O que é a quaresma?

Para alguns cristãos, a Quaresma tem sido sempre uma parte de sua vida espiritual, mas para outros não é familiar. É um período que leva à Páscoa, época que os cristãos têm historicamente preparado seus corações para a Páscoa com reflexão, arrependimento, e oração.

A Quaresma começa hoje, na Quarta-feira de Cinzas, e continua por 40 dias, excluindo domingos, e culminando na Sexta-Feira da Paixão e Sábado de Aleluia. Visto que os domingos são celebrações semanais da ressurreição de Jesus, os seis domingos na Quaresma não são contados como parte do período de quarenta dias, que foca em introspecção, exame de consciência e arrependimento.

Muitos cristãos preferem fazer jejum durante o período da Quaresma, mas o foco não é privar-se de algo tanto como é dedicar-se a Deus e Seu propósito no mundo. Quaresma é um período importante no calendário da igreja.

O calendário da igreja é uma maneira excelente para nos ajudar a dirigir nossa atenção a Deus conforme organizamos o nosso tempo. Ao invés de seguir a estrutura mais familiar do calendário solar, organizado pelos ritmos da natureza, o calendário da igreja é organizado em torno de Deus e Sua atividade no mundo.

Este calendário segue seis períodos de duração variável: Advento, Natal, Epifania, Quaresma, Páscoa, e Pentecostes. Cada um destes períodos têm objetivos diferentes:

  • Advento foca na antecipação da vinda de Deus para o mundo e também na encarnação e o retorno de Cristo.
  • Natal foca no nascimento de Cristo.
  • Epifania foca na luz da presença de Deus brilhando no mundo.
  • Quaresma foca no pecado humano e a solução benevolente de Deus.
  • Páscoa foca na vida de ressurreição.
  • Pentecostes foca na atividade contínua do Espírito Santo no mundo.

O ritmo anual desses períodos podem ter um efeito poderoso no crescimento espiritual pessoal e comum.

Se você gostar deste devocional da Quaresma, confira a Bíblia Sagrada: Mosaic, uma Bíblia impressa que inclui tudo o que você lerá neste devocional mais obras de arte coloridas e leituras para cada semana do calendário da igreja.

Leituras

“Agora, porém”, declara o Senhor , “voltem-se para mim de todo o coração, com jejum, lamento e pranto.” Rasguem o coração e não as vestes. Voltem-se para o Senhor , o seu Deus, pois ele é misericordioso e compassivo, muito paciente e cheio de amor; arrepende-se e não envia a desgraça. Talvez ele volte atrás, arrependa-se, e ao passar deixe uma bênção. Assim vocês poderão fazer ofertas de cereal e ofertas derramadas para o Senhor , o seu Deus. Toquem a trombeta em Sião, decretem jejum santo, convoquem uma assembleia sagrada. Reúnam o povo, consagrem a assembleia; ajuntem os anciãos, reúnam as crianças, mesmo as que mamam no peito. Até os recém-casados devem deixar os seus aposentos. Que os sacerdotes, que ministram perante o Senhor , chorem entre o pórtico do templo e o altar, orando: “Poupa o teu povo, Senhor. Não faças da tua herança objeto de zombaria e de chacota entre as nações. Por que se haveria de dizer pelos povos: ‘Onde está o Deus deles?’”
Joel 2:12‭-‬17

“Quando jejuarem, não mostrem uma aparência triste como os hipócritas, pois eles mudam a aparência do rosto a fim de que os outros vejam que eles estão jejuando. Eu digo verdadeiramente que eles já receberam sua plena recompensa. Ao jejuar, arrume o cabelo e lave o rosto, para que não pareça aos outros que você está jejuando, mas apenas a seu Pai, que vê em secreto. E seu Pai, que vê em secreto, o recompensará. “Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem e onde os ladrões arrombam e furtam. Mas acumulem para vocês tesouros nos céus, onde a traça e a ferrugem não destroem e onde os ladrões não arrombam nem furtam. Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração.
Mateus 6:16‭-‬21

Anúncios

Até que ponto vai o respeito e submissão de um liderado a um líder?

Submissão de um liderado a um líder

Assunto polêmico e muito interessante.

O portal A Bíblia, trás assunto do universo cristão e tem como finalidade em responder perguntas sobre a Bíblia. Como é de costume, esse é mais um de tantos outros portais que assino a newsletter e ao abrir o último e-mail, me deparei com esse assunto, que por sua grandeza, resolvi compartilhar no meu blog. Se você ainda não conhece esse site, demorô. Vamos ao assunto!

Pergunta

Nesta semana conheci uma pessoa um tanto fanática, ao meu ver. Por quê? Bom, estávamos conversando e em um determinado momento eu falei que não concordava com uma certa atitude que o pastor da minha Igreja tomou, (ele e eu não congregamos na mesma igreja), a partir disso ele me deu um “sermão” argumentando que era pecado criticar aos nossos pastores, líderes, superiores em geral, apontando que na bíblia está escrito que eles são ungidos de Deus, e portanto criticá-los é criticar a Deus. Não estou querendo arrumar um pretexto para “falar mal” do meus líderes e pastores, mas pelo que conheço, uma das coisas que Lutero quis combater com a reforma foi a alienação do povo, que não tinha acesso a bíblia e aceitava a palavra dos padres da época como “verdades irrefutáveis”, sem contestar, nem questionar. Gostaria de uma posição dos administradores do site no tocante a esse assunto, sobre até onde vai a nossa lealdade e submissão aos nossos líderes, e também até onde vai a nossa interpretação pessoal da palavra? Novamente friso que não estou buscando pretextos para “falar mal” dos meus líderes, sei que eles têm uma carga de responsabilidade sobre seus ombros maior do que a minha, que muitas vezes e em muitos lugares o trabalho deles não é retribuído da forma merecida, e também sou daqueles que acham que “só criticar, mas não fazer nada para melhorar não resolve em nada”. Não sei se isso é relevante, mas a atitude do meu pastor com qual não concordei é que na minha igreja congrega uma senhora com deficiência nas pernas, e que por não ter condução, vai a pé para igreja, enquanto que o pastor que tem carro, mora no mesmo bairro que ela e nunca ofereceu uma carona para ela, isso não foi ninguém que me contou não, ou presunção minha, mas eu ouvi isso da boca da própria irmã. Sei que muitos que lerem falarão pra mim levar a senhora para casa se estou incomodado, mas da mesma forma que ela não tenha condução, mas graças a Deus tenho duas pernas saudáveis que não me impedem de frequentar a casa de Deus, mas infelizmente ela não está nas mesmas condições que eu. Pergunta de Adriano de Presidente Prudente/SP em 20/01/2018.

Resposta

Responder sua pergunta é manifestar, uma compreensão do agir do ser humano.

Problemas semelhantes ao que descreveste, existem em todos os lugares. Onde vivem seres humanos, aparecem estes problemas. Muitos responsáveis pelas Igrejas, se portam como Jesus ensinou. Lembro o fato da última ceia de Jesus com os discípulos, nesta ocasião deixou para eles um ensinamento que é chave de ouro: “quem quiser ser o primeiro em sua comunidade seja o último, seja o servo de todos”. O ensinamento está na pratica do serviço.

Todo o que se considera chamado por Deus para um ministério, conhece este ensinamento de Jesus. Deus estará com ele, mas junto vem o compromisso do serviço. Outra passagem “o maior amigo é aquele que dá a vida por seu amigo”.

Infelizmente, no serviço da igreja, existem os bons pastores, como o profeta Ezequiel capítulo 34 fala e Jesus no evangelho de João capítulo 10, e existem os pastores que são mercenários.

A pessoa humana devido, a ganância pelo poder, toma caminhos diversos daqueles que Jesus nos deixou. Pensam fazer carreira na Igreja, (os chamados carreiristas) ter poder, ser bem visto por todos. Na verdade o verdadeiro poder vem do serviço da dedicação do dar a vida, (como o Bom Pastor faz) a sua comunidade.

O que argumentas é o correto, se não puderes evitar a ação anti evangélica do Pastor, pelo menos busque o que seja melhor para ti, em relação ao serviço a sua comunidade. Que estes fatos não te afastam do que é o principal: viver o ensinamento de Jesus.

Portal A Bíblia

O dinheiro compra amigos, muitos amigos, mas quando acaba, o rico fica sozinho

Provérbios 19:4

Recebo regularmente via e-mail, do portal evangélico Let God Be True [em inglês], um versículo por dia do livro de Provérbios acompanhado de um minucioso texto em referência aos comentários do livro do rei Salomão. Este que postamos aqui, achei muito relevante e por sua grandeza, resolvi compartilhar com todos. A tradução não é lá muito prefeita, pois foi transcrita através do tradutor do Google, mas se ler com atenção, conseguirá entender.

Que Deus em sua majestosa graça e bondade lhe abençoe e traga sabedoria para que você possa enfrentar a vida com maestria frente as ciladas e adversidades do inimigo. Vamos ao texto, e boa leitura!

 

As riquezas granjeiam muitos amigos, mas ao pobre, o seu próprio amigo o deixa
Provérbios 19:4

O dinheiro compra amigos, muitos amigos. O rico facilmente tem um séquito de amigos felizes a servir. Pobres, sem dinheiro, não pode nem mesmo como iniciar uma fraterna amizade com seus vizinhos para serem amigáveis. O rei sábio escreveu este provérbio para ajudá-lo a ter seu entendimento bem sucedido.

Amizades baseadas em dinheiro são falsas, e a suposta união feliz e útil é egoísta e cuida apenas de si. Uma vez que o dinheiro venha a se esgotar, os amigos vão para longe e a comitiva das amizades desaparece instantaneamente. Mesmo os vizinhos, uma vez úteis, evitam e rejeitam um homem pobre.

Alguns provérbios irão ensinar uma lição óbvia. “Ensina a criança no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele” e não é difícil de entender o Provérbios 2:6. Esse valor é obtido explorando o senso completo de treinamento, da formação plena e adequada da natureza de uma criança, no caminho em que ela deve andar, mas em qual é a idade certa de ensinar essa criança? A lição não é clara, mas você deve procurar os detalhes.

Outros provérbios declararam uma observação a vida. A lição é apenas implícita e seu dever é encontrá-lo. Salomão escreveu muitos provérbios desse tipo e esse é um deles. Ele escreveu sua observação sobre os efeitos de dinheiro nas relações através do seu próprio privilégio para identificar esta lição, que é uma condenação, medindo pessoas por dinheiro.

Sua observação é verdadeira. Homens que seguem aqueles com dinheiro esperam obter algumas das vantagens pra si próprio. Aprenda a ver as falsas palavras e ações de tais homens, que se abrem entre os amigos dos ricos. Eles não estão lá para o homem rico, estão apenas para as riquezas do amigo rico. Eles esperam obter o que pode derramar sobre sua riqueza.

O número de amigos não deve impressioná-lo: a multidão é apenas temporária – enquanto o dinheiro durar. A popularidade não prova nada de bom ou nobre por aquele que está sendo seguido ou pelos seguidores. Você deve reconhecer o poder dos subornos e a ganância dos homens, e deve ter uma visão de popularidade acentuada devido ao sucesso ou influência financeira.

O amor ao dinheiro é a raiz de todo o mal. Isso faz com que os homens façam amizades com base em ganhos financeiros ao invés do caráter. Não são amizades reais, mas relacionamentos de ganância e avareza. Quando o dinheiro acabar, a amizade termina. Mesmo os vizinhos, que deveriam ter um senso de dever uns com os outros, evitarão e rejeitarão aqueles que são pobres.

Salomão fez esta observação para o filho várias vezes (Provérbios 14:20; 18:16; 19:6-7). Sendo o filho de um rei rico, ele teria muitos sanguessugas o seguindo. Ele tinha que ser sábio e ver através de sua fachada de amizade para medir seu caráter. Os homens de princípio não se importam com dinheiro ou vantagem, eles estão lá para o longo de duradouro ciclo de amizade (Provérbios 17:17). Reis e homens bem-sucedidos, exigem caráter para sobreviver (Provérbios 25:4-5; Salmos 101:1-8144:11-15).

O sucesso financeiro, por si só, não é uma medida precisa de um homem. Há muitos fatores que contribuem para outras riquezas além do caráter e habilidade. Há muitos ricos tolos, mas há homens sábios pobres. O tempo e o acaso acontecem com todos eles (Eclesiastes 9:11). Seja instruído: um sábio pobre é muito superior que um rico tolo (Provérbios 19:1; 28:6; Eclesiastes 4:13; 9:13-16).

Considere dois exemplos bíblicos de como a riqueza afeta as amizades. Jó, uma vez muito rico, reclamou como seus amigos e familiares mais íntimos o abandonaram em sua horrível pobreza e problemas (Jó 19:8-19). Mas Jônatas, o príncipe de Israel, o maior exemplo de um amigo, desistiu de sua elevada posição e grande riqueza para se tornar amigo do pobre pastor Davi (I Samuel 18:1-4; 20:30). Os verdadeiros amigos não são influenciados pela riqueza.

Não ame os outros pelo que eles podem fazer por você. Jesus disse:

Quando deres um jantar, ou uma ceia, não chames os teus amigos, nem os teus irmãos, nem os teus parentes, nem vizinhos ricos, para que não suceda que também eles te tornem a convidar, e te seja isso recompensado. Mas, quando fizeres convite, chama os pobres, aleijados, mancos e cegos, e serás bem-aventurado; porque eles não têm com que to recompensar; mas recompensado te será na ressurreição dos justos
Lucas 14:12-14

E se amardes aos que vos amam, que recompensa tereis? Também os pecadores amam aos que os amam
Lucas 6:32

Jesus Cristo, que era muito rico, tornou-se pobre para fazer amizade e salvar os miseráveis ​​da pobreza, para que se tornassem ricos pela pobreza de Deus (II Coríntios 8:9). Aqui está a amizade desconhecida dos homens naturais. Aqui está o presente indescritível do evangelho. Aqueles que conhecem Jesus Cristo facilmente se queimarão servindo aqueles que não podem pagar (II Coríntios 12:15).

www.LetGodBeTrue.com

Jesus de Nazaré

O filme conta a história de Jesus de Nazaré, o Filho de Deus do Nascimento a Ressurreição, misturando as narrativas dos Quatro Evangelhos relatados no Novo Testamento na Bíblia. Concebido pela Virgem Maria (Olivia Hussey) e passando por uma sofrida infância de peregrinação, Jesus (Robert Powell) veio a terra com a missão de salvar os homens, mas é traído e humilhado justamente por eles. Após ser preso, torturado e crucificado, ressuscita divinamente.

A parábola dos dois filhos

A parábola dos dois filhos, Dialison Cleber Vitti, Dialison Cleber, Dialison Vitti, Dialison, Cleber Vitti, Vitti, #DialisonCleberVitti, @dcvitti, dcvitti, #blogdodcvitti, Ilhota,

A Parábola dos Dois Filhos é uma parábola em que Jesus encontrada apenas em Mateus 21:28-32. Ela contrasta os cobradores de impostos e as prostitutas que aceitaram a mensagem ensinada por João Batista com os “religiosos”, que não o creram.

Mas que vos parece? Um homem tinha dois filhos, e, chegando-se ao primeiro, disse: Filho, vai trabalhar hoje na vinha. Ele respondeu: Sim, senhor; mas não foi. Chegando-se, então, ao segundo, falou-lhe de igual modo; respondeu-lhe este: Não quero; mas depois, arrependendo-se, foi. Qual dos dois fez a vontade do pai? Disseram eles: O segundo. Disse-lhes Jesus: Em verdade vos digo que os publicanos e as meretrizes entram adiante de vós no reino de Deus. Pois João veio a vós no caminho da justiça, e não lhe deste crédito, mas os publicanos e as meretrizes lho deram; vós, porém, vendo isto, nem depois vos arrependestes para crerdes nele.

Nesta parábola, Jesus fala para aqueles que acreditavam estar sem pecado. Os pagãos, os cobradores de impostos e as prostitutas estavam aceitando a mensagem ensinada por João Batista e estavam arrependidos. A mensagem da parábola não é que essas pessoas eram boas, mas “que as pessoas religiosas eram piores”1 . A Parábola do Fariseu e do Publicano tem um tema um semelhante.