Haddad fala sobre as injustiças com Lula. “Como você se defende, se é acusado de ‘atos indeterminados'”?

Haddad na Globonews

A história vai dizer que lado está certo

Na entrevista dada à GloboNews, na quinta-feira (6), Fernando Haddad falou sobre alguns dos absurdos cometidos contra Lula. É bom lembrar que o presidente foi condenado sem uma única prova e pelos tais “atos indeterminados”, uma novidade jurídica que muita gente enxerga como uma manobra para perseguir quem interessa.

Não consigo entender como alguém pode ser condenado por um ato indeterminado, porque você não consegue nem se defender

Haddad, que é advogado e entende bem dos meandros do Direito, finalizou dizendo que “a História vai registrar que esse processo tem muitos vícios. Vamos, por muitos anos, discutir nas faculdades de Direito esse processo como casuístico. A História vai dizer que lado que está certo”. Dá uma olhada:

Assista a entrevista completa de Fernando Haddad na Globo News:

Anúncios

Lulaço pra cá, lulaço pra lá e a trilha sonora é sempre a mesma

Lulaço, a parada que pira o cabeção dos reacionários!

É todo dia um Lulaço tocando LULA LÁ diferente. Já teve em São Paulo, em Brasilia, no país inteiro. E, em tudo quanto é lugar, é quase sempre o mesmo trompetista que dá o tom. Fabiano Leitão é um homem com uma missão: tocar “Lula Lá” até o Brasil ficar Feliz de Novo. Clique aqui e baixe o Lulaço e use como ringtone em seu smartphone.

Como surgiu o Lulaço

Fabiano Leitão iniciou missão de tocar “Lula Lá” até o Brasil ficar Feliz de Novo. Tá aí um brasileiro que precisa ser estudado mesmo, porque esses Lulaços crescem ao mesmo tempo em que Lula cresce nas pesquisas.

As pessoas que estavam ressabiadas com as denúncias e os ataques ao partido dos últimos anos, com o tempo, perceberam que era tudo farsa. Existe muita vontade de acreditar de novo na política e em quem fez tanto pelo país, disse Fabiano, cheio de humildade

Seria nosso trompetista o responsável por esse aumento de popularidade de Lula e do PT? 🤔🤔🤔

Bom, 2018 tá tão dedo na urna e gritaria que a gente não duvida mais de nada. Mas, enquanto Fabiano não elege o Lula e faz o Brasil Feliz de Novo, ele se contenta em fazer a imprensa golpista triste. E isso já é bem maneiro.

Aliás, a ideia dele de protestar com o trompete, que ele toca desde os 14 anos, surgiu quando Lula foi preso, em abril deste ano. Ele quis trollar uma transmissão ao vivo da TV Globo, que acontecia em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF), gritando “mídia golpista”, mas os seguranças do STF não gostaram muito da ideia e foram pra cima dele dando porrada. Daí, ele resolveu zoar de longe.

A primeira vez que trollei com o trompete, estava a uns 150 metros da repórter, seguro à distância. O som foi ouvido no Jornal da Globo

Desde então, ele contabiliza oito intervenções em transmissões do jornalismo global e duas em noticiários da TV Record. Pra você que tá em dúvida sobre o que veio primeiro: o trompetista é, antes de tudo, um petista.

Só fiquei bravo com o Lula uma vez, aos dez anos, em 1989. Perdi a final do Brasileirão e não vi meu Vasco vencer, porque minha mãe quis ir até o aeroporto recepcionar o Lula na mesma hora do jogo.

Fabiano gosta de longas caminhadas na praia e banhos em espelhos d’água em prédios do governo. Ou, pelo menos, foi assim que ele chegou mais perto de Lula: quando uma galera resolveu tomar banho no espelho d’água do Palácio do Planalto.

Eu era um daquelas pessoas

Se não viu Lula de perto, foi ouvido por ele. Várias vezes. Fabiano já esteve várias vezes próximo da sede da Polícia Federal, onde Lula está sendo mantido como preso político, nos acampamentos montados para apoiar o presidente.

Toco várias músicas para alegrar ele. O hino do Corinthians, do Vasco – ele também é vascaíno –, músicas do Chico Buarque como Olê, Olá, jingles de campanhas dele. No dia dos pais, toquei Naquela Mesa, que é uma música de amor de um filho para o pai.

Hoje ele tá mais na pira dos Lulaços.

É maravilhoso chegar em um lugar, como aconteceu em Porto Alegre, por exemplo. Não achava que teria muita gente, mas, de repente, as pessoas começam a chegar de todos os cantos e a sensação é indescritível

Mas, também, quem não tá nessa, né? Pensa bem: é basicamente um monte de gente em espaço público cantando “Lula Lá”. É o verdadeiro rolezinho da democracia. Venha no próximo! Deixa de “vamo marcar”. Já tá marcado!

Jornalista acredita que, se necessário, Rede Globo se aliará a Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018

Globo e Bolsonaro estarão unidos em outubro

Não se iludam: se for preciso, Globo e Bolsonaro estarão unidos em outubro

Crítico contumaz do sistema de comunicação no Brasil, em especial da principal emissora do país, um dos vários meios em que trabalhou, o jornalista Paulo Henrique Amorim diz que não fosse a TV Globo “o (Sérgio) Moro não existiria, não haveria golpe“.

Em conversa promovida pelo ex-ministro Carlos Gabas, na noite de terça-feira (3), em Araçatuba (SP), ele afirma acreditar em união no campo progressista para derrotar os atuais detentores do poder. Mas identifica possibilidade de uma aliança no campo oposto, em torno do conservadorismo mais exacerbado.

Os trabalhistas, de preferência unidos, não podem manter essa gente que está no poder, a turma da barbárie, e ainda por cima pelo voto popular“, afirmou Amorim, em alusão ao tema do ciclo de debates organizado por Gabas (“Humanidade ou barbárie“). “E não se iludam: se for preciso, a Globo e o Bolsonaro estarão unidos em outubro“, acrescentou.

Criador do blog Conversa Afiada, o jornalista afirmou que o Brasil é a única “democracia”, enfatizando as aspas, “em que uma única emissora privada de televisão tem o monopólio para transmitir os jogos da seleção do esporte predileto do povo“. Como corrigir isso?

Ele cita o ex-ministro e também jornalista Franklin Martins, que apresentou a solução “revolucionária“: cumprir a Constituição de 1988, que proíbe o monopólio. “Em Hollywood, 50% dos empregos são para produção independente para televisão, porque as emissoras americanas são obrigadas a comprar conteúdo de terceiros. E aqui a Globo exibe praticamente 90% de conteúdo que ela gerou”.

Um monopólio que se estende à seleção brasileira e à Copa, diz Amorim. “Não há um elenco sem estrela, e o maior produto da Globo não é a novela, é o esporte“, afirma, acrescentando que novelas e jornalismo são hoje “atividade deficitária” da emissora.

A rigor, hoje, a Globo só ganha dinheiro com os eventos esportivos, e por isso ela faz esse carnaval intolerável da Copa, ela está vendendo o produto dela, não está dando notícia. Está vendendo o Itaú, a Vivo. É por isso que o Galvão grita.” Segundo o jornalista, a Globo já deixou de ser o principal destino da publicidade no país, perdendo para Facebook e Google.

Ele procurou refletir sobre a dificuldade enfrentada pelos candidatos “trabalhistas, que lutam contra a barbárie“, no debate político. E atribui os problemas, em grande medida, à comunicação, ou sua ausência.

Catequese

Os beneficiários do Bolsa Família, Fies, Luz para Todos, da política previdenciária do Gabas, do ProUni, devem achar que isso tudo já estava aí, já estava pronto, como o Pão de Açúcar, o rio Tietê, ninguém precisou lutar por isso. E por que isso? Por que essa alienação, esse distanciamento entre o benefício e o beneficiado, entre o autor do benefício e o reconhecimento do trabalho que ele fez? Porque quem faz a cabeça do brasileiro é a Globo. Os governos trabalhistas não construíram plataformas de comunicação que pudessem dizer quem fez o quê, para quem e por quê. Não foram pedagógicos, não fizeram catequese”.

Ele também critica a postura dos governos Lula e Dilma em relação ao tema, ao mesmo tempo em que aponta semelhanças entre os golpes de 1964 e 2016. “Jango e Dilma não tinham instrumentos de acesso à opinião pública para enfrentar o PIG (partido da imprensa golpista, termo cunhado por Amorim), 1964 era o PIG do Chateaubriand e do Carlos Lacerda. Em 2016, a Globo. Uma diferença em relação a 64: Lula e Dilma foram os governos que mais dinheiro deram à Globo. Deram carne ao leão”.

Eleito em 2002“, prossegue o jornalista, “a primeira coisa que Lula fez foi ancorar o Jornal Nacional ao lado de Fátima Bernardes, que naquela época ainda não vendia presunto. A primeira coisa que Dilma fez (em 2010) foi fazer uma omelete com Ana Maria Braga. Que deu errado, aliás”.

Ele fez referência a um projeto sobre meios de comunicação redigido por Franklin Martins, que “continua secreto até hoje“. “Não se sabe o que Lula queria fazer. Paulo Bernardo (ex-ministro), se não jogou no lixo, jogou na gaveta.” E lembrou que a lei que regula a televisão no Brasil (4.117) é de 1962. “Chateaubriand tinha um deputado chamado João Calmon, que fez uma lei de radiodifusão. E o grande presidente João Goulart, com ajuda do grande brasileiro Waldir Pires, redigiu 40 vetos à lei. O Congresso derrubou os 40 vetos do Jango. Os 40, não sobrou nenhum. E para comemorar esse feito histórico, as empresas de rádio e televisão criaram o maior lobby do Brasil, que é a Abert (associação do setor), controlada pela Rede Globo”.

Golpes de ontem e hoje

Ainda sobre 1964 e 2016, Amorim cita uma “raiz comum” entre os momentos históricos. “Em 1964, os Estados Unidos financiaram os golpistas e trouxeram a Quarta Frota até o litoral do Espírito Santo para rachar o Brasil ao meio, como faziam naquele momento na Coreia. Essa Quarta Frota, depois do golpe no Brasil, foi desativada. E quando foi reativada? Quando o Brasil descobriu o pré-sal, para vir aqui no Atlântico Sul ficar de olho no pré-sal brasileiro.” Em 2016, prossegue, “trocaram de golpistas“, citando “os Moros, os Dallagnols, os Janots“, com o mesmo objetivo: “Meter a mão no petróleo, no pré-sal“.

O jornalista e blogueiro cita ainda episódio em que Sérgio Moro vazou grampos envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a então presidenta Dilma Rousseff. “O juiz Moro entregou à Globo, em duas horas, o grampo de uma conversa ilegal captada de Dilma Rousseff com Lula. Só a CIA poderia fazer isso em duas horas. Nos Estados Unidos, um juiz que captasse uma conversa ilegal do Trump com Obama e vazasse para uma emissora de televisão pegaria cadeira elétrica. Isso é crime contra a segurança nacional. E foi apenas admoestado pelo Supremo Tribunal Federal. E, por isso, Lula não foi ministro da Dilma e não pôde ajudar a evitar o golpe”.

Amorim cita ainda a Lei de Meios na Argentina. “Os Kirchner tiraram o monopólio do Clarín e entregaram o sinal da seleção argentina de futebol para a TV estatal. O Macri chegou ao poder, tentou desmontar tudo o que os Kirchner fizeram, mas manteve isso, porque o povo não gostava de ver a seleção só pelo Clarín. Aqui somos obrigados a escutar as asnices do Galvão e do Ronaldo Fenômeno“, ironizou.

Mesmo com a opinião de que “a barbárie pode piorar“, o jornalista acredita que “a canoa pode virar“, mas afirma que o repúdio ao projeto representado pelo atual governo “precisa se manifestar em voto“. Identifica mudanças no ambiente político. “O ministro Ricardo Lewandowski acabou de adotar uma decisão no Supremo Tribunal Federal que é preciso a aprovação do Congresso Nacional para fazer uma privatização. E, além disso, tem de haver uma licitação. Isso dá ao futuro presidente do Brasil o direito de rever, segundo a lei, todas as doações que foram feitas no governo golpista, sobretudo na área da Petrobras e do pré-sal. Faltava um instrumento jurídico-legal para rever as decisões do Pedro Parente, e o Lewandowski deu”.

Ele cita outros possíveis sinais, como a paralisação da reforma da Previdência. “E inventaram uma operação tabajara no Rio de Janeiro para encobrir a derrota. Outro sinal do ministro Toffoli, de botar a tornozeleira do (José) Dirceu na perninha do Moro. Acredito que será possível uma união das forças progressistas para derrotar o Bolsonaro. Com Lula ou sem Lula, haverá uma reunião de interesses políticos inevitável entre aqueles que vão dizer ‘meu Deus do céu, Bolsonaro já é demais’. Não adianta botar um novo Pinochet na Presidência da República, com um projeto neoliberal. As pessoas despertarão para isso. Serão 45 dias de campanha no horário eleitoral gratuito, e aí será possível fazer um trabalho didático que não foi possível fazer até agora”.

Para Gabas, que nas edições anteriores levou a ex-presidenta Dilma e o ex-presidente da Petrobras José Sergio Gabrielli, a sociedade começou a reagir. “Acho que temos chance de garantir Lula disputando a eleição. Se a gente ficar falando que eleição sem Lula é fraude, para dar consequência nós teríamos de sair da eleição. É fundamental que nosso projeto de país esteja representado nas urnas“, afirmou.

Pragmatismo Político

Lula tem direito de resposta negado em reportagem no “Fantástico”

Luiz Inácio Lula da Silva

O juiz Gustavo Dall’Olio, da 8ª Vara Cível de São Bernardo do Campo negou, na última quarta-feira (30), o pedido de resposta feito pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a respeito de uma reportagem exibida pelo “Fantástico” no dia 16 de julho. “É vedado ao Poder Judiciário influir no conteúdo de matéria jornalística, porque a ninguém, nem mesmo ao ex-presidente da República, é dado pautar a imprensa”, afirmou o juiz.

Segundo informações do Conjur, o ex-presidente acusou o programa de explorar o termo “prova”, sem distinguir ao telespectador os conceitos jurídicos de “provas”, “meios de provas” e “instrução processual”. Assim, diz o pedido assinado pelos advogados Roberto Texeira, Cristiano Zanin Martins, Maria de Lourdes Lopes e Valeska Teixeira Martins, a emissora induziu os telespectadores ao erro, fazendo-os acreditar que eram provas irrefutáveis.

Ainda de acordo com o Conjur, os advogados da Rede Globo, Manuel Alceu Affonso Ferreira, Afranio Affonso Ferreira Neto e Andre Cid de Oliveira, afirmaram que para atingir sua missão de informar ao homem comum, deve apresentar a informação de modo acessível.

Com base nessa argumentação, o juiz concordou que não é possível exigir do veículo esmero técnico-jurídico. “A informação, para ser constitucionalmente adequada, deve ser acessível a todos. O rigorismo técnico exacerbado, mormente em questões jurídicas que mexem diretamente em assuntos do cotidiano das pessoas, significaria a negação do próprio direito à informação”, afirma na decisão.

O magistrado entendeu ainda, que as expressões utilizadas pelo programa não afirmam a culpabilidade de Lula. “”Portanto, sob este prisma, a matéria do programa Fantástico não resvalou na prática de qualquer abuso ou ilícito. Não ter sido dada a conformação jurídica desejada pela defesa às expressões empregadas na matéria não traduz, nem de longe, abuso do direito de informação, tampouco ofensa à honra, imagem, intimidade ou reputação do ex-presidente da República”, concluiu a sentença.

Outro lado

Outro questionamento feito pela defesa do ex-presidente tem relação ao tempo da reportagem dispensado ao contraditório. Para os advogados de Lula, dos 13 minutos, apenas dois foram dados à defesa.

De acordo com Dall’Olio, a reportagem abriu espaço para um contraditório verdadeiro e eficiente, ainda que com tempo reduzido. Segundo o juiz, só faria sentido dar o mesmo tempo à defesa, caso se tratasse de um debate. “A, Globo fez o quê lhe incumbia, informar; direito seu e da coletividade, exercitado de forma regular e profissional, facultando-se, ao ex-presidente da República, o contraditório, por meio de seus advogados, conduta que não lhe era exigida, por nenhuma norma legal, senão pela adoção de padrões éticos que revelam a prática do bom jornalismo”, complementou.

Outro questionamento feito pela defesa do ex-presidente faz menção ao destaque dado pelo dominical à sentença do juiz Sergio Moro. Dall’Olio entendeu que a veiculação tratava de um documento histórico.

“A notícia de um ex-presidente da República condenado à pena de prisão é motivo de destaque e repercussão em todos os veículos de comunicação ao redor do mundo, justamente porque coloca em evidência, ao público em geral, o primado de que ninguém – sem exceção – está acima da lei”, diz a sentença.

“É a própria razão de existir da matéria, uma condenação à pena de prisão, por crime contra Administração Pública (ainda que em primeiro grau de jurisdição), que lhe é moralmente desfavorável, ofensiva in terminis ao seu status dignitatis, não o exercício legítimo do dever de informar”, encerrou o juiz, ao concluir que que não houve abuso do direito de informação, tampouco lesão a direitos da personalidade humana.

Portal Imprensa

Famílias de jornalistas vítimas de acidente irão processar Chapecoense

Chapecoense logotipo

De acordo com reportagem do Estadão, ele alega que o time teria responsabilidade, apesar de não ter culpa pela queda do avião. Entre os seus clientes estão as famílias do jornalista Guilherme Marques e do produtor Guilherme Van der Lars, ambos da TV Globo.

O advogado pediu à Justiça o contrato firmado entre o clube e empresa aérea LaMia. “Teria que ter sido feita uma apólice de seguro em nome dos passageiros. Ela é obrigatória”, disse. Além disso, irá apurar quem pagou pelas passagens. Caso tenha sido as empresas de comunicação, elas podem ter alguma responsabilidade.

O vice-diretor jurídico da Chapecoense, Luiz Antônio Palaoro, defendeu que as famílias unam forças contra os responsáveis pelo acidente.

Conclamamos as famílias para unir forças. O clube não é responsável direto. O clube ofereceu levar os jornalistas porque havia assentos vagos, mas ninguém foi obrigado a entrar no voo, disse.

Segundo ele, as famílias dos jogadores e funcionários do clube receberam indenização de 28 salários pela Chapecoense, mais 12 salários pela CBF.

Fonte: Portal Imprensa

Maria Betânia falou no Fantástico que foi pedir autorização para Iansã se podia desfilar na Mangueira

Maria Bethânia, Mangueira, Dialison Cleber Vitti, Dialison Cleber, Dialison Vitti, Dialison, Cleber Vitti, Vitti, #DialisonCleberVitti, @dcvitti, dcvitti, #blogdodcvitti, Ilhota, 2016, Newsletter, Feed

A verdade é que o mundo vive de mentiras e ilusões

E a escola de samba foi campeã!

A cantora Maria Betânia falou numa entrevista ao clássico programa da Rede Globo, o Fantástico, que foi pedir autorização para Iansã se podia desfilar na Mangueira, e a entidade autorizou. Disse também que está com uma tatuagem de uma rosa vermelha, mas que é falsa, isso porque ela não pode se tatuar por conta da religião. Sua vida é consagrada a Umbanda. Falou cheia de orgulho.

E o mundo aplaude (eu não)

Quando um cristão diz que não está autorizado a fazer algo porque perguntou para Deus, e o Senhor respondeu, em Sua palavra que NÃO, todo mundo cai de pau em cima.

Quando um cristão diz que não quer se tatuar, ou beber, ou fumar, ou mentir… chamam de louco, fanático, bitolado.

Este mundo é assim! Não suportam a palavra de Deus porque nela contém aquilo que os homens mais odeiam, a verdade!

Poliana Abritta conversa com Maria Bethânia sobre vitória da Mangueira

Artigo extraído do Facebook de Alex Guimarães.

😀

Garotinho denuncia a Globo na Globo

Enfim, um político trata da sonegação da Globo. E neste link a entrevista completa: http://glo.bo/XEzWwT.

😀

Mais um ‪#‎encontro‬ de Altair Hoppe com Fátima Bernardes

Mais um ‪#‎encontro‬ de Altair Hoppe com Fátima Bernardes, Dialison Cleber Vitti, Dialison Cleber, Dialison Vitti, Dialison, Cleber Vitti, Vitti, #DialisonCleberVitti, @dcvitti, dcvitti, #blogdodcvitti, Ilhota,

Bem pessoal, meu chefe é agora é global e amanhã eu vou ver de novo o programa de Fátima. O tema dessa vez será atração física. Altair fez uma montagem do homem e da mulher perfeita com partes de várias celebridades. No bate-papo estarão o cantor Erasmo Carlos, o ator Juliano Cazzarré (Ninho da novela Amor à vida), a atriz Titina Medeiros (Geração Brasil) e o Branco Melo. Para participar do programa com comentários e mensagens bastar usar a #encontro. O programa vai ao ar às 10h40 da manhã. Vamos assistir minha gente! Pra quem não conseguir ver, logo subiremos pro youtoba. Nesta postagem, publicamos o vídeo em que o meu chefe apareceu pela primeira vez no programa no dia 11/04 onde Altair foi lá pra falar de beleza digital de mulheres e Photoshop.

Altair Hoppe tem um Encontro com a Fátima Bernardes

Altair Hoppe tem um Encontro com Fátima Bernardes Dialison Cleber Vitti, Dialison Cleber, Dialison Vitti, Dialison, Cleber Vitti, Vitti, #DialisonCleberVitti, @dcvitti, dcvitti, #blogdodcvitti, Ilhota,, iPhoto Editora

Amanhã eu não perco a Fátima por nada! Meu chefe Altair Hoppe vai estar presente no programa. O Encontro com Fátima Bernardes, da TV Globo, Altair vai estar falando sobre beleza digital de mulheres e Photoshop, claro né! No bate-papo estarão os atores Mateus Solano, Nanda Costa e o músico Branco Melo. O programa vai ao ar a partir das 10h40 da manhã. Vamos assistir minha gente! Pra quem não conseguir ver, logo subiremos pro youtoba.

Grupo Anonymous invade perfil de “O Globo” no Twitter e publica críticas ao jornal

Conta do jornal no Twitter foi invadida pelo grupo Anonymous

No início da tarde desta sexta-feira (6/9), o diário O Globo teve sua conta no Twitter dominada por hackers. O coletivo Anonymous, que reivindica o ataque, mudou a imagem de perfil do jornal para uma foto de militar com o símbolo da Globo substituindo seu rosto.

Os invasores publicaram mensagens de repúdio à imprensa e convocaram a população para as manifestações programadas para o próximo sábado (7/9), Dia da Independência do Brasil. “Queremos a democratização da mídia que participou do golpe de 64 e apoiou a ditadura!”, escreveram.

“A pior ditadura é aquela disfarçada de democracia!”. “Entendam que vocês querendo ou não nós iremos continuar lutando pelo nosso país. A manipulação nojenta dessa ‘grande’ mídia não funciona +!”, tuitaram os hackers.

Em seu site, o jornal informou que o Twitter já foi restabelecido e está funcionando normalmente. “Não é a primeira vez que veículos da imprensa sofrem ataques de hackers”, disse a publicação. O Globo lembrou de casos como o site do New York Times, ficou mais de três horas fora do ar, e do Times, que foi atacado durante quatro meses por hackers chineses.

Ditadura

Em texto publicado no último sábado (31/8), O Globo reconheceu que o apoio editorial ao golpe militar de 1964 foi “um erro”. As Organizações Globo afirmaram que as recentes manifestações deram “ainda mais certeza de que a avaliação era correta e o reconhecimento do erro, necessário”. O pedido de desculpas do grupo gerou diversas críticas, entre elas dos hackers do Anonymous.

* Com supervisão de Vanessa Gonçalves