Vendo um terreno na Rua Modesto Vargas, no Centro de Ilhota

Destacado

Casa do dcvitti

Casa do dcvitti está a venda!

Então pessoal… eu e a minha Rose decidimos por nossa casa, nosso único imóvel valioso à venda e pretendemos abrir uma régua de negociação com os interessados.

Nosso imóvel fica situado na Rua Modesto Vargas, 229, no Centro de Ilhota, área nobre da cidade e bem pertinho de tudo… pertinho do supermercado, da padaria, da farmácia, posto de combustível, da unidade básica de saúde, do ponto de ônibus, dos bancos, da prefeitura, das igrejas e dá pra ir à pé para a escola das crianças. A rua é asfaltada, os principais serviços de telefonia e internet de banda larga com fibra óptica passam por lá. Os serviços públicos de limpeza, coleta de lixo e água funcionam perfeitamente. Futuramente, irá se instalar a agência do Banco do Brasil na rua e o imóvel fica bem em frente do banco. A localização é uma excelente área comercial crescente, um baita ponto para o futuro investidor. Ah! O terreno é todo murado e cercado por ótimos vizinhos.

O imóvel possui uma área de 287,70m², medido 11x26m. De acordo com avaliação do setor de tributação da Prefeitura de Ilhota, o terreno nesta região, para o cálculo do ITBI está avaliado em R$ 175,00/m².

Diante da política fundiária do município, da ótima localização e pela super valorização dos imóveis na cidade, provenientes dos últimos 10 anos, estamos iniciando a negociação no valor a partir de R$ 260 mil.

Não temos a escritura pública do imóvel, mas o terreno é escriturado. O terreno está numa longa disputa e sem fim de um inventário que nunca se conclui. Possuímos apenas o contrato de compra e venda. O procedimento a ser adotado para ter a posse legal da propriedade é através do usucapião, mas não prosseguimos por falta de investimento orçamentário para custear todo o processo.

Caso deseje estabelecer um diálogo, estamos abertos a negociação. Para facilitar a comunicação disponibilizo meu contato telefônico 47 99938-3519 habitado para os principais aplicativos de conversação. Basta clicar neste link e iniciar a conversa via WhatsApp bit.ly/VendoTerrenoNaRuaModestoVargas, ou via e-mail pelo endereço vendoumacasanaruamodestovargas@gmail.com.

Neste link, disponibilizamos a localização no Google Street View. Basta apenas clicar em http://bit.ly/VendoCasaRuaModestoVargas.

Espero que possamos fazer um bom negócio, pois a proposta é imperdível!

Com alegria,
#DialisonCleberVitti

Casa do dcvitti no Google Street View

Anúncios

Contrato com aluguel de impressoras prevê gasto de quase 250 mil reais para Prefeitura de Ilhota em 2019

Contrato de aluguel de impressoras da Prefeitura de Ilhota

#PrefeituraDeIlhota renova contrato com aluguel de impressoras no valor de R$ 240.414,48. Ou eu tô doido ou não sei ler direito. Será que é isso mesmo que li no Aditivo 001 do Contrato 056/2018? Quase 250 mil com ALUGUEL DE IMPRESSORAS? Com esse valor quase dá pra comprar uma gráfica!

Só se essas impressoras imprimem dinheiro pra justificar o aluguel delas, só pode!

Transcrevo aqui o que consta na Cláusula Terceira do contrato:

“Em decorrência da falta de duas impressoras não prevista pela Secretaria de Administração da Prefeitura de Ilhota para continuidade aos serviços aditava-se em 0,1875277% (porcentagem) do valor contratual de R$ 239.964,49 (duzentos e trinta e nove mil e novecentos e sessenta e quatro reais e quarenta e nove centavos), logo o valor do aditivo será 449,99, sendo o valor final do contrato será de R$ 240.414,48 (duzentos e quarenta mil e quatrocentos e quatorze reais e quarenta e oito centavos). Com vigência a partir de 01/02/2019″.

Pra dizer que não estou louco e em plena consciência, disponibilizo o link da publicação no Diário Oficial dos Municípios da Edição 2745, página 535 de 01/02/2019 http://bit.ly/2GjzWwH.

E eu, por ser petista e defender a bandeira da transparência, da luta de classes e dos direitos individuais e coletivos, sou chamado de vagabundo, pilantra, corrupto e outros adjetivos por essa galera hipócrita, vem na minha rede e nos ofende quase que sistematicamente, e por não se contentarem em comentar essas asneiras, curtem os comentários de ódios desses haters, que muitos deles votaram num candidato a presidente se espelhando num prefeito que pensa só em si e que governa para meia dúzia de pessoas.

Se tiver algumas pessoas questionando que justo o aluguel, pode até ser, mas entendo que é imoral, para uma cidade do porte de Ilhota, de uma economia fragilizada e com uma suposta crise econômica que assola todos os setores.

Não li que o contrato contempla os papéis. Uma coisa é o equipamento outra os A4. Por isso temos 25% do orçamento destinado para educação. Era 30% e tinha gente que achava que era muita grana

Dizem por aí que nada pode ser tão trágico quanto um cego que não quer ver.

Com alegria,
#DialisonCleberVitti

Prefeito de Balneário Camboriú é o novo presidente da Amfri. Já o prefeito de Ilhota é eleito vice do vice

Fabrício Oliveira é o novo presidente da AMFRI

A Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí – AMFRI já tem uma nova diretoria. Na manhã desta sexta-feira (25), por unanimidade os prefeitos elegeram o Prefeito de Balneário Camboriú, Fabrício Oliveira como o novo Presidente da AMFRI. Completando a nova diretoria foram escolhidos para primeiro vice-presidente Leonel José Martins (Balneário Piçarras) e segundo vice-presidente Erico de Oliveira “Dida” (Ilhota).

Élcio Rogério Kuhnen, Prefeito de Camboriú e Presidente da AMFRI em 2018, passou o cargo a Fabrício, agradecendo a todos que colaboraram com as inúmeras ações realizadas durante o último ano. Em seguida o novo presidente da AMFRI também discursou. “Agradeço a todos, em especial a toda equipe da AMFRI, liderada pelo secretário executivo Célio Bernardino, porque em várias situações se recorre a AMFRI, e aqui temos atendimento, profissionais com capacidade, conhecimento, desenvoltura que tem compromisso para ajudar nossas prefeituras, e me coloco a disposição de todos vocês, será uma honra presidir esta entidade”, concluiu o prefeito de Balneário Camboriú.

A Assembleia Geral de Prefeitos contou ainda com a apresentação e aprovação do relatório de atividades de 2018 e a Prestação de Contas da AMFRI, dos Consórcios de Turismo (Citmar) e Saúde (Cis-Amfri). A deputada estadual Ana Paula da Silva, que presidiu a associação nos anos de 2014 e 2017, também esteve prestigiando a posse da nova diretoria.

Diretoria da AMFRI 2019

  • Presidente – Fabricio Oliveira (Prefeito de Balneário Camboriú)
  • Primeiro Vice-Presidente – Leonel José Martins (Balneário Piçarras)
  • Segundo Vice-Presidente – Erico de Oliveira “Dida” (Ilhota)

Conselho Fiscal Efetivo:

  • Elcio Rogério Kuhnen – Prefeito de Camboriú
  • Emílio Vieira – Prefeito de Navegantes
  • Emerson Luciano Stein – Prefeito de Porto Belo
  • Paulo Henrique Dalago Muller– Prefeito de Bombinhas

Suplentes do Conselho Fiscal:

  • Aquiles José Schneider da Costa – Prefeito de Penha
  • Volnei José Morastoni – Prefeito de Itajaí
  • Nilza Nilda Simas Ribeiro – Prefeita de Itapema
  • Marcos Pedro Veber – Prefeito de Luiz Alves

BC Notícias

Prefeito de Ilhota tem as contas de 2017 rejeitas pelo Tribunal de Contas do Estado

Prefeitura de Ilhota

As contas de 2017 de Ilhota e outros setes municípios recebem parecer prévio do TCE/SC pela rejeição. Prefeito Dida é o primeiro prefeito da história política do município a ter contas rejeitas no primeiro ano do mandato. Câmara deverá aprovar, serão que irão?

O Tribunal de Contas de Santa Catarina concluiu, na sessão do Pleno desta quarta-feira (19/12), a apreciação das contas dos 295 municípios catarinenses referentes ao exercício de 2017. Oito prefeitos receberam parecer prévio pela rejeição das contas, ou seja, 2,71% do total, e 287, 97.29%, pela aprovação. A manifestação do TCE/SC orienta o julgamento das contas pelas respectivas câmaras municipais e, segundo a Constituição Estadual, só deixa de prevalecer por decisão de dois terços dos vereadores.

Entre as causas que motivaram os pareceres pela rejeição das contas estão o déficit orçamentário e financeiro, quando o município gasta mais do que arrecada; a não aplicação mínima em saúde e em educação, 25% e 15%, respectivamente; o descumprimento do limite máximo de despesas com pessoal sem a devida redução no prazo legal que é de dois quadrimestres. “Considero que os municípios catarinenses, salvo raras exceções e apesar das dificuldades decorrentes da crise econômica, estão sendo geridos com rigor no equilíbrio das contas públicas”, avaliou o diretor de controle dos municípios do TCE/SC, Moisés Hoegenn.

Na apreciação das contas anuais, o Tribunal de Contas verifica se o balanço geral representa adequadamente a posição financeira, orçamentária e patrimonial do município em 31 de dezembro. Os critérios para apreciação das contas anuais prestadas pelos prefeitos municipais estão definidos na decisão normativa N. TC-06/2008. A norma traz a lista de restrições que podem motivar o parecer pela rejeição e está disponível no site do TCE/SC, em Legislação e Normas – Decisões Normativas – 2008.

Decisão Normativa N.TC 06/2008 é a ferramenta legal que estabelece, no âmbito do TCE/SC, os critérios para apreciação das contas anuais prestadas pelos Prefeitos Municipais, e o julgamento das contas anuais dos Administradores Municipais.

Inovações

A análise dos processos de prestação de contas dos prefeitos (PCP) referentes ao exercício de 2017 incluíram também a observância ao cumprimento das metas previstas no Plano Nacional de Educação (Lei nº 13.005/2014) e das políticas públicas estabelecidas no Plano Nacional de Saúde (Lei nº 8.080/90, art. 15, VIII). Outra inovação foi a verificação, por solicitação do Ministério Público de Contas, do cumprimento do dispositivo do Estatuto das Cidades (Lei Federal nº 10.257, de 10 de julho de 2001) que exige a revisão do plano diretor de cada município a cada dez anos (art. 40, Parágrafo 3º).

Reapreciação

Prefeitos e câmaras de vereadores podem solicitar a reapreciação das contas anuais depois da manifestação do Pleno, conforme prevê a Lei Orgânica do Tribunal de Contas. Após a publicação da decisão do TCE/SC no Diário Oficial Eletrônico (DOTC-e), os chefes de executivos têm 15 dias para fazer o pedido de reapreciação. Legislativos municipais têm 90 dias, contados do recebimento do processo. No caso de pedido de reapreciação de iniciativa do prefeito, o processo só é encaminhado à câmara municipal depois da nova manifestação do Pleno sobre a matéria.

Relação dos municípios com parecer prévio pela rejeição:

  • Anita Garibaldi
  • Barra Velha
  • Ilhota
  • Ituporanga
  • Major Vieira
  • Papanduva
  • Pescaria Brava
  • Praia Grande

Fonte

Veículo oficial da Prefeitura de Ilhota só pode ser utilizado em serviço

Jetta da Prefeitura de Ilhota

Município de Ilhota firmou acordo com o MPSC e se comprometeu a restringir uso dos veículos oficiais e punir abusos.

O Município de Ilhota firmou termo de ajustamento de conduta com o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e se comprometeu a disciplinar o uso dos veículos oficiais, identificando-os e determinando sua utilização apenas quando em serviço, entre outras medidas.

O TAC foi proposto pela 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Gaspar, após apurar, em inquérito civil, a falta de controle no uso dos carros oficiais de Ilhota. “O Município não pode permitir que seus servidores utilizem os veículos públicos a seu bel prazer, sem justificativa e muito menos fora do horário de expediente, uma vez que tal prática soa abusiva, além de totalmente irregular”, considerou a Promotora de Justiça Andreza Borinelli ao fazer o acordo.

Ao firmar o TAC, o Município de Ilhota se comprometeu a determinar imediatamente que os veículos oficiais não sejam utilizados fora do horário de expediente, período no qual devem estar guardados em espaço da Prefeitura ou secretaria a que estejam vinculados.

Caso haja uso indevido  – assim considerado, inclusive, o transporte de servidores, secretários, Prefeito ou Vice no trajeto residência/local de trabalho – o Município deverá tomar as medidas administrativas cabíveis e informar ao Ministério Público.

Não será considerado uso indevido quando os servidores permaneçam no local ou nas proximidades no intervalo do almoço no caso de obras realizadas no interior do Município ou distante da sede. Casos excepcionais a serem devidamente como, por exemplo, plantão do Conselho Tutelar e transporte de pacientes para tratamento fora do domicílio deverão ser previamente autorizados pelos Secretários de cada pasta, mediante justificativa.

Além disso, em 30 dias o Município deverá identificar todos os veículos – inclusive os porventura locados – com o brasão do município e o setor a qual estão vinculados e, em 60 dias, disponibilizar no Portal da Transparência as informações referentes a todos os veículos, em conformidade com as informações no site do Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN/SC). Caso descumpra o acordo, o Prefeito do Município de Ilhota fica sujeito à multa de R$ 1 mil por dia de atraso. O valor da multa, se necessária sua aplicação, será revertido ao Fundo para Reconstituição de Bens Lesados (FRBL) e destinado financia projetos que atendam a interesses da sociedade.

Evento cultural promove encontro entre duas gerações

Felício Bittencourt e Joel Soares

Um encontro marcado de muita emoção, juntou duas gerações de ilhotenses numa tarde festiva que aconteceu na Creche Tia Loli no Bairro Pedra de Amolar nesta terça-feira (21).

Foram várias  apresentações das crianças lembrando sempre o respeito que devemos ter aos mais velhos. Um momento muito especial foi o plantio de árvores nativas que foram fornecidos pela Secretaria de Meio Ambiente, sinalizando a união e a conscientização da importância também do respeito a natureza entre as gerações.

Outro momento emocionante foi a entrega de flores  pelas crianças aos vovô e vovós presentes, seguido de um convite para uma dança. Ao final a criançada se divertiu com a apresentação teatral do Boi de Mamão.

Prefeitura de Ilhota

Comissão analisa repasse de verbas para vítimas de enchentes

Comissão analisa repasse de verbas para vítimas de enchentes

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle discute nesta tarde a demora na liberação de recursos federais para os municípios de Santa Catarina, Rio de Janeiro e Minas Gerais atingidos por enchentes em 2008 e 2009.

De acordo com o deputado José Carlos Vieira (DEM-SC), que propôs a audiência, dos 108 municípios atingidos em Santa Catarina, somente 16 tiveram seus relatórios de danos aprovados pela Defesa Civil para receber os recursos. Para ele, a burocracia governamental está impedindo que o dinheiro seja repassado, prejudicando milhares de famílias que ficaram desabrigadas em razão das chuvas fortes e que não têm como voltar para suas casas.

O requerimento da audiência também é assinado pelos deputados Felipe Bornier (PHS-RJ) e Márcio Reinaldo Moreira (PP-MG).

Debatedores

Além dos ministros, também foram convidados para participar da audiência:

  • Representantes dos ministérios da Fazenda; da Integração Nacional; e do Planejamento.
  • Representantes dos governos de Minas Gerais, Santa Catarina e Rio de Janeiro (estados atingidos por enchentes).
  • O presidente da Comissão Externa da Câmara que acompanhou a tragédia em Santa Catarina, deputado Paulo Bornhausen (DEM-SC).
  • O deputado Acélio Casagrande (PMDB-SC), representante da Frente Parlamentar da Defesa Civil.
  • Um representante do Tribunal de Contas da União (TCU).
  • Um representante do Ministério Público Federal.
  • O major Marcio Alves da Defesa Civil de Santa Catarina.
  • O presidente da Associação de Municípios da Foz do Rio Itajaí, Ademar Felisky.
  • O presidente da Associação de Municípios do Vale Médio do Itajaí, João Paulo Kleinubing.
  • O presidente da Associação de Municípios do Vale do Rio Itapocu, Valdir Corrêa.
  • O presidente da Associação de Municípios do Nordeste de Santa Catarina, Ervino Sperandio
  • O presidente do Consórcio de Saúde Pública do Noroeste Fluminense, José Eliezer.
  • O presidente da Associação dos Municípios da Área Mineira da Adene (Amans), Valmir Morais.

A audiência será realizada às 14h30 no plenário 10.

Outras informações

Fonte Agência Câmara Notícias

Falta de estrutura faz defesa civil deixar de receber verbas

Falta de estrutura faz defesa civil deixar de receber verbas

A falta de uma estrutura adequada de defesa civil na maioria dos municípios brasileiros é um dos problemas que afetam os repasses de recursos públicos para vítimas de catástrofes. Essa foi uma das conclusões dos deputados da Comissão Externa de Acompanhamento da Tragédia Climática em Santa Catarina depois de cinco audiências no estado, na semana passada.

Para enfrentar o problema e buscar soluções, a Câmara vai realizar uma comissão geral (sessão de debates) que discutirá a estrutura da defesa civil. Na sexta-feira (6), durante reunião da comissão externa em Itajaí (SC), o presidente da Câmara, deputado Michel Temer, anunciou a realização do debate e disse que a Casa vai analisar a possibilidade de criação de um fundo nacional para apoiar a prevenção de desastres naturais.

Ação preventiva

De acordo com representantes da defesa civil, na maioria das cidades brasileiras falta uma estrutura adequada para o setor, que precisa de mais profissionalização e da realização de concursos públicos. Michel Temer disse que a defesa civil precisa ter uma ação mais preventiva, e não apenas de resposta aos desastres. Ele ressaltou que as vítimas da tragédia em Santa Catarina não podem ser esquecidas.

O diretor de Reabilitação e Reconstrução da Secretaria Nacional de Defesa Civil, José D`Ávila Fernandes, destacou que mais de 70% dos municípios já criaram coordenadorias de defesa civil, mas menos de 5% delas “funcionam adequadamente”.

Segundo ele, a falta de estrutura no setor atrapalha o recebimento dos recursos de defesa civil pelo municípios, obrigados legalmente a criar as coordenadorias, que elaboram o formulário de avaliação de danos e a notificação preliminar de desastres.

Esses documentos, informa Fernandes, são essenciais para que o decreto municipal de calamidade pública ou de emergência seja reconhecido pelo governo federal, possibilitando o repasse de recursos para o município.

Na avaliação de José Fernandes, a falta de estrutura dos órgãos municipais é uma “questão cultural”. Ele ressalta que cada Real aplicado em prevenção equivale a R$ 15 ou R$ 20 investidos em tarefas de reparação ou reconstrução.

Colaboração

A comissão externa visitou, em dois dias, cinco cidades que foram atingidas por enchentes em novembro: Criciúma, Palhoça, Joinville, Blumenau e Itajaí. Michel Temer observou que a sua presença no estado foi simbólica, pois mostrou a intenção da Câmara de colaborar para reconstruir as cidades.

Segundo ele, os deputados podem ajudar a reduzir a demora e a burocracia na liberação de recursos para os atingidos por desastres. A data da comissão geral ainda não foi definida.

Leia mais

Comissão geral debate falta de estrutura da Defesa Civil

Comissão geral debate falta de estrutura da Defesa Civil

A Câmara realizou no dia 31 de março de 2009, às 10 horas, uma comissão geral para discutir a estrutura da defesa civil no País. O debate foi anunciado pelo presidente da Câmara, Michel Temer, no último dia 6, durante reunião da comissão externa em Itajaí (SC) sobre as enchentes de Santa Catarina. Um dos objetivos da comissão geral é discutir a possibilidade de criação de um fundo nacional para apoiar a prevenção de desastres naturais.

A comissão externa concluiu que a falta de uma estrutura adequada de defesa civil na maioria dos municípios brasileiros é um dos problemas que afetam os repasses de recursos públicos para vítimas de catástrofes.

Durante a comissão geral, será lançada a Frente Parlamentar Mista da Defesa Civil, que será coordenada pelo deputado federal Acélio Casagrande (PMDB-SC), e é composta até agora por 171 deputados e 11 senadores.

Falta profissionalização

De acordo com representantes da defesa civil, na maioria das cidades brasileiras falta uma estrutura adequada para o setor, que precisa de mais profissionalização e da realização de concursos públicos.

Michel Temer disse que a defesa civil precisa ter uma ação mais preventiva, e não apenas de resposta aos desastres. Ele ressaltou que as vítimas da tragédia em Santa Catarina não podem ser esquecidas.

O diretor de Reabilitação e Reconstrução da Secretaria Nacional de Defesa Civil, José D`Ávila Fernandes, destacou que mais de 70% dos municípios já criaram coordenadorias de defesa civil, mas menos de 5% delas “funcionam adequadamente”.

Convidados

Foram convidados para participar da comissão geral:

  • O secretário Nacional da Defesa Civil, Roberto Costa Guimarães.
  • O diretor do Departamento Estadual de Defesa Civil de Santa Catarina, major Márcio Luiz Alves.
  • O diretor de Departamento da Defesa Civil de Guarulhos (SP), Paulo Victor Novaes.
  • O prefeito de Ilhota (SC), Ademar Felisky.
  • O secretário-executivo do Conselho Estadual de Defesa Civil de Santa Catarina, major Emerson Neri Emerim.
  • O presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica de Santa Catarina (Fapesc) e coordenador do Grupo Técnico-Científico de Prevenção contra Catástrofes, Antônio Diomário de Queiroz.
  • O diretor do Departamento de Reabilitação e Construção da Secretaria Nacional de Defesa Civil, coronel José Luiz D`ávila Fernandes.
  • O coordenador-Geral de Articulação de Gestão da Secretaria Nacional de Defesa Civil, coronel José Wilson Pereira.
  • O secretário-executivo de Ações de Defesa Civil do Amazonas, coronel Roberto Rocha Guimarães da Silva.

Prefeito Dida exonera secretária de saúde, sua maior apoiadora nas eleições

Portaria 11/2018 da Prefeitura de Ilhota sobre a exoneração de Jocelene da Silveira

Esse é o Dida sendo o Dida. Eu já sabia que isso iria acontecer, cedo ou tarde, mas nunca imaginei que iria demorar tanto. Por isso não o apoiei em sua campanha eleitoral, não votei nele e saí bem antes, quando soube que ele seria o candidato. Tentei avisar, ninguém ouviu e fui zombado.

Dida cumpriu com o prometido. Não o de campanha, mas a sua em particular. Enquanto desfrutava de suas férias, deu a ordem via ZapZap e logo, ao retornar, exonerou seu maior expoente durante a sua campanha eleitoral que resultou na vitória, Jocelene da Silveira, esposa do popular Dr. Lucas. A Portaria 11/2018, foi assinado em 5 de fevereiro e publicado hoje no Diário Oficial dos Municípios. Junto com a secretária, outros duas servidoras em regime de comissão também foram exoneradas.  Cheila Carla Darossi, do cargo de Diretor de Departamento e Jaqueline Aparecida Ferreti, do cargo de Chefe de Divisão.

Os áudios que o prefeito Dida enviou por engano a outros destinatários no final da semana passada, deu o que falar e falou bonito. Reza uma lenda da The Zueira Never Ends quem não sabe escrever, envia áudio. Também, quando os tiozinhos, as pessoas leigas usam a internet sem saber como funciona, dá nisso.

Depois de ter aprontado todo furdunço no ZapZap, ele publicou uma nota justificando o ocorrido, que foi postado aqui neste blog (leia a carta acessando este link). Em resumo ele dize, segundo a nota, que para quem em insiste em atacar o seu governo, os resultados estão aí para quem quiser ver. Como um clássico carrasco medial e utilizando-se de um terrível golpe de um machado super afiando, cortou a cabeça dos seus “pseudos” traidores. O prefeito começou a mudar e foi logo pela saúde, que estava de mal a pior. Cortou a cabeça da atual secretária Jocelene e membros de sua equipe.

Não vou e nem quero comemorar a desgraça alheia, pois isso vai contra minha conduta que deveria ser um princípio compartilhado por todos, mas postarei minha opinião. Nada a favor da coisa, nem muito menos contra. Cada um sabe o que faz e estão todos em pleno uso de seus juízos.

Nas entrelinhas dos bastidores da política é assim que a coisa funciona, cheio de altos e baixos, perseguições, trairagens, cinismos e todos os adjetivos propício para aqueles que deslumbram o poder. Na política, quem está com a razão é sempre o mais forte. Nem sempre é assim, nesta ordem, pois o mais fraco, do outro lado, é quem geralmente paga o pato, por não ter força para encarar o enfrentamento, perde e cai no esquecimento.

Agora, a pasta da saúde está vaga. A boca miúda, a rádio peão que circula na cidade dão por conta que o prefeito pretende contratar o ex-secretário Lavino ou mais um apadrinhado político de Luiz Alves. Há quem diga que poderá ser mais um do ex-prefeito Periquito de Balneário Camboriú, que perdeu a disputa lá e migraram pra Zióta. O banco de aposta está aberta.

Por fim, quero crer que essa portaria seja mais uma das coincidências da vida. A portaria que exonerou uma das emedebista mais fervorosas do 15, é a de número 11.