Uma breve retrospectiva de 2016

Retrospectiva de 2016

Felizmente, chegamos ao final de 2016 ainda podendo fazer uma pausa para breve retrospectiva. Infelizmente, por outro lado, não nos sentimos felizes por haver acertado em muita coisa quanto ao que poderia ocorrer nesse ano catastrófico para o povo brasileiro. Mais do que tudo, porque hoje talvez já não haja mais quaisquer dúvidas quanto a esse ano ter ficado marcado pelo acirramento da disputa entre a direita (em ofensiva descarada) e a esquerda (numa defensiva ainda não assimilada em todas as suas dimensões), tendo como eixo os rumos que o Brasil deveria seguir.

Também não erramos na avaliação de que, nessa disputa, estavam em pauta, principalmente, as estratégias que deveriam ser adotadas, por um lado, para realizar um desenvolvimento econômico e social soberano, com maior participação popular na democracia formal de 1988, ou, ao contrário, para fazer com que o Brasil voltasse a ser atrelado às “cadeias produtivas globais”, comandadas pelas corporações transnacionais, descarregando sobre os ombros dos excluídos, dos trabalhadores e das classes médias, o peso do financiamento público do capitalismo oligopolizado do país.

Politicamente, a direita se manteve estrategicamente unificada em torno de um projeto que continua em andamento: a) destruir o PT e suas principais lideranças; b) tornar toda a esquerda insignificante; c) fazer tábula rasa de todas as conquistas sociais e políticas inscritas na Constituição de 1988, golpeando severamente os direitos democráticos; d) realinhar o Brasil à subordinação e dependência ao capital transnacional; e) abrir as portas para a completa privatização internacional da economia brasileira.

É verdade que suas táticas eram e continuam diversas. Uma parte criminaliza a política, mesmo que isso signifique sacrificar alguns dos seus. Outra parte batalhou, e ainda batalha, por novas eleições imediatamente. Isso enquanto outras concentraram-se no sucesso do golpe do impeachment, algumas clamam pela intervenção militar, e havia e há os que consideravam e consideram melhor um golpe de estilo parlamentar e judiciário.

Também era evidente que havia setores táticos de extrema direita, direita e centro trabalhando duramente, caso o impeachment falhasse, para sangrar o governo Dilma, na pior das hipóteses até 2018, e então enxotar o PT e Lula como alternativas de governo e de poder. Embora a “turma da bala” não tenha conseguido sucesso na ideia de volta dos militares, eles realizaram, e continuam realizando, provocações de todos os tipos para criar um ambiente que propicie a intervenção das forças armadas.

Embora, na maioria dos casos, o PT tenha aparecido como o alvo predileto, na prática o objetivo estratégico que a direita pretendeu, e continua pretendendo, consiste em danificar praticamente todas as forças de esquerda, progressistas, democráticas, assim como parcela dos setores liberais. E, algo ainda não comentado em sua extensão, vem sendo o empenho em liquidar e passar para mãos estrangeiras corporações empresariais brasileiras, privadas e estatais, tendo como carro chefe a Petrobrás, desnacionalizando ainda mais a economia.

Mas, em geral, tais táticas subordinaram-se àquela estratégia e permitiram o sucesso golpista. Portanto, a rigor não deveria haver qualquer surpresa quando grandes empresários e executivos foram presos e processados, tendo em vista cercar o PT, Lula, e a presidência. Nem quanto ao esforço para processar a presidente e impedi-la de continuar à frente do governo. Ou que o processo de impedimento, instituído por Cunha no início de dezembro de 2015, pretendendo fazer com que Temer assumisse e colocasse em execução seu “projeto de futuro”, fosse levado a termo. Ou que Eduardo Cunha e outros próceres, de centro e da direita, estejam sendo “delatados”, presos, processados e julgados.

O projeto estratégico conservador e reacionário ia e vai muito além do antigo neoliberalismo, praticado por FHC. Mais incisivamente do que este, tal projeto pretende “limpar” a Constituição de 1988 dos “exageros democráticos e populistas” nela existentes. A aprovação do “teto de gastos públicos” por 20 anos (PEC 55), a ser seguida pela “reforma da Previdência”, são excrecências ainda mais danosas do que as do neoliberalismo dos anos 90.

Num período em que há uma crescente tendência de substituição do trabalho vivo por máquinas programadas, tendência que no Brasil é agravada por crescente desindustrialização prematura, a extensão da idade mínima de aposentadoria para 65 anos é um decreto mortífero. Vai aumentar o descarte da força de trabalho, e intensificar a impossibilidade de emprego, fazendo inchar a enorme massa populacional que não pode pagar o INSS e que não poderá se aposentar. Tudo porque a burguesia dominante (internacional e nacional) exige que os mais de 500 bilhões referentes ao pagamento dos juros do débito público sejam “honrados” pelo Estado Brasileiro.

Tendo em vista tudo isso, havia a suposição de que as forças de esquerda, ameaçadas tanto pelas manobras táticas da direita quanto por seus objetivos estratégicos, se unissem para a resistência ao golpe. Mas a capacidade de mobilização dessas forças, principalmente daquelas que tinham as camadas populares como base social, certamente dependiam, em grande parte, do PT e da esquerda se unificarem em torno das principais questões sobre as quais estavam divididas, e delas não haverem se desligado, profundamente, da luta cotidiana daquelas camadas populares e trabalhadoras.

Ou seja, dependia, em primeiro lugar, do PT e dos petistas no governo concordarem que a política econômica de “ajuste fiscal” tendia a criar um longo período de crise econômica e política, e deveria ser mudada antes do que isso ocorresse. Dependia, ainda, do PT ter uma política clara e prática de combate interno e externo à corrupção. E do PT e da esquerda se disporem a discutir francamente com as demais forças políticas progressistas e democráticas um projeto comum de desenvolvimento econômico e social, e de reformas políticas democráticas e populares.

Havia certa concordância de que: a) o desenlace da luta que a direita travava contra a esquerda e outras forças políticas progressistas e democráticas dependia da mobilização social de massa; b) tal mobilização deveria ter como coadjuvante uma renhida disputa ideológica e política (isto é, uma feroz disputa da opinião pública, que incluía saber explicar para as grandes massas da população o que a direita pretendia e como isso iria prejudicar um amplo espectro da população; c) seria necessário um esforço extra para fazer com que as bandeiras e os slogans políticos de “defesa da democracia”, “contra o golpismo”, “fora Cunha”, “defesa dos direitos dos trabalhadores”, “reformas políticas”, “reformas estruturais” e “por outra política econômica” se tornassem bandeiras comuns de todas as forças empenhadas em fazer com que o Brasil derrotasse o regressismo e o retrocesso da direita, e ingressasse em novo processo de desenvolvimento econômico e social.

No entanto, o governo não mudou suas políticas, sendo incapaz de dar o “cavalo de pau” que a situação exigia; a direção do PT não conseguiu reconhecer os próprios erros (estratégicos e táticos), nem mobilizar sequer a massa de sua militância; parte da esquerda continuou achando que o PT ser golpeado não teria nada a ver com sua situação; e outra parte da “esquerda”, para espanto de alguns, ao colocar à mostra um viés antipetista, antissocialista e anticomunista, transitou abertamente para a direita.

Com todos esses obstáculos a ultrapassar, a positiva formação da Frente Brasil Popular foi incapaz de realizar a mobilização massiva que seria imprescindível para contrapor-se ao golpe tramado pela direita. Assim, a partir do impeachment, com o golpe de estilo parlamentar-judiciário consumado e a posse de Temer, a estratégia da direita tenta entrar em velocidade de cruzeiro, apesar das dificuldades que a crise mundial capitalista, e os interesses nem sempre comuns das diversas correntes golpistas, lhe impõem.

Por outro lado, os resultados das eleições municipais confirmaram não só a derrota do PT, e da esquerda em geral, e a vitória da direita, via PSDB e outras siglas. Elas reiteraram, ainda, a despolitização de grandes camadas da população brasileira e sua aversão tanto à esquerda quanto à direita. Não foram poucos os casos em que os votos nulos e brancos, e a abstenção eleitoral foram superiores ao voto no candidato vencedor, ou até mesmo à soma dos dois mais votados.

A rigor, isso deveria resultar na chamada por novas eleições. No entanto, a direita conservadora e reacionária quer transformar o fato em motivo para liquidar o voto obrigatório e instituir o voto facultativo, em mais um passo para liquidar qualquer participação popular massiva naquilo que foi uma grande conquista democrática, o direito ao voto universal e secreto. A sorte do povo brasileiro é que a direita nativa é tão medíocre e corrupta que talvez dê tempo à reconstituição das forças progressistas, democráticas e socialistas. A se comprovar, diante do crescente embaraço em que se encontra o governo golpista, para cumprir suas promessas de “arrumar o governo”, “retomar o crescimento econômico e o emprego”, e “manter a luta contra a corrupção”.

Por Wladimir Pomar é escritor e analista político.

Anúncios

Retrospectiva da ONU 2014

Da crise na Síria e na Ucrânia até o esforço global contra o ebola, entre outros eventos que marcaram o ano, a Retrospectiva da ONU 2014 relembra acontecimentos globais destacados na imprensa internacional – e também aqueles que foram esquecidos por grande parte da opinião pública.

O trabalho cotidiano das Nações Unidas – desde a Cúpula do Clima em Nova York até projetos de agricultura sustentável em Samoa, da ajuda humanitária que chega pelo ar para um número cada vez maior de refugiados até as salas de aula no Sudão, onde crianças refugiadas aprendem com a ajuda de tablets de baixo custo. Confira nesta reportagem especial da ONU.

😀

Retrospectiva 2014: o fim das ilusões desenvolvimentistas

Retrospectiva, 2014, Correios da Cidadania, Dialison Cleber Vitti, Dialison Cleber, Dialison Vitti, Dialison, Cleber Vitti, Vitti, #DialisonCleberVitti, @dcvitti, dcvitti, #blogdodcvitti, Ilhota, 2014, Newsletter, Feed

Sou um leitor assíduo do portal Correio da Cidadania, fundado em 1996, com o objetivo de colaborar com a construção da mídia democrática e independente, oferecendo uma visão crítica de acontecimentos políticos, econômicos e sociais, fazendo contraponto à uniformidade editorial da grande imprensa. Saiba mais. Não sou jornalista mas amo a informação e queria muito exercer essa profissão. Recebo frenquentemente a newsletter da agência e os assuntos relevantes, nós publicamos no blog. Esse é mais um assunto que vale a pena eternizar. Pro fim, o Correios agradece a todos os seus leitores, por terem acompanhamento de nossa página ao longo de 2014, e desejam um 2015 com melhores notícias!

Confira a retrospectiva…

O ano de 2014 deixa marcas indeléveis na história do Brasil. 50 anos do Golpe Militar, Copa do Mundo e um dos processos eleitorais mais acirrados dos últimos anos. Já quase no apagar das luzes do ano, a explosão de escândalos em uma das empresas símbolo do país, com  revelações diuturnas de uma histórica promiscuidade público-privada.

O avanço ainda maior da direita evangélica e ruralista no Congresso Nacional, ao lado da composição assustadoramente conservadora já anunciada para o novo mandato petista – de fazer inveja aos próceres tucanos, e colocando por terra a ideia ressuscitada do ‘governo em disputa’ -, apontam para uma forte ofensiva do capital sobre direitos dos trabalhadores e trabalhadoras.

Nosso entrevistado especial nesse final de ano é o filósofo franco-brasileiro Michel Löwy, que esteve no Brasil para lançar mais um livro e fez um giro por diversas instâncias do debate político.

O  filósofo expressa otimismo quanto ao processo brasileiro e latino-americano, mas é inclemente com o capitalismo: “uma espécie de fatalidade, um destino imposto de uma maneira coercitiva sobre a vida dos indivíduos. O que acaba desaparecendo é a liberdade”.

Fonte: Correio da Cidadania

Retrospectiva, 2014, Correios da Cidadania, Dialison Cleber Vitti, Dialison Cleber, Dialison Vitti, Dialison, Cleber Vitti, Vitti, #DialisonCleberVitti, @dcvitti, dcvitti, #blogdodcvitti, Ilhota, 2014, Newsletter, Feed

😀

As sementes de 2014 em nós

Como será 2014?

Que 2014 seja um degrau dessa caminhada é o engajamento fraterno que une Carta Maior e seus leitores a milhões de brasileiros empenhados em construir o Ano Novo.

Liste meia dúzia de fatos públicos que subverteram a sua indiferença em 2013. O exercício  rememorativo não busca o rigor dos balanços enciclopédicos, mas o frescor do impacto que  impele à ação e faz da  memória  um pedaço do futuro.

O que mais te impressionou no Ano Velho?

A convalescência sem cura da desordem neoliberal; o custo histórico devastador dessa longa agonia?

A força fraca das praças e ruas cheias de protestos, mas vazios de projetos?

O afunilamento do establishment  capitalista, ilustrada no esfarelamento de Obama e da UE ?

A  versão nativa desse ponto de mutação; a despudorada endogamia  entre a direita, a ‘terceira via’, o judiciário e a mídia no Brasil?

O espaço de exceção escavado na democracia brasileira pela  AP 470;  a cobrança  de um agironamento político que essa ofensiva vem reiterar ao PT?

A morte de Chávez — as rupturas que a roleta biológica impõe ao destino individual e coletivo, desprovido de contrapesos institucionais perenes?

A angústia ambiental  marcada nos ponteiros de um futuro capturado pela lógica cega dos oligopólios?

A confirmação de que nunca mais estaremos sozinhos, como provou Edward Snowden?

A percepção de que é inadiável  refazer o pacto do desenvolvimento brasileiro,  interditado pela virulenta sabotagem conservadora?

A  dura transição de uma América Latina cobrada a reconstruir o alicerce da esquerda  na areia movediça da crise global?

A certeza de que viver e produzir como  indivíduo e/ou famílias  isoladas, diante das forças descomunais dos mercados, é a  danação da liberdade individual e não o seu fastígio?

As combinações são inesgotáveis.

Mas dificilmente escapam à percepção, quase sensorial, de que o calendário e a história coincidem cada vez mais em direção à travessia do velho para o novo.

A opressão de uma existência  sobrecarregada de demandas coletivas não contempladas não cairá por si.

De novo, é incontornável  refletir sobre o peso decisivo do poder que essa travessia requisita.

O poder de Estado.

Os compromissos e escolhas  que a luta dentro e fora dele impõe, mas sobretudo, as salvaguardas do processo que só a ampliação da democracia participativa pode assegurar.

O Brasil viverá nas eleições de 2014 um degrau importante dessa transição de ciclo.

Pelo seu peso geopolítico dentro e fora da AL, não é exagero dizer que a luta pela reeleição de Dilma pulsa na constelação dos divisores que vão ordenar o longo amanhecer do século XXI.

A sociedade que emergiu das conquistas acumuladas a partir de 2002, não cabe mais nos limites do atual sistema político nacional.

A democracia brasileira precisa se ampliar para que a riqueza possa  convergir. E a economia voltar a crescer.

As costuras já não se sustentam com novos  remendos.

Uma  logística e uma industrialização  planejadas  para servir a 30% da população mostram  a incompatibilidade do projeto elitista com o anseio de cidadania  de milhões de brasileiros resgatados da fome e da miséria na última década.

Supor que  uma novo equilíbrio emergirá do retorno a políticas nefastas dos anos 90, quando o país, seu patrimônio e sua gente foram reduzidos a um anexo dos mercados desregulados, é confundir o que anda para frente com o cortejo empenhado em ir para trás.

A responsabilidade de interferir nessa disputa requer certas estacas balizadoras que impeçam o retrocesso e assegurem o rumo progressista às mudanças.

O Brasil tem razões para não regredir.

A desigualdade entre nós ainda grita alto em qualquer competição mundial.

Mas indicadores de 150 países comparados pela  Boston Consulting Group mostram que o Brasil foi o que melhor utilizou o crescimento dos últimos cinco anos para elevar o padrão de vida da população.

A narrativa conservadora sempre desdenhou  da dinâmica vigorosa embutida nesse degelo social.

Reconhecer os novos aceleradores sociais do desenvolvimento não implica negar os gargalos prevalecentes e outros novos  adicionados pela correlação de forças da última década.

Ambos são reais.

A coexistência de um Brasil urgente, vital e encorajador, com uma estrutura  de comunicação anacrônica e monopolista, por exemplo,  distorce e constrange  as vozes que precisam ser ouvidas nesse Rubicão da nossa história.

A travessia  não se completará  de forma emancipadora se a mídia persistir como um poder ubíquo, dotado de meios e recursos leoninos para exacerbar o conflito,  desqualificar projetos e fraudar opiniões que não comungam do seu ideário de nação e de mundo.

A importância desse debate e desse momento levou Carta Maior  a definir uma nova etapa de sua história.

Para contemplá-lo renovamos o projeto gráfico e promovemos um salto editorial com a incorporação de vozes consagradas do debate democrático brasileiro.

Mudamos não para reforçar  uma casamata de certezas graníticas.

Mas para ampliar a janela aberta ao ar fresco do desassombro, que inclui a crítica e a  autocrítica das escolhas e experiências do próprio campo progressista nesse percurso.

Temos a convicção de que  somente assim será possível enxergar melhor o caminho  no longo amanhecer da sociedade de homens e mulheres livres que tenham o comando do seu próprio destino.

Que 2014 seja um degrau dessa caminhada é o engajamento fraterno que une Carta Maior e seus leitores  a milhões de brasileiros empenhados em construir o verdadeiro Ano Novo.

Que venga 2014. Combateremos à sombra. Boas Frestas!

Publicado no site da revista Carta Maior.

2013: acabou a paz social – Correio da Cidadania em edição especial retrospectiva 2013

Correio da Cidadania em edição especial retrospectiva 2013

A efervescência do mês de junho, com a massividade dos protestos populares em todo o Brasil, faz de 2013 um ano, sem dúvida, bastante singular. Uma população há anos esgotada com a precariedade e ausência de serviços públicos, e assistindo erguerem-se à sua frente monumentais e luxuosos estádios de futebol para atenderem à Copa do Mundo de 2014, se pôs acesa pela bandeira da Tarifa Zero, levantada pelo Movimento Passe Livre.

“2013 deixa um sinal muito positivo”. Essas são as palavras do sociólogo e professor aposentado da USP Chico de Oliveira, nos momentos iniciais da entrevista que concedeu ao Correio para a edição especial retrospectiva de 2013.

Passados, no entanto, os primeiros e intensos meses de democracia viva das ruas, governo e mídia reapropriam-se aos poucos de sua postura de surdez face às demandas populares. A ortodoxia econômica a la FMI do governo cresce a passos largos neste final de ano; já a mídia, passou a linha auxiliar dos legislativos na tentativa de minar as manifestações, criminalizando o que chama de radicalismos, que têm justificado a edição e reedição de leis que permitem encarcerar manifestantes.

Para Chico, nada muito surpreendente, afinal, “como disse certa vez o velho gaúcho Leonel Brizola, com muita amargura, mas precisão quase sociológica, ‘o lulismo é a esquerda que a direita pediu’”.

Obrigado por tudo 2013

Obrigado 2013 by dcvitti

Obrigado amigos. Nestas últimas horas de 2013, aproveito para agradecer a cada um pela sua amizade e desejar um 2014 de novas conquistas, realizações e saúde.

O ano de 2013 foi um ano de vitória pra minha vida. Entrei num novo desafio profissional. Passei em alguns concursos. Amei mais a minha esposa. Mas o que mais marcou minha vida neste ano e que jamais irei me esquecer foi a minha rendição ao amor de Jesus Cristo. Foi em 2013 que aceitei Jesus como meu único e exclusivo salvador. Foi neste ano que converti a igreja evangélica e não me arrependo deste ato. Neste mesmo ano de 2013, me batizei em águas e o velho Dialison ficou lá debaixo d’água.

Ano novo é época de repensar a vida, fazer planos, desfazer outros e renovar promessas não cumpridas. No último dia do ano costumamos pensar no que fizemos de bom e de ruim. É um dia para reunir a família ou os amigos. Um dia de passagem. Talvez seja o dia mais característico do ano. Em nenhum outro as pessoas refletem tanto sobre a vida. Não é o que você está fazendo agora?

Que a partir de amanhã novas páginas sejam escritas em suas vidas, com as coisas mais lindas que o futuro pode reservar a cada um de vocês! Tenha uma linda festa na noite de hoje porque eu, passarei na igreja, ao lado de meu amor e amigos e irmãos, louvando e agradecendo a Deus por tudo.

Nações Unidas fazem retrospectiva de 2013

As Nações Unidas publicaram na quinta-feira, 26 de dezembro, um pequeno documentário, de pouco mais de 13 minutos, contendo a retrospectiva do trabalho da Organização no ano de 2013. A produção é da TV ONU e a adaptação para o português do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio de Janeiro). Acesse, em português, em http://youtu.be/QdSmjktm19A

Confira também as imagens pelo mundo, selecionadas pela ONU Brasil: http://bit.ly/2013emimagens.

O ano de 2013 revelou progressos únicos na história das Nações Unidas, como o acordo sobre o Tratado de Comércio de Armas e a união do Conselho de Segurança pela rápida destruição das armas químicas na Síria.

Houve também retrocessos: atentados terroristas em Nairóbi e Boston, por exemplo, serviram de desculpa para se agravar violações de direitos humanos decorrentes da vigilância sobre indivíduos, nações e até líderes globais, como a presidenta do Brasil. O país respondeu liderando uma iniciativa na ONU para combater tais práticas.

Sobre direitos básicos previstos nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), 2013 teve avanços no combate à fome. Mas as contradições prevalecem: no mundo, o número de pessoas com um celular é maior que o de pessoas com saneamento básico.

A retrospectiva de 2013 traz a esperança de que as metas previstas para 2015, apesar dos enormes desafios, sejam cumpridas. Mas também servem como base para se pensar um nova agenda global.

Prepare-se para os obstáculos de 2013

ano novo do dcvitti

As resoluções de ano novo são ótimas motivações para desempregados, recém-formados e estudantes universitários que lidam com dura realidade econômica. O problema com as resoluções não são as metas, mas a falta de preparo necessário para torná-las realidade. Para alcançar seus objetivos, você precisa de uma estratégia, uma referência e um grupo de apoio eficaz. O mesmo conceito deve se aplicar na hora de procurar um emprego ou estágio.

Se você deseja alavancar a sua carreira em 2013, confira 4 dicas para superar os obstáculos profissionais mais comuns:

1. Motivação: Essa é a parte mais importante do processo de resolução de ano novo. Se você tem motivação é mais fácil se adaptar aos problemas que surgirão no decorrer do ano. Uma nova motivação faz bem e permite um novo começo para a sua carreira.

2.Percepção: Comece o ano observando! Veja o que está sendo feito em sua carreira que não está dando certo e o que está impossibilitando você de alcançar os seus objetivos. Seja crítico e analise o seu desempenho como profissional. A chave para o sucesso está na sua habilidade de detectar os seus erros e consertá-los.

3. Reinvenção: Ano novo, vida nova. Portanto, é hora de se reinventar. Atualize o seu currículo. Faça com que ele fique mais profissional. Procure trabalhar com alguém para melhorar suas habilidades. Assim, você será capaz de atingir os seus objetivos.

4. Resultados: Independentemente dos seus objetivos, não atingir o resultado desejado é o maior obstáculo que você poderá enfrentar. A dica é focar nos itens que geram resultados reais, ou seja, não fique preocupado com o que pode acontecer daqui a cinco anos. Verifique o que você pode fazer para melhorar a sua realidade hoje. Defina os resultados desejados e, principalmente, determine metas alcançáveis.

2012 teve maior número de jornalistas assassinados, diz UNESCO

2012 teve maior número de jornalistas assassinados, diz UNESCO

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCOafirmou que 2012 foi o ano com mais assassinatos de jornalistas, 119, desde que se inciaram os registros em 1997.

Nos dez primeiros meses do ano passado, a Diretora-Geral da UNESCO, Irina Bokova, condenou até 100 assassinatos de jornalistas e trabalhadores dos meios de comunicação. Relatório da agência mostra que jornalistas também são feridos, violados, sequestrados e detidos ilegalmente. A UNESCO observou que menos de 10% de todos esses casos têm a condenação dos responsáveis. Apesar do perigo da guerra, a maior parte dos jornalistas mortos não estavam cobrindo um conflito armado, mas sim histórias dos locais onde vivem e sobre temas relacionados com a corrupção e outras atividades ilegais como crime organizado e drogas. A investigação midiática sobre direitos humanos e meio ambiente também estão se tornando perigosas.

Para acabar com a violência contra estes profissionais, uma junta de chefes executivos da ONU aprovou o primeiro Plano de Ação da ONU Sobre a Segurança dos Jornalistas e a Questão da Impunidade, iniciativa liderada pela UNESCO. Com intuito de progredir com o plano e produzir estratégias concretas, ocorreu a segunda Reunião Interagências da ONU em Viena, nos dias 22 e 23 de novembro de 2012, organizada pela UNESCO, pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH). Em 2011, foi estabelecido o dia 23 de novembro como Dia Internacional contra a Impunidade, pela organização Intercâmbio Internacional de Liberdade de Expressão (IFEX),em memória ao massacre de Ampatuan, Filipinas, em 2009, quando 32 jornalistas e profissionais da mídia foram assassinados.

Retrospectiva 2012: Linha do tempo com fatos marcantes do ano

Fundo rock and roll

O ano que acaba de terminar foi um ano rock n’ roll: 2012 começou sob a sombra do calendário Maia, que anunciava o fim do mundo. E com Michel Teló chegando ao topo das paradas na Europa logo em janeiro, nada mais justo pensar que os Maias estavam certos…

Nos últimos doze meses, recebemos muitas nostícias ruins – algumas péssimas – mas também muita coisa boa aconteceu. E o ano do fim do mundo levou muita gente, como você pode constatar na linha do tempo abaixo.

Esta lista de fatos, em ordem cronológica, é um apanhado geral dos acontecimentos da música em 2012. Excluimos datas de lançamento de álbuns e videoclipes pois a lista ficaria extensa demais. Se você lembrar de algo importante que ficou faltando, deixe um comentário.

Janeiro

  • 02/01/2012: Falece Larry Reinhardt, guitarrista que integrou as bandas Captain Beyond e Iron Butterfly.
  • 03/01/2012: Morre Bob Weston, ex-guitarrista do Fleetwood Mac.
  • 08/01/2012: Morre o pianista Alexis Weissenberg aos 82 anos.
  • 16/01/2012: Morre lenda do funk, Jimmy Castor, aos 64 anos.
  • 20/01/2012: Morre, aos 73 anos, a diva Etta James.
  • 20/01/2012: Morre Mark Reale, guitarrista e fundador do Riot.
  • Youssou N’Dour candidata-se à presidência do Senegal. Em abril, foi feito ministro do turismo e da cultura do país.
  • Estúdio Abbey Road, usado pelos Beatles, abre para visitação.
  • Thin Lizzy: são encontradas 700 canções gravadas por Phil Lynott.
  • Tony Iommi: guitarrista do Black Sabbath está com câncer.
  • The Doors divulga faixa inétida após 40 anos.
  • Anthony Kiedis faz cirurgia no pé e cancela shows.
  • Sinéad O’Connor tenta suicídio e pede ajuda pelo Twitter.
  • Pe Lanza, vocalista do Restart, leva pedrada na cabeça durante show.
  • Fã invade casa de Kate Bush para pedi-la em casamento.
  • Rita Lee anuncia aposentadoria de shows.
  • Rita Lee é detida por ter desacatado policiais em Sergipe

Fevereirio

  • 08/02/2012: Morre o cantor Wando aos 66 anos.
  • 08/02/2012: Morre Luis Alberto Spinetta, lenda do rock argentino.
  • 11/02/2012: Falece, aos 48 anos, a cantora Whitney Houston.
  • 17/02/2012: Baixista do MC5 falece aos 68 anos.
  • 24/02/2012: Morre o cantor e compositor Pery Ribeiro, aos 74 anos.
  • 29/02/2012: Morre Davy Jones, vocalista do Monkees, aos 66 anos.
  • Bill Ward pula fora da reunião do Black Sabbath.
  • Álbum de Adele supera “Bad” de Michael Jackson em vendas no Reino Unido.
  • Oscar 2012: Carlinhos Brown não leva prêmio.

Março

  • 01/03/2012: Morre o cantor italiano Lucio Dalla, aos 68 anos.
  • 03/03/2012: Guitarrista Ronnie Montrose morre aos 64 anos.
  • 06/03/2012: Morre Robert Sherman, compositor de “Mary Poppins”.
  • 08/03/2012: Morre músico de jazz, Joe Byrd, aos 78 anos.
  • 12/03/2012: Baterista Michael Hossack (Doobie Brothers) falece aos 65 anos.
  • 27/03/2012: Morre a cantora Ademilde Fonseca aos 91 anos.
  • Partitura desconhecida de Mozart é descoberta na Áustria.
  • Rock In Rio anuncia edição na Argentina em 2013.
  • Adele ultrapassa Pink Floyd em lista de discos mais vendidos.
  • Corpo de Tim Maia é exumado para exame de DNA.
  • Snoop Dogg anuncia que seu disco será de reggae.

Abril

  • 05/04/2012: Morre a lenda dos amplificadores, Jim Marshall, aos 88 anos.
  • 07 e 08/04/2012: Primeira edição do festival Lollapalooza no Brasil.
  • 19/04/2012: Greg Ham, do Men At Work, é encontrado morto.
  • 19/04/2012: Morre o baterista Levon Helm, aos 71 anos.
  • Madonna bate recorde de Elvis Presley em vendas.
  • Novo álbum de Madonna bate recorde de queda nas vendas.
  • Bob Dylan veta imprensa em seus shows no Brasil.
  • Axl Rose recusa indicação ao Hall da Fama do Rock, é vaiado na cerimônia e publica carta aberta.
  • Snoop Dogg lança livro com páginas “fumáveis”.
  • Keith Moon, baterista morto em 1978, é convidado para cerimônia das Olimpíadas.
  • Tupac “ressuscita” através de holograma no festival Coachella.
  • Tom Petty recupera cinco guitarras desaparecidas

Maio

  • 02/05/2012: Morre cantor sertanejo Tinoco, aos 91 anos.
  • 04/05/2012: Morre Adam “MCA” Yauch, do Beastie Boys, aos 47 anos.
  • 13/05/2012: Morre Donald “Duck” Dunn, baixista do Booker T. & The M.G.’s.
  • 16/05/2012: Morre Chuck Brown, padrinho do estilo go-go, aos 75 anos.
  • 17/05/2012: Morre a cantora Donna Summer aos 63 anos.
  • 18/05/2012: Morre Peter Jones, baterista do Crowded House, aos 45 anos.
  • 20/05/2012: Morre Robin Gibb, do the Bee Gees.
  • 29/05/2012: Morre Doc Watson, ícone do folk, aos 89 anos.
  • 31/05/2012: Músico Nelson Jacobina morre aos 58 anos.
  • Bruce Dickinson (Iron Maiden) abre empresa de reparo de aviões.
  • Blink 182 cancela shows depois de cirurgia de emergência do baterista.
  • Emicida é detido por desacato à autoridade, após show em Belo Horizonte.
  • Depois da MPB, presidente Dilma fixa Dia Nacional do Reggae.
  • Lady Gaga é proibida de se apresentar na Indonésia.
  • Velvet Revolver: Scott Weiland anuncia volta, mas Slash nega.
  • Cancelado show gratuito de Justin Bieber no RJ.
  • Axl Rose cai no palco em show na Inglaterra.
  • Rolling Stones agradecem aos 10 milhões de fãs do Facebook em vídeo.
  • Angra: Edu Falaschi anuncia saída da banda.
  • Elton John cancela série de shows após ser hospitalizado.
  • Bobby Womack está livre de câncer no cólon.
  • Bomba é achada no quintal de David Gilmour.
  • Shirley Manson (Garbage) expulsa fã de show por ter agredido garota.
  • Show gratuito de Justin Bieber acaba com 49 feridos na Noruega.
  • Paul McCartney e esposa sofrem acidente de helicóptero. A notícia só foi divulgada em novembro.

Junho

  • 07/06/2012: Morre Bob Welch, ex-integrante do Fleetwood Mac.
  • Justin Bieber bate a cabeça em parede de vidro.
  • Morrissey cogita aposentadoria.
  • Katy Perry tem biografia contada em quadrinhos.
  • Rebeldes recebe ouro e platina por vendas de trabalho ao vivo.
  • Queda de palco faz vítimas em show do Radiohead.
  • Viper começa turnê de reunião em Santo André, na Grande São Paulo.
  • Geoff Tate sai do Queensrÿche.
  • Swedish House Mafia anuncia separação.
  • 50 Cent é hospitalizado após acidente de carro.
  • Godsmack cancela turnê na Europa por doença do vocalista.
  • Jessie J é processada por plágio em “Domino”.
  • Vocalista do Lamb Of God é preso por homicídio.
  • Flaming Lips bate recorde com oito shows em 24 horas.
  • Eddie Van Halen: “Era eu mesmo em De Volta para o Futuro”.
  • Lauryn Hill confessa sonegação de impostos à justiça.

Julho

  • 07/07/2012: Morre José Roberto Bertrami, tecladista do Azymuth, aos 66 anos.
  • 16/07/2012: Morre Jon Lord, tecladista do Deep Purple, aos 71 anos.
  • 16/07/2012: Compositor Ed Lincoln morre aos 80 anos.
  • 16/07/2012: Rainha do Country, Kitty Wells, morre aos 92 anos.
  • 16/07/2012: Morre aos 74 anos Bobby Babbitt, baixista do Funk Brothers.
  • 18/07/2012: Compositora e cantora Vera Brasil morre aos 80 anos.
  • 21/07/2012: Morre Marcos Roberto, cantor da Jovem Guarda, aos 71 anos
  • 27/07/2012: Morre o cantor Tony Martin aos 98 anos.
  • 31/07/2012: Morre Tony Sly, vocalista do No Use For A Name, aos 41 anos
  • Zakk Wylde batiza filho de Sabbath Page
  • Paul Di’Anno anuncia turnê de despedida.
  • Dois integrantes deixam o Clap Your Hands Say Yeah.
  • Marisa Monte cancela shows por recomendação médica.
  • Chumbawamba anuncia fim das atividades.
  • Slipknot: Corey Taylor passa mal e desmaia durante show.
  • Vocalista do Garbage recebe ameaças pelo Twitter.
  • Nove pessoas são esfaqueadas em show do Swedish House Mafia.
  • Ministry: Vocalista desmaia durante show em Paris.

Agosto

  • 06/08/2012: Morre o cantor e guitarrista Celso Blues Boy, aos 56 anos.
  • 08/08/2012: Morre o músico Magro Waghabi do MPB4, aos 68 anos.
  • 15/08/2012: Morre flautista Altamiro Carrilho, aos 87 anos.
  • 15/08/2012: Morre o músico Scott McKenzie aos 73 anos.
  • 22/08/2012: Cantor de reggae Matthew McAnuff é morto na Jamaica.
  • Rapper will.i.am lança nova música em Marte, pelo jipe-robô Curiosity.
  • Marcelo D2 anuncia show de reunião do Planet Hemp.
  • Bruce Springsteen quebra próprio recorde com show de quatro horas.
  • Lily Allen muda nome artístico para Lily Rose Cooper.
  • DJ Tiësto é o mais bem pago do mundo.
  • Beth Carvalho é internada para fazer cirurgia na coluna.
  • The Monkees anuncia primeira turnê sem Davy Jones.
  • Em testamento, Adam Yauch proíbe uso de músicas do Beastie Boys em propaganda.
  • Gusttavo Lima quebra guitarra e atinge fã de 10 anos.
  • Vocalista do Killing Joke que estava desaparecido é achado no deserto do Saara.
  • Banda Pussy Riot é declarada culpada por vandalismo.
  • Nasa usa músicas dos Beatles e Anthrax para despertar robô em Marte.
  • Mark Chapman, assassino de John Lennon, tenta liberdade condicional pela sétima vez.
  • Rapper LL Cool J reage a assalto em casa e prende ladrão.
  • Andreas Kisser é homenageado no Cavern Club, em Liverpool.
  • Ringo Starr e Phil Collins são listados como os bateristas mais ricos do mundo.
  • Pesquisa diz que 71% dos seguidores de Lady Gaga no Twitter são falsos.
  • Duran Duran cancela shows por doença do tecladista.
  • Eddie Van Halen passa por cirurgia de emergência e banda cancela turnê.
  • Dr. Dre é o artista mais bem pago da indústria musical.

Setembro

  • 01/09/2012: Morre Hal David, compositor de “Raindrops Keep Fallin’ On My Head”.
  • 02/09/2012: Morre Mark Abrahamian, guitarrista do Starship.
  • 05/09/2012: Morre Joe South, compositor de “Hush” e “Games People Play”.
  • 13/09/2012: Morre Dorothy McGuire, do trio The McGuire Sisters, aos 84 anos.
  • 25/09/2012: Morre o cantor Andy Williams, aos 84 anos.
  • Green Day: Billie Joe Armstrong é hospitalizado e banda cancela show na Itália
  • One Direction ganha na justiça o direito de usar o nome.
  • Gravações da primeira banda de Ringo Starr são encontradas.
  • Slipknot: Médico é acusado de homicídio culposo pela morte de Paul Gray.
  • Rapper Professor Green passa por cirurgia para retirar nódulo na cabeça.
  • Charlie Brown Jr.: Chorão acusa Champignon de ter voltado à banda por dinheiro.
  • Milton Nascimento e Toquinho serão homenageados no Grammy Latino.
  • Mötley Crüe: Vince Neil fratura o pé durante apresentação da banda.
  • James Taylor processa gravadora Warner em US$ 2 milhões.
  • Brian Wilson passa por nova cirurgia na região lombar.
  • Restart: Glastonbury pede para fãs pararem de sugerir a banda para o festival.
  • Fiona Apple é presa por porte de drogas nos EUA.
  • Universal Music compra a concorrente EMI.
  • Green Day: Vocalista Billie Joe se interna em clínica de reabilitação.
  • One Direction é acusado de plagiar música do The Clash.
  • Sonic Youth recupera guitarras roubadas há 13 anos.

Outubro

  • 02/10/2012: Guitarrista Big Jim Sullivan morre aos 71 anos.
  • 24/10/2012: Compositor de “Oh Pretty Woman”, Bill Dees, morre aos 73 anos.
  • 28/10/2012: Morre Terry Callier, cantor e compositor de soul e jazz, aos 67 anos.
  • George Michael cancela turnê na Austrália por crise de ansiedade.
  • Foo Fighters anuncia férias por tempo indeterminado.
  • “Love Me Do”: Primeiro ‘single’ dos Beatles completa 50 anos.
  • Lady Gaga recebe prêmio LennonOno da paz.
  • Justiça russa liberta integrante do Pussy Riot.
  • Vocalista do The Vines é preso por agressão.
  • Hacker invade Twitter do Garbage e se passa por Shirley Manson.
  • Flavor Flav, do Public Enemy, é preso por violência doméstica.
  • Neil Young pergunta no Twitter: “Quem é Bono?”.
  • James Blunt nega que irá se aposentar.
  • Fãs organizam ‘flash mob’ para Lady Gaga em São Paulo.
  • Rod Stewart revela ter usado cocaína pelo ânus.
  • Rapper Lil Wayne sofre convulsão durante voo.

Novembro

  • 01/11/2012: Morre Mitch Lucker, vocalista do Suicide Silence, aos 28 anos.
  • 22/11/2012: Morre, aos 22 anos, o pianista Austin Peralta.
  • 27/11/2012: Morre Mickey Baker, guitarrista de jazz e blues, aos 87 anos.
  • Acusado de racismo, No Doubt se desculpa e retira videoclipe da internet.
  • Fã invade palco e derruba Robert Plant na Argentina.
  • Fã morre e outros 19 ficam feridos em show do Linkin Park.
  • INXS anuncia aposentadoria após 35 anos de carreira.
  • 10,000 Maniacs se reúne e anuncia álbum de inéditas.
  • Björk comemora sucesso da cirurgia nas cordas vocais.
  • Latino tem conta no Youtube encerrada por violação de direitos autorais.
  • Filme sobre Marcelo Yuka estreia nos cinemas.
  • Guitarra queimada por Jimi Hendrix é leiloada por 380 mil dólares.

Dezembro

  • 05/12/2012: Morre o ícone do jazz, Dave Brubeck, aos 91 anos.
  • 06/12/2012: Morre o baterista Ed Cassidy aos 89 anos.
  • 09/12/2012: Cantora Jenni Rivera morre em acidente de avião no México.
  • 11/12/2012: Morre o músico indiano Ravi Shankar, aos 92 anos.
  • 21/12/2012: Iron Butterfly: morre o baixista Lee Dorman.
  • 22/12/2012: Mike Scaccia, guitarrista do Ministry morre aos 47 anos.
  • 24/12/2012: Morre Ray Collins, vocalista do Mothers of Invention.
  • 26/12/2012: Falece a cantora Fontella Bass, aos 72 anos.
  • Filho de Marvin Gaye desaprova filme com Lenny Kravitz no papel do músico.
  • Randy Blythe, do Lamb Of God, é formalmente indiciado por homicídio.
  • Vince Neil tenta agredir fã durante show.
  • Joe Perry diz que novo álbum do Aerosmith pode ter sido o último.
  • Norah Jones cancela shows no Brasil após morte do pai, Ravi Shankar.
  • Adele lidera lista de álbuns mais vendidos no iTunes em 2012.
  • Vocalista do Lostprophets é acusado de pedofilia.
  • Spice Girls desmentem boatos de reunião sem Victoria.
  • “Die Young”: Música de Ke$ha é banida das rádios após massacre em escola nos EUA.
  • “Gangnam Style” alcança 1 bilhão de visualizações no YouTube.
  • Adele registra o próprio nome para evitar mau uso.