Extrema-direita reivindica ataque contra a Porta dos Fundos

Porta dos Fundos

Esta quinta-feira, um grupo de extrema-direita reivindicou a autoria de um ataque terrorista contra a sede da Porta dos Fundos, ocorrido na véspera de Natal, no Rio de Janeiro.

Tem circulado pela Internet um vídeo em que os alegados autores do ato de terrorismo dizem pertencer ao Comando da Indulgência Popular Nacionalista da Grande Família Integralista Brasileira. No vídeo em questão, três pessoas mascaradas e com vozes distorcidas assumem o ataque.

“Nós, do Comando de Insurgência Popular Nacionalista da Grande Família Integralista Brasileira, reivindicamos a ação direta revolucionária que buscou justiçar os anseios de todo o povo brasileiro contra a atitude blasfema, burguesa e antipatriótica que o grupo de militantes marxistas culturais Porta dos Fundos tomou quando produziu o seu Especial de Natal”, afirmaram os supostos autores do atentado num vídeo online.

No dia 24 de dezembro, a sede da Porta dos Fundos foi alvo de um atentado terrorista. A produtora, que afirma não ter havido vítimas, já condenou publicamente “todos os atos de violência” e afirmou esperar que “os responsáveis por este ataque sejam encontrados e punidos”.

Fábio Porchat, ator da Porta dos Fundos, já reagiu ao ataque, afirmando que a liberdade de expressão da produtora não se calará perante este ato.

O ato de terrorismo foi filmado pelas câmaras de vigilância. As imagens já foram entregues às autoridades e o secretário estadual de Polícia Civil, de acordo com o jornal O Globo, irá receber esta quinta-feira os atores da Porta dos Fundos.

No início de dezembro, a produtora lançou um especial de Natal na Netflix. Intitulado “A primeira tentação de Cristo”, representa Jesus como tendo vivido uma experiência homossexual. Após a divulgação do vídeo, milhares de fanáticos religiosos, através de um abaixo-assinado, tentaram suprimir a liberdade artística da produtora.

O grupo que reivindicou o ataque terrorista é uma corrente política criada pela Ação Integralista Brasileira (AIB), caracterizada pelo ultranacionalismo e pela defesa de valores conservadores e tradicionalistas católicos de extrema-direita. Surgiu na década de 1930, inspirada no fascismo italiano.

Fonte: Esquerda

Vida do fotojornalista de guerra Chris Hondros é tema de novo documentário do Netflix

Chris Hondros é tema de novo documentário do Netflix

O trabalho do fotojornalista de guerra Chris Hondros, morto aos 41 anos, enquanto cobria a guerra civil na Líbia, em 2011, será retratado no documentário “Hondros”, da Netflix.

Conhecido e respeitado internacionalmente, Hondros ganhou dois prêmios Pulitzer com suas impactantes fotografias dos conflitos de Kosovo, Libéria, Iraque, Afeganistão e Líbia.

Hondros foi morto em Misurata onde também morreu Tim Hetherington (fotógrafo e documentarista). 

A dupla trabalhou junta acompanhando rebeldes que lutavam contra o exército do ditador Muammar Gaddafi. 

O documentário é dirigido por Greg Campbell, jornalista e amigo de infância de Hondros. Para retratar a sua trajetória, Campbell viajou para os locais onde Hondros trabalhou para conseguir relatos que mostram todo o seu legado.

Nascido em Fayetteville (Carolina do Norte), Hondros era formado em literatura inglesa. Depois de alguma experiência com jornalismo, acabou se mudando para atuar profissionalmente em Nova York em 1998. Lá ele cobriu os atentados de 11 de setembro, em 2001, depois partiu para a cobertura de conflitos na Europa, Oriente Médio e África.

Portal Imprensa

Netflix vai lançar filme de ex-pastor que nega a existência do inferno e foi expulso da igreja por heresias

Netflix dcvitti

Depois de anos pregando em estádios lotados e em programas de TV, o pastor Carlton Pearson construiu um templo de enormes proporções e logo se tornou uma espécie de “megastar” evangélico com uma congregação de seis mil pessoas ouvindo suas pregações semanalmente, chegando a compartilhar púlpitos com nomes notáveis do mundo cristão como Jerry Falwell e Pat Robertson.

Após o atentado de Oklahoma City em 1995, ele foi chamado para liderar as orações em prol do sofrimento da Cidade, chegando também à dar conselhos espirituais tanto ao presidente Bush (pai), como ao presidente Clinton durante os dois governos.

Ao longo da sua ascensão, Pearson pregou os pilares da fé cristã: todos nós nascemos em pecado. Todos nós iremos ao inferno se não aceitarmos a Jesus Cristo como único e suficiente salvador de nossas vidas.

Um sermão do final dos anos 90 mostra a natureza de sua fé: “Graças a Deus eu não tenho que ir para o inferno, mesmo que eu mereça o inferno”, disse ele, explicando que “Jesus me substituiu na cruz, assumiu a morte, o inferno e o túmulo, e eu tenho a vitória hoje”, pregava o líder espiritual na época.

Sobre o inferno, Pearson não conseguiu compreender como um Deus de amor também é justo e soberano

Imagem relacionadaCom o passar dos anos, o ainda pastor Carlton Pearson entrou numa crise de fé por não conseguir entender como o Deus da Bíblia, manifesto em Jesus Cristo, ensinava o amor e ao mesmo tempo a existência do inferno. Na cabeça dele isso era injusto e incompatível com a ideia de um Deus amoroso e misericordioso. O inferno, então, para ele foi difícil aceitar:

O amargo tormento da ideia de um Deus irritado, visceral, distante, estóico, áspero, implacável, intolerante, é o inferno. É pagão, é supersticioso, e se você rastrear sua história, ela retorna para onde os homens temiam deuses porque algo acontecia na vida causando frustrações que eles não podiam explicar
disse ele, segundo uma publicação do ABC News

Pearson então construiu um “deus” para si mesmo. Para não ter que encarar a certeza do Deus que se revelou durante os séculos, primeiramente através do povo hebreu, depois em Jesus Cristo, trazendo não apenas misericórdia, mas também juízo e condenação, Pearson criou uma filosofia pessoal como forma de negar a veracidade de uma doutrina bíblica que muitos não suportam, que é a morte eterna (separação espiritual de Deus):

Como você pode realmente amar um deus que está torturando sua avó? É isso o que eu me vi pensando durante anos
questionou ele em outra ocasião

Após abraçar as ideias da “Teologia Inclusiva” e do “Universalismo”, Pearson foi expulso da igreja onde era pastor por uma comissão de Bispos em 2005. Desde então, apesar de continuar dando palestrar e escrever livros, ele nunca mais conseguiu se firmar no ministério pastoral.

Netflix vai lançar em abril o filme que retrata a vida de Carlton Pearson

Resultado de imagem para netflixCome Sunday [Chegando o Domingo], da Netflix, está marcado para estrear em abril e contará com os atores Chiwetel Ejiofor e Robert Redford. O longa pretende relatar o período áureo e a crise do pregador americano.

Devido sua negação da doutrina do inferno, mais precisamente, da condenação aos que não reconhecem Jesus Cristo como Salvador, ensinando que “há outros caminhos” para se chegar a Deus, o filme já é considerado polêmico, uma vez que reflete a filosofia de alguns movimentos teológicos, especialmente os ecumênicos, que negam partes da Bíblia como tendo sido reveladas por Deus.

Portal Gospel+

Algumas séries sobre política que você precisa conhecer

Seriados de política

Política costuma ser assunto para muita discussão! A indústria cinematográfica sempre considerou isso nas suas produções, como em Dr. Fantástico (1964), que conta a história de um general que planeja dominar o mundo e acabar com o comunismo, bem no período histórico em que essa corrente ganhava força.

As produções relacionadas à política vêm estabelecendo-se, principalmente, após a Segunda Guerra Mundial e o Plano Marshall, um projeto realizado pelos Estados Unidos para financiar a reconstrução da Europa pós-guerra. Assim, teve como medida a inserção de produtos culturais que propagavam ideologias, como o American Way of Life. Desde então, a indústria cresceu e, hoje, os produtos audiovisuais estão cada vez mais em evidência e diversificados.

Vamos indicar algumas séries sobre política, relacionando o conteúdo delas com os eventos no mundo, para que você se divirta e ainda fique por dentro de temas importantes! Confira agora as 6 séries sobre política que você precisa conhecer.

House of Cards

House of CardsHouse of Cards talvez seja a série mais popular dessa lista. A série estreou em 2013 pela Netflix e tem seu enredo baseado nas tentativas de ascensão ao poder de um congressista chamado Frank Underwood.

No decorrer das temporadas, estando na 5º atualmente, Frank arquiteta estratégias e planos corruptos para o tão almejado cargo da Presidência da República, juntamente com sua esposa Claire. No decorrer dos episódios, você aprende sobre o sistema político dos EUA e as relações de poder entre seus políticos e partidos.

O interessante sobre essa série é a forma escancarada com que Frank maneja suas artimanhas e interage com o público, compartilhando todos os pensamentos. Isso assusta, pois se põe à visão geral de que os políticos escondem o que pensam e seus verdadeiros objetivos. Frank, no entanto, não faz segredos com quem está assistindo. Além de contar com a brilhante atuação de Kevin Spacey como Frank Underwood, os espectadores acompanham de perto a vida desse político que os cidadãos estadunidenses não verdadeiramente conhecem.

A série se passa nos Estados Unidos, mas chamou atenção por seus eventos serem similares aos eventos políticos que aconteciam no Brasil. Só não contamos mais para não vazar informações antes que você assista! Uma rede social oficial da série, inclusive, brincou com essa semelhança afirmando, em português, que “está difícil competir”.

Homeland

HomelandHomeland retrata o momento da guerra entre o Iraque e os Estados Unidos. A série tem como protagonista a atriz Claire Daines, que interpreta uma oficial de operações da CIA, a agente Carrie Mathison. Tudo começa quando, após conduzir uma operação não autorizada, Claire foi realocada para o Centro Contraterrorista da CIA.

Nesse meio tempo, Claire foi informada de que um agente norte-americano, anteriormente capturado pela Al-Qaeda, se aliou a eles e repassou informações sigilosas do governo. Com isso, Claire segue em busca do agente infiltrado, permeada por toda a atmosfera da guerra e de seus próprios problemas psicológicos.

A Al-Qaeda e os Estados Unidos
Al-Qaeda é uma organização islâmica que foi liderada por Osama Bin Laden e, desde a sua criação em 1989, tem como principal objetivo expulsar tropas russas do Afeganistão. Durante esse período, os Estados Unidos ajudavam financeiramente a organização com a compra de armamento. Com a Guerra do Golfo e as instalações de bases militares estadunidenses na península arábica, uma localização sagrada do islã, a Al-Qaeda iniciou atividades diretas contra os Estados Unidos. Conheça a história completa do grupo terrorista, neste post.

A série está na sua 6º temporada e está disponível na Netflix. Homeland traz a perspectiva dos Estados Unidos, mas também recomendamos assistir à série na qual Homeland fora inspirada, a israelense “Prisioneiros de Guerra” (Hatufim), disponível no Globosat+ e no Now, para conhecer o outro lado da história.

The Americans

The AmericansA Guerra Fria é um dos acontecimentos históricos mais conhecidos, por ter se passado entre dois grandes eventos mundiais: a Segunda Guerra Mundial e a extinção da União Soviética. A constante tensão entre EUA e URSS, defensores de correntes políticas diferentes – capitalismo e comunismo -, é representada na série.

The Americans elucida justamente esse período. A série traz a história de dois agentes soviéticos da KGB que se infiltram nos Estados Unidos, tendo que se passar por uma família comum. Eles têm como missão controlar a rede de espiões no país, entretanto, cada vez mais se envolvem e se comportam como um casal.

A série é inspirada em fatos reais e seu criador é um ex-agente da CIA, Joe Weisberg, que mostra um pouco do que aconteceu nos Estados Unidos naquela época. A história, então, é um drama político entre o impasse do disfarce deles como agentes e a vida familiar com seus filhos. The Americans também está disponível na Netflix.

Narcos

Narcos com Wagner MouraNarcos se passa na Colômbia e conta a trajetória dos cartéis colombianos liderados por Pablo Escobar (1949 – 1993), considerado um dos maiores narcotraficantes do mundo. O colombiano ganhou notoriedade por suas formas de burlar a política anti-drogas norte-americana, seu principal mercado. Além disso, envolveu-se com o maior grupo guerrilheiro do país, as FARC.

A série se passa na perspectiva de dois agentes da DEA (Agência Anti-Drogas norte-americana), que mudaram sua vida para combater Escobar em Medellín. Assim, Narcos acompanha a dualidade de Pablo como um traficante e, por outro lado, um “benfeitor” para a população da cidade. O colombiano se candidatou e chegou ao Congresso, além de realizar constantes reparações à comunidade. A série mostra também a atuação do governo da Colômbia perante o crescimento dos cartéis.

O ator brasileiro Wagner Moura faz o papel de Pablo Escobar. Para interpretar Pablo, Wagner se mudou para Medellín durante 6 meses para aprender espanhol, além de ter engordado 20 kg apenas para o papel.

Narcos foi produzida pela Netflix e dirigida pelo brasileiro José Padilha, diretor dos renomados Tropa de Elite (2007) e Tropa de Elite 2 (2010), que também usou a violência explícita e a exploração de aspectos íntimos dos personagens. A parceria anterior entre Wagner e Padilha fez com que houvesse uma liberdade criativa para a execução dessa série. Baseada em fatos reais, Narcos caminha para sua terceira temporada.

Quiz: mito ou verdade, o que você sabe sobre as FARC?

Designated Survivor

Designated SurvivorEstrelada por Kiefer Sutherland (da série 24 horas), Designated Survivor tem como premissa a ascensão do Secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Tom Kirkman, à posição de presidência dos Estados Unidos.

A repentina mudança na vida de Kirkman foi causada por uma explosão no Capitólio dos Estados Unidos, na noite do Discurso do Estado da União, momento em que todos os governadores estavam reunidos. O Discurso do Estado da União é uma obrigação do presidente dos Estados Unidos, proposto pela Constituição, de prestar informações conclusivas sobre as estratégias políticas e militares ao Congresso. O evento acontece anualmente e é transmitido para a população.

Assim, um representante do governo fica designado a não comparecer à cerimônia, para suceder a posição de Presidente da República em caso de algum atentado.

Com o ocorrido, Kirkman tem que aprender a lidar com essa nova realidade, subitamente, sem possuir nenhuma experiência em cargos de tamanho poder. Assim, a série acompanha as imcumbências a Kirkman de formar um novo secretariado, lidar com relações exteriores e investigar o atentado terrorista.

No Brasil, a série – que é a única da nossa lista não inspirada em fatos reais – é transmitida pela Netflix.

Os Dias Eram Assim

Os Dias Eram AssimPor último, indicamos uma série brasileira que tem conquistado a atenção de muitas pessoas. Aos poucos, o país adentra o mundo das séries, fazendo grandes produções principalmente no horário das 23h na TV aberta. Os Dias Eram Assim é uma série que retrata a vida de uma família, seus conflitos e cotidiano na Ditadura Militar.

A série mostra os impasses da militância com as elites. A atriz Sophie Charlotte interpreta a personagem principal, que faz a ponte entre esses dois lados. Além disso, a produção vem sendo elogiada pela fotografia, enredo e aplicação dos fatos, tendo como parte da abertura fotos reais da época da ditadura militar (1964-1985).

A série é uma boa pedida para quem busca consumir mais produtos audiovisuais nacionais. Os Dias Eram Assim está no ar na Rede Globo, mas pode ser assistida na íntegra no Globo Play.

Diante dos mais recentes quadros no mundo, de atentados terroristas e guerras civis, podemos esperar grandes produções inspiradas na “vida real”. E você, já assistiu algumas dessas séries? Indica outras para conhecermos? Comente!

Fonte: Politize! por Giulliana Moreira, que é estudante de Jornalismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e fotógrafa. Acha fascinante o processo criativo da Comunicação, culturas e relações interpessoais.

Como detectar e lidar com risco de suicídio entre adolescentes

Suicídio entre adolescentes - Cenas do seriado 13 Reasons Why

Sentimentos de desesperança podem surgir em conversas, então considere que o adolescente possa estar falando sobre sua vida.

A nova série do Netflix “13 Reasons Why” segue uma estudante colegial que acaba com a sua vida, através do suicídio, após uma série de eventos adolescentes traumáticos, mas comuns. O personagem principal, uma jovem de 17 anos, libera uma série de gravações de áudio que detalham as circunstâncias que antecederam sua morte.

A série de ficção, baseada em um romance adulto jovem de 2007, foi amplamente criticado e discutido nos meios de comunicação, entre pais e profissionais de saúde mental e pelos jovens. Alguns dizem que o programa glorifica o suicídio. A cantora e atriz Selena Gomez, produtora executiva do show, que tem ela própria lutado contra a depressão, diz que a série era mesmo para provocar uma discussão realista.

Ainda assim, “é difícil evitar o sensacionalismo sobre o suicídio,” diz Meg Jennings, da Universidade de Michigan (EUA), que é especialista em suicídios de adolescentes. Ela explicou alguns dos sinais de alerta para que os pais e amigos fiquem atentos.

Sinais de alerta para o suicídio

Sentimentos de desesperança podem surgir em conversas, então considere que o adolescente possa estar falando sobre sua vida. Se perceber que o jovem está se sentindo sobrecarregado só de pensar em viver, é hora de buscar ajuda, diz Jennings.

Outro sinal sugestivo é o pensamento polarizado ou distorcido – em outras palavras, a crença de que as coisas são apenas preto ou branco, bom ou ruim, tudo ou nada. O interesse em atividades favoritas pode desaparecer. Esses adolescentes também passam a sofrer de insônia, bem como ansiedade ou pânico.

Outros sinais incluem comportamento imprudente, agressividade, aumento do uso de álcool ou drogas, visitas a entes queridos para se despedir, ou dar embora objetos pessoais de valor.

“Ao avaliar o risco, é importante saber quão impulsiva essa pessoa é. Ela está se comportando irresponsavelmente? Por exemplo, alguém chateado com os pais pode abrir a porta do carro e tentar sair do veículo, enquanto está em movimento,”, diz Jennings.

A necessidade de vigilância

Alguém que é potencialmente suicida vai falar sobre a morte e sobre não ter razões para viver. O indivíduo pode se ver como um fardo enorme, fazendo comentários como, “Quando eu me for, as coisas vão melhorar para todo mundo.”

A pessoa pode ter uma dor tão insuportável, que não vê esperança para o futuro. Muitas vezes, aqueles que pensam em suicídio sentem que continuar a viver é uma realidade esmagadora ou insuportável.

Mas essa perspectiva também pode mudar.

“Às vezes, se alguém com este perfil está de bom humor pode ser porque já decidiu se suicidar,” alerta Jennings. “É uma boa ideia ficar atento se você interagiu com alguém que estava se sentindo profundamente inútil apenas alguns dias antes”.

É preciso agir imediatamente se a pessoa está falando sobre um plano específico para acabar com sua própria vida, acrescenta Jennings.

Como intervir

Não ignore os sinais. Isto não é o comportamento normal de um adolescente, diz Jennings. Coloque a pessoa em contato com um profissional de saúde mental e, sendo da família, agende uma avaliação. Fale para esse adolescente que você se importa com ele e deseja obter suporte. Não dê sermões.

A necessidade de orientação profissional funciona dos dois lados, diz a especialista: “Os pais precisam lembrar que eles provavelmente vão precisar de apoio também. É muito estressante conviver com um adolescente suicida. Procure ajuda para si mesmo, assim que for possível”.

Enquanto isso, crie um espaço seguro para o adolescente conversar sobre essas questões. É normal para os adolescentes sentirem medo ou até mesmo ficarem zangados. É importante apoiar esse adolescente e dizer que você entende o quão sem esperança ele ou ela está se sentindo, finalizou Jennings.

Fonte: Diário Saúde

O que você sabe dos EUA? Assista o documentário “O Invasor Americano” de Michael Moore e descubra

Esse é o mais novo documentário do Michael Moore “Where to invade next”, em português, “Invasor Americano”.

Eu assisti o documentário de Michael Moore no Netflix, um dos primeiros dele no streaming. É massa, gostei… #dcvittirecomenda.

O Michael revela as mazelas do sistema econômico americano, como eles produziram um país rico, mas que não figura entre os 10 primeiros em educação, que tem expectativa média de vida 5 anos a menos que italianos e portugueses, em que as pessoas só tem 20 minutos para almoçar, não tem férias, vivem estressadas e deprimidas, onde mais de 40 milhões de pessoas não têm qualquer acesso básico a saúde e onde só quem nasceu rico tem acesso ao ensino superior. É de deixar qualquer coxinha louco.

Esse filme se torna especialmente importante em um momento em que o Brasil acha que os Estadusunidos são o padrão que devemos perseguir, com o desmonte das leis trabalhistas e do sistema de aposentadoria.

Nos estadusunidos, por exemplo, 59,57% dos imposto de uma folha de pagamento do salário de um trabalhador são destinado para guerra, forças armadas, e que desde a II Guerra Mundial eles nunca mais venceram uma guerra se quer. Nesse mesmos impostos, apenas 6,28% são destinados a educação. Ah! Tem mais uma… o Donald J. Trump, que assumiu agora, quer acabar com o sistema de saúde criado pelo Obama. Legal, né! Que exemplo. Aqui no Brasil é de graça. Mas tem um presidento ai, uma tal de Michel Meme que está pensando a mesma coisa.

O Michael Moore viajou para a Itália, Noruega, Alemanha, França, Finlândia e Islândia, fazendo uma comparação interessantíssima.

Você que os estadusunidos, deve assistir esse documentário e valorizar um pouco mais o teu país.

Estou na Amazon Prime Video, o mais novo serviço de streaming de vídeos e iniciamos hoje nossa transmissão

Amazon Prime Video

Estamos em mais um streaming de vídeos, agora no Amazon Prime Video Brasil que chegou no Brasil no dia 14/12. Hoje, criamos a conta lá no app, afinal, já estou há muito tempo na Amazon.com e que estava aguardando a chegada do Amazon Prime Video. Então… chegou! Agora, vamos nessa, vamos aproveitar a promoção dos dias free para teste e curtir a novidade. Ainda há muito o que melhorar, como suporte em português, sincronização com Chromecast, um catálogo mais honesto, enfim… estreou agora no país, vamos esperar melhorar a iniciativa e julgar com perfeição o serviço, mas de antemão, posso dizer que está bem longe do concorrente, ao qual prefiro bem mais o Netflix.

As avaliações lá no Google Play não são tão favoráveis assim para a galera da Amazon. Há muita crítica, como eu disse, temos que dar um tempo ao tempo. Precisa haver mais opções. Pode ser que a falta de opções seja pelo fato de terem acabado de lançar. Mas atualmente o app não tem muitas séries ou filmes. Enquanto não melhorarem o catálogo, é melhor continuar com a Netflix. Pelo tempo que esse aplicativo já existe na versão americana era pra ter muito mas títulos e em relação a versão dele no Brasil, muita falta de respeito com o país por vim todo em inglês, e produções sem legendas ou áudio em português mudo minha nota quando melhorar sem suporte pra web.

Tá uma coisa… e assim, a Amazon é uma gigante mundial e bem que poria chegar chegando, mas não chegou.

O que é o Amazon Prime Video

Bem… é um serviço de streaming de filmes e séries que promete competir com a Netflix e agora está disponível no Brasil. A novidade anunciada nesta terça-feira, dia 14/12, permite que usuários brasileiros assinem o serviço pelo preço econômico de US$ 2,99 (cerca de R$ 9,99) nos seis primeiros meses. Os títulos podem ser assistidos pelo aplicativo para celulares Android, iOS (iPhone), tablets Amazon Fire, além de versão web e de outra para Smart TVs. O serviço de streaming de vídeos está disponível em mais de 200 países no mundo e oferece legendas em diversos idiomas, inclusive o português.

No Amazon Prime Video é possível assistir seus filmes em até três dispositivos ao mesmo tempo e até baixar para ver offline no celular ou no tablet, recurso semelhante que foi lançado recentemente pelo Netflix.

A Amazon.com também promete ajustes automáticos na transmissão, se adaptando à velocidade de Internet. Com isso, deve-se limitar o consumo excessivo de dados móveis e apresentar menos interrupções ou lentidões no streaming.

Catálogo do Amazon Prime Video

No catálogo estão disponíveis títulos reconhecidos de filmes novos e clássicos, conteúdo original da Amazon, além de programas e séries de TV.  As séries originais produzidas pela Amazon oferecem ainda dublagem em português, além do francês, italiano e espanhol.

Vale lembrar que o preço no Brasil passa para US$ 5,99 (cerca de R$ 20 em conversão direta), depois do período promocional de seis meses. É possível cancelar a assinatura quando desejar pelo site. Para acessar é necessário fazer um cadastro na Amazon e adicionar um cartão de crédito.

Aprender fotografia agora é play! iPhoto Play, o mais novo projeto da iPhoto Editora está no ar

iPhoto Play, iPhoto Editora, Altair Hoppe, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツ

iPhoto EditoraA iPhoto Editora tem o prazer de anunciar o lançamento do iPhoto Play – a mais moderna e inteligente plataforma de cursos online de fotografia do Brasil.

Na era do WhatsApp, Facebook, NetFlix e Instagram, a velocidade se tornou indispensável para todos nós. Queremos estar antenados em tudo, a toda hora. Com algumas exigências importantes! O acesso precisa ser rápido, simples econômico. Não podemos perder tempo!

E como você aprende fotografia hoje? Você acha o formato muito cansativo e demorado? Nós também. Por isso, o iPhoto Play é uma revolução. Agora você aprender fotografia em alguns minutos ou em poucas horas pelo seu celular, tablet ou computador, 24 horas por dia.

Quer ver como funciona? Quer aprender e assistir algumas dicas? Então, acesse agora: www.iphotoplay.com.br.

Abraços e bom play!