Moradores de Ilhota reclamam de infestação de mosquitos

Reportagem da Rictv Record exibido no programa Balanço Geral Itajaí aborda a notícia em que a emissora mostrou tempos atrás uma infestação de mosquitos no loteamento Santa Regina ,em Itajaí. Mas no bairro Pedra de Amolar, em Ilhota, tem moradores que passam por uma situação ainda pior. É tanto mosquito, que as famílias dizem estar intoxicadas de tanto usar repelente.

Um misterioso objeto cai do céu em Ilhota

Esse trágico acidente aconteceu no dia 14 de novembro de 2015, na localidade de Pedra de Amolar, interior da cidade de Ilhota, bairro onde vivi minha infância. Conheço as pessoas envolvidas no caso. A situação curiosa chamou a atenção de moradores.

De acordo com a matéria que foi ao ar no programa Jornal do Meio-Dia da RIC TV de Itajaí, seu João saiu de casa para pescar na manhã daquele sábado e quando voltou, por volta das 9h30, foi surpreendido por um objeto de ferro na sala. A peça, que caiu no telhado, chegou a quebrar o forro da casa. O assunto movimentou a cidade, e a suspeita dos moradores era que fosse uma peça de avião, mas a Infraero negou a partir da perícia de mecânicos.

Tenho duas possibilidades para isso. Uma é que ali próximo, atrás da casa onde a suspeita peça misteriosa que caiu dos céus, funcionava a oficina mecânica do seu Dé Cordeiro, popular personagem e grande amigo da Pedra. Dé, que era mecânico, fazia muitos consertos em caminhões e caros grandes e essas pessoas não tem o costume de recolher as sobras dos serviços/peças e jogarem no lixo correto. É mais fácil e conveniente deixarem em qualquer lugar. Eu imagino que isso seja alguma peça mecânica de um conjunto do motor automotivo, sendo uma peça do platô da embreagem. Minha suspeitas é que alguns moleques que por ali brincavam, acharam a peça, jogaram para cima e caiu na casa, causando o estrago. Só acho! Outra suspeita é que ali no bairro é rota de aviões. O aeroporto de Navegantes é bem próximo, e por ali, a comunidade já está acostumada a acompanhar o grande fluxo de taxiamento de aviões que estão preparando para o pouso. Faz sentido ser uma peça de uma avião.

Bom! Uma lógica real podemos concluir nisso… coisa de ET não é, até porque ET usam parafusos e chaves sextavados, ETs usam chaves Allen.

😀

Incêndio atinge fábrica de papel em Pedra de Amolar

Fábrica de papel em Pedra de Amolar, Dialison Cleber Vitti, Dialison Cleber, Dialison Vitti, Dialison, Cleber Vitti, Vitti, #DialisonCleberVitti, @dcvitti, dcvitti, #blogdodcvitti, Ilhota, 2014

O acidente aconteceu em 18 de junho e foram usados mais de 60 mil litros de água para controlar o fogo.

A fábrica de papel na Pedra de Amolar em Itajaí sofreu um incêndio na madrugada desta quarta-feira. Os bombeiros continuam no trabalho de rescaldo do incêndio que consumiu cerca de 20 toneladas de papel. O combate começou por volta das 2h e durou até o início da manhã. Foram usados mais de 60 mil litros de água para impedir que o fogo atingisse o maquinário e a estrutura do prédio, localizado na Estrada Geral do bairro. Ainda não se sabe como o fogo começou e não houve feridos.

◤✠◢ Sempre vascaíno ◤✠◢

dcvitti vascaíno.

Todo mundo tem uma foto revelada em papel que retrata uma passagem importante em suas vidas, não é verdade? Ainda mais quando essas fotos resgatam a nossa infância, que bem pouco sabe-se a sua origem. Então, revendo o álbum de família, lugarzinho de grande valor histórico e sentimental de cada um, apesar que isso não mais faz parte da gente nos dias de hoje, tem uma dessas fotos em que você goste muito. Eu tenho algumas que curto muito e é essa aí que postei em meu blog, que pra mim, identifica nossa personalidade e foi a primeira escolha de minha vida.

Reza a lenda que, segundo relatos da dona Catarina, minha mãe, que ela e meu falecido pai foram convidados para um casamento, e minha resolveu vestir-me com a roupinha do time. Mas porque o Vasco? Então, o Vasco é o Vasco o resto é fiasco. Minha mãe me disse que eu era mundo xereta do meu padrinho, que é vascaíno e meu pai queria que eu fosse do time dele, o Flamengo. Daí minha mãe foi até uma loja em Itajaí, a Giorama, importante loja de departamento da região e comprou os conjuntos, a do Vasco e do Flamengo. Pôs os dois uniformes na cama e pediu pro menino da mãe escolher e adivinha quem ele escolheu? Pra sorte da nação vascaína, aos um ano e oito meses, essa foi a minha primeira escolha!

Resumindo a história toda, depois da noiva, a gente foi a maior sensação da festa. Nasci em Luiz Alves e lá morei até os meus três anos de idade até mudarmos pra Pedra de Amolar, Ilhota sem ter que mudar a identidade futebolística e desde o outubro de 1979 eu visto essa camisa. Que tristeza pro meu pai. Mas logo depois ele ficou feliz, pois a minha irmã veio ao mundo e puxou o saco do pai e vestiu a camisa rubro-negra. Lá em casa, somos assim divididos: eu, vascaíno; a minha irmã e meu pai, flamenguistas; e minha mãe, corintiana. E a Rose? A Rose é de Jesus!

Ministério da Saúde avalia positivamente serviços prestados pela prefeitura

Unidades Báscias de Saúde Padre Carlos Guesser do CentroBanner da Prefeitura de Ilhota - Assessoria de ImprensaNa semana passada, representantes do Ministério da Saúde vieram a Ilhota avaliar os serviços prestados pelo Estratégia de Saúde da Família – ESF (antigo Programa Saúde da Família –PSF). Os 11 auditores da instituição analisaram a equipe 01 Unidade de Saúde do Baú, equipe 02 da Unidade de Saúde Central e a equipe 03 da Unidade de Saúde Pedra de Amolar.

A avaliação consistia em quatro conceitos: muito satisfatório, satisfatório, regular e insatisfatório. Ilhota recebeu as melhores notas da região, sendo dois satisfatórios e um muito satisfatório. “Tenho certeza que surpreendemos os auditores. Mesmo sendo uma cidade pequena, mostramos a eles que somos organizados e prezamos pela saúde da nossa população”, explica a secretária de saúde, Jocelene da Silveira.

A vistoria faz parte do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica, que procura induzir a instituição de processos que ampliem a capacidade das gestões federal, estadual e municipal, além das equipes de Atenção Básica, em ofertar serviços que assegurem maior acesso e qualidade.

Edital de convocação para assembléia geral ordinária da AAPA

Associação Atlética Pedra de Amolar – AAPA

A Associação Atlética Pedra de Amolar – AAPA, convoca pelo presente edital e de conformidade com o inciso II, do artigo 22 do seu Estatuto Social, por seu presidente abaixo-assinado, nos termos do § 1º, artigo 23, todos os associados desta entidade social, para a Assembleia Geral Ordinária de eleição e posse da nova diretoria da entidade, a realizar-se-á no dia 19 de agosto de 2012, domingo, às 10h00, em primeira convocação, na presença de cinquenta por cento mais um dos associados e em segunda convocação, uma hora após, pelo número de associados presentes observando o artigo 22, nas dependências da sede social, situado na rua Delfino Bernardino Rosa, S/Nº, Bairro de Pedra de Amolar, nesta município, para deliberar sobre a seguinte ordem do dia:

  1. Eleição da nova Diretoria Executiva e Conselho Fiscal para o biênio de 2012/2014;
  2. Empossar os membros da Diretoria Executiva e Conselho Fiscal para o biênio de 2012/2014;
  3. Aprovação de novos associados;
  4. Apreciação e avaliação dos trabalhos desenvolvidos da diretoria executiva e do conselho fiscal; e
  5. Prestação de contas do exercício anterior;
  6. Discussão de assuntos gerais da entidade e/ou das comunidades envolvidas.

O presente edital foi publicado com antecedência mínima de 15 dias em concordância com o § 1º do artigo 23 do seu Estatuto Social. Certo da compreensão de todos, ficamos a disposição para eventuais esclarecimentos e contamos com a presença de todos os associados.

Ilhota/SC, terça-feira, 16 de julho de 2012.

Edson de Paula Nunes, Presidente da AAPA

Cultura mais perto da Pedra de Amolar

Cultura mais perto da Pedra de Amolar

Jornal MetasDesde 15 de fevereiro deste ano, a comunidade da Pedra de Amolar passou a ter um espaço cultural exclusivo para cursos de violão, contação de histórias, artesanato e teatro.

A antiga creche do bairro, onde já ocorriam alguns cursos há cerca de três anos, foi revitalizada em sua estrutura para ser este espaço. Ganhou o nome de Centro Cultural Manoel.  Entre as novidades, a biblioteca, que abriu com um acervo de mais de 2.600 livros. Tudo isto para que a população não tenha que se deslocar até o outro lado do rio para ter acesso à leitura e outras manifestações culturais. “A comunidade ganha em cultura, aprende a aprender e ter conhecimento do que é cultura de verdade: música de qualidade, artes visuais de grande valor histórico e ainda tem contato com artistas”, destaca Vanderlei Lazzarotti, diretor da Fundação Cultural de Ilhota.

Todas as segundas, terças e quartas-feiras, Alcione Garcez, 39 anos, está no centro cultural. Ela faz parte da comunidade da Pedra de Amolar e trabalha como artesã há 17 anos. três ela atua como professora de artesanado no novo centro. Alcione dá aulas de biscuit, pintura em tecido, gesso e madeira e também de reciclagem. “Tivemos muita procura, principalmente para o período da noite. No total, tenho em torno de 50 alunos”. Ela conta que já dava aulas no local antes de ser transformado em centro cultural, mas a nova estrutura uniu os cursos e trouxe a biblioteca para perto da comunidade.

Bárbara Aparecida dos Santos, 33 anos, está há apenas quatro semanas no curso. Ela está aprendendo pintura em tecido, e admite que está surpresa com suas próprias habilidades manuais. “Sempre tive vontade de pintar, mas achei que não conseguiria. Está sendo uma terapia, estou adorando. Se a gente fica em casa sem fazer nada, só pensa bobagem”, diverte-se a aplicada aluna. Bárbara tem uma empresa de montagem de móveis e, às quartas-feiras à tarde deixa o trabalho para ir ao centro cultural. A ideia dela é aprender uma técnica de cada vez. Ela até  escolheu a próxima, o biscuit.

Outras oficinas serão oferecidas

“O primeiro passo – implantação do centro cultural – foi dado. O resto vem com o tempo, uma coisa leva à outra. Neste momento, estamos começando a implantar projetos pilotos para mapear a comunidade e melhor atendê-la futuramente”, explica Vanderlei. O centro cultural, bastante esperado pela comunidade, não deve ficar apenas com os cursos que tem hoje. Vanderlei conta que há um projeto chamado “Oficinas”, em que serão contempladas aulas de dança, fotografia, cinema, acordeon e práticas de instrumento em grupo. O projeto inicia no segundo semestre. A comunidade teve uma boa recepção do centro, e segundo o diretor, a cada dia aumenta a demanda por novos cursos. Ele conta que muita gente já visitou o espaço e elogiou a iniciativa da prefeitura.

A comunidade ganha em cultura, aprende a aprender e ter conhecimento do que é cultura de verdade: música de qualidade, artes visuais de grande valor histórico e ainda tem contato com artistas
Vanderlei Lazzarotti

Jornal Metas

Ilhota, 1983

Centro de Ilhota na enchente de 1983

Depois que a internet surgiu, muitos de nossas memórias vieram a lembrança. Aqui nesta postagem, apresento duas fotos que chupei do perfil de Maristela Pereira no facebook que retrata o Centro de Ilhota na terrível cena das enchentes de 1983 durante a terrível enchente 1983 envolvendo todo Vale do Itajaí. Neste ano eu já morava em Ilhota, mas no bairro de Pedra de Amolar a mais de um ano e vivenciei esse momento catastrófico. Tenho lembranças daqueles momento mas poucas fotos.

Eu não morava e nem conhecia o centro da cidade nestes tempos, assim como não sabia como foi o abalo da enchente no município. Tenho uma ou duas fotos do meu bairro, e devo buscá-las e levantar pra redes sociais afim de compartilhar os momentos de sofrimento que vivenciamos neste períodos isolados e esquecidos da gente.

Se você tiver alguma fotos deste período, levante pra internet e compartilhe com todos os arquivos que só você tem!

Novo espaço para a cultura em Ilhota

Novo espaço para a cultura em Ilhota

Prefeitura inaugura, na Pedra de Amolar, um centro cultural.

Desde a última quarta-feira (15), a comunidade do bairro Pedra de Amolar, em Ilhota, passou a contar com um espaço destinado exclusivamente à cultura: o Centro Cultural Manoel Bittencourt. Antes de ser aberto ao público, o prédio abrigava uma antiga creche. Por isso, precisou passar por uma reforma completa para adequar o espaço ao serviço que passou a ser prestado à comunidade. A revitalização do local contemplou pintura, limpeza, higienização, instalação de grades e a construção de uma biblioteca. “Os moradores da região ficaram muito contentes com a reforma e a procura pelos cursos já é grande”, revela o superintendente da Fundação Cultural do município, Rui Max.

O Centro Cultural vai oferecer aulas gratuitas de artesanato e violão. As aulas de artesanato acontecerão em três turnos, enquanto as de violão ainda estão sem horários definidos, pois dependem da demanda de alunos interessados.

Acesso

Com a construção de uma biblioteca no bairro, não será mais necessário que as pessoas que moram na Pedra de Amolar atravessem o rio Itajaí-Açu para buscar um livro de pesquisa ou para uma leitura de entretenimento. “A região tinha apenas escolas e agora há um espaço destinado exclusivamente à cultura”, observa o diretor de Cultura da Fundação, Vanderlei Lazzarotti. Na biblioteca, segundo ele, há mais de dois mil livros com títulos bastante atualizados. “Isto torna o acesso aos livros mais fácil, mais cômodo e democrático para a população, além de proporcionar mais qualidade de vida”, acentua Lazzarotti.

Os interessados em participar de alguns dos cursos oferecidos pelo centro cultural devem se dirigir AP espaço das 8h às 11h30 ou das 13h30 às 16h30 e falar com Alcione Garcês, ou por meio do telefone 3343-8826. Os contatos são Célia ou Vanderlei.

Biblioteca do Centro Cultural da Pedra de Amolar nasce com 2635 livros

Inauguração do Centro Cultural Manoel Bittencourt

Jornal IlhotaOs autores são os mais diversos, desde Paulo Coelho até Dan Brown. Nas prateleiras do Centro Cultural Manoel Bittencourt o que não faltam são livros. A biblioteca já nasceu com 2635 títulos. As obras foram doadas por pessoas da comunidade, inclusive de outras cidades, como Itajaí e Balneário Camboriú. O espaço foi uma das grandes novidades na inauguração da casa, que aconteceu nesta quinta-feira (16).

Cerca de 150 pessoas estiveram presentes na cerminônia. O nome Manoel Bittencourt é uma homenagem a um cidadão ilhotense, que nasceu no bairro Pedra de Amolar, onde está situado o centro. Seu Nele, como era conhecido, casou-se com dona Verônica de Souza no ano de 1929 e com ela criou seus seus filhos. Viveu no município até seu falecimento, em 2010. No evento, o cerimonial registrou uma mensagem encaminhada pelo poeta Felício José Bittencourt, irmão de seu Manoel, que dizia: “a leitura é uma fonte inesgotável de prazer, mas, por incrível que pareça, a quase totalidade não sente essa”.

A casa contempla, além da biblioteca, uma sala para aulas de arte e artesanto e uma outra para eventos culturais. O superintendente da Fundação Cultural, Rui Max Machado, comemorou os resultados. “Agradeço em nome de todos os que por força de vontade e do voluntariado promovem a cultura nesta cidade. Estamos entregando um espaço onde as pessoas podem contribuir e solidarizar com todas as causas culturais”, disse.

Já o secretário de educação, Raul Fernando dos Santos, ressaltou que ficou muito feliz em ver mais um sonho sendo realizado. “Lembro do convite do prefeito para assumir o departamento de cultura, quando criamos, depois, a fundação. Hoje, mais uma página é escrita desta hitória. Agora a Pedra de Amolar tem um espaço onde a comunidade pode se encontrar”.

Em seu discurso, o prefeito Ademar Felisky destacou que seu governo foi o que mais investiu em cultura. “Nós queremos mais e isso é só o começo. Com a criação da fundação cultural, deixo o meu legado de cultura e resgate histórico de nosso povo. Não tenho dúvidas que seremos referência na história da nossa cidade pelas ações que desenvolvemos”. Também memorou o carinho à família de seu Manoel Bittencourt pelo exemplo de vida de toda sua família.

Maria Salete Bittencourt, filha de seu Nele, agradeceu as palavras do prefeito Ademar. “Meu pai era uma pessoa muito boa e nós aprendemos muito com seus ensinamentos e ficamos muito agradecidos pela homenagem. Graças a Deus pelo reconhecimento das autoridades . Nossa família ficará mais unida e ajudaremos a manter esse prédio que leva o legado de nosso pai”. A esposa Verônica ficou emocionada durante toda cerimônia.

Seu Nele

Expressivo e popular. Assim podia ser definido seu Nele, que deu nome ao Centro Cultural da Pedra de Amolar. Bom conselheiro, amigo fraterno e solidário para com todos sem distinção. Acolheu vários indigentes; doou terreno para a construção da Capela São Francisco de Assis; e presidiu a instituição por vários anos. Participou de inúmeras pastorais. Teve 58 afilhados. Humilde, sempre teve como meio de transporte a sua bicicleta. Trabalhou na roça, teve engenho de cana e de farinha, serraria e bar. Foi vereador na década de 1960, época em que os vereadores não eram remunerados. Prestava serviços ao município por mérito e respeito aos que nele depositavam confiança, sem disputa de cargo ou favorecimento pessoal.