Padre Júlio Lancellotti ensina o que é ser cristão

Peço que você que assista e reflita os poucos minutos deste vídeo. Caso dê algum problema no player assista clicando esse link! Este vídeo se destina principalmente aos católicos. Sei que o ódio foi plantado no coração de muitos de nós, mas é preciso voltar as origens da fé e refletir de verdade. Tenha um ótimo dia eque tua semana seja abençoada por Deus! Ganhe alguns minutos de sua vida e ouça as palavras do Padre Júlio Lancellotti. Uma verdadeira aula de amor fraterno! #compartilhe.

Assista outros vídeos do Padre Júlio Lancellotti.

Anúncios

Vídeo registra o início da construção da galeria do bairro Vila Nova

A famosa construção da galeria da rua Angelo Três que iniciou no mês de fevereiro/2011, tinha uma previsão que a obra ficassem pronta em 120 dias. Bom! Há pouco tempo ela chegou no final da rua e se encontrou com a Avenida Joleto Valgas. Ao todo 360 famílias foram beneficiadas. “São 2270 mil pessoas que, com certeza, terão uma nova vida”, acrescentou o prefeito, na época, Ademar Felisky. A Defesa Civil investiu R$1,5 milhão no bairro Vila Nova com esta obra. Informações extraída do portal da Prefeitura de Ilhota. Acesse http://www.ilhota.sc.gov.br.

Quando os americanos correram do pau

Este vídeo mostra a retirada do exército americano de Saigon, Vietnã, oficializando o fim da guerra. Existem um série de vídeo, mas esse é especial. 30 de abril de 1975, “A Queda de Saigon” e foi o dia mais triste pra eles e não querem lembrar jamis disso. Ho Chi Minh, o “bin Laden” comunista está sempre presente.

Vídeo da inauguração do CEI Maria Terezinha Hammes Schmitz

Assista ao vídeo produzido por mim da inauguração do CEI Maria Terezinha Hammes Schmitz (Braço do Baú), que aconteceu na sexta-feira, dia 25 de março. O vídeo pode ser baixado, sem grilo algum, desde que você seja logado no portal.

Vídeo do I Torneio de vôlei da juventude

Resgatando um pouco da história de nossa atuação na frente da Assessoria para Assuntos da Juventude da Prefeitura de Ilhota onde realizamos esse evento inédito. Esse post apresenta a produção de um simples vídeo do I Torneio de Vôlei da Juventude de Ilhota, que aconteceu na noite de sexta-feira do dia 10/12/2010. A iniciativa fez parte da programação do I Ilhota Natal Luz. O campeonato reuniu seis duplas masculinas. Os vencedores foram Jonathan e Junior. Em segundo lugar ficaram Eder e André e em terceiro Maicon e Daniel.

Vídeos da enchente em Ilhota de 09/2011

Coleção de vídeos postados no YouTube que aborda sobre a enchente que aconteceu em setembro de 2011 em Ilhota. Aproveite essa postagens e dê um confere nas produções amadoras da galera cineasta da cidade.

Vídeo de 89 promove o resgate da sociedade ilhotense

Circula na maior rede social de streaming de vídeo do mundo, uma filmagem, um pequeno documentário que resgata a sociedade ilhotense no ano de 1989.

No filme, podemos reviver importantes personalidades da cidade, grandes amigos que se imortalizaram neste pequeno curta. Certamente, este é um importante e valoroso resgate cultural em que evidencia as pessoas. O vídeo está hospedado na conta do professor Dário Inácio Dalcastagne. Pelo que entender, o proprietário da produção é do genro do seu Henrique Schatt, o Galo. Portanto, todos os créditos são dele. Neste período, eu tinha 11 anos e morava com os meus pais no bairro de Pedra de Amolar. O incrível que podemos constatar é que antigamente nós éramos mais velhos que hoje. Dei muita risada ao ver o vídeo.

Testemunho de uma tragédia

Novembro de 2013 completo 5 anos da tragédia que assolou o estado de Santa Catarina e mais precisamente o nosso município de Ilhota. Tivemos no estado 135 vitimas fatais dos quais 35 em nosso município. Foi e é sem duvida a maior tragédia já vista e vivida pelo povo ilhotense, algo jamais esquecido por todos, principalmente por aqueles que são as vitimas diretas desta tragédia… muita dor… muita luta e acima de tudo fé e perseverança na reconstrução diária seja ela da alma ou dos bens materiais.

Nesta postagem, divulgo o vídeo relatando o testemunho da maior tragédia, ocasionada no ano de 2008, vivenciado pelo Major Neto, bombeiro militar que atuou diretamente neste evento. Por ele, podemos lembrar dos momentos de dificuldade e toda mobilização dos órgãos públicos e executivos lutando arduamente na tentativa de regatar e preservar a vida daqueles que encontravam em situação de risco eminente.

A maior epidemia infantil da história

Os dados são alarmantes: 56% das crianças brasileiras com menos de um ano bebem refrigerante – até mesmo em mamadeira. Um pacote de biscoito recheado equivale a oito pães franceses. Em cada cinco crianças obesas, quatro serão obesas no futuro. A maior parte das crianças brasileiras passa mais tempo em frente à televisão do que na escola. Redes de fast-food, em suas informações nutricionais, trocam a palavra “açúcar” por “carboidrato”. O filme “Muito além do peso”, de Estela Renner e Marcos Nisti, que estreou na semana passada e está em cartaz no Rio de Janeiro no cinema Arteplex, fala justamente não só sobre o problema da obesidade infantil, mas do sobrepeso – 30% das crianças brasileiras estão acima do peso. E de como isso pode interferir na saúde e no futuro desta geração.

Obesidade e sobrepeso carregam com elas outras doenças muito graves, que só víamos em adultos até então: diabetes tipo 2, alguns tipos de câncer, doenças do coração, pulmão, entre outros.  É preciso sacudir as pessoas em relação a esse assunto. Os pais sabem que seu filho está com colesterol alto, mas acreditam que vai passar, que sempre vai acontecer a fase do estirão. Muitos acreditam que a genética é a grande vilã e que seus esforços de alimentar seus filhos serão em vão. Poucos sabem que o fator genético ocupa somente 10% dos casos e que a obesidade e o sobrepeso podem também ser domados com uma reeducação alimentar”, defende Estela, que, também ao lado de Marcos Nisti, dirigiu “Criança a alma do negócio”.

O documentário também ainda chama a atenção para hábitos rotineiros que ajudam a piorar o problema: horas em frente à televisão e computadores, maus hábitos alimentares e a negociação do afeto ou da obediência por meio da comida. O filme mostra duas cenas de birra em que a criança só se acalma e para de chorar compulsivamente quando recebe a guloseima que tanto deseja – obviamente, recheada de calorias.

O filme, que levou dois anos para ser concluído, fez a equipe a entrevistar famílias de norte a sul, leste a oeste do Brasil: de grandes cidades a pequenos municípios, comunidades rurais e até aldeias indígenas. Entre as situações inusitadas, a de um cacique que é adepto do macarrão instantâneo e de crianças que não identificam uma batata ou uma cebola.

“O Brasil é um país enorme, mas os problemas alimentares das crianças, em geral, são os mesmos, independentemente de onde ou como vivem. Tanto a criança do Amazonas quanto a do Rio Grande do Sul não sabe o que é um mamão e não lembra quando foi a última vez que comeu uma manga. E todas adoram e consomem salgadinhos e refrigerantes“, contou Estela.

Além das entrevistas com as famílias e dos dados pesquisados, o filme ouviu uma série de especialistas nacionais e internacionais da medicina, da nutrição, do direito, da psicologia, da publicidade, entre outros. Entre eles, Frei Betto; Enrique Jacoby, médico da Organização Mundial de Saúde; o chef Jamie Oliver e Amélio Fernando de Godoy Matos, do Instituto de Diabetes e Endocrinologia. “As pesquisas, segundo Jamie Oliver, indicam que a criança de hoje viverá 10 anos a menos que seus pais por causa do ambiente alimentar que criamos em volta dela”, alerta a cineasta.

A diretora defende, como prevenção, uma campanha para a TV aberta nacional. “O que os especialistas nos dizem é que há necessidade de regulamentação de composição de produto por parte do governo, como também há necessidade de sobretaxar produtos que vão gerar custo para a saúde pública depois, como fazem com o cigarro, no caso de produtos muito ricos em açúcares gordura e sal. Há necessidade de educação nas escolas como parte do currículo escolar das crianças. Eles também apontam como fundamental as campanhas de mídia alertando para o que se deve e o que não se deve oferecer para o seu filho no cotidiano. Além disso, de aparelhar pais e mães para que eles possam ter e também dar uma educação alimentar em casa. É precisoregulamentar a publicidade dirigida às crianças urgentemente. Não podemos mais deixar que os pais sozinhos enfrentem esta batalha só porque eles são os pais das crianças. Os pais precisam de ajuda porque as crianças precisam de ajuda”.

As cenas dos bebês tomando refrigerante antes do primeiro ano de vida são as mais chocantes, na opinião de Estela. “Um dos nossos primeiros contatos com o mundo é por meio do aleitamento materno, e é um momento fundamental de reconhecimento e formação da relação mãe e filho.  Além de chocante do ponto de vista da saúde, acho muito simbólico, do ponto de vista das relações que estamos criando, ter um produto tão cheio de químicos já intrometido entre mãe e filho. Na minha casa, tenho três filhos e a batalha por uma alimentação saudável sempre existiu. Depois do filme, até a nossa equipe mudou os hábitos alimentares. Você convive com isso por quase dois anos, e naturalmente não tem mais coragem de colocar na boca uma coisa que tem um corante proibido na Europa porque provoca câncer. Quem assistir ao filme vai mudar”.

O mundo global visto do lado de cá

Como se dá a globalização? No documentário “Encontro com Milton Santos – O mundo global visto do lado de cá”, o fenômeno da globalização é analisado em todas as suas nuances, inclusive apresentando três vertentes da globalização ao redor do mundo: a globalização como é posta, a globalização da perversidade e o mundo por uma outra globalização.

O filme é certeiro ao mostrar situações que poderiam passar despercebidas como grandes sucessos da globalização e de fato mostram a realidade de uma sociedade fragmentada. Entre exemplos de privatizações de recursos naturais e corporações tão grandes quanto os níveis de miséria e desemprego, percebe-se a existência de uma sociedade baseada no modelo capitalista “selvagem”, onde as ações predatórias são justificadas ao se dar privilégios para uma minoria dominante. O mundo se divide em dois grupos: “o grupo dos que não comem e o grupo dos que não dormem com receio do grupo dos que não comem.” (José de Castro).

A mídia não escapa das críticas. Para Milton Santos, a mídia tem o grande poder de controlar a interpretação do que acontece no mundo e, por isso, se torna uma intermediária da globalização. Vejam o fenômeno “Avenida Brasil”: o subúrbio carioca retratado pela classe média-alta. Mas nesse ponto podemos dizer também que a maioria não-privilegiada teve sua revanche ao chamar atenção como movimento e mostrar que tem o poder de transformar a ordem imposta.