Lula conclama união das esquerdas

Lula conclama união das esquerdas

Líderes partidários, de sindicatos e associações reconhecem interesse comum: manter os direitos sociais conquistados nos últimos anos.

Em sua participação no ato de abertura do 25º Congresso de Professores da Educação Oficial do Estado de São Paulo, realizado durante esta semana no município de Serra Negra, no interior paulista, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva conclamou a união das esquerdas para lutar contra perdas de direitos dos trabalhadores. O evento foi realizado na noite do dia 23.

Cerca de mil professores presentes ouviram de líderes de partidos políticos (PT, PCdoB, Psol e PCO), sindicatos (Apeoesp) e movimentos sociais (MST, CUT, MTST, UNE), discursos pela unidade dos campos populares na política nacional.

“Quando eu estava na Presidência, fizemos uma pesquisa de opinião que trouxe uma única unanimidade: de que é preciso que se estabeleça no país uma educação pública, universal e de qualidade”, disse Lula, no início de seu discurso. “Mas, na pergunta seguinte do questionário, se as pessoas acreditavam ser possível criar uma educação pública como se queria, a maioria respondia que não. A gente sonhava, mas não acreditava no próprio sonho”, prosseguiu.

O ex-presidente, então, disse ser normal que seja assim. Afinal, enquanto nos países vizinhos da América Latina, a preocupação com o ensino e o ensino universitário nasceu junto com a própria criação dessas nações, no Brasil a primeira universidade foi criada 422 anos depois do descobrimento do país, contou. “Até lá, filho da elite ia estudar na Europa, e o resto não estudava”.

Lula lembrou, na sequência, exemplos de como seu governo foi um marco para o ensino público universitário e técnico, os dois cuja implementação e administração competem ao ente federal no país. Lembrou que, em 13 anos de governos de Lula e Dilma, foram criadas 282 escolas técnicas federais, três vezes mais do que já havia sido feito em toda a história do Brasil, 18 novas universidades federais e que mais de um milhão de alunos tiveram acesso a bolsas integrais e parciais de estudos do Programa Universidade para Todos (ProUni).

O processo de democratização do ensino, porém, foi interrompido pelo golpe parlamentar que levou à deposição da presidenta eleita, Dilma Rousseff, e conduziu o vice, Michel Temer ao poder. “É que tudo isso incomoda. Parte da elite deste país não gosta de dividir o que é público com os mais pobres. Por isso é que deram um golpe. Deram um golpe sabendo que estavam construindo uma mentira, que depois foi aceita pela Câmara e pelo Senado. Porque estavam cumprindo uma missão para a elite brasileira. Se aproveitando de um momento difícil do governo, de baixa popularidade na opinião pública, fizeram um serviço a mando das elites. Mas de uma coisa eu tenho certeza: tiraram a Dilma de lá não pelas coisas ruins feitas no governo dela, mas sim pelas coisas boas”, avaliou.

Por fim, Lula falou sobre o processo de perseguição jurídica de que é alvo atualmente, e que é parte da mesma mobilização de interesses que levaram ao golpe contra Dilma Rousseff. “Alguns jovens da Polícia Federal produzem mentiras para que meios de comunicação as transmitam. Depois, jovens procuradores do Ministério Público Federal se utilizam dessas montagens para construir mais mentiras. Então, apresentam uma denúncia falsa ao juiz (Sérgio) Moro, que ajuda os procuradores a montar melhor suas teses. Mas eu não tenho medo. Já estou processando o Moro e um delegado da PF. Não vou sair do país, nunca vou me exilar. Um dia, quem vai querer se exilar desse país é quem está contando todas essas mentiras sobre mim”.

Pela educação

Os docentes da rede pública paulista realizam seu evento debatendo pautas como a chamada Escola sem Partido, as reformas do ensino médio e da Previdência e ataques aos direitos trabalhistas, como a terceirização irrestrita da mão de obra. A presidenta da Apeoesp, o sindicato da categoria, Maria Izabel Azevedo Noronha, a Bebel, afirmou que “não engolimos o golpe”. “E não vamos engolir porque, se nos resignarmos, aí começamos a ter que aceitar tudo, aí vamos engolir muito mais”, acrescentou.

Integrante da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Gilmar Mauro falou em resistência. “Quando tentaram invadir a nossa escola (Florestan Fernandes), nós resistimos juntos. A Bebel foi lá, resistir junto. O ex-presidente Lula foi lá, resistir conosco. E hoje estamos todos aqui. Porque só unidos podemos enfrentar este governo golpista”.

Carta Maior

Anúncios

Já pensou em estudar nas melhores Universidades?

O que é o Enem?

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) tem como objetivo avaliar o desempenho do estudante. Podem participar da prova os alunos que estão concluindo ou que já concluíram o ensino médio em anos anteriores. Mas por que fazer o ENEM? A resposta é simples! O exame é utilizado como critério de seleção para as bolsas do Programa Universidade para Todos (ProUni). Além disso, mais de 500 universidades públicas e privadas já usam o resultado da prova como critério de seleção para o estudante entrar em cursos superiores, seja como critério de complemento, seja para substituir o vestibular.

Curso Preparatório Super ENEM – UNIFICADO

O curso preparatório a distância Super ENEM do UNIFICADO é realizado em parceria com a Pró-Escola e oferece todos os conteúdos necessários para você conseguir as melhores notas no Exame Nacional Ensino Médio.

São 244 aulas, com conteúdo atualizado, elaboradas por professores especializados em cursos preparatórios, além de apostilas impressas com todo o conteúdo para você estudar onde quiser.

As aulas serão via web e via satélite em encontros presenciais quinzenais para revisão do conteúdo e solução das questões modelo ENEM.

Metodologia

Investimento

  • 1 + 3 parcelas de R$ 59.00 (?).

Inscreva-se

Mais de 174 mil estudantes conquistam ensino superior com bolsas concedidas pelo Prouni

Dos formados, 324 são médicos; 40,5 mil concluíram licenciatura e 23,4 mil são administradores; programa custeia estudos de mais 464,5 mil alunos.

Após seis anos e meio de existência, o Programa Universidade para Todos (ProUni) já formou 174,5 mil jovens e atualmente custeia os estudos, com a oferta de bolsas, de outros 464,5 mil. Na avaliação do secretário de educação superior do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa, além de promover a inclusão de jovens de uma classe social mais vulnerável, o ProUni é responsável por uma transformação cultural importante. “Vários desses alunos são os primeiros membros de suas famílias, em muitas gerações, que têm diploma de ensino superior”, salientou. “Isso gera um impacto muito grande na família e na comunidade”.

Além da realização pessoal, o investimento em educação supre as necessidades da população. “O Saúde da Família tem carência de médicos, e eu pretendo conseguir uma vaga assim que sair meu registro”, afirma Fátima Lacerda Brito de Oliveira, 25 anos, que terminou a graduação em junho, na Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte (CE). A bolsa de Fátima saiu no segundo semestre de 2005. Hoje, ela aguarda o registro profissional do Conselho Regional de Medicina do Ceará para ingressar no Programa Saúde da Família ou trabalhar em hospital de Juazeiro do Norte, onde reside. Daqui a dois anos, ela pretende iniciar a residência médica em ginecologia. Ao todo, 324 dos formados no ProUni são médicos.

Números

Os dez cursos que mais formaram profissionais com bolsas do ProUni, com base em dados da Secretaria de Educação Superior (Sesu), são os de administração (23.429 graduados); pedagogia (13.856), direito (11.263), enfermagem (7.737), ciências contábeis (7.454), educação física (5.822), gestão de recursos humanos (4.589), fisioterapia (3.785), ciências biológicas (3.355) e farmácia (2.876). No conjunto, os cursos de licenciatura formaram 40.514 jovens.

Conheça o programa

O Prouni tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação e sequenciais de formação específica em instituições privadas de educação superior. Para concorrer às bolsas integrais o candidato deve ter renda familiar de até um salário mínimo e meio por pessoa. Para as bolsas parciais (50%) a renda familiar deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

Podem se inscrever no processo seletivo referente ao 2º semestre de 2011, os candidatos que não possuam diploma de curso superior que tenham realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2010 e alcançado no mínimo 400 pontos na média das cinco notas (ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias e redação). O candidato deve ainda ter obtido nota superior a zero na redação.

Estudantes terão duas edições do Enem em 2012

Inscrições para a edição deste ano começam na próxima segunda-feira, 23.

As novas regras e datas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para 2011/2012 foram divulgadas nesta quarta-feira (18). Entre as novidades está a aplicação de dois processos seletivos em 2012 e a divulgação a cada edição do Enem, por meio de edital, da data dos exames seguintes. As inscrições para a edição de 2011 começam na próxima segunda-feira (23), e vão até 10 de junho. A prova será aplicada nos dias 22 e 23 de outubro.

O exame tem como principais objetivos democratizar as oportunidades de acesso às vagas federais de ensino superior, possibilitar a mobilidade acadêmica e induzir a reestruturação dos currículos do ensino médio. A expectativa é de, no mínimo, cinco milhões de inscritos. O Enem deste ano será aplicado em 12 mil locais em 1599 municípios.

A decisão de realizar duas edições do exame vai beneficiar também os estudantes, que terão mais oportunidades para concorrer a vagas em instituições de educação superior, a bolsas do Programa Universidade Para Todos (ProUni) e ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Outra novidade é a parceria com o Instituto Nacional de Metrologia, normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) que irá inspecionar e fiscalizar a gráfica responsável pela impressão e distribuição das provas, para garantir que não ocorram erros, como nas edições anteriores.

Para 2012, a presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Aplicadas Anísio Teixeira (Inep), Malvina Tuttman, afirmou que para elaborar um maior número de questões para o banco disponível para o exame serão formadas equipes em 59 instituições públicas. A data da primeira avaliação no próximo ano está confirmada para 28 e 29 de abril. A segunda edição de 2012 ainda não tem data prevista.

Saiba mais – Inscrições de 23 de maio a 10 de junho. Gratuito para estudantes da rede pública e R$ 35 para estudantes da rede privada. Saiba mais em www.enem.inep.gov.br.

Fonte: Secom.