins e me disponibilizando um código promocional, para que comprasse com desconto pelo site uma camiseta exclusiva da rede social.

Não pensei duas vezes para efetivar a compra. Além da camiseta, adquiri um pacotinho de adesivos, pagando cerca de 25 dólares por tudo. No entanto, o custo do frete foi de mais 30 dólares e tive o azar de ter minha compra retida na Receita Federal, tendo que pagar uma taxa de mais 80 reais para liberar o produto na aduana. Bem feito! Nisso que dá ser viciado nessas coisas.

Artigo de Marcos Hiller (@marcoshiller), professor da Trevisan Escola de Negócios

Ministério Público está de olho nas redes sociais

Ministério Público está de olho nas redes sociais

A tendência do contato do Estado com o público nas redes sociais é cada vez maior. Neste mês (julho), o Ministério Público do Estado de São Paulo passou a integrar as redes sociais na internet, com a criação de sua página oficial no Facebook e de perfil no Twitter.

Além da criação dos dois canais o Ministério Público de São Paulo vai intensificar a fiscalização da propaganda política na web. A alegação é de que alguns candidatos estão usando as páginas nas redes sociais para se promoverem, ação que é atualmente proibida.

A fiscalização ganha força também no nordeste. O procurador regional eleitoral do Piauí, Alexandre Assunção, orientou os promotores a monitorarem a propaganda eleitoral e aplicarem rigor na fiscalização da campanha para prefeito e vereador.

Segundo Alexandre Assunção, o Ministério Público Eleitoral vai ter equipes de monitoramento nas eleições para a propaganda e outros atos eleitorais que vão acompanhar a presença dos candidatos nas redes sociais.

O monitoramento da campanha nas redes sociais é novidade e não há regras muito claras sobre o que os candidatos podem ou não fazer em blogs e redes como Facebook, Twitter ou em redes de geolocalização como o FourSquare.

Alexandre Assunção reconheceu a questão da pouca de mão de obra especializada que o Ministério Público possui para trabalhar frente ao monitoramento geral e nas redes sociais, por isso, vai recorrer a Ordem dos Advogados do Brasil e outras entidades contando também com a população para fiscalizar as eleições.

Os 10 erros mais comuns na atuação das organizações sem fins lucrativos nas redes sociais

Escrito para a edição de junho de 2011 da revista Sucess Fundraising Magazine, coluna escrita trimestralmente. Texto traduzido para o português por nossos voluntários tradutores Ana Helena de Almeida, Eloisa Mota, Fabrício Tito Rosa e Milda Jodelis.

Nos últimos seis anos passei 50, 60 horas por semana utilizando o Twitter, Facebook, YouTube, Flickr, MySpace, LinkedIn e Foursquare para promover organizações sem fins lucrativos. Vi os primeiros adeptos do MySpace, em 2005, lançarem-se no centro das atenções nacionais e internacionais por meio das redes sociais e vi os retardatários que só começaram a brincar com o Facebook e o Twitter neste ano. A gama de organizações sem fins lucrativos que usam as redes sociais – e os subsequentes níveis de comprometimento – variam muito, assim como seus conhecimentos, realizações e, claro, o retorno sobre o investimento (ROI). Tenho literalmente “curtido”, “seguido” e “feito amizade com” mais de 100.000 entidades sem fins lucrativos. A verdade brutal, mas honesta – e espero que eu seja bem compreendido – é que a maioria das organizações sem fins lucrativos estão cometendo erros em sites de redes sociais que solapam diretamente seu ROI. É muito triste verificar que tantas organizações sem fins lucrativos estão utilizando os meios de comunicação social (com a melhor das intenções, é claro), mas não estão recebendo o treinamento de que precisam. Se sua organização está cometendo cinco ou mais dos 10 erros apontados a seguir provavelmente será necessário realizar um treinamento e um reexame de sua estratégia de participação nas redes sociais.

1. Usar um logotipo horizontal no avatar da organização

O avatar de uma organização sem fins lucrativos é sua identidade visual em sites de redes sociais e, com exceção dos grupos LinkedIn, todos os sites de redes sociais exigem um avatar quadrado. Infelizmente, muitas entidades sem fins lucrativos usam como avatar seus logos horizontais, resultando, obviamente, no corte das imagens. Será que alguma vez sua organização colocou em materiais impressos ou em seu site uma logo cortada, completamente destruída? Claro que não! No entanto, todos os dias, dezenas, senão centenas de milhares de organizações sem fins lucrativos, enviam mensagens para suas comunidades, em sites de redes sociais, com logos completamente destruídas. Loucura!

2. Postar mais de uma atualização diária no Facebook

Há muitas opiniões diferentes e apaixonadas sobre isso mas, na minha pesquisa e experiência, a postagem de mais uma atualização por dia, em média, no Facebook, tem um efeito negativo. As pessoas tanto começam a ignorar as atualizações – porque você está sempre em seus feeds de notícias – como a “esconder” você completamente. Acredito realmente que mais é menos no Facebook.

3. Não “seguir” em uma proporção de 1:1 no Twitter

Se o seu objetivo é ganhar muitos seguidores no Twitter, você deve “seguir” em uma proporção de 1:1. As pessoas estarão muito mais propensas a segui-lo se acreditarem que você vai segui-los em troca. E, quanto mais pessoas você segue, mais o avatar de sua organização fica espalhado por todo o Twitterverse. Além disso, as pessoas não podem mandar-lhe mensagens diretas no Twitter se você não as segue. Para muitos apoiadores e doadores que estão tentando dirigir-lhe uma mensagem é desagradável perceber que não podem fazer isso porque você não os segue.

Se você não quer “seguir” um monte de gente no Twitter por medo de que o volume de mensagens torne-se esmagador, você pode incluir aqueles que você quer ler regularmente nas listas do Twitter. Existem muitos benefícios em “seguir” em uma proporção de 1:1 e, infelizmente, menos de 1% das organizações sem fins lucrativos que estão no Twitter o fazem.

4. Não se inscrever no Programa Sem Fins Lucrativos do YouTube

(YouTube.com/entidades sem fins lucrativos ). A afirmação é auto-explicativa.

5. Não criar slideshows Flickr para contar a história de sua organização

Muitas vezes a história de sua organização sem fins lucrativos pode ser contada muito melhor através de imagens. Na Web, onde as pessoas são inundadas todos os dias por longos textos e mensagens, uma apresentação de slides visualmente atraente pode ser um alívio da sobrecarga de informações.

6. Não adicionar ícones das redes sociais em seu site

Hoje em dia os apoiadores e doadores esperam que sua organização esteja presente, no mínimo, no Facebook e no Twitter. Se eles visitam seu site e não encontram facilmente os links rápidos para suas comunidades de redes sociais, podem ficar frustrados e alguns podem até questionar sua credibilidade. Assim, coloque esses ícones em sua página inicial!

7. Ignorar páginas “Empresa” do LinkedIn

LinkedIn recentemente ultrapassou 100 milhões de usuários portanto é provável que sua organização já tenha uma página no LinkedIn Empresa. Encontre, reivindique, configure e promova essa página!

8. Não reivindicar suas páginas ‘Places’ no Facebook, Foursquare, Gowalla etc.

Se a localização é importante para sua organização – zoológicos, museus, postos de saúde, bancos de alimentos, por exemplo – e você ainda não reivindicou seu Facebook Page Places, Foursquare Venue Page e/ou Gowalla Spot Page, sua organização sem fins lucrativos está em situação precária e rapidamente vai ficar para trás. Sem dúvida!

9. Postar apenas o (chato) conteúdo de marketing

“Faça uma doação!” “Participe de nosso baile anual!” “Assine nossa petição online!” “Faça uma doação!” “Curta-nos Facebook!” “Siga-nos no Twitter!” “POR FAVOR faça uma doação!” Blá, blá, blá… desculpe, mas é a verdade. Se todas as ações de sua organização em sites de redes sociais são apenas ações de marketing, tenho certeza de que ninguém está prestando atenção e seu ROI está próximo de zero.

10. Não blogar

O blog é a cola que mantém a estratégia de mídia social estruturada e articulada. A Web Social é impulsionada por novos conteúdos e, se sua organização não publica regularmente novos conteúdos na Web, você vai ter dificuldade em conseguir ser “compartilhado” e retweeted. Organizações sem fins lucrativos que não são “compartilhadas” ou não são retweeted não estão se saindo bem na Web Social.

A publicação de artigos e notícias no site da organização não tem a mesma credibilidade ou efeito positivo dos blogs, porque os doadores e apoiadores em geral não podem comentar ou participar nessas notícias – o conteúdo é estático. Blogs foram a primeira mídia social, a original, e não utilizar blogs é um dos maiores erros que uma organização sem fins lucrativos pode fazer hoje na Web Social.

Finalmente, se for estrategicamente projetado, seu blog vai fazer crescer a lista de envio da e-newsletter e de comunidades em sites de redes sociais mais rapidamente do que qualquer outra ferramenta disponível hoje. De verdade. Bloging é a peça que falta na maioria das campanhas em medias sociais.

Fonte: Nonprofit