De acordo com pesquisa, 81% dos homens consideram Brasil um país machista

Machismo

Pesquisa realizada pela ONU Mulheres e pelo portal Papo de Homem mostrou que 81% dos homens entrevistados concordam que o machismo ainda é recorrente no Brasil, enquanto o percentual sobe para 95% no caso das mulheres.

Segundo o levantamento, estereótipos do comportamento masculino causam dificuldades para os homens, já que 66,5% deles disseram não conversar com os amigos sobre medos e sentimentos. Outros 45% disseram que não gostam de se sentir responsáveis pelo sustento financeiro da casa e 45,5% disseram que gostariam de se expressar de modo menos duro ou agressivo.

Pesquisa realizada nesta terça-feira (25) pela ONU Mulheres e pelo portal Papo de Homem mostrou que 81% dos homens entrevistados concordam que o machismo ainda é recorrente no Brasil, enquanto o percentual sobe para 95% no caso das mulheres.

O levantamento apontou que estereótipos do comportamento masculino causam dificuldades para os homens, já que 66,5% deles disseram não conversar com os amigos sobre medos e sentimentos. Outros 45% disseram que não gostam de se sentir responsáveis pelo sustento financeiro da casa e 45,5% disseram que gostariam de se expressar de modo menos duro ou agressivo. A pesquisa, que teve apoio do Grupo Boticário, mostrou ainda que 3% dos homens se consideram bastante machistas.

O estudo teve como objetivo saber mais sobre como as pessoas se sentem em relação ao tema, de forma a encontrar caminhos rumo a uma sociedade mais igualitária e com mais diálogo entre os gêneros, disse a ONU Mulheres.

Os homens consultados disseram ser difícil lidar com a figura de “herói durão” e do ideal da virilidade dominante na sociedade. Segundo a pesquisa, 56,5% dos homens entrevistados disseram que gostariam de ter uma relação mais próxima com os amigos, enquanto 54% disseram que gostariam de ter mais liberdade para explorar hobbies pouco usuais, sem serem julgados.

O estudo também identificou como as mulheres percebem o papel dos homens em sua vida e na sociedade. A pesquisa constatou que os homens ainda não sabem lidar com mudanças de posição na hierarquia social, o que faz com que busquem provar sua masculinidade.

ONU Brasil

Anúncios

Tudo o que você precisa saber sobre a função de um vereador antes de sair falando que ele não faz nada

Vereadores eleitos em Ilhota, Eleições 2016, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツ

Neste ano de 2016, os 10.958 eleitores ilhotense foram chamados para irem nem uma das 36 urnas para escolher seus representantes no poder público municipal. Ao todo serão eleitos apenas um, entre os dois candidatos a prefeito e outros 9 dos 49 vereadores no município de Ilhota. Por isso, entender o papel desses representantes é essencial. A intenção é explicar como deve agir um vereador, como eles são eleitos e o que nós como cidadãos podemos esperar e cobrar deles.

O que é um vereador?

O vereador é um agente político, eleito para sua função pelo voto direto e secreto da população. Ele trabalha no Poder Legislativo da esfera municipal da federação brasileira. Assim, o vereador tem um papel equivalente ao que deputados e senadores têm nas esferas mais amplas (Estados e União).

Como integrante do Poder Legislativo municipal, o vereador tem como função primordial representar os interesses da população perante o poder público. Esse é (ou pelo menos deveria ser) o objetivo final de uma pessoa escolhida como representante do povo.

Pode-se dizer que a atividade mais importante do dia a dia de um vereador é legislar. Isso significa tomar todas as ações relacionadas ao tratamento do corpo de leis que regem as ações do poder público e as relações sociais no município.

Dessa forma, podemos citar como ações típicas ao alcance de um vereador criar, extinguir e emendar leis, da maneira que ele julgar que seja mais adequada ao interesse público. Mas atenção, o mandato de um vereador é restrito à esfera municipal, portanto, faz todo sentido que as leis deliberadas, criadas, emendadas ou extintas por eles tenham efeitos exclusivos para os municípios a que eles pertencem.

Essa é a primeira pegadinha importante: não adianta um vereador prometer que vai mudar leis que não sejam do âmbito do município. Ele simplesmente não terá competência para tratar sobre assuntos que digam respeito a mais de uma cidade, a um estado, ou mesmo ao país inteiro.

Veja alguns exemplos de assuntos que podem ser tratados em lei por um vereador:

  • Mudança, criação ou extinção de tributos municipais;
  • Criação de bairros, distritos e subdistritos dentro do município;
  • Estabelecer o chamado perímetro urbano (a área do município que é urbanizada);
  • Sugerir nomes de ruas e avenidas;
  • Aprovar ou não os documentos orçamentários do município;
  • Elaborar, deliberar e votar o Plano Diretor municipal;
  • Aprovar o plano municipal de educação;
  • Estabelecer as regras de zoneamento, uso e ocupação do solo;
  • Determinar o tombamento de prédios como patrimônio público, preservando a memória do município;

Vereador pode propor trocar o nome das ruas, mas isso não quer dizer que ele só deva fazer isso.

Porém, não adianta um candidato a vereador prometer que vai criar leis que se chocam com as leis dos Estados, da União ou da Constituição. Isso é ilegal e muito provavelmente esse projeto de lei nem será considerado dentro da Câmara dos Vereadores.

O papel de fiscalizar o prefeito

Mas as atividades do vereador não podem ser resumidas apenas ao tratamento das leis do município. Existe ainda uma função ligada ao cargo de vereador que é fundamental para a própria saúde da nossa democracia. Trata-se da fiscalização das ações do Poder Executivo municipal – ou seja, das ações do prefeito.

O ato de fiscalizar torna mais equilibradas as ações do Poder Executivo. O que é essencial para que o poder do prefeito não se torne tão grande que o deixe acima da lei. É por isso que a lei prevê expressamente alguns deveres importantes dos vereadores em relação à prefeitura, como:

  • Fiscalizar as contas da prefeitura, de forma a inibir a existência de obras superfaturadas e/ou atrasadas;
  • Fiscalizar e controlar diretamente os atos do Poder Executivo, inclusive da administração indireta (por exemplo, visitar órgãos municipais e fazer questionamentos por escrito ao prefeito, que é obrigado por lei a prestar esclarecimentos em até 30 dias);
  • Criar comissões parlamentares de inquérito; e
  • Realizar o chamado controle externo das contas públicas, com ajuda do Tribunal de Contas do Estado ou do Município responsável.

O que um candidato a vereador pode prometer?

Faz sentido que um candidato a vereador prometa coisas como:

  • Fazer mudanças na lei orgânica do município;
  • Propor a criação de novos tributos, a extinção de tributos existentes ou mudanças nos tributos do município que sejam benéficas para a população; e
  • Fazer mudanças na lei do município relacionada à Educação.

Vereador deve zelar pela educação municipal, mas não pode prometer entregar X escolas novas.

Mas um candidato a vereador não deveria promete coisas do tipo:

  • Terminar a obra de uma rua ou uma escola;
  • Melhorar o serviço de coleta de lixo do município;
  • Implantar escola em tempo integral;
  • Aumentar o número de vagas na rede de educação;
  • Criar centros de arte e cultura;
  • Reforçar o policiamento em certos bairros;

Isto porque essas atribuições que não lhe cabem. Elas dizem respeito à prefeitura e até, algumas vezes, ao governo do estado.

Quais direitos um vereador possui?

Mas os candidatos a vereador não estão lá apenas por extremo senso de civilidade. Ocupar a posição de vereador rende alguns benefícios garantidos como:

  • Imunidade parlamentar: os vereadores podem expressar livremente suas opiniões sem que possa sofrer ameaças judiciais, evitando que sua capacidade de exercer suas competências seja limitada (isso não significa que o vereador pode cometer crimes de ódio, nem fazer apologia a crimes).
  • Direito à renúncia: o vereador pode renunciar ao seu cargo quando bem entender.
  • Direito a exercer outra profissão: o vereador pode ser médico, engenheiro, professor, policial, qualquer profissão, desde que isso não prejudique suas atividades como vereador.
  • Direito a remuneração: um vereador recebe salário pelo seu cargo na Câmara Municipal. O valor do salário varia de município para município, equivalendo a algo entre 15% e 70% do salário de um deputado estadual.

Artigo publicado no site Papo de Homem e desenvolvido por Bruno Blume, onde é bacharel em Relações Internacionais pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e atualmente editor do portal Politize.

Tudo que você precisa saber sobre a função de um prefeito antes de cobrar qualquer coisa dele

Prefeitura Municipal de Ilhota

As eleições municipais, acabou. Conhecemos o vencedor. Em Ilhota havia apenas dois projetos estavam em disputa e você escolheu o melhor entre um deles. Nem sempre o vencedor é o melhor. Mas antes de fazer qualquer escolha, é preciso saber o que essa pessoa vai fazer, não é mesmo? Então, vamos conferir, quais são as funções de um prefeito. Se você não sabia disso, passa a saber!

O gestor municipal

Em todas as esferas da nossa federação, encontramos a mesma divisão de poderes do Estado: Executivo, Legislativo e Judiciário (exceção para os municípios, que não possuem Judiciário).

O prefeito é o chefe do Poder Executivo de um município. Isso significa que está nas mãos dele o poder de administrar a cidade em que vive. Ele cobra impostos e taxas que, por sua vez, devem custear obras, serviços e políticas essenciais para a vida nas cidades.

Alguns exemplos de serviços mantidos pelas prefeituras brasileiras são:

  • a limpeza e a iluminação públicas;
  • o sistema de transporte urbano;
  • as ambulâncias e serviços de saúde municipais;
  • a educação infantil (creches, pré-escolas) e o ensino fundamental;
  • e a formação da guarda municipal.

Acordos com os governos estadual e federal

Os prefeitos precisam buscar apoio político em outras esferas de governo, como governador, deputados estaduais, federais e senadores de seu estado. Muitos recursos importantes para os municípios são negociados junto aos governos estaduais e ao governo federal, possibilitando o financiamento de projetos importantes e a melhoria da qualidade de vida da população.

O prefeito também deve colocar em prática um plano de desenvolvimento para o município, buscando atrair e/ou fomentar a criação de novas empresas, a fim de que elas gerem emprego e renda para os seus habitantes.

Relação com os vereadores

Dentro do município, o apoio da câmara municipal também é importante. Em relação à Câmara Municipal, o prefeito possui a mesma função que o presidente em relação ao Congresso Nacional: a sanção ou veto de leis. O processo legislativo municipal segue rito semelhante ao encontrado nos outros níveis da federação. Mas além disso, ele mesmo pode propor novas leis, que são submetidas à análise da Câmara e da sociedade.

Por outro lado, o prefeito deve cumprir as leis aprovadas pela Câmara, além de submeter suas contas à fiscalização, que ocorre com auxílio do Tribunal de Contas estadual – ou municipal, se houver. Além disso, o prefeito deve elaborar a lei orçamentária anual e submetê-la à Câmara, que pode alterá-la, se julgar necessário.

Os secretários

Evidentemente, o prefeito não está à frente de uma cidade inteira por conta própria: ele conta com a ajuda de funcionários públicos, secretários e assessores, cada um incumbido de cuidar de alguma coisa: recursos municipais, sistema público de saúde, sistema educacional, e assim por diante. Muitos desses secretários também são indicados a partir de barganhas políticas, da mesma forma como acontece no âmbito federal.

No fim das contas, os secretários e suas equipes realizam a maior parte do trabalho da máquina pública municipal. O prefeito coordena todo esse trabalho e estabelece as metas e prioridades da prefeitura. Por isso, lembre-se que você elege não apenas um prefeito, mas também um grupo específico, que estará junto com ele no dia a dia da administração do município (em que pese, é bem verdade, que a maior parte dos funcionários públicos são concursados).

E é claro que o cargo de prefeito não garante poder absoluto a ninguém: a pessoa que o ocupa precisa seguir uma série de leis municipais e – em teoria – tem seu trabalho fiscalizado constantemente pela Câmara Municipal.

Por fim, o prefeito tem o dever de implementar as políticas públicas que se comprometeu a fazer durante a campanha. Essas políticas devem ser discutidas com a população.

Com quais recursos o prefeito conta para administrar o município?

Para colocar em prática seus planos, o prefeito conta com recursos de diversas fontes. A primeira delas é o próprio município, que cobra seus próprios impostos, taxas e outros tributos. O Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana, mais conhecido como IPTU, é o mais conhecido imposto municipal.

Mas os prefeitos não contam apenas com os impostos coletados no município: a Constituição de 1988 prevê mecanismos de transferência de recursos dos estados e da União para os municípios. Alguns exemplos são:

  • 22,5% dos recursos arrecadados pela União com Imposto de Renda e Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) são repassados aos municípios;
  • 50% do imposto sobre propriedade rural situada no território do município;
  • 25% do ICMS, imposto estadual, também para nas prefeituras.

Em muitos casos, os recursos que chegam às prefeituras possuem destinos obrigatórios, como aqueles provenientes de fundos para a saúde e a educação. Essas e outras verbas a que municípios têm direito podem ser encontradas nos artigos 158 e 159 da Constituição.

Fonte: Por Politize! e extraído do site Papo de Homem

Dida de Oliveira, Prefeitura de Ilhota

Os melhores sites e aplicativos gratuitos para você aprender alguma coisa nova

Aplicativo, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツ

Anos atrás, se você queria aprender algo, você tinha que gastar um montão de dinheiro e ir a uma escola ou aula, um lugar dedicado especialmente para a aprendizagem. Esses dias acabaram.

Hoje em dia simplesmente não há desculpa para não saber algo que você gostaria de saber. Você pode aprender qualquer coisa, de graça, no seu próprio ritmo, em qualquer lugar com acesso à internet. Acabaram as desculpas para não nos educarmos — tirando baixar conhecimento direto em nossas mentes, essa é a possibilidade mais fácil que existe.

  1. Khan AcademyCursos de alto nível (e de graça) sobre vários assuntos.
  2. Alison: Cursos online dos maiores editores do mundo.
  3. CourseBuffet: Cursos online criados por universidades.
  4. Udemy: Uma seleção enorme de cursos premium — principalmente de habilidades técnicas.
  5. Highbrow: Cursos de dez dias, divididos em lições diárias de cinco minutos e entregues por e-mail.
  6. Academic Earth: Educação acadêmica online para todos.
  7. Learnist: Conteúdo impresso e em vídeo, feito por financiamento coletivo e com curadoria de especialistas.
  8. DegreedAprendizagem sem fim. De graça para sempre.
  9. Memrise: Aprenda uma variedade de assuntos via flashcards digitais e mnemônicas.
  10. Greatist: Artigos sobre se tornar saudável e feliz.
  11. ZenHabits: Conselhos minimalistas sobre produtividade, focados na psicologia.
  12. Anki: Software gratuito de flashcard.
  13. Hello Healthy: Artigos curtos e aplicáveis sobre saúde, perda de peso e boa forma.
  14. Fitocracy: Treino, dicas de saúde e acompanhamento.
  15. Codecademy: Aprenda Javascript, HTML, CSS, Python e mais.
  16. Free Code CampAprenda a codificar, conheça outros codificadores, desenvolva projetos que ajudam programas beneficentes.
  17. Code.org: Aulas introdutórias de codificação, desenvolvida para crianças do jardim até o ensino médio.
  18. Data Camp: Cursos de graça e “freemium” sobre R, Python e análise de dados.
  19. CodeCombat: Introduzindo lições de codificação na forma de RPG de fantasia.
  20. Lrn: Aplicativo de celular com mini-quizzes interativos de codificação.
  21. Duolingo: Aprenda mais de 20 idiomas diferentes, inclusive Klingon por alguma razão.
  22. Babbel: Aprendizado de línguas integrado com reconhecimento de fala.
  23. Drops: Estude um idioma em seu celular cinco minutos por dia.
  24. Busuu: Aprendizado de idiomas numa plataforma comunitária. Interaja com falantes nativos.
  25. CoffeeStrap: Pratique um novo idioma conversando oralmente com falantes nativos com quem você compartilha interesses em comum.
  26. Lingvist: Aprenda um idioma em 200 horas.
  27. Improve Your Social Skills: Guia gratuito de habilidades sociais de um cara que superou a síndrome de Asperger.
  28. Succeed Socially: Guia gratuito de habilidades sociais para pessoas estranhas.
  29. Job-Hunt.org: Artigos grátis sobre procurar emprego, ser promovido, ser freelancer, saber se vender e outras técnicas trabalhistas.
  30. Mind Tools: Ferramentas e vídeos de graça para melhorar a carreira, a gestão e suas habilidades comunicativas.
  31. Makezine: Revista online para “fazedores” com guias, projetos e notícias.
  32. Snapguide: Guias gratuitos criados pelos próprios usuários.
  33. ChefSteps: Mix de aulas de culinária gratuitas e premium.
  34. Instructables: Guias criados pelos usuários para fazer qualquer coisa, de cookies à prédios.
  35. Allrecipes: A maior coleção de receitas da web.
  36. InstaNerd: Leia uma série infinita de fatos aleatórios.
  37. TED-Ed: Vídeos educacionais de alta qualidade e com curadoria.
  38. Brain Pump: Assista um vídeo educacional aleatório.
  39. Now I Know: Fatos divertidos enviados por email numa newsletter diária.
  40. Curiosity: Cinco fatos novos e divertidos, enviados para o seu celular todos os dias.
  41. Zidbits: Uma enorme coleção de artigos sobre tópicos divertidos e incomuns (principalmente científicos).
  42. Big Think: Vídeos densos feitos por especialistas.
  43. Curious: Aguce seu cérebro com “exercícios” diários.
  44. Yousician: Aprenda suas músicas favoritas na guitarra, no baixo, no piano ou no ukulele.
  45. Parkour & Freerunning World: Vídeos de tutoriais de parkour e free running. Tenha cuidado!
  46. Chesscademy: Aprenda xadrez com mestres e solucione quebra-cabeças do xadrez.
  47. Pianu: Aprenda online a tocar piano.
  48. Surfedukators: Vídeos, dicas e tutoriais gratuitos sobre surfe.
  49. Flowkey: Aplicativo gratuito para treinar piano.

Fonte: Papo de Homem

Tudo o que você precisa saber sobre votos brancos e nulos mas tinha preguiça em pesquisar

Então… como votar branco? Como anular? E qual o impacto dessa decisão nas eleições? Vamos começar com o básico do básico. Veja como é fácil e simples votar em branco ou anular o voto.

Na hora em que você estiver perante a urna eletrônica, siga os seguintes procedimentos:

  • Para votar em branco, você deve apertar a tecla BRANCO da urna eletrônica, e então CONFIRMA.
  • Para votar nulo, aperte as teclas na urna que não se referem a nenhum candidato, como os dígitos “00”, e então aperte CONFIRMA.

Brancos e nulos: para que servem?

voto branco ainda é considerado um voto conformista, ou seja, o eleitor que utiliza essa forma de voto é considerado um sujeito satisfeito com qualquer um dos candidatos que ganhasse. A ideia por trás disso é que todos os votos em branco vão para o vencedor.

Já o voto nulo é tido como uma forma de protesto. Muita gente incentiva as pessoas a votarem em “nulo” porque isso mostraria a indignação coletiva com o estado da política no nosso país e forçaria a realização de novas eleições, com novos candidatos. Um outro conceito que apresento sobre o voto nulo é o erro. Às vezes, o eleitor acaba deixando a colinha em casa e esquece o número do seu candidato e digita errado, um número que não existe, portanto, anula o voto para aquele cargo, seja o majoritário ou proporcional, ou quem sabe, ambos.

O fato é que, desde 1997, os votos brancos são considerados inválidos e não favorecem diretamente nenhum candidato. Já os votos nulos não têm poder nenhum de influenciar o rumo de uma eleição, apenas diminuindo o total de votos válidos. Assim, desde então os dois votos praticamente se equivalem em seus efeitos.

Então os votos brancos e nulos não fazem nenhuma diferença?

Pode-se dizer que sim, mesmo inválidos, os votos em branco e nulos interferem nas eleições. Mas apenas de maneira indireta. Isso porque, como são inválidos, os brancos e nulos diminuem o número total de votos válidos – ou seja, o universo de votos que serão realmente considerados na contagem final.

Isso sempre favorece o candidato mais votado – especialmente em eleições de dois turnos. O motivo é simples: com menos votos válidos, fica mais fácil alcançar os mais de 50% de votos necessários para a eleição.

Veja este exemplo: suponha que em num município com 10 mil votos válidos, o candidato mais bem votado tenha alcançado 4,6 mil votos. Isso quer dizer que ele conseguiu 46% dos votos, o que, no caso dos municípios com mais de 200 mil habitantes, significa segundo turno.

Agora suponha que desses 10 mil votos, 1000 foram anulados ou deixados em branco. O universo de votos válidos cai para apenas 9 mil. Assim, o mesmo candidato, com os mesmos 4,6 mil votos, garante sua eleição sem precisar de segundo turno – pois 4,6 mil é mais de 50% de 9 mil.

A mesma lógica serve para as eleições para vereador. O cálculo que ocorre nessas eleições depende do quociente eleitoral. Esse quociente representa uma certa proporção dos votos válidos e o partido, para conseguir eleger seus candidatos, precisa possuir uma quantidade de votos maior ou igual a esse quociente.

Sendo assim, os votos em branco e nulos interferem, pois eles diminuem o quociente eleitoral, o que facilita a conquista das vagas pelos partidos.

Vamos a mais um exemplo, para ficar mais fácil:

Mais uma vez, estamos em um município com 10 mil eleitores. Vamos supor que todos eles fizeram votos válidos. Para que um candidato a vereador seja eleito, seu partido precisaria atingir o quociente eleitoral. Supondo que haja 10 cadeiras na Câmara, o quociente é de 1000 votos. Assim, ele precisaria alcançar essa quantidade para ser eleito – ou então contar com votos do partido, coligação e de outros candidatos.

Agora, vamos supor que nessa mesma eleição, 1000 eleitores tenham votado em branco ou nulo. O número total de votos válidos reduziria para 9 mil. Logo, o quociente eleitoral também diminui – para 900 votos por cadeira. Ou seja, o candidato precisará de 100 votos a menos para tornar-se vereador.

Voto nulo anula eleição?

Não! Essa é uma das maiores confusões que as pessoas fazem e também um dos grandes equívocos que se divulgam por aí em vésperas de eleição. O voto nulo não é computado em nenhuma eleição e só interfere, indiretamente, nas eleições para deputados e vereadores, pois diminui a porcentagem total de votos válidos. Assim, mesmo quando são a maioria, eles não anulam nenhum tipo de eleição.

O que muitas vezes causa confusão e leva alguns a acreditar que o voto nulo pode anular a eleição é o artigo 224 do Código Eleitoral, que prevê a necessidade de marcação de uma nova eleição se “a nulidade atingir mais de metade dos votos do país”. Porém, a nulidade a que o artigo se refere não é o voto nulo! Na verdade, ela se refere à anulação de votos em decorrência de fraudes nas eleições: cédulas falsas, votação feita fora do horário e local estipulados, etc.

Vale a pena votar branco ou nulo?

A verdade é que os votos brancos e nulos fazem pouca diferença nas eleições brasileiras. Isso não quer dizer que você não pode usar essas opções, afinal todos têm o direito de se manifestar da forma que preferirem nas urnas. Recomendamos, porém, que você conheça os candidatos das eleições, fique por dentro de suas propostas, e chegue a uma opção consciente, para não precisar invalidar seu voto único.

Legislação

Segundo a legislação, apenas os votos válidos contam para a aferição do resultado de uma eleição. Voto válido é aquele dado a um determinado candidato ou a um partido (voto de legenda). Os votos nulos não são considerados válidos desde 1965, conforme o Código Eleitoral (Lei 4.737/1965). Já os votos em branco não são considerados válidos desde que entrou em vigor a Lei 9.504/1997 (Lei das Eleições). Esses votos, no final das contas, são registrados apenas para fins de estatísticas.

Fonte: Portal Papo de Homem, em parceria com o Politize, JusBrasil, TSE e outros sites

Alguns filmes para você assistir que irão influenciar e marcar sua vida

The Truman Show, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツ

Essa não é uma lista dos meus filmes favoritos, tampouco dos filmes que quero que você assista. Na verdade, nem todos eles eu os assisti, mas talvez, por acidente, essa lista acabe servindo de inspiração pra mim, e como opção para você, já que chegou até aqui procurando de algo assistir.

Vamos pra lista em ordem alfabética:

  1. 007 Contra GoldenEye. Nunca assisti
  2. (500) Dias com Ela. Nunca assisti
  3. A caça. Não me lembro se havia assistido
  4. A carne é fraca. Não me lembro se havia assistido
  5. A era do gelo. Já assisti
  6. A febre do rato. Nunca assisti
  7. A Felicidade Não Se Compra. Nunca assisti
  8. A hora do espanto. Não me lembro se havia assistido
  9. Akira. Nunca assisti
  10. Aladdin. Nunca assisti
  11. Alcatraz – Fuga Impossível. Já assisti (recomendo)
  12. Amarelo Manga. Nunca assisti
  13. A onda. Não me lembro se havia assistido
  14. A partida. Nunca assisti
  15. À procura da felicidade. Já assisti (recomendo)
  16. A Última Noite. Nunca assisti
  17. A vida é bela. Já assisti (tenho em DVD)
  18. Azul é a cor mais quente. Nunca assisti
  19. Bastardos Inglórios. Já assisti
  20. Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças. Nunca assisti
  21. Caçadores de Emoção. Não me lembro se havia assistido
  22. Cães de Aluguel. Já assisti
  23. Cavaleiros do Zodíaco: o Santo Guerreiro. Nunca assisti
  24. Chamas da Vingança. Não me lembro se havia assistido
  25. Cidade de Deus. Já assisti
  26. Cinderela. Nunca assisti
  27. Cinema Paradiso. Nunca assisti
  28. Clube da Luta. Já assisti
  29. Conta Comigo. Nunca assisti
  30. Corra que a Polícia Vem Aí. Já assisti (muito bom)
  31. Cowspiracy: O segredo da sustentabilidade. Nunca assisti
  32. De Volta Para o Futuro (a trilogia). Já assisti
  33. Divertida Mente. Nunca assisti
  34. Don Juan DeMarco. Nunca assisti
  35. Elefante. Nunca assisti
  36. Em Busca do Vale Encantando. Não me lembro se havia assistido
  37. Garota, Interrompida. Nunca assisti
  38. Gravidade. Já assisti
  39. Homem-Aranha. Já assisti
  40. Ilha do Medo. Já assisti (tenho em DVD)
  41. Indiana Jones e o Templo da Perdição. Já assisti
  42. Invictus. Já assisti
  43. Jurassic Park. Já assisti
  44. Luzes da Cidade. Nunca assisti
  45. Magnólia. Nunca assisti
  46. Matrix. Nunca assisti
  47. Monty Python em Busca do Cálice Sagrado. Nunca assisti
  48. Na Natureza Selvagem. Nunca assisti
  49. Nascido para Matar. Já assisti (tenho em DVD)
  50. O homem ao lado. Nunca assisti
  51. O juiz. Não me lembro se havia assistido
  52. O Poderoso Chefão. Nunca assisti
  53. O Rei Leão. Já assisti
  54. Os Cowboys. Nunca assisti
  55. O Senhor dos Anéis – A Sociedade do Anel. Já assisti (tenho em DVD)
  56. Os Goonies. Já assisti
  57. Os homens que não amavam as mulheres. Nunca assisti
  58. O Show de Truman. Já assisti(recomendo)
  59. Os Outros. Nunca assisti
  60. Os Trapalhões. Não me lembro se havia assistido
  61. Para sempre Alice. Nunca assisti
  62. Patch Adams: O Amor é Contagioso. Nunca assisti
  63. Pearl Harbor. Já assisti
  64. Peixe Grande. Nunca assisti
  65. Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra. Já assisti
  66. Ponte para Terabítia. Nunca assisti
  67. Quase Famosos. Nunca assisti
  68. Que horas ela volta? Nunca assisti
  69. Quem quer ser um milionário? Já assisti
  70. Rezando por Bobby. Nunca assisti
  71. Rocky: Um Lutador. Já assisti
  72. Sangue Negro. Já assisti (recomendo)
  73. Senhor dos Anéis – A trilogia. Nunca assisti (tenho a trilogia em DVD)
  74. Snatch: Porcos e Diamantes. Nunca assisti
  75. Star Wars: A trilogia original. Já assisti (tenho em DVD)
  76. Star Wars: O Despertar da Força. Já assisti (tenho em Blu-ray)
  77. Star Wars: O Império Contra Ataca. Já assisti (tenho em DVD)
  78. Street Fighter – A Última Batalha. Já assisti
  79. Touro Indomável. Nunca assisti
  80. Toy Story 3. Nunca assisti
  81. Tropa de Elite. Já assisti (recomendo)
  82. Velozes e Furiosos. Já assisti
  83. Vida de Inseto. Já assisti
  84. Whiplash. Nunca assisti

A primeira imagem manipulada em Photoshop: Jennifer in Paradise.tif

A primeira imagem manipulada em Photoshop - Jennifer in Paradise, Dialison Cleber Vitti, Dialison Cleber, Dialison Vitti, Dialison, Cleber Vitti, Vitti, #DialisonCleberVitti, @dcvitti, dcvitti, #blogdodcvitti, Ilhota, 2014

Em 1987, John Knoll e sua namorada, Jennifer, estavam em viagem de descanso quando a foto foi tirada. O casal foi à Bora Bora, ilha da Polinésia Francesa localizada no Oceano Pacífico. Depois de um período cansativo de 70 horas semanais de trabalho na Industrial Light & Magic, empresa de efeitos especiais da Lucasfilm, nada melhor que uma praia paradisíaca para recarregar as baterias — na época, eles haviam acabado de trabalhar no filme Uma Cilada para Roger Habbit.

“Foi um momento verdadeiramente mágico para nós. Na verdade, meu marido me pediu em casamento mais tarde, no mesmo dia, provavelmente logo após a foto.”

Quem disse isso foi Jennifer, que se tornaria esposa do co-criador do Photoshop. Mais tarde, Knoll usaria a foto do topless de sua mulher como a primeira imagem manipulada no Photoshop. Enquanto trabalhava na ILM, ele teve contato com um hardware chamado Pixar Image Computer, um dos primeiros que poderiam ser utilizados para manipular imagens.

“O fato é que você poderia ter uma imagem de filme, digitalizá-lo e transformá-lo em dígitos e, em seguida, manipular esses números e colocá-lo de volta para pedaço de filme — isso significava, literalmente, não haver limites para o que você poderia fazer no meio disso tudo”.

John ficou encantado com a engenhoca que custava centenas de milhares de dólares e era tão complexa que apenas pessoas treinadas conseguiam fuçar em seu software.

Como tudo o que é encantadoramente criado, o destino mandou bala na coincidência e, na mesma época, um homem chamado Thomas estava trabalhando em um projeto de doutorado para a Universidade de Michigan que tinha tudo a ver com essa história. Era um software similar que poderia ser executado em um Macintosh Plus, muito mais barato e mais simples.

Thomas Knoll era irmão de John Knoll.

Vendo o potencial do projeto de doutorado, John ficou no pé do irmão para melhorá-lo, pois seria algo que pudessem vender. E aí que voltamos na foto do topless da Jennifer.

Para demonstrar o “produto” que tinham em mãos, a dificuldade — lembrem-se, estamos em 1987 — era encontrar imagens digitalizadas para fazer os testes. Com isso, John foi visitar uns amigos no laboratório de tecnologia avançada da Apple e usou, lá, um scanner de mesa, outro artigo bem raro na época. A única foto que ele tinha que caberia no tamanho do scanner era a da sua mulher na praia.

E assim, a imagem Jennifer in Paradise.tif se tornou a primeira “photoshopada” e, para comemorar o aniversário de 20 anos do Photoshop (que foi oficialmente lançado em fevereiro de 1990), John Knoll revisitou seus primeiros testes em um vídeo que foi disponibilizado no YouTube em 2010.

Todas as informações foram chupadas do blog do The Guardian por influência do site Papo de Homem.