Greve do magistério neste 18 de maio

Na audiência do Grupo Gestor do Governo do Estado com o SINTE/SC, realizada na manhã desta 3ª feira, 17 de maio, o governo não apresentou qualquer proposta e deixou claro que reconhece o Piso como salário inicial, mas não na carreira. O Governo quer medir forças com os trabalhadores em Educação, apostando no enfraquecimento de nossa luta e de nosso movimento na busca de nossos direitos legitimamente conquistados.

O SINTE/SC foi firme e mostrou a disposição da categoria de iniciar a greve a partir deste 18 de maio para exigir que o Governo Colombo respeite a Lei do Piso, sancionada em 2008.

GREVE é por tempo indeterminado e tem como objetivo pressionar o Governo Colombo de assumir compromisso com a Educação, valorizando o ensino gratuito, de qualidade e também os trabalhadores em Educação.

A lei está do nosso lado conforme julgou o Supremo Tribunal Federal que decidiu pela sua  constitucionalidade.  Na próxima segunda-feira, 23 de maio, teremos outra reunião com o Governo e esperamos que o mesmo apresente uma proposta concreta para ser avaliada pelo Comando de Greve e encaminhada às assembleias regionais que devem ser agendadas para a próxima terça-feira, 24 de maio,  com atos e manifestações para chamar a atenção da população sobre o descaso e a falta de compromisso do Governo Colombo com os professores e alunos da rede estadual.

Diante do quadro de descaso do Governo com o magistério e seus trabalhadores, vamos, a partir deste 18 de maio, fechar todas as escolas , lotar as assembleias regionais  e realizar a greve mais forte e aguerrida que nossa categoria já realizou neste estado.

Municípios como Lages, Criciúma, Jaraguá do Sul, entre outros já têm o Piso, mostrando que com a luta é possível conquistar o Piso.

Temos tradição na luta pela conquista de direitos dos trabalhadores do serviço público de Santa Catarina; são históricas nossas marchas na defesa da educação pública de qualidade. Neste momento, precisamos fortalecer nossa luta e exigir, definitivamente, que o governo assuma seu compromisso com a Educação, respeite a lei e implante o Piso nacional do Magistério em Santa Catarina, sem alteração no Plano de Carreira.

Anúncios

Sinte anuncia greve dos professores

Caro amigo do blog dcvitti!

Recebi esse email hoje do professor Arno, educador da escola Marcos Konder e quero compartilhar como todos, sobre o posicionamento Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Santa Catarina, e sou solidário ao movimento e apoio, condicionalmente a classe dos professores! Então, eis o manifesto… aproveito a oportunidade para você apoiar e repassar para o máximo de pessoas possíveis… apóie nossos professores!

Senhores pais:

Como vocês já devem ter ouvido através da imprensa, os trabalhadores da Educação da rede pública estadual de Santa Catarina paralisarão as atividades a partir do dia 18 de maio.

Informamos que o SINTE/SC tentou evitar esta situação, mantendo contatos desde o início do ano de 2011 com o Governo Estadual para negociar a pauta de reivindicação da categoria. Apesar de termos conversado com o Secretário de Educação e seus assessores, pouco ou nada foi resolvido quanto aos nossos pleitos.

O que os trabalhadores da Educação querem é que o governo de Santa Catarina cumpra a Lei do Piso aprovada pelo Governo Federal em 2008 e julgada constitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 6 de abril de 2011.  A lei existe, é legal e deve ser cumprida. A maioria dos estados brasileiros já paga o piso. Por que Santa Catarina não paga?

Em função disto, mais de dez mil professores, reunidos em assembléia estadual no dia 11/05 passado, resolveram que:

  • entre os dias 12 a 17 de maio serão ministradas aulas de 30 minutos;
  • a partir do dia 18 de maio (4ª feira), tem início a greve no magistério por tempo indeterminado;
  • durante este período serão intensificados os contatos com o governo do estado para que este cumpra o que a lei determina.

O futuro de seus filhos e filhas (vida, trabalho, salário, realização pessoal), em muito depende da educação que conseguirmos dar a eles. Por isso pedimos que apóiem a escola, os educadores nesta luta. Temos que fazer da escola um espaço que satisfaça aos anseios de todos os que realmente necessitam dela.

Só dependemos de que o governo faça a sua parte. Nós faremos tudo para resolver esta situação o mais rápido possível e, com isso, podermos retomar rapidamente nossas atividades normais.

Pedimos vosso apoio, compreensão e participação nessa luta.

Atenciosamente,

Coordenação estadual do SINTE/SC

É isso. Rock!