Desenvolvida vacina contra a febre chikungunya

febre chikungunya

Vacina de vírus de insetos

Pesquisadores da Universidade do Texas anunciaram o desenvolvimento da primeira vacina para a febre chikungunya, que agora começará a ser avaliada em testes clínicos. A vacina foi feita a partir de um vírus específico de insetos, que não tem qualquer efeito conhecido sobre os humanos, o que tornaria a vacina segura e eficaz.

Nos testes em laboratório, a vacina produziu rapidamente uma forte defesa imunológica e protegeu completamente camundongos e primatas não-humanos da doença quando expostos ao vírus chikungunya.

Esta vacina oferece proteção eficiente, segura e acessível contra chikungunya e estabelece os fundamentos para o uso de vírus que só infectam insetos para desenvolver vacinas contra outras doenças transmitidas por insetos,
disse o professor Scott Weaver

Vacinas: riscos x eficácia

Desenvolvida primeira vacina contra a febre chikungunyaTradicionalmente, o desenvolvimento de vacinas envolve opções mutuamente excludentes, sobretudo entre a rapidez com que a vacina funciona e a segurança para quem toma. Vacinas vivas atenuadas, feitas com versões enfraquecidas de um patógeno vivo, tipicamente oferecem imunidade rápida e duradoura, mas têm mais riscos. Por outro lado, a incapacidade das vacinas inativadas para se replicar aumenta a segurança à custa da eficácia, muitas vezes exigindo várias doses e reforços para funcionar adequadamente.

Pode haver um risco de doença com os dois tipos de vacina, seja pela inativação incompleta do vírus ou pelo enfraquecimento incompleto ou instável do vírus vivo, que é reconhecido quando indivíduos com uma vulnerabilidade bastante rara desenvolvem a doença ao tomar a vacina.

Para superar esses compromissos, os pesquisadores usaram o vírus Eilat como uma plataforma de vacina, uma vez que ele só infecta insetos e não tem impacto sobre os humanos. Na verdade, a equipe usou um clone de vírus Eilat para projetar uma vacina híbrida – ela é baseada em vírus, mas contém também proteínas estruturais do vírus chikungunya.

Vacina híbrida

A vacina híbrida Eilat/Chikungunya mostrou-se estruturalmente idêntica ao vírus chikungunya natural. A diferença é que, embora o vírus híbrido se reproduza muito bem nas células do mosquito, ele não consegue se replicar em mamíferos. Após quatro dias de uma dose única, o candidato a vacina induziu anticorpos neutralizantes que duraram mais de 290 dias nos animais de laboratório.

Os resultados, publicados na revista Nature Medicine, são promissores porque os relatos mais recentes indicam que o vírus chikungunya pode ser mais grave do que os vírus que causam dengue e zika.

Fonte: Diário Saúde

Anúncios

Brasil deve continuar preparação para enfrentar os vírus transmitidos pelo Aedes

Mosquito Aedes Aegypti

O Brasil deve continuar a preparação para enfrentar os vírus transmitidos pelo Aedes aegypti. O chikungunya, por exemplo, registrou em Pernambuco um número de casos maior do que o de zika no primeiro semestre, e já está afetando outras regiões do país. Baseada em dados do Ministério da Saúde, a avaliação é da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), que participou na terça-feira (8) de um simpósio internacional da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ).

De 3 de janeiro a 9 de julho de 2016, casos de zika em Pernambuco somaram pouco mais de 400, ao passo que as ocorrências de chikungunya chegaram a 31.397. No mesmo período em 2015, apenas 62 infecções por chikungunya no estado haviam sido notificadas. Em última revisão do Ministério da Saúde, que contabilizou casos até 17 de setembro, eram mais de 44 mil casos prováveis da doença.

Em evento na Academia Nacional de Medicina que ocorreu até quinta-feira (10), especialistas se reuniram para um balanço dos desafios e avanços da luta contra o zika desde novembro de 2015, quando o governo brasileiro decretou emergência nacional de saúde pública por causa da alta de casos de microcefalia.

“A previsão em Pernambuco e outros estados do Nordeste é de que o impacto do zika em 2017 não será tão forte quanto foi em 2015 e no início de 2016 porque muitos dos moradores desses locais já foram infectados nesse período. Uma preocupação forte agora pode ser o chikungunya, que está aumentando e é uma doença que tem sequelas, que também tem certa mortalidade e que supõe uma sobrecarga para os serviços de saúde e para a população. Tampouco estes novos vírus devem fazer esquecer a dengue, uma doença que mata”, explicou o coordenador da área doenças transmissíveis da OPAS, Enrique Vázquez.

Uma das preocupações das autoridades é a temporada de chuvas que tem início no fim do ano, pois precipitações estão associadas à presença do vetor das três arboviroses — o Aedes aegypti.

“Nos últimos anos, o governo tem desenvolvido um sério trabalho de conscientização da população, de controle vetorial, não tem por que mudar”, disse Vázquez, que destacou, no entanto, que cada vírus exige adaptações específicas dos sistemas e serviços de saúde na resposta às epidemias.

Fonte: ONU Brasil

Doenças que atingem 1 bilhão de pessoas e ninguém se importa

Doenças que atingem 1 bilhão de pessoas e ninguém se importa, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツ

Negligência

Com o impacto gerado pela epidemia do vírus zika, que se espalha para outras partes do mundo, parece fácil esquecer que centenas de milhões de pessoas nos países mais pobres ou em desenvolvimento sofrem de “doenças tropicais negligenciadas”, ou DTNs.

Trata-se de um grupo de doenças tropicais endêmicas, especialmente entre populações pobres da África, Ásia e América Latina. A negligência é das autoridades de saúde e das empresas farmacêuticas, que não veem essa parcela da população como mercado capaz de comprar medicamentos.

Surtos como o de zika, emergência internacional presente hoje em mais de 60 países e territórios, vêm e vão ao longo do tempo e ganham as manchetes da imprensa. Porém, silenciosamente, mais de 1 bilhão de pessoas em 149 países sofrem com as doenças tropicais negligenciadas.

Doenças Tropicais Negligenciadas

A Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece 18 doenças como DTNs: dengue, raiva, tracoma, úlcera de Buruli, bouba, hanseníase, doença de Chagas, doença do sono, leishmaniose, teníase/neurocisticercose, dracunculíase, equinococose, trematodíases de origem alimentar, filariose linfática, oncocercose (cegueira dos rios), esquistossomose, helmintíases transmitidas pelo solo e micetoma.

No Brasil, a DTN que tem maior incidência, em números absolutos, é a dengue, segundo a entidade Médicos Sem Fronteiras – ainda que, mais recentemente, venha havendo um esforço consistente para o desenvolvimento de uma vacina. Outra doença preocupante em território nacional é a hanseníase (lepra): o Ministério da Saúde registrou cerca de 28 mil novos casos de infecção em 2015.

Diferentemente da infecção por zika ou ebola – ou da gripe aviária e da Sars, voltando um pouco no tempo -, há pouco risco de as DTNs se espalharem pelo mundo desenvolvido. Os atingidos se concentram em áreas rurais remotas ou aglomerados urbanos, e a voz dessas pessoas quase não se faz ouvir pelo mundo.

Anos Vividos com Incapacidade

Nem todas as infecções por DTNs resultam em morte, mas conviver com elas pode ser debilitante. Uma maneira de medir o impacto de doenças na saúde da população é relacionar a duração média da enfermidade com sua gravidade, um indicador chamado Anos Vividos com Incapacidade (AVIs).

Embora a China e a Índia sejam os países mais afetados por DTNs, isso ocorre pelo tamanho das populações dessas nações. Ajustando a medição por população, países africanos, do Sudeste Asiático e pequenos arquipélagos como Kiribati e ilhas Marshall se destacam como as áreas mais atingidas.

Na República Democrática do Congo, um dos países mais afetados, o Instituto para Métricas Médicas e Avaliações, centro de pesquisa da Universidade de Washington, disse que apenas em 2013 houve mais de 8 milhões de casos de apenas uma DTN, a oncocercose ou cegueira dos rios, resultando em 500 mil AVIs.

A oncocercose é uma doença parasitária crônica transmitida por mosquitos que carregam o nematódeo Onchocerca volvulus. No corpo humano, essas larvas se tornam vermes adultos que podem causar cegueira, lesões cutâneas, coceira intensa e despigmentação da pele quando os vermes morrem.

Avanços e retrocessos

Apesar de a oncocercose ser uma das DTNs mais disseminadas, muitos países a controlaram pela aplicação de inseticidas, e houve uma queda de 24% de 1990 a 2013 nos AVIs causados pela enfermidade no mundo.

Há outros casos bem-sucedidos. Infecções intestinais por nematódeos, como aquelas causadas por vermes em forma de gancho, registraram a maior queda entre as DTNs – 46% até 2013. Já o chamado verme-da-Guiné, causador da dracunculíase, está quase erradicado.

Mas enquanto a maioria das DTNs registram prevalência menor em 2013 do que em 1990, algumas estão em alta, e certas doenças possuem um potencial de estrago maior do que as enfermidades que estão recuando.

A leishmaniose é uma delas: Cerca de 12 milhões de pessoas estão infectadas, e houve um aumento de 136% nos AVIs desde 1990. E o caso mais preocupante é da dengue, doença conhecida dos brasileiros, mas distante do mundo desenvolvido. Segundo a OMS, há registro de cerca de 390 milhões de casos de dengue no mundo por ano, e 96 milhões desses casos resultam em doenças com alguma severidade. Houve aumento superior a 600% nos AVIs causados pela dengue desde 1990.

Fonte: Diário Saúde

Doenças que atingem 1 bilhão de pessoas e ninguém se importa, Dialison, Dialison Cleber, Dialison Cleber Vitti, DialisonCleberVitti, Dialison Vitti, Dialison Ilhota, Cleber Vitti, Vitti, dcvitti, @dcvitti, #dcvitti, #DialisonCleberVitti, #blogdodcvitti, blogdodcvitti, blog do dcvitti, Ilhota, Newsletter, Feed, 2016, ツ

Documentário sobre direitos das mulheres e zika vence Prêmio Vladimir Herzog

Produzido pela TV Brasil, o documentário “Mulheres do Zika” teve o apoio da ONU Mulheres, do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e da Secretaria de Políticas para as Mulheres, além de assessoria técnica da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS). A entrega dos prêmios ocorrerá na semana que vem (25), em São Paulo, e terá transmissão ao vivo pelo site www.tvpuc.com.br.

O impacto da síndrome congênita do vírus zika na vida das mulheres brasileiras foi tema do programa “Caminhos da Reportagem”, escolhido como o melhor documentário de televisão pela 38ª edição do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia de Direitos Humanos.

Leia mais acessando esse link!

Fonte: ONU Brasil

Vírus zika é um desafio à saúde pública

A Organização Mundial da Saúde, OMS, confirmou que o vírus zika, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, danifica o sistema nervoso central de adultos e dos fetos. O vírus pode provocar problemas no nascimento, incluindo uma malformação congênita chamada microcefalia, e já se espalhou por mais de 70 países e territórios.

Só no Brasil mais de 190 mil pessoas foram infectadas e cerca de 2 mil casos confirmados de microcefalia foram registrados. Os cientistas estão correndo para desenvolver uma vacina, com testes clínicos programados para o final desse ano. Confira nessa matéria especial da TV ONU, produção do Centro de Informação da ONU para o Brasil (UNIC Rio).