O Google Map Maker já era, foi desativado e está no cemitério virtual do Google

Google Map Maker World

Todos os anos, o Google realiza uma ‘faxina’ entre os seus produtos e serviços, aposentando, aqueles que não mais se encaixam nos propósitos da empresa. E o site norte-americano Slate criou um cemitério interativo onde os internautas poderão enviar flores e mensagens para os ‘falecidos’ serviços da gigante da internet, o “Google Graveyard” cemitério do Google, em tradução livre.

O Google Map Maker foi oficialmente desativado no dia 31 de março de 2017, e muitos dos recursos dele serão integrados ao Google Maps.

Desde 2008, a comunidade do Google Map Maker editou e moderou milhões de elementos com o intuito de melhorar a experiência no Google Maps. Para facilitar que todos os usuários do Google Maps contribuam com alterações do mapa, começamos a migrar as funcionalidades do Map Maker para o Google Maps em computadores e dispositivos móveis.

Os principais recursos de edição atualmente disponíveis no Google Maps são:

Google Map Maker LogoSegundo a gigante da internet, o Google continuará adicionando novos recursos de edição ao Google Maps regularmente.

Se você quiser continuar compartilhando seu conhecimento local no Google Maps e interagir com uma comunidade dedicada de pessoas com interesses iguais aos seus, participe do programa Local Guides. Nele, você poderá:

  • Acumular pontos;
  • Ganhar recompensas pelo envio de edições e outras informações; e
  • Receber acesso antecipado a novos recursos do Google Maps.

Para mais informações, acesse o Local Guides Connect, onde nós continuaremos postando atualizações sobre o lançamento de novos recursos no Google Maps.

Fonte

Anúncios

Como viver sem o Google? Simples, remova o Google de sua vida! Sim, isso pode ser feito

Google no aniversário de #DialisonCleberVitti #28022018

Remover o Google de sua vida? Sim, isso pode ser feito!

Google rastreadores foram encontrados em 75% dos principais milhão de sites. Isso significa que eles não estão apenas seguindo o que você procurar, eles também estão rastreando os sites que você visita e usando todos os seus dados para anúncios que seguem você em torno da internet. Os seus dados pessoais também podem ser intimado por advogados, inclusive para casos civis como o divórcio. Google respondeu mais de 100.000 tais solicitações de dados, só em 2016!

Mais e mais pessoas também estão percebendo o risco de depender de uma empresa para tantos serviços pessoais. Se você está se juntando às fileiras de pessoas que já decidiram coleta de dados do Google tornou-se muito invasivo, aqui estão algumas sugestões para a substituição com custo de comutação mínima. A maioria são livres, embora mesmo aqueles que são pagos valem a pena – o custo de não mudar é um custo para a sua privacidade pessoal, e a boa notícia é que temos uma escolha!

Google Search -> DuckDuckGo (grátis)

Vamos começar com o mais fácil! Mudar para DuckDuckGo não só mantém suas pesquisas privado, mas também dá-lhe vantagens adicionais, como nossos atalhos estrondo, acessível Instant Answers e sabendo que você não está preso em uma bolha de filtro.

Gmail, Calendário e Contatos -> FastMail (pago)

Hospedamos @ duckduckgo.com endereços em FastMail, um serviço independente, paga que também inclui calendário e contatos apoiar em todos os dispositivos. Há também várias maneiras de obter e-mail criptografado entre partes confiáveis por integrar ferramentas de criptografia PGP. Mesmo mais privado alternativas de e-mail são ProtonMail e Tutanota , ambos dos quais oferecem criptografia end-to-end por padrão.

YouTube -> Vimeo (livre com opções pagas)

Para os vídeos que estão somente no YouTube (infelizmente, muito), você pode procurar e assisti-los em DuckDuckGo para uma melhor proteção da privacidade através do domínio “youtube-nocookie” do YouTube. Se você estiver criando e hospedagem de vídeo-se, no entanto, Vimeo é a alternativa mais conhecido que incide sobre os criadores.

Google Maps -> Mapas da Apple (gratuito), OpenStreetMap (grátis)

Para os usuários do iOS, a Apple dá-lhe uma alternativa construída em via Mapas da Apple, por isso nenhuma instalação é necessária. Para suporte a dispositivos mais amplo, veja OpenStreetMap (OSM), que é mais aberto, embora possam não ter a mesma facilidade de utilização ou da qualidade de cobertura de mapas da Apple.

Google Drive -> Resilio sincronização (livre com opções pagas)

Outro serviço que usamos internamente, Resilio Sync, fornece sincronização de arquivos peer-to-peer que pode ser usado para a armazenagem privada de arquivos, backup e compartilhamento de arquivos. Isso também significa que seus arquivos nunca são armazenados em um único servidor na nuvem! O software está disponível para uma ampla variedade de plataformas e dispositivos, incluindo servidores.

Android -> iOS (pago)

A alternativa mais popular para Android é de iOS curso, que oferece criptografia de dispositivo fácil e mensagens criptografadas via iMessage por padrão. Temos também dicas para aumentar a proteção de privacidade no seu iPhone ou iPad.

Google Chrome -> Safari (gratuito), Firefox (gratuito), Bravo (grátis)

Safari foi o primeiro navegador grande para incluir DuckDuckGo como uma opção de pesquisa privada built-in. Um navegador compatível mais cross-dispositivo é o Firefox, da Mozilla, um navegador open source com um bloqueador de rastreador built-in no modo privado. Admirável vai um passo além com bloqueio rastreador ativado por padrão. Há também muitos outros navegadores que vêm com DuckDuckGo como uma opção de built-in.

Blogger -> Santo (pago), WordPress (livre com opções pagas)

Santo é tanto uma hospedado (pago) e uma plataforma de blogging auto-instalável, por padrão e gerido por uma fundação sem fins lucrativos livre-tracker. Nós gostamos tanto que usá-lo para o nosso próprio blog ! Uma alternativa livre é WordPress, alimentando cerca de 25% dos sites do mundo. Também está disponível tanto para auto-instalação e como um serviço hospedado, sem trackers de terceiros por padrão. A comunidade é enorme, com uma extensa documentação multilingue e muitos temas para escolher.

O Hangouts do Google -> Zoom (livre com opções pagas), appear.in (livre com opção paga)

Zoom é uma alternativa de vídeo chat robusta usamos internamente que funciona bem mesmo para um grande número de participantes, embora requer software a ser instalado. Uma alternativa web somente é appear.in que não requer uma conta – basta ir ao site para abrir uma sala de chat e você está pronto.

Google Allo -> Signal (grátis)

Existem vários serviços que oferecem mensagens privada, mas, como já mencionado anteriormente, sinal recebe a nossa recomendação. Ele oferece, end-to-end encryption livre para ambas as mensagens e chamadas privadas. É também recomendado por Edward Snowden e renomado especialista em segurança Bruce Schneier, entre outros.

Como você pode ver, afastando-se Google não precisa ser difícil. Na verdade, você pode achar que você preferir as alternativas ao mesmo tempo, cada vez melhor privacidade!

Orgulhosamente DuckDuckGo

Assinatura de Dax

 

Google Maps manda Ilhota lá pro Baú Central

Ilhota Google Maps

Era só o que me faltava! Google golpeando Ilhota nos resultados de pesquisa no mapa.

Na época do prefeito Daniel Bosi a geolocalização de #Ilhota, quando pesquisado em alguns dispositivos com base no banco de dados do Google (maior do mundo), era direcionado certinho no centro da cidade, ali no morro da igreja católica. Agora, depois que o Dida Oliveira assumiu o cargo, ao pesquisar “Ilhota” no Google Maps dá lá no Bau Central.

Nada contra o povo do Baú, nem da galera da margem esquerda, eles são de ilhotenses sim, e merecem todo meu respeito e seus logradouros deveriam estar no Street View, mas não estão pela dificuldade da região e não esta contemplado no perímetro urbano. A questão aqui é que prejudicial pra muita gente, principalmente para quem não é da cidade e precisa incluir “Ilhota” no GPS, por que até então Ilhota não estava no mapa (maior gozação do mundo).

Aí um fulano de tal digita “Ilhota” no aparelhinho do GPS, embarca no carro pra com destino a Ilhota comprar calcinha (ou sei lá o quê) e vai parar lá no Baú. Olha só os transtornos. Sorte é que já existe a ponte!

Na primeira gestão do prefeito Ademar Felisky, Ilhota dava lá na BR-470, pior ainda.  Com essas informações distorcidas e quem não entendia da navegação, a pessoa vinha pela BR-470 e caia ali na balsa, maior dor de cabeça e depressão ao viajante que visitava Ilhota.

Então! Fomos um dos poucos que enviou milhões de e-mails e feedbacks para o Google Maps corrigir o erro, e deu certo. Agora, não sei o que dizer, nem o que fazer. Acho que o Google não gosta de Ilhota, ou do prefeito #SóAcho

A Nikonzeira Erika Muniz será uma das palestrantes da Semana da Fotografia

A Nikonzeira Erika Muniz será uma das palestrantes da Semana da Fotografia

Completamente apaixonada por fotografia e bebê, Erika ganhou sua primeira câmera aos oito anos e, desde então, se especializou em fotografar pessoas, sentimentos e emoções. Em 2009, estudou em uma das maiores escolas de fotografia de Nova York, a International Center of Photography. Já em 2011, em Fallbrook, na Califórnia, participou do curso de fotografia de recém-nascido com as renomadas fotógrafas Carrie Sandoval e Brittany Woodall do estúdio Baby As Art.

Erika Muniz é hoje, uma das grandes especialistas do Brasil em fotografar bebês, tanto recém-nascidos (newborn), como os de alguns meses. Quer conhecer mais sobre o trabalho dela? Acesse:www.erikamuniz.com/.

Serviço

Ilhota está no mapa… e no Google Street View também!

Casa do dcvitti no Google Street View da rua Modesto Vargas

Sábado estava navegando de bobeira como de costume pela internet e percebi algo que mudou minha vida, pra melhor. Estava eu indo buscar as coordenadas de localização no Google Maps de minha casa, onde estou com a intensão de vendê-la. Já sabia que a rua constava no endereço de geolocalização do Google, mas no Street View não.

“Meu, que massa… minha rua está no Google Street View” foi meu grito de alegria ao divulgar o link no facebook.

Pronto! Após esta postagens muitos outros andarilhos das redes sociais curtiram a publicação marota e começaram a pesquisar seus endereços, e deu certo. Alguns ainda comentaram que a menos de mês atrás andaram visitando o site, mas o serviço estava indisponível, portando, fomos os primeiros e anunciamos a boa nova. A foto, segundo consta na legenda do site, é de 2011, mas somente agora o portal disponibilizou o trajeto do carro nas ruas da cidade. Pena que nem todas as ruas estão no programa, mas o que importa com isso. Minha rua já está e isso é o bastante. Agora, Ilhota está no mapa

A guerra da mídia contra o “mais médicos”

206 médicos cubanos que atuarão na primeira etapa do programa Mais Médicos por meio de acordo entre o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) chegam ao Brasil.  Foto: Karina Zambrana - ASCOM/MS

A denúncia da médica Junice Maria Moreira, estampada na 1ª página da ‘Folha‘, da 6ª feira, foi só o primeiro fruto da colheita sôfrega, com a qual a mídia conservadora busca ansiosamente virar o jogo do ‘Mais Médicos’: ‘Disseram que eu tinha que dar lugar a um cubano’, disparou a doutora demitida pela prefeitura de Sapeaçu (BA). O programa, combatido com a beligerância habitual dedicada a tudo que afronte a irrelevância incremental do neoliberalismo, caiu na simpatia popular. É forçoso desmonta-lo. E a isso se oferecia o grito anti-cubano da doutora Junice. O fruto suculento vendido pela  ‘Folha’ no café da manhã ancorava-se em dupla farsa. A primeira: omite que o programa veta a substituição de médicos contratados, pelos visitantes. A segunda: alguns cliques no Google evidenciariam que a ‘grave denúncia’ era só mais uma baga podre do jornalismo que já cometeu falsificações toscas, com intenções sabidas, em outros momentos sensíveis. Basta acessar o serviço CNESNet da Secretaria de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde. Foi o que fez o professor André Borges Lopes. Associado ao nome da doutora Junice  surgem quatro vínculos empregatícios ativos. Dois deles de 40 horas no Saúde da Família. Outros dois de 24 horas cada como médico clínico. Total: 128 horas semanais, improváveis 18 horas e meia por dia, de segunda a segunda. Com um detalhe: os vínculos públicos são com prefeituras de três cidades diferentes do interior baiano (Murici, Queimadas e  Jiquiriçá). Segundo o Google Maps, distantes 357 km entre si, 4h40 de viagem.Pergunta: por que o diligente jornalismo da casa Frias não providenciou esses esclarecimentos, antes de disparar a exclamativa manchete da 6ª feira? Resposta: pelo mesmo motivo que publicou uma ficha falsa da Dilma em 2009.

O texto foi extraído da newslatter do Carta Maior recebido diariamente em meu e-mail. A foto foi extraída do Flickr do Ministério da Saúde onde 206 médicos cubanos que atuarão na primeira etapa do programa Mais Médicos por meio de acordo entre o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) chegam ao Brasil. Foto: Karina Zambrana – ASCOM/MS. Saiba mais no Blog da Saúde: bit.ly/12yIy82.

Quer colaborar com o Google e ainda ganhar brindes? Conheça o Google Map Maker

Google Map Maker Logo

Serviço, que permite que usuários insiram pontos em 183 países, chegou só agora nos Estados Unidos, mas já tem adeptos aqui no Brasil.

Foi lançado nos Estados Unidos o Google Map Maker, um serviço criado pela empresa para expandir e melhorar a cartografia do Google Maps. Aqui no Brasil e em outros 182 países, o serviço já está disponível desde junho de 2008, mas a ferramenta só chegou  por lá agora.

Em países como o Brasil, as informações como estabelecimentos, nomes de rios, ferrovias, estradas e até pontos turísticos dos mapas não foram disponibilizadas pelos governos municipais. Dessa forma, para resolver o problema de mapeamento dos locais, o Google resolveu criar esta ferramenta colaborativa onde os próprios usuários inserem pontos de seu bairro, cidade ou estado.

Um dos primeiros usuários da ferramenta aqui no Brasil foi Iuri Pereira Lopes, administrador. Ele mapeou diversos lugares de sua cidade natal, Nova Era (MG) e região, e até foi contemplado  com um prêmio  do Google pela colaboração. “No meu perfil do Map Maker dá para ver um histórico das minhas colaborações. Listei 352 empresas e inseri 132 pontos de interesse. Ganhei uma camiseta e um diploma”, conta Iuri. “Coloquei desde igrejas, rios e até uma gruta em minha cidade. Cheguei, inclusive, a começar o mapeamento de cidades da Coreia do Norte com base no Google Maps”, conclui.

Google Map Maker

Para fazer parte da comunidade de colaboradores é fácil. Basta ter uma conta Google e adicionar um novo elemento. É preciso usar um marcador para denotar um ponto de interesse específico, como um monumento ou uma empresa, ou até desenhar uma linha que represente uma estrada ou um rio.

Iuri deu a dica de achar o local no Google Maps primeiro e, então, inserir as coordenadas no site do Map Maker. A partir daí, é preciso informar em que categoria este lugar se encaixa: restaurante, padaria, igreja, ponto turístico e afins. Além disso, é necessário adicionar informações extras como telefone, horários de funcionamento ou site. A partir daí, é só aguardar a aprovação dos mediadores. “Sua alteração foi aprovada pelo Google Reviewer Santosh, um revisor confiável, porém será analisada por outros usuários”, diz a mensagem.

Cleverson Cândido, outro usuário do Map Maker, começou a usar o serviços há menos de um ano e já mapeou 8 mil quilômetros em estradas, rios e trilhas de bairros do Paraná. Outro colaborador já está há 651 dias inserindo estradas em regiões pouco percorridas do Irã e Paquistão. “Acredito que só abriram a ferramenta para os Estados Unidos agora porque lá eles têm o pessoal do próprio Google fazendo esse serviço. Além disso, a ferramenta se aperfeiçoou muito neste meio tempo e agora está mais fácil incluir as informações. Os EUA é um país muito grande e o volume de dados lá com certeza será enorme”, conclui Iuri.

Apesar de estar no ar há muitos meses, o serviço ainda é pouco usado até pelos brasileiros. Com a chegada da ferramenta nos Estados Unidos, pode ser que mais pessoas se animem em colaborar com o Google. Para saber como inserir pontos, clique aqui e para tirar suas dúvidas, leia as perguntas mais frequentes.

Abaixo confira o vídeo de introdução da ferramenta para os Estados Unidos.