10 anos da tragédia de 2008

Tragédia de 2008 em Ilhota

Um pergunta que o jornalista Mario Motta da NSC fez em seu blog e que surgiram inúmeras interrogações principalmente aqui pra nós ilhotense, o que a tragédia de 2008 nos ensinou? É de se pensar um pouquinho, não é?

Pensando nisso, a Defesa Civil de Santa Catarina promoveu nos dia 12 e 13 deste mês, no Centro de Eventos Governador Luiz Henrique da Silveira, no norte da Ilha, o II Seminário Internacional de Proteção e Defesa Civil, que foi aberto ao público. Nesses dois dias, os mais de tantos palestrantes renomados de diversos países estiveram na capital catarinense para alertar e discutir temáticas, como monitoramento e alerta prévio – experiências aprendidas, planejamento urbano, mapeamentos de risco e segurança pública. Desconheço se o povo da Defesa Civil de Ilhota participou deste evento, seria interessante a presença nossa lá, até porque, fomos o epicentro de toda calamidade climática e poderíamos compartilhar experiência e solucionar as inúmeras falas que a nossa coordenadoria municipal tem no setor, como a defasagem do plano de contingência. O seminário destacou também os projetos realizados para aumentar a resiliência do povo catarinense perante o maior evento severo ocorrido no Estado: as fortes chuvas que atingiram 14 cidades catarinenses e mataram 135 pessoas, tragédia que completa 10 anos em 2018. Informações no site www.sipsdc2018.com.br.

Anúncios

Inscrições abertas para o 3º Congresso Catarinense de Cidades Digitais, em Lages

Inscrições para o 3º Congresso Catarinense de Cidades Digitais

Maior município em extensão territorial de Santa Catarina investe em tecnologia para se tornar referência na área.

Pela primeira vez, a região serrana do Estado estará no centro das discussões sobre tecnologia no desenvolvimento, principalmente, dos pequenos e médios municípios. Nos dias 19 e 20 de abril, Lages sedia o 3º Congresso Catarinense de Cidades Digitais, evento gratuito para gestores públicos, promovido pela Rede Cidade Digital (RCD) em parceria com a Prefeitura Municipal de Lages. As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo www.redecidadedigital.com.br.

Segundo o diretor da RCD, José Marinho, o objetivo é estimular o uso das Tecnologias da Informação e Comunicação cada vez mais nas cidades, no sentido de resolver os problemas que afetam os moradores diariamente. Ele adianta que a programação é construída a partir de modelos em andamento, políticas públicas e soluções de mercado. Reconhecido como o maior encontro sobre tecnologia para localidades de pequeno e médio porte, Marinho também atribui tal sucesso pela abordagem de temas mais próximos da realidade local.

Controle de gestão e inclusão social refletem alguns dos principais ganhos de uma cidade digital, na opinião do diretor da iniciativa. “A cidade passa a ser mais organizada e melhor gerida a partir de dados para tomada de decisão. Isso também reflete no aumento em recursos federais e estaduais. Os ganhos em eficiência aparecem nas principais pastas como finanças, Educação e Saúde devido ao maior controle aplicado, além da atração de novas empresas pelo ambiente de facilidades que se encontra. A economia local e criativa cresce também quando a cidade digital é explorada pela população”, avalia Marinho.

Florianópolis e Bombinhas sediaram as edições anteriores do Congresso, reunindo ao todo prefeitos, gestores e vereadores de 200 municípios.

A escolha da cidade-sede: Lages vem se destacando pelos investimentos voltados para desburocratização dos processos e fomento à inovação. Entre as ações estão a criação do primeiro parque tecnológico de Santa Catarina, a implantação de grande infraestrutura de rede em fibra óptica e o Programa Lages Cidade Empreendedora. “Queremos melhorar a qualidade da informação para tomada de decisão e, consequentemente, o serviço prestado à população. E o Congresso, além da visibilidade, vem nos ajudar trazendo novas ideias, chamando a atenção da população para essa nova fase que Lages entra”, afirma o prefeito em exercício de Lages, Juliano Polese.

Serviço

3º Congresso Catarinense de Cidades Digitais
Lages – 19 e 20 de abril
Inscrições gratuitas para servidores públicos: www.redecidadedigital.com.br
Informações pelo congresso@redecidadedigital.com.br ou pelo (41)3015-6812

Celesc está com inscrições abertas para o concurso público

Concurso público Celesc

A Celesc Distribuição S.A. comunica que se encontram abertas, de 9 de janeiro de 2018 a 9 de fevereiro de 2018, as inscrições para o concurso público destinado ao provimento de vagas nos cargos deste Edital e à formação de cadastro de reserva de aprovados para vagas que vierem a ser criadas no prazo de validade do presente concurso no quadro de empregados da empresa. São 49 vagas disponíveis. As inscrições já estão valendo e podem ser realizadas no site 2018celesc.fepese.org.br onde também está disponível o edital. Mais detalhes no site da Celesc www.celesc.com.br.

Inscrição

  • Recomenda-se ao candidato que:
  • Leia atentamente o Edital antes de iniciar o preenchimento do Requerimento de Inscrição.
  • odos os campos obrigatórios do formulário deverão ser preenchidos.

Em conformidade com o Edital:
Para efetivar a sua inscrição pela Internet, o candidato deverá seguir os seguintes passos:

  1. Acessar o endereço eletrônico: 2018celesc.fepese.org.br;
  2. Ler atentamente o edital, inteirando-se das condições do certame e certificando-se de que preenche todas as condições exigidas;
  3. Preencher o Requerimento de Inscrição on line, imprimindo uma cópia que deve ficar em seu poder;
  4. Imprimir e efetivar o pagamento do boleto de pagamento da inscrição em qualquer agência bancária, posto de autoatendimento ou “home banking”, preferencialmente do Banco Itaú S.A, até a data de encerramento das inscrições.

Cronograma

O cronograma está previsto conforme edital 001/2018. Os dados retirados do Edital 001/2018

  • Publicação do Edital: 09/01/2018
  • Período de Inscrição: 09/01/2018 – 09/02/2018
  • Requerimento isenção do pagamento da inscrição: 09/01/2018 – 15/01/2018
  • Requerimento de condições especiais: 09/01/2018 – 09/02/2018
  • Requerimento para vagas reservadas: 09/01/2018 – 09/02/2018
  • Homologação dos requerimentos de isenção: 19/01/2018
  • Prazo recursal: 22/01/2018 – 23/01/2018
  • Publicação do despacho dos recursos: 25/01/2018
  • Homologação das Inscrições: 15/02/2018
  • Homologação dos pedidos de condições especiais: 15/02/2018
  • Prazo recursal: 16/02/2018 – 19/02/2018
  • Publicação do despacho dos recursos: 23/02/2018
  • Divulgação do Local das Provas: 23/02/2018
  • Data da Prova: 04/03/2018
  • Publicação do gabarito preliminar: 04/03/2018
  • Prazo recursal: 05/03/2018 – 06/03/2018
  • Publicação do despacho dos recursos: 13/03/2018
  • Resultado da prova escrita: 13/03/2018
  • Convocação para o Teste de Aptidão Física: 13/03/2018
  • Prazo recursal: 14/03/2018 – 15/03/2018
  • Publicação do despacho dos recursos: 16/03/2018
  • Republicação da convocação para Teste de Aptidão Física: 16/03/2018
  • Teste de Aptidão Física para o cargo de Eletricista: 18/03/2018
  • Resultado do Teste de Aptidão Física: 21/03/2018
  • Resultado final: 22/03/2018
  • Prazo recursal: 23/03/2018 – 24/03/2018
  • Publicação do despacho dos recursos: 28/03/2018
  • Republicação do resultado final: 29/03/2018

Meu resumo sobre o edital

O edital Nº. 001/2018 abre inscrições e define normas para o concurso público destinado a prover vagas nos cargos de empregados da CELESC DISTRIBUIÇÃO S.A.

A CELESC DISTRIBUIÇÃO S.A. comunica que se encontram abertas, de 9 de janeiro de 2018 a 9 de fevereiro de 2018, as inscrições para o concurso público destinado ao provimento de vagas nos cargos deste Edital e à formação de cadastro de reserva de aprovados para vagas que vierem a ser criadas no prazo de validade do presente concurso no quadro de empregados da empresa.

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
1.1. O concurso público será realizado sob a responsabilidade da Fundação de Estudos e Pesquisas Socioeconômicos – FEPESE, localizada no Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima, da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC – Trindade – Florianópolis, SC – telefones (48) 3953 1000/ (48) 3953 1032, endereço eletrônico http://2018celesc.fepese.org.br, e-mail 2018celesc@fepese.org.br.
1.3. Todos os avisos e editais convocatórios serão publicados no sítio do concurso na Internet: http://2018celesc.fepese.org.br e se constituem na única fonte válida de informação a respeito das normas e procedimentos do presente concurso público.

2. DAS CONDIÇÕES PARA ADMISSÃO E CONVOCAÇÃO
2.1. O candidato convocado deverá cumprir as etapas do processo admissional definido pela Celesc Distribuição e preencher as seguintes condições.
g) Ter, no processo admissional especificado pela Celesc Distribuição, habilitação de escolaridade e requisitos exigidos para o cargo ao qual se inscreveu.
2.5. A convocação para o processo admissional do candidato aprovado e classificado para o cargo deste Edital far-se-á por meio de duas etapas:
a) A primeira etapa será realizada por meio de correio eletrônico, que será enviado ao candidato pelo e-mail corporativo concurso@celesc.com.br. Se o candidato convocado pela Celesc Distribuição S.A. não responder à convocação por meio eletrônico (e-mail convocatório), em até 48 horas após a data e horário constantes no e-mail, a Celesc Distribuição S.A. deflagrará a segunda etapa de contato com o candidato.
b) Na segunda etapa, a empresa enviará correspondência com A.R. (aviso de recebimento) por meio dos Correios na tentativa de segunda comunicação com o candidato sobre a convocação e as informações pertinentes à apresentação em local, data e horário estabelecidos pela Celesc Distribuição S.A.
2.6. Se o candidato não se manifestar e não comparecer no local, data e horário estabelecidos em sua convocação, será imediatamente desclassificado e será convocado o próximo candidato da lista de aprovados e classificados.
2.7. No momento do processo de admissão, o candidato não poderá pleitear vaga para a qual não tenha a documentação estritamente exigida em Edital. O diploma do ensino superior não habilita o candidato a ocupar vaga de cargo de nível médio ou técnico.

3. DO CARGO, REQUISITOS PARA O CARGO, CARGA HORÁRIA, VAGAS, SALÁRIO, LOTAÇÃO, ATRIBUIÇÕES/ATIVIDADES DO CARGO.
3.1. REQUISITOS PARA OS CARGOS
TABELA 1 – REQUISITOS PARA OS CARGOS
3.2. VAGAS, SALÁRIO LOTAÇÃO, CARGA HORÁRIA
TABELA 2– VAGAS, SALÁRIO, LOTAÇÃO E CARGA HORÁRIA
TABELA 03 – MUNICÍPIOS ABRANGIDOS PARA O CARGO ATENDENTE COMERCIAL POR AGÊNCIA REGIONAL
a) O salário nos 12 (doze) primeiros meses corresponderá a 85% do salário inicial, conforme Plano de Cargos e Salários da empresa.
b) Os candidatos aprovados e admitidos terão direito às demais vantagens e benefícios constantes do Acordo Coletivo de Trabalho – ACT da respectiva categoria, vigente a partir da data da admissão.
d) Os salários e benefícios são reajustados anualmente conforme Acordo Coletivo de Trabalho – ACT.
e) O tempo de serviço na empresa será considerado a partir da contratação na Celesc Distribuição para o cargo aprovado por meio deste concurso.
g) No momento da admissão, para todos os cargos deste Edital regulamentados e fiscalizados por Conselho de Classe, será exigido o registro profissional no respectivo conselho.
h) Ficará incumbido ao futuro empregado da Celesc o pagamento de exames clínicos/médicos que por ventura sejam, ou venham a ser, exigidos pela legislação brasileira e/ou correlatadas para exercer e desempenhar o cargo profissional escolhido na inscrição do Concurso Público, tais como: exames toxicológicos, relacionados à renovação da C.N.H para categoria “C”.
3.3. ATRIBUIÇÕES/ATIVIDADES DO CARGO NÍVEL MÉDIO E TÉCNICO
CARGO: TÉCNICO INDUSTRIAL – EDIFICAÇÕES
• Gerenciar e fiscalizar a execução de obras de edificações.
Participar na elaboração de projetos civis.
Planejar a execução, orçar e providenciar materiais.
Executar outras atividades técnicas em edificações.
Elaborar documentação e prestar assessoramento técnico.
Orientar e observar normas e procedimentos técnicos e de segurança no trabalho.
Gerenciar contratos.
Coordenar e participar de projetos e equipes de trabalho.
Ministrar treinamento.
Dirigir veículo da empresa transportando equipe e material de trabalho e responsabilizando-se por sua manutenção.
Efetuar tarefas necessárias ao desempenho das atividades do Cargo.

5. DA INSCRIÇÃO
5.1. A participação no Concurso iniciar-se-á pela inscrição, que deverá ser efetuada no prazo e nas condições estabelecidas neste edital.
5.2. No momento da inscrição, o candidato deverá optar:
b) Pelo município onde deseja realizar a prova: Chapecó, Criciúma, Grande Florianópolis, Joinville e Lages.
5.3. O valor da inscrição para cargo de nível médio é de R$ 90,00. O valor da inscrição para o nível médio/técnico é de R$ 110,00 e o valor da inscrição para cargos nível superior é de R$130,00.
5.4. As inscrições para o concurso público estarão abertas das 12 horas do dia 9 de janeiro de 2018 às 16 horas do dia 9 de fevereiro de 2018, por um dos seguintes meios:
a) Inscrição pela Internet;
b) Inscrição presencial no Posto de Atendimento ao candidato. Instruções para a inscrição pela Internet
Para efetivar a sua inscrição pela Internet, o candidato deverá seguir os passos a seguir:
a) Acessar o endereço eletrônico http://2018celesc.fepese.org.br
b) Ler atentamente o edital e preencher online o Requerimento de Inscrição, imprimindo uma cópia que deve ficar em seu poder.
c) Imprimir e efetivar o pagamento do boleto de pagamento da taxa de inscrição em qualquer agência bancária, posto de autoatendimento ou “home banking”, preferencialmente do Banco Itaú S.A., até a data de encerramento das inscrições.

7. DAS ETAPAS DO CONCURSO PÚBLICO
7.1. O concurso público para o cargo de eletricista constará de 2 (duas) etapas. A saber:
a. Primeira etapa: prova escrita com questões objetivas de caráter classificatório e eliminatório.
b. Segunda etapa: teste de aptidão física, de caráter unicamente eliminatório.
7.2. O presente Concurso Público para todos os demais cargos será constituído de uma única etapa.
Etapa única: prova escrita com questões objetivas de caráter classificatório e eliminatório.
7.4. A prova escrita será realizada no dia 04 de março de 2018, nas cidades de Chapecó, Criciúma, Grande Florianópolis, Joinville e Lages, de acordo com o cronograma abaixo, em locais que serão divulgados por aviso publicado no sítio do concurso na Internet, na data provável de 23 de fevereiro de 2018.
TABELA 4 – EVENTOS DA PROVA
TABELA 5 – PROVAS PARA CARGOS DE NÍVEL MÉDIO E TÉCNICO
Serão considerados aprovados os candidatos que obtiverem na prova escrita nota igual ou superior a 6,0 (seis).

12. DA HOMOLOGAÇÃO E VALIDADE DO CONCURSO
12.1. O resultado final do concurso – extrato de homologação – será publicado no Diário Oficial do Estado de Santa Catarina. O resultado final do concurso – nome dos aprovados/classificados será disponibilizado no sítio do concurso http://2018celesc.fepese.org.br e no sítio/portal da Celesc Distribuição S.A. http://www.celesc.com.br.
12.2. O prazo de validade do presente Concurso Público será de 2 (dois) anos, contados da data de publicação da homologação do resultado final, podendo ser prorrogado por igual período, a critério da Celesc Distribuição S.A.
12.3. No prazo estabelecido no subitem anterior, havendo desistência de candidato ou não cumprindo este às exigências legais cabíveis, assumirá o próximo candidato da lista de classificação.

13. DA CLASSIFICAÇÃO, DO APROVEITAMENTO E DA FORMAÇÃO DO CADASTRO DE RESERVA
13.1. Farão parte do Cadastro de reserva todos os candidatos que forem aprovados e classificados no presente Concurso Público.
13.2. A utilização do cadastro de reserva obedecerá, rigorosamente, à ordem de classificação final, sendo que:
a) Classificação geral: corresponde ao cadastro estadual;
b) Classificação específica corresponde à área de R.H. (Agência Regional ou Adm. Central) para qual o candidato optou no ato da inscrição;
c) Especificamente para o cargo de Atendente Comercial, a classificação geral corresponde à área de RH (Agência Regional) e a classificação específica ao município para qual o candidato optou no ato da inscrição.
13.3. O candidato classificado no presente Concurso Público poderá ser convocado, em virtude das necessidades da Celesc Distribuição S.A., obedecida rigorosamente a ordem de classificação, tendo prioridade na contratação os candidatos inscritos para as vagas reservadas aos candidatos com deficiência.
13.4. Será excluído do Concurso Público o candidato aprovado e classificado que não aceitar a convocação ou não comparecer na data, local e hora definidos na convocação.

14. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
14.1. O regime jurídico ao qual estarão vinculados os candidatos habilitados neste Concurso Público será o da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT.
14.2. Os candidatos aprovados e classificados serão admitidos, por ordem de classificação, respeitados o número de vagas, a conveniência e oportunidade e o limite prudencial e total de gastos com pessoal e os impedimentos ditados pela Lei Complementar Federal nº 101, de 4 de maio de 2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal).
14.3. O candidato aprovado e classificado, quando convocado, deverá realizar os exames exigidos pela Celesc Distribuição S.A. e atender os parâmetros por ela estabelecidos.
14.4. O candidato aprovado e classificado, quando convocado para iniciar o processo admissional, deverá apresentar os documentos abaixo relacionados:
a) Original e cópia do documento de identidade que comprove ser brasileiro nato ou naturalizado ou, ainda, português na forma do disposto no art. 13 do Decreto nº 70.436;
b) Certidão Negativa de Crime Eleitoral (obtida na Zona Eleitoral do Município referente ao Título de Eleitor);
c) Certidão de Quitação Eleitoral (obtida na Zona Eleitoral do Município referente ao Título de Eleitor);
d) Declaração de não ter sofrido demissão a bem do serviço público ou por justa causa (modelo fornecido pela Celesc Distribuição S.A.);
e) Declaração de não acúmulo de serviço, cargo ou emprego público, conforme art 37. CF de 88.
f) Original e cópia do Certificado de Reservista ou de dispensa do Serviço Militar, no caso dos candidatos do sexo masculino;
g) Original e cópia do Diploma ou Certificado de Formação Escolar exigida para o cargo;
h) Original e cópia do CPF;
i) Original e cópia do Título de Eleitor;
j) Carteira de Trabalho e Previdência Social;
k) Comprovante de inscrição no PIS/PASEP;
l) Original e cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento;
m) Original e cópia da Certidão de Nascimento dos filhos menores de 14 anos;
n) 1 foto 3 x 4 colorida recente;
o) Certidões Negativas de Antecedentes Criminais emitidas pela Polícia Federal e pela Justiça Estadual;
p) Ofício Judicial em que determina alimentos provisionais, no caso de separação;
q) Declaração de Bens (modelo fornecido pela Celesc Distribuição S.A.);
r) Ficha de dados cadastrais (modelo fornecido pela Celesc Distribuição S.A.);
s) Certidão Negativa do INSS de que não percebe benefício (obtida pelo candidato junto ao INSS);
t) Original e cópia do Comprovante de Residência (água, luz ou telefone);
u) Carteira Nacional de Habilitação com a categoria exigida pelo cargo;
v) Original e cópia do comprovante de registro profissional no Conselho/Órgão de Classe – atualizado;
w) Declaração do conselho/órgão fiscalizador de que está quite com as obrigações legais;
x) Comprovante de conta no Banco do Brasil.
14.5. Os primeiros 90 dias de contrato serão de experiência, período em que será avali ado o desempenho do candidato no exercício do cargo. Do 91º ao 180º dia, o contrato se estende para o estágio probatório e será aplicada uma segunda avaliação que definirá a permanência do candidato no cargo.
14.6. O candidato reprovado em pelo menos em uma das avaliações descritas no subitem 14.5 deste Edital terá seu contrato de trabalho rescindido.
14.7. O candidato aprovado, classificado e admitido conforme regras descritas neste edital deverá ser lotado e permanecer pelo período mínimo de 5 (cinco) anos na Administração Central ou Agência Regional na qual foi admitido.
14.7.1. Especificamente para o candidato aprovado, classificado e admitido no Cargo de Atendente Comercial, conforme regras descritas neste Edital, deverá ser lotado e permanecer pelo período mínimo de 5 (cinco) anos na lotação (município) da Celesc Distribuição S.A. na qual foi admitido.
14.7.2. Poderá ser autorizada a movimentação interna (a critério da Celesc) antes do período mínimo de 5 (cinco) anos, nos casos em que o candidato lotado em lotação diversa esteja solicitando retorno para a lotação em que tenha optado no ato da inscrição e desde que haja vaga.
14.7.3. Poderá ser autorizada a movimentação interna (a critério da Celesc) antes do período mínimo de 5 (cinco) anos, nos casos em que seja realizada permuta entre empregados com o mesmo cargo ou grupo ocupacional em que as atividades desenvolvidas sejam compatíveis.
14.8. O candidato que integrar o cadastro de reserva deverá manter seu endereço e contato atualizados junto ao Departamento de Gestão de Pessoas na Administração Central da Celesc Distribuição S.A. em Florianópolis, Santa Catarina por meio do e-mail corporativo concurso@celesc.com.br, após a homologação do resultado final do Concurso Público, sob pena de perda da classificação.
14.9. A escolaridade exigida para o exercício do cargo deverá ser comprovada unicamente no momento da solicitação da Celesc Distribuição nas etapas da admissão, para a contratação do candidato aprovado e classificado.
14.10. Delega-se competência à Fundação de Estudos e Pesquisas Socioeconômicos – FEPESE para:
a) Receber as inscrições e respectivos valores das inscrições;
b) Deferir e indeferir as inscrições dos candidatos;
c) Emitir os documentos de confirmação de inscrições;
d) Elaborar, aplicar, julgar, corrigir e avaliar as provas a que se refere o presente concurso;
e) Receber e apreciar os recursos administrativos previstos neste Edital;
f) Emitir relatórios de classificação dos candidatos;
g) Constituir comissão interna do concurso e designar banca examinadora de provas.
14.12. Será excluído do concurso, por ato da Fundação de Estudos e Pesquisas Socioeconômicos – FEPESE, o candidato que:
a) Tornar-se culpado por agressões ou descortesias para com qualquer membro da equipe encarregada de realização das provas;
b) Forsurpreendido, durante a aplicação das provas, em comunicação com outro candidato, verbalmente, por escrito ou por qualquer outra forma;
c) For flagrado, utilizando-se de qualquer meio, visando burlar a prova, falsa declaração e ou falsa identificação pessoal;
d) Ausentar-se da sala de prova durante a sua realização, sem estar acompanhado de um fiscal;
e) Recusar-se a entregar ao fiscal qualquer material, utensílio e/ou equipamento não permitido;
f) Agir em desacordo com as normas fixadas no Edital.
14.13. Os casos omissos serão resolvidos conjuntamente pela Celesc Distribuição S.A. e pela Fundação de Estudos e Pesquisas Socioeconômicos – FEPESE.

O edital você poderá obter através deste link!

Clique aqui para baixar - Arquivos

Celesc abre Concurso Público com vagas para todo o estado

Estão abertas as inscrições para o concurso público da Celesc, com oportunidades para diversas cidades do estado. Os salários iniciais variam de R$ 1.106,40 a R$ 4.365,06, além de benefícios como plano de saúde, auxílio creche/babá, auxílio estudante, vale alimentação, plano de previdência, entre outros.

São 49 vagas disponíveis: 16 para cargos de nível médio, 16 para cargos de nível técnico e 17 para cargos de nível superior. Do total, 20% das posições serão disponibilizadas a pessoas com deficiência (PcD). A previsão é de que os primeiros concursados sejam chamados já a partir de maio deste ano. Os demais aprovados irão compor cadastro de reserva e poderão ser acionados à medida que for identificada a necessidade.

As inscrições podem ser realizadas no site http://2018celesc.fepese.org.br (onde também está disponível o edital), até o dia 09 de fevereiro, ao custo de R$ 90,00 para candidatos a cargos de nível médio, R$ 110,00 para cargos de nível técnico e R$ 130,00 para cargos de nível universitário. A prova está marcada para o dia 04 de março e será aplicada nas localidades de Chapecó, Criciúma, Grande Florianópolis, Joinville e Lages.

Confira neste link a tabela do quadro com os cargos disponíveis e suas respectivas exigências.

Celesc

Atlas da Notícia aponta 70 milhões de brasileiros sem fonte de informação

Atlas da Notícia

O “Atlas da Notícia”, levantamento com base em jornalismo de dados sobre a presença ou ausência da imprensa em todo o território nacional, revelou que 70 milhões de habitantes não têm registros de meios noticiosos impressos ou digitais. O estudo é uma parceria do Projor – Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo com o Volt Data Lab e o Observatório da Imprensa.

O projeto tem inspiração no America’s Growing Deserts of News da revista Columbia Journalism Review. Os números apurados pelo Volt Data Lab se baseiam em três fontes de informações: Secretaria de Comunicação do Governo Federal, Associação Nacional de Jornais (ANJ), além de uma campanha de crowdsourcing.

Foram identificados, na primeira etapa do projeto, 5.354 veículos — entre jornais impressos e sites —, em 1.125 cidades de 27 unidades federativas. Um universo que compreende aproximadamente 130 milhões de pessoas, mais de 60% da população brasileira.

Quase 35% da população nacional não dispõe de notícias sobre sua própria comunidade, vivendo nos chamados “desertos de notícias”, onde não se cobre, entre outras coisas, nem a Prefeitura ou a Câmara Municipal. Não há, nesses territórios, a produção jornalística, o que compromete a capacidade decisória dos cidadãos. O conceito de “desertos de notícias”, olha para os espaços não contemplados na pesquisa: 4.500 municípios representando 70 milhões de habitantes.

“O Atlas da Notícia é, antes de mais nada, uma ferramenta para conseguirmos enxergar quais as localidades mais carentes de jornalismo no Brasil”, explica Sérgio Spagnuolo, editor do Volt Data Lab. “Dessa forma, ao criar conhecimento sobre esses desertos informativos, o Atlas servirá como ponto de partida para entendermos melhor a configuração do jornalismo no país”.

Números

Em termos absolutos São Paulo é o estado com maior número de veículos noticiosos (1.641), seguido do Rio Grande do Sul (600) e Santa Catarina (547). O predomínio é dos meios impressos (63% contra 37% dos digitais). Já nos veículos online, a liderança proporcional é do Distrito Federal, seguido de Rondônia e Santa Catarina. O Maranhão é o estado com menor número de veículos online, considerando a relação por cem mil habitantes.

O sudeste ocupa o primeiro lugar nos números absolutos, com 2.643 veículos impressos e online, mas considerando a proporcionalidade na relação a cada cem mil habitantes cai para terceira posição. Neste caso, a liderança é da região sul com média de 5,49 veículos para cada cem mil habitantes, seguida do centro-oeste com 4,5 veículos, norte com 1,31 veículos.

A média mais baixa está no nordeste com 0,72 veículos. Os números do impresso acompanham a tendência do ranking geral. Ao considerar os veículos online a liderança passa a ser da região centro-oeste, seguida pelo sul, sudeste, norte e nordeste.

Das cidades do interior com mais veículos mapeados digitais e impressos são Campinas e Santos, empatadas em 12º lugar, com 30 veículos mapeados, seguida por Ribeirão Preto, em 19º lugar, com 22 veículos.

Já quando analisadas as regiões metropolitanas a liderança é do Distrito Federal, seguida de Porto Alegre, São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Das capitais de outras regiões do país, Belém aparece na sétima posição, seguida de Salvador, Fortaleza e Recife.

Quando considerados apenas os veículos impressos Porto Alegre assume o 1.º lugar no país, seguida do Distrito Federal, Curitiba, São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Quando se trata de veículos online, porém, o Distrito Federal ocupa a primeira posição, São Paulo a segunda e Porto Alegre a terceira.

Os dados e gráficos da pesquisa podem ser vistos aqui.

Portal Imprensa

Santa Catarina gera mais de 8 mil vagas de emprego em setembro, o segundo melhor resultado do país

Emprego com carteira assinada

Santa Catarina voltou a ser destaque nacional na geração de empregos. Em setembro, o Estado gerou um saldo de 8.011 novas vagas de trabalho com carteira assinada, segundo balanço do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, divulgado na tarde desta quinta-feira, 19. Entre todos os estados, Santa Catarina ficou em segundo lugar no mês, atrás apenas de Pernambuco, que registrou saldo de 13.992 novos empregos. No Brasil, o saldo foi de 34.392 postos de trabalho.

O governador Raimundo Colombo comemorou o bom desempenho. “A geração de emprego é um fator essencial para a retomada da economia e ver Santa Catarina se destacando mais uma vez confirma que estamos no caminho certo e que o pior já passou”, avaliou.

Entre os desempenhos por setores, destaque para a indústria (saldo de 2.696 em setembro), para o segmento de serviços (2.501) e para o comércio (2.072). O número de setembro também representou o melhor resultado para o mês desde 2013, quando foi registrado saldo de 11.224 vagas em setembro daquele ano.

Santa Catarina já tinha ficado em segundo lugar na geração de empregos em agosto, com um saldo de 6,1 mil vagas, atrás apenas do resultado de São Paulo, que naquele mês registrou 17,3 mil novas vagas.

Secretaria de Estado de Comunicação – Secom

Começa neste domingo, na Espanha, a maior regata do mundo que estará em Itajaí em abril

Volvo Ocean Race

O secretário de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, Leonel Pavan, participa neste domingo, 22, em Alicante, na Espanha, da largada oficial da 13ª edição da Volvo Ocean Race (VOR), que, em abril de 2018, estará em Itajaí, única parada na América do Sul da maior e mais difícil regata do mundo.

“Itajaí será o centro do mundo da vela em abril do ano que vem”, definiu o secretário Pavan. O município do Litoral Norte catarinense recebeu o evento pela primeira vez na regata 2011-2012, quando mais de 250 mil pessoas visitaram a Race Village montada para a competição. Na edição 2014-2015, recebeu novamente o evento e foi a segunda maior etapa em público, com mais de 350 mil pessoas.

Itajaí será o oitavo porto da regata. Após largar em Alicante, os barcos passarão por Lisboa (Portugal), Cidade do Cabo (África do Sul), Melbourne (Austrália), Hong Kong, Guangzhou (China), Hong Kong novamente e Auckland (Nova Zelândia). Após a parada catarinense, as embarcações seguirão a Newport (Estados Unidos), Cardiff (País de Gales), Gotemburgo (Suécia) e Haia (Holanda). A chegada à última estação está prevista para 20 de junho do ano que vem.

Em Itajaí, a Vila da Regata ficará aberta ao público de 5 a 22 de abril. A previsão é que os primeiros barcos cheguem ao Litoral catarinense no dia 8, após a parte mais difícil da prova, a passagem pelo Cabo Horn, no Extremo-Sul do planeta, que é considerado o mar mais radical do mundo.

No dia 20 de abril, será realizada a In-Port Race, uma competição que acontece nos locais de parada. No dia 21, os barcos estarão abertos ao público e, no dia 22, será a partida das sete equipes competidoras para o próximo porto. A estimativa é que a passagem da prova pela cidade gere mais de R$ 50 milhões em negócios para Santa Catarina.

O que é a Volvo Ocean Race?

A Volvo Ocean Race é conhecida como a competição mais longa e mais dura no esporte profissional e como um dos três grandes eventos no mundo da vela, ao lado dos Jogos Olímpicos e da America’s Cup. Considerada a Fórmula-1 dos Mares, a VOR terá na edição 2017-2018 a distância mais longa de sua história, navegando por quatro oceanos e com paradas em 12 cidades de cinco continentes, num total de 45 mil milhas náuticas.

Não há prêmio em dinheiro para os vencedores, mas ver o seu nome gravado em um dos anéis de prata que compõem o troféu da Volvo Ocean Race é considerada a maior recompensa para os competidores.

Transmissão ao vivo

O início da corrida será transmitido ao vivo em www.volvooceanrace.com e em www.facebook.com/volvooceanrace a partir das 13h30 pelo horário local (9h30, horário de Brasília).

Governo do Estado de Santa Catarina
Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte (SOL)
Assessoria de Comunicação

Volvo Ocean Race 2017-2018

Mais de cem municípios de SC já receberam equipamentos agrícolas da Secretaria da Agricultura em 2017

Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca investe na aquisição de equipamentos para fortalecer a agricultura familiar catarinense

A Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca investe na aquisição de equipamentos para fortalecer a agricultura familiar catarinense. Só em 2017, foram mais de R$ 11,5 milhões destinados para compra de 431 equipamentos agrícolas que hoje completam o parque de máquinas de 135 municípios.

Os recursos para aquisição de todos esses equipamentos são provenientes de convênios com o Governo Federal, R$ 2,1 milhões, e de recursos próprios da Secretaria da Agricultura, que somam R$ 9,4 milhões. Entre as máquinas repassadas para os municípios estão tratores, ensiladeiras, kits fenação, roçadeiras, carretas agrícolas, plantadeiras e conjuntos de inseminação artificial.

Segundo o secretário da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa, os equipamentos ajudam a diminuir a penosidade do trabalho no campo e acabam fortalecendo a agricultura familiar, que é a base da economia de grande parte dos municípios catarinenses. “Nós procuramos atender todos os municípios de alguma forma porque é lá que vivem as pessoas e onde se sente as maiores necessidades de apoio”, ressaltou.

A última entrega aconteceu nesta segunda-feira, 19, quando tratores foram cedidos para 22 prefeituras. Os equipamentos foram adquiridos em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), via emenda parlamentar, num investimento de R$ 1,6 milhão.

Os municípios beneficiados foram Guaramirim, Ilhota, Irineópolis, Major Gercino, Peritiba, Gaspar, Riqueza, São Lourenço do Oeste, Biguaçu, Xavantina, Cunhataí, Rancho Queimado, Ponte Serrada, Urussanga, Armazém, Presidente Nereu, Saudades, Luzerna, Vidal Ramos, Petrolândia, Irani e Camboriú.

Em seu discurso, Sopelsa destacou a excelência do agronegócio e o diferencial dos agricultores catarinenses. “As grandes empresas escolhem investir em Santa Catarina porque temos aqui homens e mulheres trabalhadores, que não medem esforços para crescer. É na diversidade de nossa cultura e na dedicação de nossos agricultores que está o segredo do nosso sucesso”, disse.

Representando os municípios atendidos, o prefeito de Presidente Nereu, Isamar de Melo, falou sobre a importância dos equipamentos para a economia local. “Nosso município é essencialmente agrícola. É na agricultura familiar que está baseada a nossa economia e os equipamentos são de grande valia para todos nós”, afirmou.

Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca
Assessoria de Imprensa

Prazo de 10 anos para atualização do plano diretor de Ilhota vence em dezembro

Plano de Diretor

Uma em cada três cidades com mais de 20 mil habitantes está irregular com o plano diretor em SC.

O plano diretor é o instrumento para regular o uso do solo nas cidades, evitar a ocupação desordenada e a especulação imobiliária em áreas de interesse social e ambiental, mas ainda não é levado a sério em muitos municípios. Quase um terço das cidades (29,5%) com mais de 20 mil habitantes de Santa Catarina está com o documento defasado ou ainda não o aprovaram.

Prestes a completar 16 anos de vigência, o Estatuto da Cidade determinava que até 2008 todos os municípios com mais de 20 mil habitantes deveriam ter criado seus planos e que, após a aprovação, as leis municipais deveriam ser atualizadas no máximo em 10 anos, após discussões constantes com a comunidade.

O documento é um grande esboço do que as pessoas esperam da cidade no futuro. Trata-se de uma lei municipal que rege a expansão urbana, as construções e indica como o município deve crescer na próxima década. Sem ele, defende a arquiteta e urbanista da Associação de Municípios da Grande Florianópolis, Valesca Marques, as cidades correm o risco de ter crescimento desordenado, sem sustentabilidade e de não atender às demandas dos moradores.

– É a lei primordial de um município. Ao lado do código de posturas, ele junta todas as questões que dão estrutura para as demais leis da cidade. Ela democratiza o uso da terra e a ocupação, postula normas e regras para todas as pessoas, norteia os novos empreendimentos e traz uma série de normas para que a cidade seja ocupada de maneira democrática.

A situação mais crítica do Estado é a de Capinzal, no Oeste, que tem mais de 22 mil habitantes e ainda não aprovou a lei municipal. Segundo Marcos Antunes da Costa, responsável pela fiscalização do município, o projeto de lei foi encaminhado para votação na Câmara de Vereadores no final do ano passado. Desde 1992, a prefeitura trabalha apenas com o Plano Físico Territorial, que define basicamente zoneamentos.

São José tem planejamento mais defasado

Entre as maiores cidades do Estado, o cenário mais urgente é o de São José. O município foi visionário no passado, mas hoje tem o plano mais antigo de Santa Catarina, aprovado em 1985, quando tinha cerca de 60 mil habitantes. Hoje, com mais de 235 mil (quarta maior população do Estado), a lei que rege a ocupação do solo é a mesma de 30 anos atrás, está cheia de emendas e não contempla mais a realidade.

Em 2004, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) chegou a elaborar com a prefeitura um novo plano, que não foi adiante. Entre idas e vindas, o tema voltou à discussão em 2014 com o plano diretor participativo e está na última etapa, a de audiências públicas, antes de ser enviado à votação. O secretário de Serviços Públicos Urbanos, Matson Luiz Cé, afirma que a atualização é urgente para estimular o crescimento da cidade de forma estruturada, equilibrada em todas as localidades e ter mais investimentos.

O plano que ainda está em vigor deixa o gestor com dificuldades para concessões e autorizações e para fomentar alguns setores do município, até mesmo para implantar aparelhos públicos. E não dá amparo legal para algumas situações, pois toda hora tem de se criar lei específica para liberar um empreendimento.

Um dos pontos que carecem atualização diz respeito a bairros como Sertão do Maruim, por onde passará o Contorno Viário da Grande Florianópolis, atualmente em obras. A característica da vizinhança é rural, mas com o fluxo de veículos a tendência é atrair investimentos e as terras valorizarem, com isso, a característica da localidade deve mudar.

A demora para atualização do plano em São José gerou gargalos no desenvolvimento da cidade, que cresceu muito nos últimas décadas e é a porta de entrada para a capital do Estado. Para o presidente da Associação de Moradores do Bairro Campinas, Érico Koenig, não ter um plano de acordo com a evolução da ocupação gerou aberrações, como empreendimentos instalados em locais estritamente residenciais e prédios de alturas diferentes.

Em muitas construções que saem na cidade, o fiscal é o próprio vizinho, que percebe não estar dentro do padrão e aí avisa a prefeitura
aponta Koenig

Valesca, entretanto, ressalta que tão grave quanto ter um plano defasado, é o fato de muitas prefeituras não disporem de um corpo de arquitetos e engenheiros para monitorar a implantação dos planos com rigor e delegarem a função a outros servidores sem conhecimento técnico.

Mesmo pequena e sem obrigação, Aurora aprovou um plano

Aurora, no Alto Vale do Itajaí, tem apenas 5,6 mil habitantes, mas decidiu ainda cedo planejar o crescimento da cidade. Desde outubro de 2014, o município conta com plano diretor. Prefeito na época, Valmir Zandonai (PP) diz que a mobilização começou porque a prefeitura percebeu o crescimento desordenado no centro da cidade e em áreas rurais.

O plano diretor foi elaborado em discussão com a comunidade, mas teve pontos polêmicos, como o aumento da largura das ruas em áreas rurais – ninguém queria perder parte do terreno para ceder ao passeio público –, obrigação dos proprietários em manter as calçadas no centro e mudança no limite de andares para prédios em alguns bairros.

Não era obrigatório a gente fazer o plano diretor, mas o prefeito tem que tomar uma posição pensando o futuro. Aí, o administrador vai gerir sempre dentro das regras, porque quando não tem, muitos vão tomar decisões da forma que quiserem
considera

Aurora é um dos 192 municípios de Santa Catarina que não são obrigados a ter um plano diretor, conforme as determinações do Estatuto da Cidade. Mas ao lado de 109 cidades desse grupo, tem a norma atualizada. Outras 20 cidades com menos de 20 mil habitantes já criaram a lei, mas há mais de 10 anos. Em Anita Garibaldi o decênio vence neste ano.

Planejamento em cidades com risco de deslizamentos e inundações

Além das cidades com mais de 20 mil habitantes, integrantes de regiões metropolitanas, áreas de interesse turístico ou que tenham zonas vulneráveis a deslizamentos de terra ou inundações (característica frequente em SC) também devem ter plano diretor atualizado, conforme o Estatuto da Cidade. Segundo a Defesa Civil do Estado, 77 delas estão nesta relação, 39 são as mesmas já obrigadas a ter o documento por ter mais de 20 mil habitantes, e 38 são cidades que variam de 2,3 mil a 19 mil moradores.

Destas últimas, apenas Três Barras, Turvo, Maracajá e Timbé do Sul não têm planos aprovados. Em Governador Celso Ramos, Correia Pinto, Ponte Alta e Rancho Queimado os planos têm mais de 10 anos e estão desatualizados. Em Luiz Alves e Ilhota, ambos no Vale do Itajaí, vence em dezembro o prazo de 10 anos para atualização.

A exigência foi incluída no Estatuto da Cidade em 2012 para garantir que os municípios restrinjam a ocupação em áreas de risco, além de garantir espaço em seu território para áreas de construção de moradias populares.

Para Sonia Rabello, professora de Direito Urbanístico da Universidade Estadual do Rio de Janeiro e do Instituto Lincoln de Políticas do Solo, cabe à população ficar atenta e acionar o Ministério Público caso perceba que a prefeitura não está cumprindo o Estatuto da Cidade.

O que determina o Estatuto da Cidade

  1. O Estatuto da Cidade estabelece que o Plano Diretor deveria ter sido criado até 2006, e posteriormente prorrogado para 2008, pelas cidades com mais de 20 mil habitantes; ou municípios que fazem parte de regiões metropolitanas; ou de áreas de especial interesse turístico ou que têm atividades com significativo impacto ambiental, como hidrelétricas, aeroportos, rodovias.O Estatuto da Cidade estabelece que o Plano Diretor deveria ter sido criado até 2006, e posteriormente prorrogado para 2008, pelas cidades com mais de 20 mil habitantes; ou municípios que fazem parte de regiões metropolitanas; ou de áreas de especial interesse turístico ou que têm atividades com significativo impacto ambiental, como hidrelétricas, aeroportos, rodovias.
  2. Deve ser feito com a participação da sociedade, por meio de audiências públicas, exposição das mudanças aos moradores e eleição de representantes dos bairros, que podem votar contra ou a favor das alterações propostas.
  3. Depois de aprovado pela Câmara de Vereadores, deve ser atualizado constantemente e totalmente revisado no máximo em 10 anos.
  4. O Conselho da Cidade, com representantes de órgãos públicos, associações de classe e moradores deve ser criado para monitorar a aplicação do plano.

Para que serve o plano diretor

  • É um grande manual, com lei, mapas e regras para guiar o crescimento da cidade e o funcionamento do município.
  • Propiciar o crescimento e desenvolvimento econômico sustentável; garantir atendimento às necessidades básicas do cidadão (saneamento, segurança e moradia) e o acesso democrático ao solo.
  • Deve conter delimitação das áreas urbanas e zoneamentos (residencial, industrial, comercial, públicos ou áreas de preservação) para aplicar parcelamento de solo, edificação ou uso obrigatório; prever áreas de interesse social para habitação popular; forma de aplicar tributos sobre o uso do solo ou transferência do direito de construir; prever espaço para operações urbanas consorciadas (áreas que podem ser ocupadas e urbanizadas pela iniciativa privada, mas respeitando o interesse público).

Fonte: Diário Catarinense

Junho Vermelho: Hemosc reforça importância da doação de sangue especialmente no inverno

Doação de sangue de Dialison Cleber Vitti

A doação de sangue é fundamental para atender emergências, cirurgias e pacientes que necessitam de constantes transfusões. Por isso, no Dia Mundial do Doador de Sangue, celebrado em 14 de junho, o Hemosc reforça a importância de fazer a doação em todas as épocas do ano, especialmente no inverno, quando os estoques de sangue estão reduzidos no estado. O Governo de Santa Catarina regulamentou a Lei nº 16.694, que institui o mês do Junho Vermelho.

De acordo com a diretora geral do Hemosc, Denise Linhares Gerent, as doações costumam cair em Santa Catarina no inverno. “Principalmente por causa do frio, muitas pessoas deixam de doar e, com isso, os nosso estoques caem e nós acabamos tendo problemas de abastecimento e de atendimento das solicitações”, explica.

Em Santa Catarina, a demanda por sangue é maior nas regiões do Vale do Itajaí, Norte do estado, Grande Florianópolis e na região de Chapecó. “São as regiões que atendem mais procedimentos de alta complexidade, além de cirurgias ortopédicas e cardíacas e atendimentos oncológicos; além de ter maior ocorrência de acidentes automobilísticos”, destaca Denise.

Mas a doação pode ser feita em hemocentros de todo o estado. Os endereços e horários de atendimento das unidades do Hemosc de Blumenau, Chapecó, Criciúma, Florianópolis, Jaraguá do Sul, Joaçaba, Joinville, Lages e Tubarão estão disponíveis em www.hemosc.org.br.

Para ser um doador de sangue é preciso ter entre 18 e 69 anos (doadores de 16 e 17 anos de idade precisam de ter autorização formal e estar acompanhados dos pais e/ou responsável legal), ter mais de 50kg e estar em boas condições de saúde, sem feridas ou machucados.

Os intervalos entre as doações devem ser de 90 dias para as mulheres, podendo realizar três doações em um ano; e de 60 dias para os homens, com quatro doações ao longo de 12 meses.

Todo o processo de doação leva, em média, 50 minutos e não traz riscos para a saúde. “Todo material é descartável e não pode ser reutilizado, então não há risco de contaminação. Algumas pessoas podem ficar um pouco tontas ou com enjoos, mas isso passa rapidamente e sem maiores riscos para o doador”, destaca Denise.

A diretora geral do Hemosc ressalta ainda que o Dia Mundial do Doador de Sangue é para agradecimento, mas também para conscientização. “Em Santa Catarina, nós conseguimos atender a nossa comunidade porque a população é bastante parceira e solidária, mas no inverno é preciso reforçar essa necessidade”, explica.

Recomendações para quem vai doar sangue

  • Evite o jejum e faça refeições leves e não gordurosas nas quatro horas que antecedem a doação;
  • Evite o uso de bebidas alcoólicas nas últimas 12 horas;
  • Leve um documento de identidade com foto: RG., carteira profissional, carteira de motorista etc;
  • Não fume por no mínimo duas horas após a doação;
  • Nas 12 horas após a doação, não pratique exercícios físicos e atividades perigosas;
  • Permaneça no serviço hemoterápico após a doação por 15 minutos;
  • Não forçe o braço em que foi realizada a punção no dia da doação;
  • Retire o curativo quatro horas após a doação.

Quem não pode doar sangue

Quem tem ou teve as seguintes doenças: hepatite após os 11 anos de idade, hanseníase, hipertireoidismo e tireoidite de Hashimoto, doença autoimune, doença de Chagas, Aids, diabetes e câncer. Já quem tem problemas cardíacos precisa de avaliação e declaração do seu cardiologista.

Fonte: Governo do Estado de Santa Catarina